Tópicos Recentes
Destaques
Klaus
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Últimos assuntos
Página 1 de 1
Skÿller
Ver perfil do usuário
Imagem : ALOU TESTANDO O TESTE TESTADOR DE TESTES TESTADOS
Créditos : 35
SkÿllerSoldado
https://www.allbluerpg.com/t272-annabelle-petit-barozzi https://www.allbluerpg.com/t303-voice-of-the-soul#875
Aiko Saito Ter Maio 11, 2021 12:27 pm



Aiko Saito








Sobre o Personagem


Nome: Aiko Saito
Idade: 21 anos
Género: Feminino
Mão Predominante: Destra
Altura: 1,65 metros
Peso: 57 kg
Raça: Humano
Origem: Rubeck – North Blue
Localização: Flevance – North Blue
Grupo: Agente

Complementos



Aparência:
Aiko é uma humana com o tamanho normal, a sua pele é bem branca e bonita, bem cuidada apesar de Saito não gastar muito tempo cuidando disso. O corpo de Aiko chama a atenção por onde passa, sendo bem proporcional possui o corpo bem equilibrado, apesar de seus seios acabarem por chamar mais a atenção graças as roupas que usa.

Os cabelos da garota são pretos, lisos e quando soltos ultrapassam facilmente a sua cintura, chegando até mesmo a altura de suas coxas. Só que geralmente estão presos em um rabo de cavalo que possui um laço borboleta na cor branca e por isso fica na altura de sua cintura/bunda. Seus olhos são de um castanho-dourado e seu sorriso geralmente não mostra muito os dentes.

Em questões de vestimentas Aiko sempre usa o laço borboleta branco em seu cabelo e luvas brancas. Além disso, sempre tende a usar roupas escuras como um reflexo da raiva de sua mãe e lembrar dela citar que agentes utilizam ternos.

Personalidade:
Aiko é uma boa pessoa no geral, não é perfeita é claro, odeia com todas as suas forças a sua própria mãe e provavelmente este é o principal ponto negativo em sua personalidade. Sendo cética a quanto amor uma mãe pode realmente dar a seus filhos, não acreditando que são reais e que sempre existem segundas intenções por aí.

Sendo uma boa pessoa, não costuma gostar de pessoas que machuquem os outros simplesmente sem motivo, lembrando bastante da sua mãe quando isso ocorre. O sem motivo é literal, por exemplo, não tem problemas ao ver piratas ou revolucionários sendo torturados para dedurarem seus colegas.

Outra boa característica é que gosta de cozinhar para as pessoas, ver o sorriso no rosto de todos quando comem uma boa refeição ou bebem uma boa cerveja. Como isso alegra e acalma os corações das pessoas.

Por causa de toda a criação perturbada que teve, é tanto incapaz de mentir quanto de entender que estão mentindo para ela. Sempre acredita que qualquer coisa é verdade até que veja com seus próprios olhos que é mentira. Se duas pessoas contam coisas opostas, sua filosofia de vida afirma que ambos estão falando a verdade e tudo é parte de um quebra cabeça tão complexo que humanos não conseguem entender.

Outros traços simples existem por causa de sua criação, quando vê alguma criança abandonada na rua tende a ajudar por simplesmente lembrar de si mesma. E não é de repreender as pessoas por suas próprias incompetências sem tentar ajudá-las a melhorar, sendo bastante contrária a quem crítica sem especificar como a pessoa pode melhorar.

Tendo passado a adolescência e parte da juventude com marinheiros e com o governo, acredita que é essencial que a ordem seja seguida, tendo tido ótimos exemplos em sua vida de como não obedecer a algo pode causar problemas depois. Não que vá realizar tudo sem pensar, também houve casos em que algum marinheiro seguiu sua intuição e deu certo. Porém sabe que certas ações ruins são necessárias para manter a paz do mundo.

História:
Aiko Saito nasceu na ilha de Rubeck, no North Blue. Seus pais se chamavam Akira Saito e Nozomi Saito, fervorosos revolucionários que se encontravam na ilha para tentar acabar com a disputa que ocorria na ilha há séculos, para assim provar que os revolucionários conseguiam resolver problemas que o Governo Mundial não conseguia.

Desde sempre Aiko sempre ouviu que o governo mundial não prestava, essa educação foi feita de forma gradual. Assim, no começo o governo era o principal grupo responsável por todas as desgraças da ilha. Se Rubeck estava como estava era porque o governo não soube intervir a tempo e não porque a família de retardados não conseguia fazer cerveja em paz sem se matar no processo.

Só que o tempo foi passando e nada mudava na ilha não importava o que os dois e outros revolucionários faziam. Sempre que a criança comentava sobre os revolucionários serem incompetentes acabava levando um bom tapa de sua mãe. O sentimento de frustração aumentava naquela família, principalmente em Nozomi.

Sua mãe sempre foi sonhadora e egoísta. Queria que o mundo mudasse, mas mais do que isso, ela que queria mudar o mundo. Obcecada com força e com o poder que os revolucionários precisavam ter sempre falava que precisava ser forte para isso. A revolucionária admirava a imagem do Cão de Guarda Escarlate, sendo uma espadachim e desejando com todas as forças que sua filha fosse uma também quando crescesse.

Quando Aiko fez seis anos, Nozomi já estava cansada de perder seu tempo em uma “ilha insignificante” e decidia partir em alguma missão mais relevante para o exército revolucionário, deixando Akira e Aiko sozinhos por um tempo. A pequena não gostara de ouvir que sua terra natal era insignificante. Apesar de todos os conflitos que existiam na ilha, gostava das festas, de como o povo se comportava enquanto bêbados, das mais diversas festas que ocorriam. Seu pai não ficara exatamente feliz, ele também desejava realizar grandes feitos pela revolução. Porém, ao contrário de sua mãe, o pai não era egoísta a ponto de abandonar a filha para tentar cravar seu nome na história querendo mudar o mundo.

Akira sempre ensinava a pequena as mais diversas coisas que podia sobre a vida para a pequena, ensinando-a principalmente duas coisas: como cozinhar, pois, percebia que a filha gostava deste tema em específico; e como o governo mundial era cruel e injusto, pois, ele gostava de falar disso. Agora, o mundo todo, não só Rubeck, estava sobre uma ditadura onde os nobres mentiam sobre tudo para controlarem a todos com maior facilidade. Por isso Aiko prometeu desde pequena que nunca mentiria, uma característica que foi marcada em sua infância e cresceu dentro dela mesmo sem ela sequer se lembrar de ter feito a tal promessa.

No tempo que viveram sós, seu pai percebeu que a filha aprendia tudo com certa facilidade, ficando realmente feliz com o fato da filha ser um prodígio. No entanto, percebia que isso não se aplicava para a força física de Aiko, na verdade desde pequena a menina era bem desajeitada, tropeçar era normal e por isso vivia se machucando, uma cena bem fofa na maior parte do tempo, só que perigosa ao mesmo tempo. Não que fosse um problema propriamente dito, inteligente como era, com certeza conseguiria sobreviver no mundo sem ter que lutar. No entanto, seus pais eram revolucionários e sua mãe principalmente parecia ficar mais e mais famosa na outra ilha que estava. Então a chance de ter que lutar em breve eram altas, por isso sempre tentou ensiná-la de qualquer forma.

Quando estava com quase nove anos sua mãe voltara. Nozomi havia ido para uma ilha chamada Flevance no North blue, onde falava que era possível sentir o nojo do governo mundial no ar. Ela estava machucada, mas bem no geral, não era nada grave. Estava desolada, havia parado a missão em um ponto crucial e parecia que realizaria algo grande em pouco tempo, só que ficaria pelo menos uns dois meses se recuperando. Aproveitando-se do cargo mais alto que obteve em sua viagem, ordenou que seu marido fosse em seu lugar para Flevance, o que fez com que Akira partisse contra sua vontade após uma feia discussão dos dois, algo sobre o próprio revolucionário falar que aquilo seria suicídio, pois sabia que não estava preparado para algo daquela magnitude.

Akira viajou de qualquer forma, deixando com a filha dois presentes, um laço branco e um par de luvas brancas.

Agora, sozinha com a mãe, Aiko sentiu mais dor do que sentiria pelo resto de sua vida. Nozomi era absurdamente mais bruta do que o pai, sempre que a filha tropeçava recebia um belo golpe de uma espada de bambu que fazia a menina chorar por horas seguidas. Sua mãe queria que a filha fosse tão habilidosa quanto ela, mas aquilo simplesmente estava longe de ser a realidade. A pequena era incapaz, simples assim, não havia o que fazer. Por isso, com os golpes frequentes, a única coisa que ocorreu foi a pequena se acostumar com a dor ao ponto de começar a ignorá-la. Não caía mais em provocações de sua mãe, não a respondia mais e sempre que alguém perguntava nas ruas sobre os machucados acabava falando que odiava Nozomi sem pensar duas vezes.

Por isso não demorou que o próprio governo, através da marinha, fosse até sua casa para investigar a menina que estava sendo maltratada pela mãe. Aiko, que era incapaz de mentir e atendera a porta, afinal, sua mãe era uma criminosa procurada pelo mundo afora, acabava dedurando tudo que seus pais fizeram nos mais diversos anos em Rubeck.

Nesse momento foi quando Aiko sentiu a maior dor de sua vida. Nozomi, ao ouvir a filha dedurando tudo, retirou sua espada da bainha após meses utilizando a de bambu e simplesmente matou todos os marinheiros que ali estavam em um piscar de olhos. A pequena apanhou muito naquele dia, mesmo resistente a dor, aquilo doeu mais do que jamais havia imaginado, dando um fim os nervos de Aiko, agora sim sentir dor era algo raro para a criança. Sua mãe tinha certeza de que a filha não só era incapaz, como também era retardada por não saber mentir. Aquele misto de sentimentos causava confusão na mente da criança que tinha certeza que mentir era errado.

Poucos meses após aquela situação infeliz, que obrigou com que mudassem de endereço na ilha, acabava por chegar a notícia de que Akira havia morrido. Sua mãe surtou com aquilo. Não só falou que Akira era um incompetente por não conseguir fazer a missão, como culpava até a falta de força de sua filha ao pai, pois ela mesma era genial em combate. Foi quando Aiko ouviu Nozomi falando de forma alta e clara que ela era uma completa inútil para a revolução, um desperdício de tempo dela, e simplesmente foi embora.

Pela primeira vez em sua vida Aiko duvidou das palavras de um de seus pais, não havia como sua mãe a abandonar e pronto, não é? No entanto o tempo foi passando e passando e passando e nada de Nozomi aparecer. A pequena começou a morar nas ruas por algum tempo até que a própria marinha a resgatou.

Novamente, sem conseguir mentir, Aiko contou tudo para os marinheiros, que conseguiram simplesmente exterminar toda a operação revolucionária que existia na ilha, não os matando, mas os prendendo. Naquele momento a criança começou a perceber que talvez até fosse verdade tudo que seus pais haviam contado do governo mundial, porém toda história possuía dois pontos de vista diferentes, ou até mais pontos. Quando indagava sobre isso para os marinheiros que a socorreram, acabou por ouvir diversas histórias perversas de revolucionários exterminando marinheiros e agentes do governo.

O misto de sentimento em Aiko acabava por sumir, o mais fácil para a mente da pobre criança era aceitar que tudo era verdade até que visse com os próprios olhos que não era. Tornando-a assim incapaz de detectar quando alguém estivesse mentindo, não importando quão óbvio era. A criança não era mais capaz de entender qualquer tipo de ironia ou sarcasmo, seus pais sempre foram sérios e contaram tudo, mas os marinheiros também eram e o ponto de vista era outro.

A verdade pode até ser uma só, mas é tão complexa que simplesmente não existe forma de que um ser humano consiga a descrever sem “mentir” um pouco. Aquilo servia para firmar ainda mais a promessa que havia feito e que nem lembrava, sempre falaria a verdade e sempre acreditaria que estavam falando a verdade para ela.

Adotada pelo grupo de marinheiros acabou crescendo bem cuidada. Aos doze anos ouviu que sua mãe estava na Grand Line, ou seja, realmente não estava nem mesmo pensando em sua filha mais.

Aproveitando dos dotes de culinária que já tinha, acabou aperfeiçoando sua habilidade. Agora precisava se preocupar em como nutrir os soldados, como a mexer com as mais diversas ervas para auxiliar na melhora rápida dos marinheiros e, o principal para muitos, como fazer bebidas alcoólicas para que se divertissem também. Para isso aprendeu também a degustar a própria comida, claro, álcool ainda não.

Aos poucos matou o descuido de tropeçar, os marinheiros a ensinavam a manejar a espada com uma paciência muito maior do que sua mãe e um pouco menor do que seu pai. Aceitando que naquele momento manejar a espada com uma única mão era o maior desafio que ela teria em sabe-se lá quanto tempo.

Aiko, apesar de odiar a espada, queria aprender justamente para mostrar a mãe dela depois. Mesmo sendo uma boa pessoa, acabava odiando a sua mãe mais do que tudo. Um sonho acabava surgindo e dominando a mente dela quanto mais ela conhecia do mundo através dos jornais. Sua mãe já estava se destacando até mesmo na Grand Line.

O governo realmente não era um mar de rosas, mas não era como se os revolucionários fossem, principalmente ao lembrar que sua mãe subira de cargo e seu pai não, eles se importam com a força para acabar com o governo e nada mais. É um grupo que pode até possuir boas intenções, mas que ao aceitar qualquer um se torna tão perverso que precisava ser detido.

Aos dezessete, após já se tornar uma bela mulher, decidiu que ao invés de marinheira, entraria para o governo mundial. Sabia que isso era o necessário para que fosse mais fácil de se aproximar dos revolucionários.

Após entrar passou os últimos quatro anos treinando sua habilidade com a espada e sua força física, algumas vezes andando na rua testava sua força contra bandidos comuns de bares e aos poucos ganhava confiança. Onde aceitou que machucar as pessoas era algo normal quando queria se promover a paz, pois sempre existiram os baderneiros.

Durante esses últimos anos, o ódio pela arte da espada acabou passando e até certa admiração começou a surgir. Sabia que ser ou não espadachim não possuía relação com quem a pessoa era e na realidade que os diferentes estilos existiam justamente para atingir seus diferentes objetivos. Sonhava constantemente com o dia que prenderia sua mãe a derrotando em um duelo de espadas.

Agora, aceitando em seu coração que por mais incapaz que fosse poderia lutar, aceitava que estava na hora de dar o passo adiante e pedia para que uma nova missão fosse lhe passada, nada administrativo ou qualquer coisa do tipo. Por isso, sua transferência foi feita para a ilha de Flevance, onde partiu sem qualquer tipo de muda de roupa ou itens além de uma luva branca e um lenço branco em borboleta que lembravam o que seu pai dera antes de partir, obviamente os originais já estavam perdidos a muito tempo graças ao tanto que ela crescera, mas o simbolismo estava ali.

Características



Qualidades:
Atraente (1 Ponto)Você é considerado belo pelos outros, seja pela sua aparência, porte físico ou estilo, você é capaz de despertar interesses românticos ou ser tratado mais favoravelmente por conta disso.

Afinidade com Haki (3 Pontos)Por algum razão, você tem uma facilidade natural para compreender a manipulação e o conceito de Haki, por conta disso, você pode escolher aprender o Haki do Armamento ou Haki da Observação no nível oito, aprendendo o Haki seguinte normalmente no nível dez.

Destemido (1 Ponto)Você tem uma coragem distinta e não se deixa abalar diante de grandes desafios ou provações, mesmo que tudo esteja contra você e as condições não sejam favoráveis você ainda é capaz de enfrentar seus desafios de cabeça erguida, sem se sentir intimidado. Em termos mecânicos, a aplicação da condição amedrontado em você sempre é reduzida em uma categoria.

Hipoalgia (2 Pontos)Você tem uma tolerância alta a dor, essa qualidade não o torna incapaz de sentir dor, mas o torna extremamente capaz de resistir a ela. Em situações onde outras pessoas simplesmente desmaiariam, você é capaz de resistir. Essa qualidade não o torna de qualquer forma resistente aos danos, no entanto você se torna capaz de aguentar muito bem a dor e pode passar a idéia de ser muito mais resistente do que verdadeiramente é. Em termos mecânicos, você não reduz de forma alguma o dano que recebe.

Prodígio (2 Pontos)Você é mais inteligente do que a média e tem facilidade em adquirir novos conhecimentos, em termos mecânicos, é capaz de aprender uma proficiência extra a cada nível ímpar, além de ter termos menos rígidos para tal aprendizado.

Versátil (Racial)Você pode somar até 9 pontos de defeito, conseguindo dessa forma gastar 9 pontos de qualidade em vez de 7.


Defeitos:
Ambição (2 Pontos)Você tem uma meta ou objetivo de vida claro e não mede esforços para alcançá-lo. Pode-se tratar de alcançar um posto, adquirir um objeto ou realizar uma mudança no mundo, você aproveitará toda oportunidade que tiver para se aproximar de seu objetivo.

A ambição em si: Graças a situação em que sua mãe a abandonou, Aiko tem a grande ambição de prendê-la. Porém, não só prendê-la, deseja o fazer ao lado da organização que a mãe tanto abomina e sendo a mandante em toda a situação. Por isso, precisa subir de cargo no governo mundial para que tenha a certeza de ordenar e poder controlar a situação com que sua mãe encontre seus últimos dias de revolução.

Incapaz (3 Pontos)Você começa sua ficha com apenas um EdC básico e nenhum espaço de aprendizado, entretanto, ainda pode aprender um novo EdC no nível 6 e outro no nível 12.

Ingênuo (2 Pontos)Você tende a sempre confiar e acreditar nas pessoas, mesmo que o histórico delas não seja nem um pouco favorável. As mentiras que parecem óbvias para outras pessoas não são óbvias para você, além disso, pode ter dificuldades para entender humor e sarcasmo.

Sincero (2 Pontos)Você é incapaz de mentir, simplesmente não faz parte da sua natureza. Mesmo que seja prejudicial para você, você sempre diz a verdade.



Atributos


Nível: 1
Experiência: 20

PdV: 120
STA: 100

Atributos provenientes da raça devem ser colocados em verde [#99cc00], os provenientes de estilos de combate devem ser colocados em laranja [#ff6600], os provenientes de armas devem ser colocados em amarelo [#ffcc00], as bonificações de outros atributos em azul [#34B1EB] e as bonificações de Akumas no Mi em roxo [#cc00cc]

Força: 8 + 4 = 12 [Regular]
Destreza: 0 [Incompetente]
Acerto: 6 + 2 + 3 = 11 [Regular]
Reflexo: 6 + 2 + 3 = 11 [Regular]
Constituição: 0 [Regular]

Agilidade: 11
Oportunidade de Ataque: 3
Redução de Dano: 0

Conhecimentos



Proficiências:
CulináriaVocê é capaz de preparar pratos e refeições simples ou complexos, seguindo receitas ou a sua própria criatividade.

DegustaçãoVocê consegue identificar alguns ingredientes e preparos dos pratos que experimentar por meio de paladar, olfato ou observação visual.

HerbalismoVocê conhece plantas, ervas e suas propriedades. Sabe onde encontrar a planta ou erva que deseja, como cultivá-la, se elas têm propriedades venenosas, características curativas ou alucinógenas. Você pode utilizar as propriedades in natura das plantas e ervas que encontrar, mas essa proficiência não permite a manipulação das mesmas.

MixologiaVocê é um especialista em bebidas, sendo elas alcoólicas ou não, inovadoras ou extremamente tradicionais. Você é capaz de criar e reproduzir bebidas.

NutriçãoVocê sabe encontrar o meio-termo entre alimentação e saúde, sabendo criar pratos e cardápios bem equilibrados quando se trata de nutrientes, escolhendo os melhores ingredientes.


Profissão:
CozinheiroOs cozinheiros são os responsáveis por deixar o resto da tripulação bem alimentada, preparando refeições e banquetes, além disso, são os responsáveis por armazenar e adquirir alimentos.

Bônus: Jogadores cozinheiros podem restaurar PdV e STA por meio de refeições, além disso, podem usar a área de criação para criar pratos que curem ou provoquem condições. Barcos com um cozinheiro a bordo recebem dez pontos em autossuficiência, representando a economia alcançada pelo manejo correto dos alimentos.

Mascote


Nome do Mascote
Animal: Raça e especificações de seu mascote.
Altura: Altura de seu mascote.
Peso: Peso de seu mascote.
Porte: Porte do seu mascote.
Raridade: Raridade do seu mascote.
Aparência: Aparência do seu mascote.
Personalidade: Personalidade do seu mascote.
Atributos: Foco de atributo de seus personagens.

Comandos:
Lista de Comando complexos que foram ensinados ao seu mascote

Estilos de Combate



Espadachim:
Espadachins são especialistas em combates de curta distância, as formas de se manejar uma espada variam muito de acordo com quem a empunha, utilizam katanas, montantes, rapieiras, sabres e similares.

Técnicas


Nenhuma por enquanto.

Haki da Observação


Não despertado.

Haki do Armamento


Não despertado.

Haki do Rei


Não despertado.

Berries: 250.000 ฿S

Itens



Cabeça:
- X -
Pescoço:
- X -
Tronco:
- X -
Braços:
- X -
Mãos:
- X -
Pernas:
- X -
Pés:
- X -

Inventário



10 U

Nome do Item:
Espaço:
Descrição:

Embarcações


Nenhuma por enquanto.

Menções no Jornal


Nenhuma por enquanto.

Photoplayer



Photoplayer:

Aiko Saito I3xCCus

Relações



Players:
[url=Link da Ficha do Player]Nome do Personagem[/url] - Relação com o Player

NPCs:
[url=Link com a Aparencia se existir]Nome do NPC[/url] - Relação com o NPC

NPCs Importantes:
[url=Link com a Aparencia se existir]Nome do NPC[/url] - Relação com o NPC


_________________

Aiko Saito O0yljIK

Aiko Saito WhdRXxk

Fala Annabelle
Pensamento Annabelle
Fala Lilith