Tópicos Recentes
Destaques
Klaus
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Akira
Sasha
Ás
Shiori
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Últimos assuntos
四 - Morte e SangueHoje à(s) 1:21 ampor  Koji6º Capítulo: Gigantes versus Dragões!Ontem à(s) 11:23 pmpor  Sashaficha Aika KinOntem à(s) 10:50 pmpor  mestrej2° - De Dawn a Shells - Uma viagem para conhecimento.Ontem à(s) 10:39 pmpor  SaruNo Maidens?Ontem à(s) 9:38 pmpor  IzumiCap. 2 - Ascendendo às profundezasOntem à(s) 9:23 pmpor  VanKaoru KageyamaOntem à(s) 9:09 pmpor  Kaoru[Pedido de instrutor] - TaliyahOntem à(s) 9:00 pmpor  nothawaiian[TUTORIAL] - TaliyahOntem à(s) 8:56 pmpor  nothawaiianPorradaria e Fuga: Grand Line Drift. [3]Ontem à(s) 8:46 pmpor  Van
 :: Oceanos :: Blues :: North Blue :: Lvneel
Página 4 de 9 Página 4 de 9 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9  Seguinte
Sasha
Ver perfil do usuário
Imagem : Operação G.R.E.T.A. - Página 4 Giphy
Créditos : 17
Localização : Rota 6 - Piutôv
SashaRank B
https://www.allbluerpg.com/t340-sasha-sparks#1002 https://www.allbluerpg.com/
Operação G.R.E.T.A. Qui Jan 20, 2022 6:29 pm
Relembrando a primeira mensagem :

Operação G.R.E.T.A.

Aqui ocorrerá a aventura do(s) Agentes Aiko Saito, Chocho Kimiko, Eleine Worzel, Elizabeth Steinberg, Huang Meifeng e Zansa Minos. A qual não possui narrador definido.

_________________



Operação G.R.E.T.A. - Página 4 WN4Utd7


Akuma Nikaido
Ver perfil do usuário
Imagem : Operação G.R.E.T.A. - Página 4 C7LTNQc
Créditos : 27
Re: Operação G.R.E.T.A. Sex Fev 18, 2022 4:11 pm

Operação G.R.E.T.A.
Agente:Chocho KimikoRelatório:
Localização:Lvneel6
Missão: Treino-
Sentia minhas pernas bastante doloridas ao acordar e, apesar da dor, sorria por dentro. Meus músculos protestavam, mas aos poucos tornava-me cada vez mais preparada e forte. Disposta a fadigar-me ainda mais e temperar minhas pernas na base da força de vontade, ainda forçava mais um pouco o uso de geppou e soru, aprendendo a usá-los como em uma dança. Por mais satisfeita que estivesse, sentia cada fibra muscular minha protestando, obrigando-me a mancar enquanto andava até chegar a sala de Smith.


— É claro, senhor! Aprender e dominar os Rokushikis não será fácil, continuarei treinando e me aperfeiçoando todos os dias! Dizia, batendo uma continência, torcendo para que não notasse minha dificuldade em deambular. Percebia, nessa hora, a presença de Aiko e cumprimentava-a, sorrindo para a garota. Logo recebíamos notícias animadoras e, de quebra, nossa nova missão. Assentia com seriedade enquanto ouvia os detalhes, ficando com o olhar especialmente vidrado ao ouvir a palavra revolucionários. — Pode deixar, senhor! Não deixaremos que revolucionários contaminem a sociedade dessa ilha!


Respirava fundo, determinada, apenas para ser interrompida por uma Aiko pegando em minhas mãos e disparando uma série de palavras sem sentido. Desnorteada, como somente a garota conseguia me deixar, sentia meus olhos rodando e as pernas cedendo levemente, mas ainda conseguia manter algum equilíbrio enquanto curvava-me para a frente e abraçava minha colega, numa tentativa de manter-me em pé e não demonstrar a meu superior minha dificuldade em andar. — Obrigada, Aiko-chan, pela preocupação! Vamos, juntas, ajudar a todos daqui da ilha, certo?


Por mais que não entendesse exatamente o que motivara Aiko a se portar daquele jeito, conseguia entender de alguma forma a relação entre o que dizia e seus pensamentos ilógicos a respeito de sexo e de virar mãe. Algum dia, com tempo e paciência, eu deveria explicar a ele como as coisas funcionavam e acalmá-la, mas por hora era apenas mais fácil lidar com sua loucura embarcando junto. Aproveitava para ler, então, enquanto voltava a me erguer, os documentos dados por meu superior. Após absorver todos os detalhes, perguntaria a Smith: — Senhor, nesse caso, prefere que reprimamos exercendo nossa autoridade como agentes do Governo ou que observemos de perto para interromper e capturar os líderes da revolta no momento que começarem a tomar alguma atitude? Mostrava nossos uniformes enquanto apresentava minha dúvida. — Se for para intimidar, irmos como agentes parece a melhor escolha, mas se quisermos identificar e capturar os revoltosos seria melhor se fossemos disfarçadas, certo?


Aguardaria por sua resposta. Caso fossemos disfarçadas, apenas ajustaria meu quimono para ficar amarrado e cobrir minhas roupas do governo por baixo. Esconderia, também, a bainha de meus dois floretes dentro do quimono, de modo a parecer como uma civil. Ao sairmos da sala, antes de sairmos do quartel, pediria por um momento para que Aiko fosse se trocar e, então, me encontrasse na entrada do QG. Correria, então, na velocidade que desse conta apesar de minha dor, para meu quarto, onde pegaria Sakuranoha. Indo, então, para reencontrar-me com minha companheira, diria a ela: — Por falar em promessas, Aiko-chan, fiz essa katana para que use. Talvez não seja tão bonita quanto uma katana comum, mas reforcei sua base para tentar impedir que acabe se quebrando. E não se preocupe caso isso venha a acontecer. Isso significará apenas que preciso ainda melhorar como ferreira e criar uma espada ainda mais incrível!


Se não fosse interrompida pela agente, passaria o caminho todo até o porto tagarelando, animada, sobre como fiz a espada, as técnicas utilizadas em torno de sua criação, como fazer seu manuseio e cuidado adequados, etc.. Não o faria de propósito, mas minha empolgação transparecia enquanto conversava sobre tal tema. Entretanto, ao chegarmos próximos do local da missão, retomaria o tom sério e pediria para Aiko me contar sobre o que ela andou cozinhando nos últimos tempos. Um papo entre duas jovens sobre culinária em meio a multidão era um disfarce perfeito para não chamarmos atenção em meio às pessoas que andavam por ali. Embora parecesse distraída e entretida com o papo, ficaria atenta a meus arredores, como se estivesse apenas admirando a cena, prestando atenção principalmente nas falas e nas movimentações suspeitas de quem estivesse em nossos arredores. Iniciaria, assim, minha patrulha. Esperava só que minhas pernas já houvessem se recuperado o suficiente para ao menos eu andar normal, sem estar mancando.

Objetivos:



Ganhos:  Perícia criptografia
Rokushiki Soru desbloqueado
Rokushiki Geppou desbloqueado

Perdas:
Relações: -
PdV: 12.340
STA: 400
Força: Hábil
Peso máximo suportado: 704 kg
Destreza: Talentoso
Acerto: Hábil
Reflexo: Talentoso  
Constituição: Regular  Agilidade: Hábil
Acrobacia
Anatomia
Mecânica
Estratégia
Forja
Mineralogia
Física
Criptografia
Dança
Ofício: Ferreira
N/A
[/b]
Wesker
Ver perfil do usuário
Imagem : Operação G.R.E.T.A. - Página 4 Imagem_Icone
Créditos : 17
Re: Operação G.R.E.T.A. Sex Fev 18, 2022 5:09 pm
Operação G.R.E.T.A
Agente:Elizabeth SteinbergRelatório:
Localização:Lvneel - North Blue7
Missão:Nenhuma


Seguia pelo túnel um tempo depois do coelho. O pouco espaço que havia por ali dificultava muito o movimento mesmo para alguém do meu tamanho, tornando tudo aquilo um pouco mais frustrante a cada passo e galho quebrado.

Quando por fim via uma literal luz no fim do túnel, tomava mais cuidado e me encostava na parede ao final, certamente aquela pista tão lúdica havia me levado a algum lugar. A cena que eu via parecia mais uma vez ter saído direto de um livro infantil.

Uma mulher com orelhas grandes e peludas, certamente uma mink, conversava com o coelho que eu estava seguindo até ali. A bem da verdade, ficava surpresa e confusa pois nunca soube sobre essa habilidade dos minks mesmo que uma das agentes em missão comigo pertencesse à mesma raça da mulher em questão.

Deixava entretanto o espanto de lado abraçando a racionalidade (ou falta dela) em mim. Aquela altura, já havia seguido as pistas de um livro infantil o suficiente para que não fizesse sentido duvidar de qualquer explicação que parece “mágica”. Além disso, as informações que o coelho dava sobre mim deixavam claro que aquilo não poderia ter sido escrito em nenhum tipo de carta.

Tinha que pensar rápido. Deduzi que o termo “roupas chiques” havia entregado que éramos agentes na floresta. Se eles soubessem que estávamos chegando perto, poderiam sair dali. Por fim, duvidava muito que ela estivesse sozinha o que significava que não seria uma luta um contra um.

Olhava de novo para aquela sala. Havia uma festa do chá exatamente como no livro e vários coelhos se sentavam ali quase como se fossem seres humanos. Provavelmente eram adestrados. Ser furtiva para derrubar a mulher antes que ela saísse dali beirava o impossível.

Era então que as palavras do agente Roy me vinham à cabeça. A missão era simplesmente levar a informação de como as mensagens eram passadas e eu já havia descoberto isso. Nesse momento, a imagem dos agentes do Governo Levando meu pai e de Sophia usando tão orgulhosamente o maldito uniforme me vinham a cabeça. O que me interessava que eles fossem fugir? Eram inimigos do governo e se não fossem pessoas más, eu não teria razão para bater neles em prol desta organização corrupta. A única coisa que estava ali para fazer era cumprir minha missão e manter meus amigos a salvo, não poderia botar isso em risco pela minha simples vontade de lutar.

Cerrava os punhos controlando meus instintos e decidia dar meia volta. Usaria de novo da furtividade para sair por onde entrei. Me manteria atenta no caminho de volta para tentar chutar e nocautear quaisquer coelhos que aparecessem. Caso saísse da toca, simplesmente buscaria em minha memória o caminho de volta e começaria a seguí-lo, usando a espada e a habilidade furtiva para fazer discretas marcações de uma letra E que me indicassem o caminho de volta caso precisasse guiar os agentes.

Voltaria diretamente para o QG, em busca do agente Roy. Apenas tomaria o cuidado de avisar em voz baixa sobre a trilha e o que estava fazendo caso me encontrasse com outras agentes no caminho. Se conseguisse chegar ao QG sem nenhum grande empecilho, iria até a sala de Roy para reportar - Senhor, Elizabeth Steinberg se apresentando. Um dos revolucionários é uma mink, ela parece falar com animais e usa coelhos para transmitirem as informações. Usei minha espada para traçar uma trilha com letras E até a entrada que os animais usam. Precisará enviar agentes que tenham aproximadamente o meu tamanho para passar e é bom que se apressem pois eles sabem que tem agentes na floresta.

Depois de reportar, aguardaria a próxima ordem e se preciso contaria a estratégia que havia usado com furtividade para esconder as marcas de “E que formavam a trilha”. Me perguntava se os revolucionários conseguiriam se tocar que estive ali e fugiram a tempo. Não tinha nada contra aquele grupo e, de fato, concordava com muito sua luta apesar de não ter anseio de me juntar a grupos tão militarizados. Apenas torcia para que não acabasse recebendo ordens de derrotá-los.




Nome: Elizabeth Steinberg
Cargo: Agente Junior – CP2
EDC: Espadachim/Lutador
Profissão: N/A

Ganhos: Se for no evento, nenhum. Ignore essa aba se estiver lendo em um post do evento.

Espada (Igual a da ficha, troquei pra atualizar o bonus)

Luvas
Perdas: N/A
Relações com NPCs: (Depois faço, por hora só vou listando quando lembrar).

Nível: 2
Experiência: 1090

PdV: 25.900
STA: 200

Força: 201 + 80 (Racial) + 120 (Edc) + 60 (Arma) = 461 (Hábil)
Destreza: 200 (Regular)
Acerto: 0 + 120 (EDC) = 120 (Regular)
Reflexo: 1 (Regular)
Constituição: 888 + 80 (Racial) = 968 (Hábil)

Agilidade: 60
Oportunidade de Ataque: 3
Redução de Dano: 8,5%
A única coisa que tenho é coragem

_________________

Operação G.R.E.T.A. - Página 4 Sign_Bismarck_V1_-_Tamanho_certo_borda_branca
Vincent
Ver perfil do usuário
Imagem : Operação G.R.E.T.A. - Página 4 Fce235abf356e340a772bbaaecb92d1c
Créditos : 00
VincentCP 2
https://www.allbluerpg.com/t723-huang-meifeng https://www.allbluerpg.com/t1050-operacao-g-r-e-t-a
Re: Operação G.R.E.T.A. Sab Fev 19, 2022 12:28 am
Operação G.R.E.T.A
Agente:Huang MeifengRelatório:
Localização:Lvneel07
Missão:Reconhecimento


Felizmente a mulher não aparentava estar com algum ferimento visível, porém seus músculos estavam estranhamente enrijecidos de uma forma um tanto anormal. Não poderia precisar bem a situação a qual ela se encontrava e isso evidenciava uma certa falta de preparo de minha parte. Mas ao menos podia ajudá-la no que estava ao meu alcance já que ela estava com dificuldades para respirar e eu conseguia reanimá-la.

Ela estava claramente muito confusa e o medo que estava sentindo era visível em seu olhar e sua tentativa desesperada de se erguer acabava fracassando quando caía no chão novamente. Não era o momento para isso, tentaria acalmá-la para podermos conseguir entender totalmente a situação - Ei,não seja precipitada, você precisa respirar um pouco e ficar calma seguraria uma de suas mãos para lhe passar tranquilidade - No seu estado atual não vai conseguir salvar seu irmão, então nos deixe ajudá-la diria em seguida.

Não a deixaria se levantar até que tivesse total certeza de que tudo estava dentro dos conformes - Vai ficar tudo bem, como posso chamá-la? esperaria algum tempo para que ela desse a resposta. Pressioná-la com perguntas nesse instante poderia ser ineficiente, afinal ela não estava processando as ideias corretamente e fazendo isso apenas aumentaríamos a tensão que ela já estava sentindo. O melhor a se fazer era deixá-la fazer as coisas de maneira tranquila - Certo, pode nos contar agora se você sabe algo sobre os revolucionários? repetiria a pergunta feita por Eleine.

Com as coisas mais calmas a ajudaria a ficar de pé novamente, segurando-a para que tivesse algum pouco de firmeza a primeiro momento. Aproveitaria para ver se em sua nunca tinha uma marca que sinalizasse a pancada que ela tinha recebido - Talvez devêssemos chamar as outras talvez elas também tivessem encontrado alguma situação ou informação relevante e poderiamos reuni-las para chegarmos até os revolucionários.

Além da mulher, o que mais tinha de relevante por ali era um pedaço de corda que estava em um galho - Sim, talvez tenha algum outro galho quebrado por perto que nos dê alguma direção estava de certa forma pensativa enquanto falava com Eleine -
Para qual lado você estava indo antes de desmaiar
questionava a mais nova integrante do trio. Olharia também toda a vegetação que havia por ali, talvez alguma outra parte da corda ou até mesmo algum outro tipo de rastro poderia estar escondido por ali.



Nome: Huang Meifeng
Cargo: Agente Junior – CP2
EDC: Artista Marcial
Profissão: N/A
Ganhos: N/A
Perdas: N/A
Relações com NPCs:  
PdV: 9440
STA: 300

Força: 919  + 60 + 180 + 60 = 1219~Talentoso~
Destreza: 579 ~Hábil~
Acerto: 181 + 40 + 180 = 401 ~Hábil~
Reflexo: 40  + 60 = 100~regular~
Constituição: 100 ~Regular~

Agilidade: 250
Oportunidade de Ataque: 3
Redução de Dano: 0
 • Anatomia
• Interrogatório
• Lábia  
Yami
Ver perfil do usuário
Imagem : Operação G.R.E.T.A. - Página 4 SFDBQPA
Créditos : 04
Localização : Alabasta - 7ª Rota
YamiAvaliador
https://www.allbluerpg.com/t343-shimizu-d-akira#1013 https://www.allbluerpg.com/t1413-hellhounds-5-darude-sandstorm
Re: Operação G.R.E.T.A. Seg Fev 21, 2022 12:48 am

Operação G.R.E.T.A



Pepe e Akuma

Uma reação amargurada por parte de Aiko fazia a bibliotecária ficar confusa, e por mais que tentasse prosseguir com aquele diálogo, a agente rapidamente se retirava para manter sua cabeça afastada daquele terror que havia sido criado. E, assim como Chocho, acabava por descansar pacificamente, mantendo a cabeça nas preocupações do dia seguinte. E o dia seguinte chegava depressa, com a dupla desejando mais algumas horas de cama, mas não era hora para isso.

O encontro acabava sendo feito na porta da sala do Agente Smith, que imediatamente designava uma missão para a dupla, antes de lhes antecipar sua intenção de encaminhá-las até a Grand Line, onde seus esforços seriam mais apreciados. — Uniformizadas, agentes. Se não for uma missão de infiltração, vocês devem se manter devidamente uniformizadas. Com o passar dos cargos, vocês terão maiores liberdades na escolha de seus figurinos, mas por hora precisamos manter as burocracias. — Ele explicava de forma direta, sem dar chance para que a missão fosse feita disfarçadamente. — A missão é vocês representarem a influência e cuidado do Governo Mundial neste território. Quando os revolucionários perceberem que aqui não é uma terra de ninguém, irão voltar para o buraco de que vieram. Caso algum deles acabe sendo mais rebelde, vocês tem permissão para lidar com o problema diretamente. — Com a autorização para força letal em caso de necessidade, a dupla saía da sala com a pasta em mãos.

A pasta era relativamente fina, tendo em vista as informações ainda serem muito recentes. De acordo com os relatórios, o Tenente Miyamoto, o marinheiro que havia ensinado as meninas no dia anterior, havia conseguido com sucesso afundar um navio de carga de armamento dos Revolucionários na ilha. Além disso, após as informações vazadas sobre os meios de comunicação da célula Revolucionária no dia anterior, aquilo havia sido o bastante para que alguns rebeldes ficassem nervosos o bastante para irem até as ruas e tentarem causar algum alvoroço. De acordo com os relatos, os civis estão convencidos de que o navio no qual o Tenente Miyamoto afundou na noite anterior carregava importantes pesquisas sobre o tratamento da Gripe de Ferro, uma doença recém descoberta pela ilha que tem causado um certo pânico pela população nos últimos dias. Além do mais, parece que essas revoltas estariam ocorrendo por diversos focos pela ilha, mas o local designado pela dupla era no porto central.

Utilizando do pavor para propagar sua revolta, os Revolucionários haviam feito uma jogada arriscada, contaminando a mente da população desesperada durante a última noite e esta manhã. Não era atoa que o Agente Smith havia visto a necessidade da presença marcante do Governo Mundial, e não apenas da Marinha, para acalmar os ânimos. Durante o caminho, Aiko acabava bombardeando Chocho com seus receios, que deixava sua amiga extremamente confusa, entendendo que chegaria a hora de conversar com a mesma para esclarecer determinados pontos.

Por fim, o caminho acabava sendo feito depressa. O dia estava bem ensolarado e agradável, mas o som da multidão se fazia presente no momento em que haviam saído do Quartel General. Marinheiros e Agentes circulavam preocupados, trocando informações e retornando com relatórios. Até mesmo alguns agentes e marinheiros estavam pilotando carroças com diversos homens presos na traseira, provavelmente problemáticos que haviam sido influenciados pelos revolucionários.

O porto de fato era um ponto bem localizado, mas era pequeno o bastante para que a dupla conseguisse cobrí-lo sem muitas dificuldades em decorrência de sua organização. Chegando perto, já era possível ver cerca de cem pessoas em frente a um grande navio, onde um homem musculoso estava em cima de uma caixa de madeira, tentando amenizar os ânimos do pessoal. Ele tentava falar em voz alta, mas seus esforços eram abafados pela voz da população insatisfeita. E, no momento em que a dupla fosse visualizada, eles começavam a vaiar e apontar para as agentes, enquanto o homem musculoso parecia clamar por ajuda em seu olhar.

Wesker

Aquela loucura no país das maravilhas estava longe de ser um local convidativo para uma agente estar presente. Elizabeth sabia que poderia derrotar aquela Mink rapidamente, mas e se aquilo comprometesse sua missão? Afinal de contas, seu objetivo naquela floresta era de relatar a maior quantidade possível de informações para seus superiores. Era difícil ir contra seus instintos e quebrar aquela Mink ali e agora, mas a jovem era astuta o bastante para discernir o melhor caminho a ser seguido.

Retornando da mesma maneira furtiva que entrou, Elizabeth encontrou certa dificuldade para sair pelo estreito buraco, mas bastou um pouco de esforço para sair dali. Quando achou que ia ficar entalada, a mesma começou a ouvir passos vindo pelo túnel, provavelmente significando que a Mink estava a caminho de sair também. Apertando o passo, Elizabeth enfim acabava saindo e se ocultava longe, notando a revolucionária, junto com uma dupla de coelhos, seguindo mata adentro.

O caminho pela floresta era tortuoso, mas não o bastante para fazer com que a agente ficasse perdida por muito tempo. Retornando para a sala do Agente Roy, já arfando pelo cansaço. O Agente olhava preocupado para a mesma, que não havia retornado com o seu grupo. — Uma Mink? Suspeitei disso a princípio, mas seria um tiro no escuro… A Agente Zansa poderá ser útil para tentar interceptar as mensagens, onde está ela e as demais? — Ele perguntava, preocupado, já se levantando e se dirigindo para a sala do Agente Smith, de modo a reportar imediatamente a informação. Se informado para o mesmo sobre a separação, ele expressaria uma face de preocupação. — Elas podem estar em perigo agora mesmo e ainda precisamos decifrar a mensagem que estão transmitindo… Peço que retorne e tente encontrar suas companheiras imediatamente. Irei reportar as informações ao Agente Smith e irei pessoalmente até a tal árvore. Caso necessário, nos encontraremos por lá. — Ele dizia com um senso de urgência.

Vincent e Gregar

A confusão no corpo daquela agente não era o bastante para frear sua determinação em encontrar o seu irmão. Ela se erguia com dificuldade, e com um pouco de ajuda, já estaria de pé observando os arredores, como se tentasse se localizar devidamente para saber até onde ir. — Me chamo Ying. E não falhamos na missão. — Ela dizia, fuzilando Eliene com o olhar. — Após meu irmão ter sido pego na armadilha, apenas deu tempo de ver algumas sombras pelas árvores e então, o choque. — Ela colocava a mão atrás do corpo, tateando em busca de algum objeto. — Os desgraçados ainda pegaram minhas foices. — Resmungava, mas precisando lidar com tudo aquilo mesmo sem elas.

Para o azar da dupla, nenhuma delas sabia exatamente como rastrear uma pessoa, mesmo em condições favoráveis como aquela. Entretanto, parecia que Ying sabia exatamente para onde olhar, apontando para alguns galhos amassados e folhas espaçadas, que não significava nada para Eliene ou Mei. — Por aqui. Não devem estar longe. — Ela comentava, guiando o caminho enquanto ainda recuperava suas forças.

Mesmo que ficasse a critério da dupla o pedido por reforços, a mulher não parecia que iria esperar para ter seu irmão de volta. Caso acabassem seguindo a mesma, adentrariam por dezenas de metros mata adentro, praticamente se perdendo se não estivessem sendo guiados pela trilha no qual apenas Ying estava vendo. Alguns minutos se passavam, até que o som de um soco abafado era escutado a cerca de dez metros dali. Correndo contra o tempo, o trio acabava se ocultando por detrás da vegetação, apenas para ver uma preocupante cena. Haviam três homens utilizando trapos verde-musgo em cima dos ombros, enquanto um homem, praticamente idêntico à aparência da outra agente, estava amarrado por cordas em um tronco de árvore. Além deles, também havia uma mink coelho observando a sessão de golpes, juntamente com dois coelhos em seu ombro. — Vamos logo. Os fofos falaram que era uma menina loira. Pode haver outros deles por aqui. — Ela falava preocupada, apesar de não parecer se importar em ficar mais um tempo assistindo a tortura. — Então deixe eu começar a pegar mais pesado pra ver se o esse daqui vai abrir o bico e dizer o motivo de estarem por aqui. — E, com isso, dava mais um soco, fazendo o homem cuspir sangue,

Ying colocava a mão na boca, extremamente afetada com toda aquela cena. Haveria a necessidade de interrupção das demais agentes caso quisessem interromper dela avançar para um combate, ou talvez seria a hora do trio partir pra cima enquanto o resto estava distraído.

Pepe - Aiko:

”Akuma - Chocho:

Vincent - Mei:

Wesker - Elizabeth:

Gregar - Eliene:



_________________

Operação G.R.E.T.A. - Página 4 V8upj2D

Operação G.R.E.T.A. - Página 4 YDNzcDa
Akuma Nikaido
Ver perfil do usuário
Imagem : Operação G.R.E.T.A. - Página 4 C7LTNQc
Créditos : 27
Re: Operação G.R.E.T.A. Ter Fev 22, 2022 9:55 am

Operação G.R.E.T.A.
Agente:Chocho KimikoRelatório:
Localização:Lvneel8
Missão: Proteger o porto-
As ordens do agente Smith eram claras como o dia e, assim, nos dirigíamos para o porto sem mais delongas. Parava apenas para entregar a Aiko sua nova espada, afinal estávamos indo em missão e talvez fossemos ter a oportunidade de estreá-la o quanto antes. O teor da missão apontava que nosso objetivo principal era conter e esfriar os ânimos, enquanto tentávamos identificar os verdadeiros revolucionários.


Não demorava para chegarmos ao porto e então entendia a gravidade da situação. Utilizados como massa de manobra, vários cidadãos manifestavam-se claramente contra nós o que, sozinho, já configurava como crime e nos habilitava a prender todos ali. Mas movida por minha compaixão, tentava primeiro um diálogo. — Aiko-chan, deixe que eu falo com a multidão, sim? Só me dê cobertura e vigie para caso note alguém tentando cometer algum crime em meio a multidão. Caso sentisse não estar mais mancando como antes, saltaria com leveza e graciosidade para o lado do musculoso com dificuldades. Eu era uma princesa e lidar com multidões era algo com o qual estava acostumada. Tudo bem que em minha ilha não possuíamos multidões zangadas urrando contra nós, mas ainda assim não era uma verdadeira dificuldade para mim. Olhava para aquela multidão e erguia os braços à frente de meu corpo, sinalizando para que parassem por um momento. Tinha certeza que, embora algumas vozes se calariam ao ver meu gesto e autoridade, outros continuariam. Alguns por estarem mais cegos em suas paixões. Outros por serem os promotores destas. Assim observava bem quem não pararia, a fim de identificar potenciais alvos. — SILÊNCIO! Gritava, então, mantendo meu olhar sereno e tentando cessar os ânimos. Não esperaria por um silêncio absoluto, mas que se limitassem a apenas um borburinho, permitindo que todos ouvissem o que eu falaria a seguir.


— Meus caros cidadãos e amigos de Lvneel, o que estão pensando? Será que conseguem me explicar por que iríamos afundar um navio contendo informações para que possamos curar uma doença que nos assola e aflige? Nós do Governo estamos aqui para ajudar! E mesmo que não queiram acreditar nisso, nós não somos imunes a doença! Queremos uma cura tanto quanto vocês e estamos trabalhando para isso! Começava meu discurso injetando dúvidas sobre suas crenças, tentando demonstrar que foram compelidos a acreditar em algo que não era verdade. Deixava minha intuição me guiar sobre qual caminho seguir em meu discurso, pois geralmente ela se mostrava correta. Se, durante minha fala, o burburinho começasse a se agitar novamente, bateria palmas rapidamente a fim de cessá-lo. Independente disso, continuaria a falar:


— Sei que ainda muitos de vocês possuem alguma dúvida e tudo bem, vamos resolver isso. Aqueles que não tiverem mais dúvidas sobre a boa vontade do Governo em ajudá-los, por favor, se retirem. Aqueles que ainda não tem essa certeza, por favor apontem em quem vocês confiam e aqui estão para que possam representá-los! Nós trataremos de esclarecer todas as perguntas até que tudo volte ao normal, está bem? É uma promessa! Minhas frases aqui haviam sido escolhidas a dedo e tinham motivos claros. A primeira pergunta questionava algo que por si só já teria o poder de dispersar multidões. Em outras palavras, minha pergunta poderia ser lida como "quem de vocês aqui são possíveis traidores do Governo?". Quem não quisesse ter esse rótulo estampado, por natureza iria se afastar. Os potenciais rebeldes restantes, no entanto, certamente dividiam-se em dois grupos: os influenciados e os influenciadores. A escolha então de eleger representantes visava separar os dois grupos e ver quem era potencialmente um revolucionário. Os eleitos então teriam alvos em suas cabeças e, mesmo que não os identificássemos nesse momento como revolucionários, ao menos poderiam ser acompanhados mais de perto a partir de então.


Procuraria, ao final de meu discurso, por algum marinheiro ou agente que estivesse livre e o chamaria até mim. Assim, diria: — Agente Chocho Kimiko e Aiko Saito. Por favor, arrume-nos uma mesa com cadeiras o suficiente para que nós duas e os líderes eleitos possam se sentar, ok? Um chá e alguns biscoitos também seriam legais de sua parte. A partir daí, abaixaria o tom de voz para que somente ele pudesse ouvir: — Ah, e peça para que os outros aplicadores da lei aqui não deixem de identificar todos aqui que se apresentaram como potenciais líderes desse estopim. Mas façam isso disfarçadamente, ok?


Sorriria, por fim, para a multidão se dispersando, caso meu plano desse certo. Não um sorriso de felicidade, mas um sorriso de relaxamento, mostrando que tudo estava sob o controle e estávamos fazendo o que era preciso.


Se, entretanto, a população se mostrasse impossível de se conter apenas com minhas palavras ou se a revolta começasse a escalar ainda mais, sacaria Aoi Koukai de sua bainha e gritaria à multidão: — Estamos tentando ajudá-los, mas se não colaborarem, não hesitaremos em vê-los como revoltosos contra o Governo! Tem certeza que querem isso? Ao mesmo tempo, daria um sinal para que os marinheiros e agentes ali presentes começassem a cercar o local. Não queria deixar a situação escalar ainda mais, e talvez para isso precisasse pegar alguns de exemplo. Dessa forma, se notasse que meu corpo já estava minimamente recuperado para utilizar o Soru e o Geppou, utilizaria destes para rapidamente ir à figura que me parecesse estar incitando mais veementemente a população. Tentaria capturá-lo pelo colarinho e levaria-o para cima da caixa de madeira. Entretanto, se notasse que não conseguiria fazê-lo, pediria a Aiko que o fizesse. Se conseguisse, perguntaria a ele: — Por que você está agitando a população contra o Governo? Perguntaria em alto e bom tom, a fim de que todos ali pudessem me ouvir. Exigiria, assim, uma resposta que também pudesse ser ouvida por todos. Caso sua resposta fosse alguma súplica ou pedido de desculpas, aceitaria e o liberaria, pedindo apenas seu nome antes. Deixaria-o marcado como provável revolucionário. Entretanto, se sua resposta fosse a manutenção de uma fala anti-governo, prenderia-o de imediato, pedindo alguém que o levasse dali. Olharia para a multidão, então, e perguntaria se ainda tinha mais alguém abertamente contra o governo.


Por último, mas não menos importante, se em algum momento notasse uso de violência por parte das forças rebeldes, imediatamente procuraria abafar aquela manifestação usando de força em mesma proporção contra quem iniciasse. Gritaria, assim, em meio à multidão: — QUEM NÃO QUISER SER PRESO DISPERSE IMEDIATAMENTE! Eu era alguém benevolente e que estava do lado da justiça. Mas não admitiria que a ordem fosse quebrada. Muito menos aceitaria que revolucionários fizessem agentes de palhaços.

Objetivos:



Ganhos:  Perícia criptografia
Rokushiki Soru desbloqueado
Rokushiki Geppou desbloqueado

Perdas:
Relações: -
PdV: 12.340
STA: 400
Força: Hábil
Peso máximo suportado: 704 kg
Destreza: Talentoso
Acerto: Hábil
Reflexo: Talentoso  
Constituição: Regular  Agilidade: Hábil
Acrobacia
Anatomia
Mecânica
Estratégia
Forja
Mineralogia
Física
Criptografia
Dança
Ofício: Ferreira
N/A
[/b]


Última edição por Akuma Nikaido em Qua Fev 23, 2022 5:27 pm, editado 1 vez(es)
Gregar
Ver perfil do usuário
Imagem : Operação G.R.E.T.A. - Página 4 GapxMJh
Créditos : 15
Re: Operação G.R.E.T.A. Ter Fev 22, 2022 7:47 pm
Sentia que a agente que encontravamos tinha uma percepção diferente da minha sobre a situação em que se encontrava. Afinal, ela havia sido mandada escoltar a floresta e não apenas tinha sido golpeada e caído desmaiada, como também teve o irmão raptado. Ainda que desse de ombros quando ela retrucava minha afirmação, não conseguia enxergar toda a situação como qualquer coisa além de um enorme fracasso.

Eu me questionava sobre o quão útil seria a agente recém acordada em nossa busca, mas não me opunha quando ela decidia ir conosco. No pior cenário ela serviria para manter um oponente ocupado e longe de mim ou de minha companheira. Ainda que eu mal esperava que ela na realidade fosse muito mais útil do que imaginava! Não precisava de mais do que alguns passos para entender que se não fosse pela presença da agente Ying, estaríamos perdidas mata adentro. Rastrear desconhecidos em um terreno do qual não sabia nada parecia mais desafiador do que havia pensado. Seguia-a de perto, não me importando com os minutos que se passaavam ou como todas as árvores pareciam ser idênticas. Ela ao menos parecia saber por onde ia e isso tinha de valer de alguma coisa.

Para minha sorte, valia. Começava a ouvir um barulho com o qual já estava acostumada, o mesmo som emitido quando você acerta alguém com força. Em poucos instantes podia enxergar o irmão capturado. Não apenas ele, mas também alguns revolucionários ao redor que pareciam felizes em torturar o garoto indefeso. Devo dizer, pelas poucas histórias que havia ouvido sobre torturas eu pensava que aqueles homens não estavam fazendo um bom trabalho. O garoto mal gritava de dor ao receber pancadas! Ainda assim a agente Ying parecia discordar de mim, mais uma vez. Estava pronta para atacar os torturadores chocada com tudo que acontecia. Ao menos eu sabia o que fazer naquela situação.

Teria o chicote em uma mão e noutra o escudo, me aproximaria apenas se fosse necessário encurtar mais a distância entre mim e os torturados e então com um movimento fluído faria com que o chicote cantasse no ar. Golpearia de cima para baixo, fazendo com que o ferro da arma se agitasse e caísse direto em um ataque que miraria nada além da cabeça da mulher coelho. Ela parecia a líder do bando, portanto seria a primeira que atacaria. Golpearia uma vez e saltaria do esconderijo, me colocaria em corrida contra a mulher em uma carga certeira o escudo em frente ao corpo tal qual um aríete improvisado escondendo o movimento que faria ao me aproximar o bastante. Abriria a guarda apenas por um momento saltando contra a mink enquanto as pernas se moveriam em um chute contra o torso da mulher. Ambas com energia concentrada da técnica de combate exclusiva para eles de minha raça, com a energia das chamas potencializando o chute com que golpeava. Não perderia tempo ao atacar logo rolaria para longe me afastando apenas o bastante para continuar a ofensiva. Moveria o braço na horizontal e faria com que o chicote serpenteasse novamente atacando com a intenção de atingir as pernas da mink com um golpe largo e horizontal. Com isso não apenas tentaria desequilibrá-la, como também tentaria enganchar o chicote em suas pernas para prende-la, limitando seus movimentos.

Atacaria tentando neutralizar a mink, porém, não deixaria a guarda de lado. Manteria o escudo a frente do corpo de modo a tentar repelir a maior parte dos ataques que enxergasse, para isso usaria o princípio da alavanca movendo a ferramenta de forma perpendicular a direção em que fosse atacada tentando sempre empurrar o ataque para longe de meu corpo. Faria dos confrontos competições de força, da qual eu tinha confiança, para então poder seguir com meu ataque. Correria sempre em direção a mink, mas ficaria atenta ao chão para que não caísse em armadilhas como a agente Ying e seu gêmeo haviam caído, nesse caso tomaria caminhos mais livres para então seguir com o combate da maneira que havia visualizado.

_________________

Operação G.R.E.T.A. - Página 4 Oz2T0Pg
Wesker
Ver perfil do usuário
Imagem : Operação G.R.E.T.A. - Página 4 Imagem_Icone
Créditos : 17
Re: Operação G.R.E.T.A. Qua Fev 23, 2022 2:51 pm
Operação G.R.E.T.A
Agente:Elizabeth SteinbergRelatório:
Localização:Lvneel - North Blue8
Missão:Sussurros da revolução


O cansaço de ter feito as pressas todo o caminho de volta ao QG não me impedia de reportar ao superior as informações que havia descoberto. Ao invés de dar a missão como concluída, entretanto, ele parecia preocupado com as outras agentes - Nos separamos para abranger um maior espaço de busca. Assim que descobri as informações vim diretamente reportar ao senhor e não encontrei nenhuma delas no caminho - Respondia prontamente usando dos momentos seguintes para descansar um pouco meu corpo com alguns exercícios de respiração enquanto ouvia o superior falar.

A próxima parte da minha missão era reunir o grupo em segurança. Quando ele citava o perigo que minhas companheiras corriam, me lembrava de ter visto a coelha saindo da toca e deduzia que provavelmente estava me procurando. Poderia encontrar as outras? Talvez eu devesse começar por ali.

- Tudo bem senhor. Quando for, não se esqueça de levar alguns agentes bem esguios. O caminho que descobri foi a entrada dos coelhos, pessoas muito grandes provavelmente não passarão por ali como eu fiz - Dizia no fim das contas me sentindo um pouco incomodada por admitir a minha falta de tamanho.

Fazia então uma continência para o superior e saía dali sem mais palavras. O caminho de volta seria apressado e cansativo, mas eu não podia demorar se quisesse chegar a tempo de conseguir reunir todas as agentes. Seguiria na volta a floresta o mesmo caminho que havia tomado para chegar até o QG, fazendo apenas mudanças em pontos que já houvesse decorado alguns atalhos após passar por ali tantas vezes.

Quando alcançasse a floresta, seguiria pela minha própria trilha disfarçada, afim de chegar até a entrada da toca e lá me voltaria para o mesmo caminho que havia visto a coelha seguir. A partir daí andaria de maneira mais furtiva, buscando por rastros e sons que pudessem indicar a localização delas ou das outras agentes. Sempre manteria o cuidado de tentar não ser vista, me escondendo em áreas mais escuras da floresta para ter o elemento surpresa ao meu lado.



Nome: Elizabeth Steinberg
Cargo: Agente Junior – CP2
EDC: Espadachim/Lutador
Profissão: N/A

Ganhos: Se for no evento, nenhum. Ignore essa aba se estiver lendo em um post do evento.

Espada (Igual a da ficha, troquei pra atualizar o bonus)

Luvas
Perdas: N/A
Relações com NPCs: (Depois faço, por hora só vou listando quando lembrar).

Nível: 2
Experiência: 1090

PdV: 25.900
STA: 200

Força: 201 +  80 (Racial) + 120 (Edc) + 60 (Arma) = 461 (Hábil)
Destreza: 200 (Regular)
Acerto: 0 + 120 (EDC) = 120 (Regular)
Reflexo: 1 (Regular)
Constituição: 888 +  80 (Racial) = 968 (Hábil)

Agilidade: 60
Oportunidade de Ataque: 3
Redução de Dano: 8,5%
A única coisa que tenho é coragem

_________________

Operação G.R.E.T.A. - Página 4 Sign_Bismarck_V1_-_Tamanho_certo_borda_branca
Pepe
Ver perfil do usuário
Imagem : Teje preso!
Créditos : 11
Localização : Lvneel - North Blue
PepeAvaliador
https://www.allbluerpg.com/t321-aiko-saito#935 https://www.allbluerpg.com/t1723-operacao-p-a-r-a-d-i-s-e
Re: Operação G.R.E.T.A. Qua Fev 23, 2022 7:24 pm
Operação G.R.E.T.A.
Agente:Aiko SaitoRelatório:
Localização:Lvneel – North Blue8
Missão:Proteção do Porto
A espada que a princesa me dera era bonita, apreciava a lâmina mais uma vez após ela me falar sua sugestão de como poderíamos agir. Era mais uma para a coleção em minha cintura, já eram quatro, estavam começando a ficar numerosas demais. Preciso deixar algumas no quartel general quando voltarmos.

Quanto a sugestão em si da princesa, não me importava muito em deixá-la na ação de falar com os civis, até porque preferia prestar atenção em possíveis revolucionários a falar com eles. Aparentemente Kimiko não notara como falar com os civis havia esgotado o homem em cima da caixa.

Enquanto minha colega começasse a falar, pedindo principalmente por silêncio no começo, começaria a prestar atenção a nossa volta, atenta as falas audíveis de todos que não fossem a própria Chocho, tentando ouvir seus argumentos e principalmente suas ameaças. Se não a obedecessem já era um bom motivo para prestar atenção neles.

Infelizmente não possuo uma audição superior ou algo do tipo para conseguir filtrar completamente quem estivesse falando algo importante perfeitamente, e agora percebia que até ler os lábios para saber o que estavam falando também era algo desconhecido por mim... isso me parece algo importante de aprender no futuro... pensar nos lábios me fez notar algo óbvio, muitos estavam vaiando, e provavelmente continuariam nos vaiando se o discurso da princesa não os acalmasse, o que deixaria mais fácil de ver quem não estivesse vaiando. Afinal, geralmente vaiar não faz os lábios mudarem muito de posição, seria fácil prestar atenção nas pessoas e ver quem estava falando algo mesmo que em uma altura que não estivesse ouvindo. Tentaria me aproximar o máximo desse tipo de pessoa sem ficar longe da princesa.

Tendo treinado Soru no dia anterior, possuía uma noção boa de quão longe conseguia ir com um único sprint, foi o que mais fiz no dia anterior, essa seria a distância máxima que tomaria da princesa naquele momento. Andando a sua volta a procura das pessoas que não estivessem vaiando, e sim conversando com outras, tentando escutar o que poderiam estar falando, mas principalmente como reagiam a minha aproximação.

Caso ouvisse algo referente a possível revolta dos revolucionários, seguraria o braço da pessoa que falasse isso com firmeza, mas sem querer machucá-la, e em seguida ordenaria em tom sério. — Conte-me mais sobre o que sabe — não me importaria muito com as pessoas a minha volta ouvirem, era importante até para a princesa ver que havia pegado alguém que poderia possuir alguma informação e ver a reação dos outros.

Se em qualquer momento notasse algum ataque em minha direção, retiraria rapidamente alguma das katanas que já possuía comigo e tentaria bloquear o ataque colocando a espada na frente. Conseguindo, tentaria empurrar a pessoa que me atacou em cima dos outros civis, para que estas percebessem o que estava ocorrendo e saíssem logo da região, seria bom até para descobrir quem estava ali para lutar.

No entanto, se notasse que estariam atacando a princesa, com as rápidas batidas do meu pé no chão, utilizaria do soru para chegar o mais rápido que conseguisse para interceptar o ataque com uma de minhas espadas. Conseguindo ou não, falaria bem alto. — Ousaram nos atacar?! — questionaria olhando para todos a nossa volta, chamando a atenção para mim e não para a princesa que poderia ter tomado algum golpe. — Quem não quer se envolver em uma briga com o governo mundial, que saia agora daqui! — complementaria olhando todos a minha volta, tentando marcar na mente deles que as consequências por lutar contra a gente eram óbvias. Se a princesa fosse acertada nesse primeiro ataque, mas o atacante não estivesse visível de imediato, olharia se o golpe fora forte. Caso ela fosse atacada, mas o responsável ainda estivesse visível, com a katana apontada para ele, falaria. — Entregue-se agora se não quiser ir para a prisão a força.

Na infeliz hipótese de não ouvir nada, da princesa não convencer ninguém, e de nada acontecer, após o primeiro tempo ali de tentativas, me aproximaria da princesa para ouvir se ela havia notado algo nesse primeiro instante.
Nome: Aiko Saito
Cargo: Agente Pleno – CP2
EDC: Espadachim
Profissão: Cozinheira
Operação

Ganhos:
- rokushiki: soru – post 2
- rokushiki: geppou – post 3
- Katana Formidável – post 9
Sakuranoha:

Perdas:

Relações:
Agente Smith – superior que ajudou no aprendizado de Rokushiki
Sargento Strauss – marinheiro que ensinou meu primeiro Rokushiki
Bibliotecária – mulher que me fez enxergar um de meus objetivos de outra maneira

PdV: 11.040
STA: 400

Força: 998 + 80 + 60 = 1138 [Talentoso]
Destreza: 539 [Hábil]
Acerto: 721 + 40 + 240 = 1001 [Talentoso]
Reflexo: 121 + 40 + 240 = 401 [Hábil]
Constituição: 0 [Incompetente]

Agilidade: 701
Oportunidade de Ataque: 3
Redução de Dano: 0
Peso que aguenta carregar: 2008 kg
CulináriaVocê é capaz de preparar pratos e refeições simples ou complexos, seguindo receitas ou a sua própria criatividade.

DegustaçãoVocê consegue identificar alguns ingredientes e preparos dos pratos que experimentar por meio de paladar, olfato ou observação visual.

HerbalismoVocê conhece plantas, ervas e suas propriedades. Sabe onde encontrar a planta ou erva que deseja, como cultivá-la, se elas têm propriedades venenosas, características curativas ou alucinógenas. Você pode utilizar as propriedades in natura das plantas e ervas que encontrar, mas essa proficiência não permite a manipulação das mesmas.

MixologiaVocê é um especialista em bebidas, sendo elas alcoólicas ou não, inovadoras ou extremamente tradicionais. Você é capaz de criar e reproduzir bebidas.

NutriçãoVocê sabe encontrar o meio-termo entre alimentação e saúde, sabendo criar pratos e cardápios bem equilibrados quando se trata de nutrientes, escolhendo os melhores ingredientes.

ConfeitariaVocê é capaz de produzir bolos, biscoitos e outros tipos de doces, trabalhando tanto no seu sabor quanto na sua estética.
• 3 katanas na cintura
• Perguntium como colar no pescoço
Amigo Oculto 2021:

Nos bolsos:
• Canivete
• Caixa de fósforo (30/30)
• Insígnia da Pureza
• 5.99kk de berries

Na mochila
• 10 metros de corda
• Kit de cozinha
• Massinha de modelar


_________________

Operação G.R.E.T.A. - Página 4 OOvf4T4
Vincent
Ver perfil do usuário
Imagem : Operação G.R.E.T.A. - Página 4 Fce235abf356e340a772bbaaecb92d1c
Créditos : 00
VincentCP 2
https://www.allbluerpg.com/t723-huang-meifeng https://www.allbluerpg.com/t1050-operacao-g-r-e-t-a
Re: Operação G.R.E.T.A. Qui Fev 24, 2022 12:50 am
Operação G.R.E.T.A
Agente:Huang MeifengRelatório:
Localização:Lvneel08
Missão:Reconhecimento


Ying, como havia se apresentado, após se levantar com um pouco de dificuldade não perdeu tempo para começar a procurar vestígios do rapto do seu irmão. Pelas suas reações seguintes me parecia ser uma pessoa um tanto irritadiça e impulsiva, sentimentos que pro momento eram definitivamente ruins. Aparentemente ela sabia exatamente o caminho que deveríamos tomar depois de analisar o ambiente - Como bem disse o nosso superior o Agente Roy, essa missão não é de confronto seguraria Ying por um dos braços e olharia para Eleine, relembrando as ordens que nos foram repassadas.

Teria de bancar a vilã nesse momento, mas não poderia deixar que a impulsividade e o desespero nos fizesse cair em uma situação pior ainda. Obviamente seria difícil para ela entender que abandonar o próprio irmão era a melhor escolha no momento para que depois viéssemos resgatá-lo - Eu entendo a dificuldade da situação em que você se encontra, mas não vai adiantar nada nós irmos até lá e acabarmos em menor número, consequentemente capturadas também diria em tom sério. Primeiro, não tínhamos informações claras sobre quem estávamos lidando, se eram os revolucionários e ou outros criminosos. Segundo, pela forma que tinham agido com toda certeza tinham um maior conhecimento da floresta que nós e isso já nos colocava em uma situação de desvantagem natural.

E ainda, caso fossem realmente os revolucionários havia uma boa chance de ter alguma base escondida por perto e assim estaríamos em um verdadeiro formigueiro. Obviamente eu estava em uma posição fácil para estar mais calma na situação, afinal sequer conhecia o irmão de Ying, todavia alguém deveria tentar ser a voz da razão para que a situação não acabasse da pior forma possível. Por isso tentaria impedi-la ao máximo de seguir adiante já que mais pra frente a situação poderia acabar se tornando irreversível e seria obrigada a lutar. Não que tivesse problemas quanto a isso, porém se o nosso superior havia dito para que não entrássemos em combate então com toda certeza havia algo por trás disso tudo.

Caso não conseguisse parar o ímpeto de Ying, acabaríamos seguindo em frente e numa situação muito pior. Haviam 3 homens, com uma espécie de disfarce,  torturando um outro que aparentemente era Yang, dada a reação que a mulher tinha quando ele era golpeado. Uma mink coelho que apenas observava toda a situação e comentava sobre a presença de uma mulher loira por ali e que também poderiam haver mais, com toda certeza ela estava falando de nós. A essa altura a situação estava a um passo de se tornar irreversível, já que a intenção de lutar pela liberdade do irmão era visível na agente. Se segurar não havia dado certo antes, então teria de mudar minha estratégia para impedi-la de fazer alguma loucura nesse momento. Estenderia uma de minhas mãos e com a palma aberta, golpearia com a lateral visando atingir o pescoço e com força o suficiente para desmaiá-la com apenas um movimento.

Tendo êxito levaria um dos dedos até os lábios pedindo silêncio para Eleine, não tinha qualquer habilidade para ocultar a minha presença, mas talvez se não fizéssemos nenhum barulho poderia escapar dessa situação até que as coisas se tornassem mais tranquilas para irmos embora. Carregaria a mulher em meus ombros para que pudéssemos retornar ao QG e relatar toda a situação para o agente Roy, não havia como evitar o caminho original que tínhamos usado já que só sabia esse então tomaria o dobro de cuidado na volta. A prioridade era nós três voltarmos a base, teria que contar com as habilidades de Zansa e Elizabeth para voltarem sozinhas, afinal não poderíamos testar nossa sorte mais ainda, a loira ainda havia sido vista então se estivéssemos perto seriamos facilmente reconhecidas.

No quartel, eu primeiramente deixaria Ying na enfermaria antes de seguir para a busca do agente Roy, felizmente a situação dela se resolveria com um pouco mais de descanso - Ela só precisa dormir um pouco e estará de volta ao normal diria para a pessoa responsável ali. Caso se demonstrasse necessário perguntaria para outros agentes sobre a sala de nosso superior - Senhor, nós encontramos algumas pessoas suspeitas sendo 3 homens e uma mink coelho na floresta começaria a informá-lo - Eles capturaram o agente Yang e desmaiaram a agente Ying que estava com ele, conseguimos trazê-la de volta, mas voltamos por estar em menor número e também por não conhecer a floresta tão bem quanto eles prosseguiria - Eles parecem ter visto a agente Elizabeth, talvez estejam nos procurando na floresta para saber o porque da nossa presença nela por fim encerraria e aguardaria por mais ordens.


Nome: Huang Meifeng
Cargo: Agente Junior – CP2
EDC: Artista Marcial
Profissão: N/A
Ganhos: N/A
Perdas: N/A
Relações com NPCs:  
PdV: 9440
STA: 300

Força: 919  + 60 + 180 + 60 = 1219~Talentoso~
Destreza: 579 ~Hábil~
Acerto: 181 + 40 + 180 = 401 ~Hábil~
Reflexo: 40  + 60 = 100~regular~
Constituição: 100 ~Regular~

Agilidade: 250
Oportunidade de Ataque: 3
Redução de Dano: 0
 • Anatomia
• Interrogatório
• Lábia  
Yami
Ver perfil do usuário
Imagem : Operação G.R.E.T.A. - Página 4 SFDBQPA
Créditos : 04
Localização : Alabasta - 7ª Rota
YamiAvaliador
https://www.allbluerpg.com/t343-shimizu-d-akira#1013 https://www.allbluerpg.com/t1413-hellhounds-5-darude-sandstorm
Re: Operação G.R.E.T.A. Sex Fev 25, 2022 4:15 pm

Operação G.R.E.T.A



Pepe e Akuma

O caminho até o porto precisava ser feito de forma rápida, motivo pelo qual as Agentes não perdiam muito tempo para seguir. Uma rápida observação no lugar já dava para notar o caos que lá se instaurava, mesmo com aquele homem parecendo tentar acalmar os ânimos. Quando as agentes assumiram a posição de líderes, o homem respirava aliviado. — Desculpem, agentes, eu tentei de tudo. Nada parece acalmá-los. — Ele comentava, apreensivo. A voz de Chocho parecia baixa para alcançar cada um dos revoltados dali, que erguiam os punhos e olhavam com fúria para a agente, que só queria ajudar. — Não é de hoje que vocês querem massacrar com o povo mais pobre! Enquanto vocês ganham tratamento, a gente morre na sargeta! — Um deles gritava com a fala de Chocho, que gerava algumas outras vaias. — Isso mesmo! Soubemos que os Agentes, Marinheiros e nobres já até tomaram a vacina, e nós aqui e nada chega até a gente!! — Comentava um homem careca com uma roupa de peixeiro.

Aiko tentava observar a situação por outro ângulo. De fato, a ausência de um conhecimento detalhado sobre leitura labial ou uma audição bem treinada fazia diferença, mas era fácil notar quem estava focado na Chocho e quem estava focado em outra coisa. Com isso em mente, acabava por notar que um homem de touca e barba espessa circulava por entre a multidão e, vez ou outra, cruzava os braços com uma expressão ranzinza e falava algo próximo do ombro de alguém por perto, como se estivesse desabafando. A diferença é que ele mantinha o olhar extremamente fixo em Chocho, e vez ou outra parecia tentar manter Aiko em seu campo de visão também, o que gerava certa desconfiança. Piorava a situação quando a mesma se aproximava, onde o homem reagia se silenciando e indo para mais longe. Caso viesse a ser confrontado, o homem olharia de cima abaixo para a agente, com uma extrema repulsa no olhar. — Sei que vocês são apenas cães do Governo e que só querem ver o pior pra todos nós. — Cuspia as palavras carregadas de hostilidade, apesar de não levantar um dedo para ser agressivo.

Com uma ideia simples de lidar com toda aquela população, mas com menos pessoas envolvidas, Chocho pedia que os cidadãos elegessem um representante para que escutasse o que o Governo tinha para dizer. Aquilo fazia alguns se entreolharem, como se tentassem buscar alguns nomes de confiança, e em pouco tempo cerca de cinco estavam disponíveis. Alguns soldados rasos da Marinha chegavam aproximadamente nesse momento, auxiliando de imediato um lugar para que o grupo pudesse se reunir. Ainda assim, os cidadãos pareciam querer esperar por ali por esclarecimentos, não cessando tão facilmente a sua revolta.

O homem que havia tentado apaziguar os ânimos também se reunia com os demais, bem como o peixeiro, dois senhores de idade, uma mulher bem alta e magra e também o homem de touca e barba espessa. Como o peixeiro era dono do estabelecimento comercial que estava logo ali perto, ele disponibilizava um espaço para que se reunissem, dando início à conversa. — É assim que espera nos convencer, agente?! Dizer que se continuarmos revoltados, seremos considerados inimigos e presos?! Achei que estava aqui para nos explicar exatamente o que está acontecendo! — Dizia o peixeiro, fazendo com que todos os demais concordassem. Chocho precisaria escolher bem suas palavras se quisesse alcançar aquele pessoal, podendo ter o auxílio necessário de Aiko, se houvessem ideias.

Wesker

Com a necessidade de retornar imediatamente para a floresta, a agente Elizabeth perdia o fôlego para alcançar a árvore que havia avistado. Era difícil encontrar o caminho novamente sozinha, ainda mais pela pressa no qual estava tendo até então, mas bastaria um pouco de paciência para relembrar de alguns passos que haviam sido dados. Ao longe, Elizabeth conseguia escutar os gritos de macacos bem no alto das copas, que ecoava pela floresta como uma espécie de revolta, ou quem sabe de um alerta.

Retornando para a árvore oca, Elizabeth notava que a mesma ainda permanecia desocupada, tendo sido esvaziada no momento em que a Mink havia saído anteriormente. Decidida a encontrá-la, seria necessário refazer os passos da Revolucionária, mas sem um conhecimento apropriado de rastreio, era uma tarefa quase impossível filtrar pistas pelo ambiente.

Andar mata adentro era algo aterrorizante de se fazer sozinha, e vez ou outra havia a necessidade de retornar e refazer os passos, ao notar que não estava indo para lugar algum. Ainda assim, o que chamava a atenção da agente não eram pegadas ou galhos quebrados, mas sim um som de descarga elétrica acontecendo há algumas dezenas de metros dali. Seguindo em direção aos sons, Elizabeth notava que se tratava de um combate, a princípio, podendo ser tanto um conflito entre suas aliadas e bandidos ou revolucionários, quanto um conflito entre eles.

A visão que havia adquirido ao chegar perto, entretanto, não era nada otimista. De um lado, três homens cercavam Mei e lhe aplicavam chutes enquanto ela tentava recuperar o fôlego. Ao seu lado, estava uma outra mulher de pele escura desmaiada no chão, que provavelmente havia sido abatida pelos homens anteriormente. Na clareira, entretanto, havia um homem bem parecido com a mulher desmaiada, mas este estava amarrado no tronco de uma grossa árvore, enquanto Eliene e a familiar Mink coelha batalhavam numa troca de chamas e eletricidade.

Vincent e Gregar

A cena era um choque para Ying, que não parecia disposta a ficar parada esperando uma estratégia ou uma retirada planejada. Notando tal fato, uma vez que a menina já estava se erguendo com os punhos cerrados, Mei imediatamente lhe aplicava um fortíssimo golpe concussivo em seu pescoço, fazendo os olhos da agente revirar e cair na grama em um tombo seco. Todo o planejamento para uma retirada e reportar aos superiores estava indo certo, até o momento que Eliene aparecia avançando com tudo o que tinha.

A Mink sequer teve tempo para pensar no que havia acontecido. Mesmo com suas orelhas aparentemente agitadas, ela não teve tempo o bastante para escapar da chicoteada que vinha diretamente contra sua face, jogando sua cabeça para trás. Os coelhos saltavam para longe de seus ombros e se espalhavam pela floresta, enquanto os outros homens enfim notavam a ameaça que havia surgido de repente. Ainda assim, Eliene avançava com tudo, aproximando-se o bastante para encaixar um chute potencializado contra sua inimiga, utilizando das chamas de origem de sua raça.

Com a inimiga extremamente confusa, era de se esperar que os ataques viessem com potencia total, mas no momento em que a perna de Eliene encontrava com a costela da mink, a mesma tentava segurar a panturrilha da agente, liberando uma forte descarga elétrica que deixava sua perna formigando, mas nada de muito grave. Uma expressão furiosa surgia de seu rosto, mas ainda sem palavras para sequer reagir à ofensiva, ela entendia que precisava sobreviver antes de querer fazer perguntas. Um chicote na horizontal veio como um relâmpago, mas suas pernas de coelho a faziam rapidamente realizar um salto como reação, alto o bastante para o ataque não lhe atingir como deveria. — Você! Você é a loira que o fofinho estava falando!! — Ela expressava furiosa, carregando em seus punhos uma energia diferente da que a celestial costumava fazer, mas que aparentava ter uma letalidade tão alta quanto.

Enquanto isso, ainda atônita pela iniciativa de sua aliada, Mei nada podia fazer para impedir o que já havia acontecido. Ying estava desmaiada sob seus pés e, no instante seguinte, os três homens já estavam circulando a mesma. Antes que pudesse ajeitar sua postura ou alcançar sua arma, rapidamente um chute era direcionado contra sua costela, fazendo-a tombar no chão e receber mais alguns outros chutes. Ela precisaria reagir rápido, antes que seu corpo perdesse as forças e o combate se tornasse ainda mais desequilibrado.

Pepe - Aiko:

”Akuma - Chocho:

Vincent - Mei:

Wesker - Elizabeth:

Gregar - Eliene:


_________________

Operação G.R.E.T.A. - Página 4 V8upj2D

Operação G.R.E.T.A. - Página 4 YDNzcDa
Akuma Nikaido
Ver perfil do usuário
Imagem : Operação G.R.E.T.A. - Página 4 C7LTNQc
Créditos : 27
Re: Operação G.R.E.T.A. Ter Mar 01, 2022 1:24 pm

Operação G.R.E.T.A.
Agente:Chocho KimikoRelatório:
Localização:Lvneel9
Missão:Proteger o porto
Inicialmente era difícil impedir minha voz de ser abafada pelos gritos e revolta da população, mas a proposta de eleger representantes fazia com que eu ganhasse tempo. Não pareciam menos revoltosos, mas ao menos tratar com 5 cabeças era mais fácil que tratar com 100. Após rápida organização, sentávamos à mesa com o peixeiro, o homem que tentara acalmar a população antes de chegarmos, dois senhores de idade e uma mulher. Observava a concordância entre todos após a fala do peixeiro e, então, sorria sem graça enquanto punha as mãos em gesto de súplica à minha frente e dizia: — Gomenasai! Vocês têm todo o direito de estarem revoltados e quererem explicações e respostas, mas o tumulto ali estava começando a se desorganizar. Aqui poderemos conversar e nos ouvir com mais paz e tranquilidade. Nós não estamos contra vocês, mas sim do mesmo lado!


Respirava fundo, pensando em como abordá-los. Estava bastante claro que eles acreditavam que o navio continha vacinas e chegar falando que estavam enganados só faria os ânimos se inflamarem cada vez mais. A melhor estratégia me parecia ser demonstrar que não haveriam motivos para que fizéssemos tal coisa. — Antes de mais nada, gostaria de saber exatamente o que vocês entendem que aconteceu. Como receberam tais informações? Ouviria o que cada um tinha a dizer, tentando entender como se iniciou o desdobramento. Se conseguisse traçar de onde começaram os boatos, certamente chegaríamos a revolucionários. Além disso, estaria tentando desvendar se os membros ali presentes eram civis enganados ou se eram revolucionários.


Quando terminasse de ouvir a todos, começaria a dizer: — Gostaria que pensassem comigo, senhores. Qual seria a razão de querermos impedir que se vacinem? Vocês todos são cidadãos de Lvneel e nos preocupamos com vocês. Mas mesmo que não acreditem nisso, qual seria a vantagem de não os vacinarmos? Nossa economia seria prejudicada, vidas seriam perdidas, correríamos risco do causador da doença sobreviver, se multiplicar e voltar a espalhar... Tentava, com argumentos, demonstrar que isso seria prejudicial para todos, inclusive para o próprio Governo.


— Além disso, não posso garantir por todos, pois não vi. Mas posso lhes garantir que tanto minha parceira aqui quanto eu não recebemos nenhuma vacina. Então estamos aqui nos arriscando também, prontas para tentar controlar essa situação. Por favor, acreditem em nós! Com tudo isso dito, restava pouco mais a se acrescentar, mas ainda complementava: — Agora me digam. A quem interessaria que várias pessoas se juntassem em meio a uma pandemia para protestar? Se alguém ali no meio possuir a doença, pode espalhar para todos aqui.


Deixaria alguns segundos para que pensassem na situação em que se meteram. Se houvesse ali algum revolucionário, provavelmente a essa altura já teríamos seu membro tentando refutar e derrubar toda a argumentação, porém contava com a lógica. Mesmo que os neutros ainda não acreditassem totalmente na gente, alguma dúvida já teria sido implantada em suas cabeças. Era hora do meu último argumento possível. — Não podemos passar muitas informações porque ainda estamos investigando, mas sabemos com toda certeza que aquele navio que naufragamos fingia estar carregando vacinas quando, na verdade, realizava contrabando de armas. Nós não sabemos ainda os nomes dos líderes dessa operação. Acredito que por estarmos atrás deles é que tentaram criar essa manobra e nos obrigar a lidar com uma revolta popular.


Não falaria em revolucionários pois isso geraria um inimigo fantasioso na cabeça de civis que nunca tiveram contato com tal submundo. Além disso, caso houvesse de fato algum membro ali, deixá-lo acreditar que não tínhamos certeza se aquele navio era de revolucionários ou não era vantajoso. — Mais uma vez, lhes peço. Por favor, acreditem em nós. Eu não posso lhes dar uma data de quando teremos vacina para todos, mas prometo conversar com meus superiores para que possamos lhes trazer atualizações de tempos em tempos.


Ouviria o que Aiko teria a dizer se a qualquer momento a garota resolvesse se manifestar. Tentaria observar a reação de todos ali presentes para cadenciar meu discurso e tentar levar o maior impacto a eles. Aguardaria, então, para ver tudo que tinham a nos dizer e tentar compreender seus sentimentos. Talvez assim pudéssemos abafar e implodir essa revolta sem precisar utilizar da força.

Objetivos:



Ganhos:  Perícia criptografia
Rokushiki Soru desbloqueado
Rokushiki Geppou desbloqueado

Perdas:
Relações: -
PdV: 12.340
STA: 400
Força: Hábil
Peso máximo suportado: 704 kg
Destreza: Talentoso
Acerto: Hábil
Reflexo: Talentoso  
Constituição: Regular  Agilidade: Hábil
Acrobacia
Anatomia
Mecânica
Estratégia
Forja
Mineralogia
Física
Criptografia
Dança
Ofício: Ferreira
N/A


Última edição por Akuma Nikaido em Qui Mar 03, 2022 2:56 pm, editado 1 vez(es)
Wesker
Ver perfil do usuário
Imagem : Operação G.R.E.T.A. - Página 4 Imagem_Icone
Créditos : 17
Re: Operação G.R.E.T.A. Ter Mar 01, 2022 3:36 pm
Operação G.R.E.T.A
Agente:Elizabeth SteinbergRelatório:
Localização:Lvneel - North Blue9
Missão:Sussurros da revolução


Seguir os rastros de uma coelha na floresta era uma tarefa ainda mais difícil do que eu havia previsto. Após um bom tempo caminhando sem rumo, era fácil ficar paranóica por ali, com todos aqueles macacos gritando e o constante risco de haver um inimigo sendo guiado por eles atrás de cada tronco de árvore.

Por sorte nada acabava me encontrando por ali, no lugar disso, ouvia um estranho som de descarga elétrica que obviamente não era nada comum para um lugar como aquele, não deixando dúvidas de para onde eu deveria ir. Cautelosa e recuperando o fôlego, seguia o som da possível batalha até me deparar com a cena da confusão em que minhas companheiras haviam se metido.

A mink coelha parecia travar um embate cheio de poderes com Eleine mas, por mais que aquilo me chamasse atenção, sabia que não era ali que deveria focar. Havia um agente amarrado e em péssimo estado e uma outra muito parecida com ele estava desacordada no chão. Mais urgente ainda, via Meifeng recebendo golpes de três inimigos ao mesmo tempo.

Lembrava-me então de como Mei havia sido simpática e da troca que havíamos tido até mais cedo. Apesar da garota ser uma agente, tinha um certo apreço por ela e sentia vontade de ajudá-la muito além do dever que tinha que trazer minhas colegas de volta em segurança. Dada a situação, apenas sabia que não tinha muito tempo para pensar num plano de ação.


Respirava fundo, tentando retomar o fôlego pela última vez antes de começar aquela batalha. Em passos cuidadosos, tentaria me aproximar o máximo possível da batalha de Mei enquanto ainda permanecia furtiva. Quando não fosse mais possível avançar sem ser percebida, daria uma investida repentina em direção ao adversário que me parecesse maior.

O objetivo da primeira investida seria derrubar o maior oponente o mais rápido possível, dando um golpe e tanto na moral dos adversários. Para isso, em meu avanço repentino miraria um gancho da mão direita contra a mandíbula do inimigo, seguido de um gancho alternado contra a região do plexo solar do inimigo, aproveitando-me de uma possível guarda levantada deste após ser atingido na cabeça, finalizando então com uma cabeçada em seu nariz. Torcia para que fosse o suficiente para desestabilizar seu corpo e derrubá-lo de uma só vez, distraindo os oponentes e dando uma chance de reação para Mei. Se o oponente ainda permanecesse de pé, usaria do limite de minha stamina para dar um chute mirando suas partes íntimas.

- Isso porque ainda nem saquei minha espada! - Dizia com a empolgação em minha voz e um sorriso provocador no rosto. Como sempre, não me preocupava em desviar de ataques e esperava chamar a atenção destes. Se possível, usaria da aproximação dos outros inimigos em possíveis investidas para atacá-los com fintas de socos que terminariam em chutes e joelhadas contra seus estômagos e/ou partes baixas - Vamos lá Mei! Esses palhaços não tem chance sem vantagem numérica!



Nome: Elizabeth Steinberg
Cargo: Agente Junior – CP2
EDC: Espadachim/Lutador
Profissão: N/A

Ganhos: Se for no evento, nenhum. Ignore essa aba se estiver lendo em um post do evento.

Espada (Igual a da ficha, troquei pra atualizar o bonus)

Luvas
Perdas: N/A
Relações com NPCs: (Depois faço, por hora só vou listando quando lembrar).

Nível: 2
Experiência: 1090

PdV: 25.900
STA: 200

Força: 201 +  80 (Racial) + 120 (Edc) + 60 (Arma) = 461 (Hábil)
Destreza: 200 (Regular)
Acerto: 0 + 120 (EDC) = 120 (Regular)
Reflexo: 1 (Regular)
Constituição: 888 +  80 (Racial) = 968 (Hábil)

Agilidade: 60
Oportunidade de Ataque: 3
Redução de Dano: 8,5%
A única coisa que tenho é coragem


Última edição por Wesker em Ter Mar 01, 2022 9:48 pm, editado 2 vez(es)

_________________

Operação G.R.E.T.A. - Página 4 Sign_Bismarck_V1_-_Tamanho_certo_borda_branca
Vincent
Ver perfil do usuário
Imagem : Operação G.R.E.T.A. - Página 4 Fce235abf356e340a772bbaaecb92d1c
Créditos : 00
VincentCP 2
https://www.allbluerpg.com/t723-huang-meifeng https://www.allbluerpg.com/t1050-operacao-g-r-e-t-a
Re: Operação G.R.E.T.A. Ter Mar 01, 2022 8:59 pm
Operação G.R.E.T.A
Agente:Huang MeifengRelatório:
Localização:Lvneel09
Missão:Reconhecimento


Havia enganosamente julgado que somente controlando Ying a situação seria contornada, mas Eleine era quem decidia partir pra cima dos inimigos. Em partes, isso com certeza era minha culpa, talvez se conseguisse me impor mais poderia conseguir mais facilmente o que queria. Afinal, não estava ali para ser algum tipo de heroína  e salvar o dia, mas sim para cumprir as ordens que tinham sido dadas pelo nosso superior que incluíam não lutar principalmente estando em desvantagem numérica.


No fim, estava cercada pelos 3 homens enquanto Eleine desafiava a mink e Ying desmaiada aos meus pés - Tiān era o que poderia dizer antes de começar a ser chutada. A forma que minha “companheira” agia me incomodava de certa forma, até porque comunicação era um princípio dos mais básicos para se trabalhar em equipe, porém teria de sair dessa confusão viva antes de querer reclamar sobre algo.

Me encontrava em uma situação de uma dificuldade um tanto elevada, porém teria de me virar e torcer para que alguém magicamente aparecesse para nos ajudar. Não me arrependia de ter nocauteado Ying, muito pelo estado que ela estava e também porque estando desarmada ela não poderia ser tão útil. Ainda havia o fato de que eu não estava esperando a atitude de Eleine já que não pude observar um sinal que indicasse sua ação.

Seria difícil fazer algo muito elaborado já que nem tempo para pensar eu tinha nesse momento, apenas moveria meus braços e procuraria tentar bloquear tanto o rosto quanto o tórax nem que fosse parcialmente. A cada chute na costela poderia sentir minhas forças se esvaindo aos poucos, então teria de ao menos conter isso antes de prosseguir para o próximo passo. Tentaria segurar a perna de algum deles e com isso buscava puxá-lo para perto de perto de mim, a intenção era distrair tanto ele quanto os demais. Com uma das pernas buscava derrubá-lo com uma rasteira para que realmente caísse sobre mim.

O utilizaria como um escudo de corpo para frear o ímpeto dos demais ou então somente me proteger dos contínuos golpes, caso eles não se importassem com a integridade física dele. A partir disso buscava me levantar o empurrando depois de algum tempo, não deixaria que ele se levantasse mantendo ambos os braços o agarrando. A chance de realmente conseguir eram baixas, mas tinha que tentar alguma coisa ao invés de só apanhar igual saco de pancadas.

Uma vez estando de pé, por qualquer motivo, poderia tentar imprimir meu ritmo nessa luta, o primeiro movimento ofensivo seria um chute baixo na perna do meu oponente. A ideia era retirar o ponto de equilíbrio do meu adversário com um golpe forte, tendo êxito poderia socá-lo na lateral do crânio. Não obtendo sucesso em minhas movimentações, então recuaria alguns passos para tentar entender a situação como um todo.


Nome: Huang Meifeng
Cargo: Agente Junior – CP2
EDC: Artista Marcial
Profissão: N/A
Ganhos: N/A
Perdas: N/A
Relações com NPCs:  
PdV: 9440
STA: 300

Força: 919  + 60 + 180 + 60 = 1219~Talentoso~
Destreza: 579 ~Hábil~
Acerto: 181 + 40 + 180 = 401 ~Hábil~
Reflexo: 40  + 60 = 100~regular~
Constituição: 100 ~Regular~

Agilidade: 250
Oportunidade de Ataque: 3
Redução de Dano: 0
 • Anatomia
• Interrogatório
• Lábia  
Gregar
Ver perfil do usuário
Imagem : Operação G.R.E.T.A. - Página 4 GapxMJh
Créditos : 15
Re: Operação G.R.E.T.A. Qua Mar 02, 2022 2:02 pm
Operação G.R.E.T.A.
Agente:Eleine WorzelRelatório:
Localização:LvneelL09
Missão:-

- Então só precisamos lidar com os revolucionários mesmo em menor número e resgatar o irmão da agente Ying- Era o que eu falava para Mei, quando ela tentava dissuadir a agente de que não deveríamos lutar com os revolucionários caso os encontrássemos. Para ser franca, estava farta de todas aquelas regras sem sentido. Nós estávamos de um lado da moeda e eles em outra. O embate entre nossas forças deveria ser natural! Ainda mais se tivéssemos a chance de salvar um aliado, capturado e torturado.

De um jeito ou de outro a agente Mei não concordava com o que eu tinha em mente. Ela deixaria um agente ser torturado e possivelmente morto, preferia golpear uma de nós do que se colocar entre uma ordem de um superior que nem ao menos sabia como estava a situação. Se me perguntassem, Mei era como um cão adestrado pelo governo. O tipo de pessoa que pensa muito mais naquilo que seus chefes querem que ela pense do que o que deveria pensar. Não gostava nada disso, mas não era capaz de impedi-la de nocautear nossa aliada.

Estava a frente das duas pulando em meio à confusão do combate quando observava de relance o erro de minha colega, agora seriamos nós duas contra quatro soldados. Uma delas de aparência estranha e, como descobria alguns instantes depois, a responsável pelo choque que a agente Ying sofria. Uma lutadora que fazia com que eu sentisse na pele os relâmpagos que disparava ao atacar. Não parecia mais fortes do que as chamas que eu criava, portanto deveriam ter origem parecida. Eu sabia criar chamas e ela relâmpagos.

-Não conheço fofinho algum. Sou Eleine Worzel e eu e minha companheira, agente Mei, viemos dar um fim ao seu esquema de mensagens secretas!  - Respondia minha oponente quando observava suas mãos reluzindo de energia. Em resposta deixaria o escudo cair no chão e puxaria a katana na mão livre. Por mais que gostasse de manter a defesa alta quando lutava sentia que o escudo não poderia me proteger das rajadas de minha oponente. Ainda que com uma olhadela para o lado, visse que a situação de minha companheira não era das melhores.  -  Vamos fazer isso assim que ela se levantar e parar de apanhar ou quando a agente Elizabeth salvar ela! - Concluía o raciocínio preparando-me para o combate.

Tinha uma estratégia para lidar com a mink, mas sentia o peso de ter de agir rápido para ajudar minha colega que era feita de saco de pancadas. Não podia simplesmente esperar que a mulher agisse para contra-atacar eu tinha de tomar a iniciativa. Portanto, fazia com que o chicote dançasse. Moveria a arma de forma errática, batendo com o solo entre nós duas de forma ameaçadora enquanto média a distância entre nós duas. Com a plena consciência de que deveria fazer o primeiro movimento atacaria. Com um movimento rápido faria com que o chicote avançasse reto novamente contra a face de minha rival em um movimento similar ao de uma cobra que avança com um bote. Claro que era um movimento fácil de se esquivar, esperava que a mulher fizesse isso que ela avançasse para me golpear e então agiria.

Confiava em minha capacidade de suportar a ofensiva de minha oponente, portanto manteria a guarda aberta para ser atacada propositalmente. Quando ela se aproximasse faria com que ambas nos atacássemos ao mesmo tempo. Puxaria com força o chicote contra a mulher tentando golpeá-la nas costas com as lâminas que carregava na arma, da mesma forma que ela sibilava anteriormente ela voltaria direta contra minha oponente, ferindo-a quando menos esperasse. Manteria a estratégia de atacá-la pelas costas mesmo que ela não demonstrasse interesse em avançar contra mim, fazendo o rebote de o chicote pegá-la pelas costas ferindo e provavelmente derrubando a mulher.
Ao mesmo tempo que usaria uma arma para golpeá-la também atacaria com a espada. Se ela se aproximasse de mim esperaria o movimento de seu ataque, e eventual contragolpe meu, para desferir uma estocada de cima abaixo contra uma de suas pernas. Se era o necessário para que ela saltasse a distância atacaria de modo a prender a ponta da arma em seu corpo, tentando reduzir sua mobilidade e, quem sabe, facilitar novas investidas que poderia ter contra a mink.


_________________

Operação G.R.E.T.A. - Página 4 Oz2T0Pg
Pepe
Ver perfil do usuário
Imagem : Teje preso!
Créditos : 11
Localização : Lvneel - North Blue
PepeAvaliador
https://www.allbluerpg.com/t321-aiko-saito#935 https://www.allbluerpg.com/t1723-operacao-p-a-r-a-d-i-s-e
Re: Operação G.R.E.T.A. Qua Mar 02, 2022 7:14 pm

Operação G.R.E.T.A.

Operação G.R.E.T.A. - Página 4 4pAFVff

Agente:

Aiko Saito

Relatório:

9

Localização:

Lvneel

Missão:

Proteção do Porto


Como pensara, acabava sendo “óbvio” quem realmente estava só protestando e quem estava só de olho na princesa. Me aproximando de um que chamou a atenção, percebia que ele reagia se afastando e se silenciando. Não queria que ele fugisse, então me aproximava rapidamente para o confrontar. E o que ouvia era algo que estava basicamente acostumada, a triste verdade que minha mãe via. Sentia minha raiva aumentando, mas conseguia me controlar, apesar de não saber como estava minha expressão naquele momento. O pobre coitado vivia em sua própria realidade. — Me chame do que quiser, mas se você é cego e não enxerga a verdade, fica difícil de te ajudar — comentava de forma ríspida.

A conversa, no entanto, não durava, pois Chocho percebendo que seu discurso não levaria a lugar algum, acabava chamando representantes para uma conversa mais privada. Nós duas e outras poucas pessoas acabávamos indo para um mesmo lugar.

Como a princesa havia começado com o discurso, deixaria que ela falasse no começo, só que antes disso comentaria no ouvido dela. — O homem barbudo estava olhando fixamente para você, e nos chamou de cão do governo.

Durante as falas da princesa, Kimiko usava um tanto de argumentos que me soavam de forma lógica, só que ela não destrinchava muito, confiando que todos entendessem tudo diretamente, com a explicação bem superficial. Durante todo o papo da princesa olharia principalmente para o homem que “debati” por um mísero instante. Claro, prestaria atenção nos outros, principalmente para o caso de algum parecer ter alguma arma, apesar de não parecer ser o caso inicial.

Não havia muito motivo para falar alguma coisa sem ver a reação deles, então, se no argumento dela inicial de piorar a economia e vidas perdidas, algum deles demonstrasse não entender, acabaria por complementar a princesa, só destrinchando mais o que ela havia dito. — Pessoas felizes e saudáveis geralmente não reclamam do governo, a não ser que desejem tomar o poder para si — comentaria para chamar a atenção antes de continuar. — Vocês nos veem como pessoas más que querem o pior para vocês — falaria lembrando exatamente das palavras do homem. — Mas isso significa que vocês são subordinados de idiotas. Uma população doente é mais fácil de se oprimir realmente, mas também dão menos ganhos no geral. Imaginem todos que estão protestando estivessem na verdade trabalhando felizes, ganharíamos muito mais assim. Se a população toda estiver morrendo de fome ou doença, porque nós queremos isso de acordo com vocês, a gente não conseguiria lucrar. Se a população morre doente, são menos pessoas pagando impostos, são menos pessoas no nosso controle — complementaria esperando que a pessoa que não houvesse entendido tivesse enxergado o ponto da princesa. O meu tom em toda a fala seria direto e simples, sem espaço para algum tipo de mal-entendido.

Caso não entendesse ainda, continuaria mais um pouco. — Independente de quão ruins vocês pensam que nós somos, seriamos também idiotas pelo argumento de vocês, pois não ganhamos nada com vocês assim — comentava defendendo o ponto de vista da princesa de forma mais extensiva. — Como a agente Chocho comentou, não fomos vacinadas, e mesmo se fossemos e realmente não nos importássemos com vocês, seria muito mais agradável estar no quartel cozinhando, dormindo, se divertindo ou qualquer outra coisa, do que tendo que estar aqui falando isso para vocês. É simplesmente ilógico pensar que prefiro isso a todos vocês bem, vocês bem não dão dor de cabeça, o mundo estaria em paz... — pararia ao comentar aquilo e olhando para o nada, quase que para o teto do local, e sorrindo comentaria. — Só precisaríamos nos preocupar com piratas e revolucionários. Que é muito melhor se preocupar com esse povo, que sabemos que são contra o governo, do que com quem precisamos cuidar e cobrar, vocês estarem assim é mais por incompetência de nossos colegas antes de nós do que por desejo nosso de vocês estarem assim. O governo não existe sem o povo, porque não haveria quem governar, se quisermos matar todos vocês, é basicamente jogar o próprio poder fora — terminava esperando que a pessoa finalmente houvesse entendido o ponto.

Após toda essa explicação, que na verdade era só explicar novamente se não houvessem entendido, deixaria a princesa continuar. Ela que estava no comando de conversar e por isso, além de quando não entendessem, só faria algo se notasse que algum deles fossem atacar, ou tentar fugir da discussão.


Nome: Aiko Saito
Cargo: Agente Pleno – CP2
EDC: Espadachim
Profissão: Cozinheira
Operação

Ganhos:
- rokushiki: soru – post 2
- rokushiki: geppou – post 3
- Katana Formidável – post 8
Sakuranoha:

Perdas:

Relações:
Agente Smith – superior que ajudou no aprendizado de Rokushiki
Sargento Strauss – marinheiro que ensinou meu primeiro Rokushiki
Bibliotecária – mulher que me fez enxergar um de meus objetivos de outra maneira

PdV: 11.040
STA: 400

Força: 998 + 80 + 60 = 1138 [Talentoso]
Destreza: 539 [Hábil]
Acerto: 721 + 40 + 240 = 1001 [Talentoso]
Reflexo: 121 + 40 + 240 = 401 [Hábil]
Constituição: 0 [Incompetente]

Agilidade: 701
Oportunidade de Ataque: 3
Redução de Dano: 0
Peso que aguenta carregar: 2008 kg
CulináriaVocê é capaz de preparar pratos e refeições simples ou complexos, seguindo receitas ou a sua própria criatividade.

DegustaçãoVocê consegue identificar alguns ingredientes e preparos dos pratos que experimentar por meio de paladar, olfato ou observação visual.

HerbalismoVocê conhece plantas, ervas e suas propriedades. Sabe onde encontrar a planta ou erva que deseja, como cultivá-la, se elas têm propriedades venenosas, características curativas ou alucinógenas. Você pode utilizar as propriedades in natura das plantas e ervas que encontrar, mas essa proficiência não permite a manipulação das mesmas.

MixologiaVocê é um especialista em bebidas, sendo elas alcoólicas ou não, inovadoras ou extremamente tradicionais. Você é capaz de criar e reproduzir bebidas.

NutriçãoVocê sabe encontrar o meio-termo entre alimentação e saúde, sabendo criar pratos e cardápios bem equilibrados quando se trata de nutrientes, escolhendo os melhores ingredientes.

ConfeitariaVocê é capaz de produzir bolos, biscoitos e outros tipos de doces, trabalhando tanto no seu sabor quanto na sua estética.
• 3 katanas na cintura
• Perguntium como colar no pescoço
Amigo Oculto 2021:

Nos bolsos:
• Canivete
• Caixa de fósforo (30/30)
• Insígnia da Pureza
• 5.99kk de berries

Na mochila
• 10 metros de corda
• Kit de cozinha
• Massinha de modelar

_________________

Operação G.R.E.T.A. - Página 4 OOvf4T4