Bem-vindo ao

All Blue

É com muito prazer que lhes damos os comprimentos ao nosso RPG. All Blue se trata de um RPG narrativo com o ambiente principal centrado em One Piece, obra de Eiichiro Oda.
Se divirta nessa nova aventura e se torne o novo rei pirata... Se puder!

Últimos assuntos
Ato II — Tiro, Porrada e ÁguaOntem à(s) 11:46 pmporFormigaCap 3 - Uma gloriosa evoluçãoOntem à(s) 10:40 pmporRexCidade do Pecado, 罪市Ontem à(s) 10:15 pmporKoji2 - Fat Bottomed GirlsOntem à(s) 10:05 pmporMakaShen IkimuraOntem à(s) 9:59 pmporFormigaCrie sua Forma ZoanOntem à(s) 9:30 pmporSashaTeste seu TemplateOntem à(s) 9:16 pmporSadakiyoCriação de AventurasOntem à(s) 8:38 pmporSadakiyoKit mestre JOntem à(s) 8:22 pmpormestrejCapitulo 1 - O homem do terminal cinza!Ontem à(s) 8:06 pmporBarnabasBenks

Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo

Página 11 de 13 Anterior  1, 2, 3 ... 10, 11, 12, 13  Seguinte
Kenshin
Imagem :
Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 Ahri
Créditos :
41
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t360-agatha-harkness https://www.allbluerpg.com/t1972-capitulo-iii-solsticio#21373
Kenshin
Desenvolvedor
Relembrando a primeira mensagem :

Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo

Aqui ocorrerá a aventura dos(as) Piratas Subaé, Deep Scaleback,  Blade Sharptree A qual não possui narrador definido.

_________________

Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 J09J2lK

"Ah, mas eu não quero ter dois caminhos ou ah, mas eu não quero ter caminho nenhum. Ué, você já pode porra, a única coisa que te impede de fazer isso é ser zé metinha e querer ficar comparando o tamanho do pau com o coleguinha pra compensar o ego frustrado." - Luquinhas, 2022

Subaé
Imagem :
Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 Cantinho_foto
Créditos :
22
Localização :
Nos bares de então
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t354-subae?highlight=subaé https://www.allbluerpg.com/t348-cabras-da-peste-vol-1-amanhecer-do-sul#1033
Subaé
Criador de Conteúdo

31: Red Line


Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 Redlin10

A partida de Baterilla ocorreu sem maiores problemas. Partimos deixando a ilha tropical para trás, avançamos pela tempestade por algum tempo até que uma extensa linha carmesim pudesse ser vista ao fundo no horizonte. Iria cambaleando para a cozinha do lamento onde pegaria 6 copos e os levaria para o convés onde os encheria com o resto do goró de meu cantil ao distribuir um para cada um de meus companheiros, contando Mono e Zuba.

-Excelente trabalho lá atrás - Diria ao entregar o copo para Nix  - Você é feroz!

Entregaria um copo para meu filho - Pode beber! ZeBeBeBaBaBa! É um momento especial!

-Fico feliz que tenha retornado ao meu bando - piscaria para Mono ao entregar seu respectivo copo - tu é um bom marujo, o do melhor tipo!!

Continuaria a caminhar pelo convés que, revoltosamente, balançava por conta do mar.

-  Bem vindo à bordo - falei ao entregar o copo à Beowulf - Pegue e fique à vontade.

-Finalmente, meu companheiro!- O último copo seria entregue ao Deep -  Nossa verdadeira jornada vai começar!!

-Quero propor um brinde aos nossos novos companheiros e para a nossa nova jornada! - observaria o paredão vermelho no horizonte e apontaria para o mesmo - Vejam aquele paredão de rochas vermelhas, aquela é a entrada da Grande Rota!! - e Então estenderia o copo cheio para brindar com os cabras.

-Lá, INICIAREMOS A ERA DO CANGAÇO!!

Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 Brinde10

Brindariamos em respeito à aventura que está por vir, mas depois disso eu não poderia me dar ao luxo de ficar de bobeira, afinal, o mar está revolto demais e qualquer coisa pode acontecer. Já vi muitos piratas frustrados por terem cedido ao mar nesse ponto do trajeto.

Certa vez conheci um homem sem pernas que me disse “A Grande Rota não é brincadeira, se você bobear vai morrer antes de conseguir passar por aquela entrada”. Ele perdeu toda a tripulação em um acidente naval quando tentou se aventurar nesse mar.

-PESSOAL, ESTAMOS EM MARES REVOLTOSOS E A PARTIR DE AGORA A COBRA VAI FUMAR!! ATENTEM-SE PARA FECHAR VELAS!

Provavelmente alguns redemoinhos poderiam ocorrer durante o percurso, neste caso seguiria conduzindo o Lamento a fim de contornar os redemoinhos tempestuosos. é um trabalho simples até para um navegador com a minha experiência, mas a tempestade e o mar revolto pesariam o leme ao ponto de dificultar o manejo do mesmo -Alguém me ajude! preciso de uma mãozinha para ajustar ao barco na corrente marítima, O LEME ESTÁ MUITO PESADO POR CONTA DA FORÇA TEMPESTADE!!

Me recordaria de um outro marujo que conheci quando era apenas um bucaneiro adolescente. Naquela época aquele homem estava me ensinando os princípios básicos da navegação quando me contou sobre o caminho de entrada para a Grande Rota “Quem quer que ouse adentrar aquele mar misterioso deve saber navegar muito bem! Escute, no caminho de entrada existe uma série de redemoinhos que tornam a navegação perto da entrada praticamente fatal, por isso deve-se achar uma rota para que o barco acerte corretamente a entrada da montanha.”

Tendo conseguido ajustar o Lamento de Caronte na correnteza certa, usaria de toda a minha força para deixar o leme imóvel para que o barco não saísse do rumo e caísse em algum redemoinho  - Segure forte desse lado que eu seguro desse outro aqui!!!! Se a gente quiser viver, precisamos manter o barco nessa correnteza!!

Continuaria a manter o barco na direção da correnteza da montanha, seja lá o que quer que isso signifique.


info.:









15.760/15.760280/4004/1015/15

_________________

Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 Unknown

Tabela de preços:
Formiga
Imagem :
Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 26613303cf
Créditos :
5
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t1843-nymeria-nymph
Formiga
Desenvolvedor




Cabras da Peste

Vol 03 - Velozes e Furiosos - Desafios Marítimo


Dia 03 ||Reino Sobert - South Blue || Clima: Frio ||
N° de Postagens do Narrador: 32



Desgraçados


Todos



A jornada rumo a Grand Line continuava sem muitos problemas, claro, se desconsiderarmos aquela tempestade que se formou alguns momentos atrás, tendo um aumento gradativo. Nix estava admirando sua nova arma, usando o apetrecho vindo com a arma para colocá-la nas suas costas. A comemoração pelo começo da aventura em novos mares foi feita em um drinque, sendo que parte da bebida foi lançada no mar pelo lobo branco. O tritão não demorou para fazer uma tentativa de trazer aquele líquido novamente para o copo, mas suas capacidades e domínio da água não foram capazes de fazer aquela separação, ele nem mesmo conseguiu puxar uma quantidade de água do mar para dentro do copo do lobo.

O paredão estava visível para todos os presentes, assim como o navio que estava bons metros à frente no mar. O homem-peixe partiu sem muitos problemas imerso na imensidão azul, visando atingir a embarcação que estava à sua frente e finalizar rapidamente um possível inimigo. No entanto, em determinado trecho percebeu que os redemoinhos começaram a ficar mais fortes e aquilo seria perigoso, obrigando o pirata a voltar para o seu navio tão rápido quanto foi até lá. Nix estava pronta para o combate, mas a forte chuva que estava se acumulando no céu começou a despencar. Os relâmpagos e trovões cortavam o céu como se uma batalha divina estivesse acontecendo naquele momento, será que era Nido dando boas vindas a Beowulf?

O barco que estava mais a frente tinha dificuldades em passar pelos redemoinhos que se formavam com maior velocidade, Subaé tinha um certo trabalho em manter o curso do Lamento e logo pedia apoio, sendo auxiliado pelo lobo que usando da sua força, conseguiu travar o leme sem maiores problemas. O céu escureceu ainda mais, o dia parecia que tinha se transformado em noite e a velocidade do vento fazia as gotas de chuva serem como disparos de arma de fogo, isso é, exceto para aqueles que tinham uma baixa sensibilidade à dor. Zuba correu para o interior, enquanto Monoliso permaneceu no convés ajudando da maneira que podia. O som do mar revolto se chocando contra o casco era algo brutal, Nix não conseguia mais ficar parada em uma posição confortável, já que além da chuva massacrar a sua pele, a embarcação balançava fortemente.

Em certo ponto do trajeto uma das cordas não resistiu a força do mar, forçando o tritão a usar sua força para primeiramente segurar e manter as coisas no eixo, seguindo por um forte nó feito pelo mesmo. O mar como supracitado estava extremamente revolto, ao ponto de lançar a pequena garota maluquinha para cima, para sua forte Scaleback agarrou suas vestes com a própria boca, impedindo que ela fosse lançada no mar. Monoliso estava em uma situação pior, agarrado a uma corda estava voando na parte lateral do convés, chocando seu corpo diversas vezes contra a embarcação, alguém precisaria ajudá-lo, seus gritos eram abafados pelo som da natureza, mas ainda sim eram capazes de vê-lo.

A passagem pelos redemoinhos foi algo selvagem, mas o pior ainda estava por vir. O lamento conseguiu passar pelo desafio inicial com turbulência, ficando próximo a cachoeira de correnteza estranha, já que ao invés de descer, ela subia. A embarcação que estava na frente já tinha começado a sua subida, mas suas velas estavam acabadas e seu mastro parecia que iria se romper a qualquer momento. Assim que o lamento começasse a sua subida, eles notariam que os fortes ventos impulsionavam o navio com velocidade, notando que a distância entre ele e o seu “semelhante” na frente, diminuiam gradativamente. Não demorou para que o navio na frente perdesse sua força, caindo para trás repentinamente.

O grupo deveria tomar uma ação rápida, Subaé seria capaz de elaborar uma esquiva marítima? Eles iriam aproveitar das rochas a lateral para de alguma forma prender o navio e mudar sua direção? Jogaria Beowulf contra onavio inimigo e ele que lute para lidar com aquele problema? O navio caia com velocidade enquanto o lamento subia de maneira ainda mais veloz.



Histórico Geral:

Legendas:


Cor da fala




Jupges
Imagem :
Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 Https%3A%2F%2Fpictures.betaseries.com%2Fbanners%2Fepisodes%2F81841%2F1069791
Créditos :
00
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t1419-nero-vil-gax https://www.allbluerpg.com/t1652p30-curiosidades-em-serie-novos-horizontes-act-ii#20786
Jupges
Pirata
Beowulf via a tempestade ao seu redor, e sentia na pele aquilo que parecia ser um aviso de seu deus, mas não seria a chuva aquela a parar o lobo. Se fosse necessário continuaria segurando o timão do barco, mas se fosse possível o lobo iria até o meio do convés. No meio do convés Beowulf abriria seus braços, levantando eles se virando para os céus, o lobo começava a falar:

-Nido! Sei que pequei e te decepcionei, e agora intercede no nome da Rainha do Mar para me castigar, não direi que não mereço, e também não posso dizer que aqueles que me acompanham são inocentes, mas acalmem os mares por favor!

Beowulf continuaria após uma pausa, respirando de maneira ofegante quando se ajoelhava no meio do barco e começava a gritar:

-Eu chamo a Dama das Marés, grande rainha dos mares,
apaixonada esposa dos desamparados,
filha do tempo e de coração selvagem,
mãe de grandes feras e poderosos heróis.
Em dias distantes você era bem conhecida; em fogo seu nome
foi esculpido eternizado; em tempestades para sempre lembrada,
e em todas as províncias. Poderosa Rainha do Mar,
tu seguras em suas mãos as águas do mundo,
as profundezas salgadas que nos trouxeram todos para a vida;
que levou a humanidade a muitas terras, para reunir
riqueza e sabedoria; que nutria nossos antepassados mais distantes
e formou os padrões de nossas vidas. Rainha do Mar,
fabricante e mestre das akumas, portadora do cálice,
move-terras, senhora das feras das profundezas,
Senhora das ondas, deusa do mar, eu chamo por ti.


Logo após pedir ajuda aos céus Beowulf chacoalharia sua cabeça e se atentaria aos seus arredores, se algum superior ordenasse qualquer coisa Beowulf iria cumprir de imediato sem nem mesmo pensar.

Beowulf ficaria na maior parte do tempo ao lado de Subaé, segurando no ombro da cabra não para se estabilizar em meio a tempestade, mas para garantir que o caprino não sairia voando em meio as poderosas ondas. Beowulf se manteria o mais estável possível e se fosse necessária alguma ação para não voar, o lobo puxaria seu machado e enfincaria ele no chão do barco, se segurando no barco para não voar.

objetivos:
Atributos, vantagens e perícias:

Histórico:

_________________

Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 JOLLY_PNG
Deep
Imagem :
Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 Tfig50k
Créditos :
05
Localização :
Sirarossa - West Blue
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t1116-deep-cutt#10446 https://www.allbluerpg.com/t1386-cap-2-ascendendo-as-profundezas#14266
Deep
Novato


Tão horrenda a força dos ventos, uma corda se soltou das amarras chicoteando o ar perante o vendaval que lançava gotas de água a resvalar em minhas escamas sem eu as sentir ou perceber, minha pele era dura, minha resistência a dor alta e meu óculos protegia os olhos. Precisaria de mais do que aquilo para eu me intimidar com água. Me joguei em direção a corda, agarrando a ponta da mesma com uma mão e onde ela devia estar amarrada, com a outra, então fiz força para dar um nó.

A força da tempestade brigou comigo em um cabo de guerra até que consegui unir os pontos e dar início a um nó, nesse momento Nix, a pequena humana novata que não devia estar se segurando muito bem, passava voando perto de mim, ela iria cair na água e minhas mãos estavam ocupadas, sem nem pensar a agarrei pelas roupas com minha boca e por entre meus dentes cerrados, resmunguei:

-Tah querrento apruender a voa, pequena?

Ela soltava uma fala fofa que me parecia estranha para o momento e situação, mas já começava a me parecer que quando se fala da Nix, o comum não era lá muito… Comum… Gosto disso nas pessoas. No entanto bastou eu soltar a pequena no convés que ouvi Monoliso em apuros. Meu nó estava feito, então era hora de correr novamente.

Correria em direção ao macaco e tentaria agarrar ele ou a corda em que se segurava, o puxando minha direção, momento no qual veria a situação do barco que ameaçava bater em nós. Não havia tempo, era hora de ver meu treino. Tentaria somar minha capacidade a meus músculos e puxar a corda e a água nas roupas do macaco ao mesmo tempo para o trazer mais rápido à bordo.

Se conseguisse o trazer, o soltaria no convés para ele poder ir se esconder e sairia disparado para a frente do navio, se aquela coisa sequer encostasse no casco do lamento, íamos virar picadinho, não era hora de dosar esforços. Beberia os dois goles restantes de berserker guardados e me agarraria a frente do barco com os braços agarrados a madeiras do convés e meu corpo para fora do mesmo, no local onde parecia que os barcos poderiam se chocar. Exatamente, me faria de amortecedor vivo ao me inflar e me preparar para o impacto, sabia que a força da pancada seria absurda, mas ossos partidos seriam muito melhor que um bando morto.

Tentaria manter minha boca fechada e o ar dentro de mim o máximo possível para evitar murchar muito rápido e acabar não evitando uma pancada maior, teria que confiar na capacidade do capetão em manter o barco no caminho com o que restasse do impacto.

Após a pancada tentaria voltar ao convés, se muito ferido ou exausto pelo esforço, de forma a perceber que seria difícil me erguer ao convés sozinho ou até mesmo sequer me manter sem cair na água, tentaria forçar a água abaixo de mim a subir em um jato e me jogar no convés onde ficaria ofegante.

Histórico:







_________________

Legenda:

-Fala do Deep

-Voz da entidade

Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 TbTEfdK
Jean Fraga
Imagem :
Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 FaqI0wB
Créditos :
15
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t1620-liu-feng#17327 https://www.allbluerpg.com/t2047-ii-deuses-entre-nos#21998


Velozes e furiosos: Desafio marítimo


- Cabras Vs Mundo -

A vontade era uma, contudo os mares mostravam suas garras, incapacitando-me de agir, no fim havia perdido meu tempo ficando molhada e tomando ondas fortes de vento na cara.

O clima mudava completamente, era como se estivéssemos indo para o fim do mundo, onde estava os vastos e lindos mares que sempre ouvi falar, o sol que racha até mesmo madeira? — Mentirosos!!! Malditos cidadãos de Sorbet e suas mentiras! Eu vou voltar e me vingar de voc-

Mal conseguia acabar minha fala quando era arremessada ao mar, os ventos eram fortes e meu porte físico imensamente exuberante não aguentava toda pressão, ficava mais revoltada ainda, não bastava os mentirosos o clima me odiava, — Arghhhhhhhhhhh! – Gritava conforme avistava o mar cada vez mais perto.

Porém nem mesmo o clima era mais forte que Deep, que de forma audaciosa me segurava com a boca, ele era... diferente, a sensação de antes se retornava e mesmo sentindo frio, o calor que sentia em meu coração me aquecia, por mais que fosse emocionalmente falando, porque na verdade, eu não parava de tremer.

Com as bochechas vermelhas e quase explodindo como uma dinamite, diria toda envergonhada, — Ah para de bobeira imediato... O- Obrigado!! – Sai correndo sem olhar para trás, porque eu sentia tanta vergonha em falar com o peixe? De toda forma, corria para dentro do navio, tentando me juntar com os outros por lá.

Infelizmente meu tamanho era incapacitante para um momento com este, sobrava a mim, me proteger e torcer para os outros nos salvarem naquele momento, ainda assim, não podia ficar parada, então correria pela parte interna do barco procurando furos, buracos ou entradas de água na fuselagem, se encontrasse, iria correndo até mono e Zuba, — Precisamos fazer algo!! O barco está cheio de problemas, enquanto eles se matam lá fora precisamos fazer o mesmo aqui dentro.

— Mono! Baldes, madeiras, pregos e martelos, tem algo disso aqui dentro?! – Com a resposta, buscaria pegar os itens e junto dos dois, tentaria arrumar a carcaça do lamento, — Irmão! enquanto eu e mono arrumamos, fique encarregado de tirar a agua de dentro!


HistóricoInfo
Nº de Posts: 19
Ferimentos

  • N/A

Ganhos:

  • Rifle Winchester - Arma Clássica - POST 17

Perdas

  • N/A




_________________

Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 OAKySZI
Subaé
Imagem :
Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 Cantinho_foto
Créditos :
22
Localização :
Nos bares de então
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t354-subae?highlight=subaé https://www.allbluerpg.com/t348-cabras-da-peste-vol-1-amanhecer-do-sul#1033
Subaé
Criador de Conteúdo

32: subida


Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 _jI5uQ

Meus olhos não conseguiam acreditar no que estavam vendo. Contradizendo toda a lógica universal, a corrente marítima do canal, aparentemente, subia com força para além das tempestuosas nuvens cinzas. A chuva caía sobre meu corpo causando imensa dor, dor que eu deveria aguentar se quisesse chegar ao outro lado da montanha com vida.

Um arrepio subiu-me pela espinha pois nem mesmo eu, que já naveguei por todos os cantos do Sul, vi uma coisa tão extraordinária e perigosa. Naquele momento eu sabia que qualquer descuido poderia acarretar não só na minha morte, mas também na de todo o bando.

Monoliso estava quase partindo dessa pra uma melhor, pendurado na lateral do navio apenas segurando-se por uma corda. Deixaria o resgate do macaco para que outro alguém se encarrega-se, afinal, o máximo que eu posso fazer para ajudar a todos nesse momento é evitar que o Lamento se choque contra as rochas. Não que isso seja pouca coisa.

E com a tempestade forte e o risco iminente de chocar-se contra as rochas vermelhas já não sendo pouca coisa, o navio na nossa frente despencou no meio da subida e começou a cair em nossa direção.

Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 CARA

-MA… MA… MA… MAS O QUE ?!?!?!?!?

Usaria de todas as minhas forças para girar o leme para estibordo a fim de sair da frente do outro barco que estava a despencar em nossa direção. Mas outro perigo nos espreita a estibordo também, existe o perigo das pedras como já citei acima. Por isso, travaria o leme com meu corpo após girá-lo a estibordo para que o mesmo não saísse de rota e então impulsionaria todo o meu peso contra o leme; por conta da dificuldade de manuseio, travaria meus chifres nos pegadores do leme e empurraria-o para bombordo também com o auxílio da cabeça, usando os chifres.

O objetivo de tal ação estava claro, tentaria fazer o lamento esquivar do barco utilizando a aceleração para regular o ângulo do desvio. Viraria o leme na direção da curva a fim de equilibrar junto da aceleração para manter a manobra sem bater nas pedras ao lado.

Depois de desviar do barco em queda, apenas abraçaria o leme e Beo, onde gritaria em meio às lágrimas por conta da subida radical. Tamanho era o medo de cair ou bater nas pedras… não me julgue! quantas montanhas você já subiu assim?


Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 Tumblr_m5cch0PHPh1r5ctlfo1_r1_400

info.:









15.760/15.760280/4003/1014/15

_________________

Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 Unknown

Tabela de preços:
Formiga
Imagem :
Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 26613303cf
Créditos :
5
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t1843-nymeria-nymph
Formiga
Desenvolvedor




Cabras da Peste

Vol 03 - Velozes e Furiosos - Desafios Marítimo


Dia 03 ||Reino Sobert - South Blue || Clima: Frio ||
N° de Postagens do Narrador: 33



Desgraçados


Todos



A relação entre os tripulantes parecia ficar mais intensa, mesmo que a situação não proporcionasse o melhor dos climas. Nix havia sido salva pelo homem-peixe e aparentemente parecia nutrir um sentimento afetivo relacionado a ele, partindo em disparada para o interior da embarcação sem mais delongas, indo averiguar o estado da parte inferior do navio. O outro casal era nada mais, nada menos que Subaé e Beowulf, que seguravam o leme em uma clima de paixão, por mais que parecesse que o lobo gostaria de está segurando em uma madeira diferente. Enfim, em determinado ponto daquele misto de sentimentos e sensações – Subaé que o diga, já que pela altura a madeira do lobão roçava na região da sua cervical ou pior, da sua nuca – o Lobo branco partiu para o centro do convés e começou uma puta duma oração para seu Deus, falando uma caralhada de coisa e PORRA! PARECIA QUE TAVA DANDO CERTO.

Quanto mais Beowulf clamava, melhor o clima ficava, coincidência ou seriam os poderes do Santo Beo entrando em ação? Não sabemos, a questão é que o mar ficou ligeiramente mais calmo – após sair da tempestade – e a subida continuava frenética, tão frenética ao ponto de um puta Brigue despencar na direção do Lamento. Deep rapidamente partiu para salvar a figura que estava prestes a morrer em plena travessia, puxando Monoliso para dentro com maestria e vendo a sombra do navio ficando cada vez maior, afinal, ele estava se aproximando com velocidade. Sem muito tempo para pensar, como um verdadeiro muro e defensor da tripulação, o tritão agiu como tal, partindo para a ponta da embarcação e se preparando para usar suas qualidades raciais em prol do bem de todos.

Subaé estava sozinho, com o mar ligeiramente mais calmo, ele conseguiu controlar o leme, mesmo que fosse necessário um esforço por parte da Cabra. Falando nele, o capitão parecia um tanto quanto mais forte e/ou motivado em suas ações, seria o medo da morte ou a “encoxada” do lobo despertou algo no canto mais profundo da existência do selvagem? Que seja, usando de todo o seu conhecimento e todas as peculiaridades do seu próprio corpo, aplicou uma manobra arriscada, mas que tirou o peso do navio inimigo do corpo do homem-peixe, que se encontrava inflado na ponta do navio. Claro, o baque aconteceu e por mais que ele tentasse manter sua boca fechada, quando o impacto veio – parcialmente – os danos internos logo foram sentidos na alma de Scaleback, que não conseguiu permanecer inflado e logo esvaziou como um grande balão de festa.

Óbvio, ele ainda teve forças para jogar seu corpo para dentro novamente, caindo no chão sentindo as dores internas na região da sua dorsal, mesmo com sua sensibilidade à dor. O sangue praticamente se jogou para fora da sua boca, mostrando a situação ligeiramente preocupante do corpo do homem-peixe. A pior sensação que percorreu o corpo do tritão foi o fato de suas pernas falharem, sim, a princípio – quando tentasse ficar de pé – sentiria uma fraqueza dominando aquela área, no entanto, após no máximo dois passos, sentiria a perda total das forças e controla da sua perna, como se estivesse ficado literalmente aleijado. Por mais que tentasse não conseguiria caminhar ou sequer mover as pernas, caso tocasse – Deep ou outra pessoa – o homem-peixe conseguiria sentir o toque na região, mesmo que fosse algo extremamente leve como uma pena caindo no ponto tocado.

O pior perigo havia passado, mesmo que para infelicidade dos tripulantes, a situação da muralha não era uma das melhores, será que ele realmente iria perder o movimento das pernas? A subida da Reverse continuava com louvor, o clima começava a ficar relativamente mais tranquilo, principalmente após o grupo atravessar a barreira das densas nuvens tempestuosas que dificultaram a chegada até ali. O astro rei brilhava com intensidade no céu e a visão daquele que parecia ser um mar de algodão, era algo realmente divino, uma criação que era digna dos Deuses. Já no interior do navio Nix encontrou alguns pontos preocupantes na carcaça da embarcação, avisando rapidamente a Monoliso, que se tratando de um carpinteiro tinha o conhecimento e habilidade necessária para fazer o reparo com maestria, sendo auxiliado por Zuba e a própria garota em alguns momentos – Precisamos de um reparo total na próxima parada, isso é, se conseguimos chegar até lá. – Falou Monoliso visivelmente preocupado com o estado do barco.

A chegada até o topo não iria demorar muito a acontecer e com isso o grupo deveria se preparar para o salto de descida, amarrar bem os itens e principalmente cuidar daquele que não estava em um bom estado.



Histórico Geral:

Legendas:


Deep
Imagem :
Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 Tfig50k
Créditos :
05
Localização :
Sirarossa - West Blue
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t1116-deep-cutt#10446 https://www.allbluerpg.com/t1386-cap-2-ascendendo-as-profundezas#14266
Deep
Novato


Partia para salvar o chato do Monoliso e enquanto realizava seu salvamento notava o impacto iminente, sem pensar duas vezes, como de costume, me joguei para tentar aliviar os danos no barco, confiando que o capetão desviaria o suficiente do impacto para que eu não morresse, mas com a dedicação de me matar se necessário para salvar meus companheiros.

Me inflava enquanto minha coloração mudava, tinha tomado duas doses ao invés de uma, apenas para um “vai que ajuda”, não tinha certeza do que podia ocorrer comigo por isso, mas eu vou sempre pro tudo ou nada. Dessa vez consegui segurar o impacto, Subaé desviou parcialmente, mas as embarcações ainda iam resvalar na estreita passagem e eu corpo serviu como amortecedor. Minha boca estava cerrada para o ar não sair, mas tamanho era o impacto, que mesmo reduzido forçou o ar para fora e através de meus dentes como se não fosse nada. Aguentei firmemente, braços enroscados na madeira do barco para me apoiar e ter algo para apertar e aguentar melhor a dor, não queria demonstrar a dor que sentia a tripulação, iria apenas causar medo acharem que ele não poderia ser mais forte ou aguentar mais dano que isso.

Quando o impacto acabou era como se um peso enorme saísse de meus ombros, algo praticamente literal, usei meus braços para me puxar cuspindo sangue para o convés, como esperado, os danos eram altos, aparentemente eu não conseguia ficar em pé na primeira tentativa, não sentia as pernas e caía sentado, cansado, ferido, incapacitado, mas eu olhava para ver se estavam bem, é minha responsabilidade como cozinheiro garantir o banquete depois e para ser um banquete todos precisam estar nele.

Eu sabia que não navegaremos nas nuvens, assim como também sabia o que viria agora, não era minha primeira vez, mas ao ouvir o capitão falar sobre a descida eu percebia que não poderia ajudar com preparativos da mesma, então me agarrava com força as madeiras da beirada do convés, cuspia sangue na água e ao invés de olhar para a frente, onde estaria a queda, olharia para trás, para ficar de olho no que ocorria no barco durante a queda, posso até estar sem as pernas, mas não estou sem responsabilidades.

Se alguém acabasse por sair voando do barco, largaria do convés e não apenas me deixaria cair junto, como daria impulso com os braços para tentar alcançar a pessoa na queda e a agarrar, uma vez segurando meu alvo tentaria me agarrar no barco para não sairmos dele.

Caso a queda nos levasse para longe do barco, se estivéssemos abaixo, tentaria abrir meus braços para me “agarrar” no ar e tentar reduzir a velocidade de minha queda para o barco nos alcançar e eu poder me agarrar ao mesmo. No caso de estarmos acima da embarcação, me inflaria e sopraria mirando os céus usando toda a força de meus pulmões, tentando assim acelerar minha queda para alcançar o barco e me agarrar nele.

Se a pessoa que voasse, fosse o capitão, tentaria me agarrar ao convés do barco após grudar nele, tentaria usar minhas unhas e escama para me agarrar a madeira e rastejar com o capitão para o leme, onde o colocaria e me manteria por perto o segurando no lugar, enquanto me segurava no barco enrolando meu braço no suporte do leme.
Qualquer pancada ou dor que eu sentisse, seria ignorada, danos e dor são coisas que eu deixo para reclamar no momento de folga, agora é trabalho duro e não deixarei ninguém morrer nessa travessia… Não no meu turno.
Histórico:







_________________

Legenda:

-Fala do Deep

-Voz da entidade

Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 TbTEfdK
Jean Fraga
Imagem :
Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 FaqI0wB
Créditos :
15
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t1620-liu-feng#17327 https://www.allbluerpg.com/t2047-ii-deuses-entre-nos#21998


Velozes e furiosos: Desafio marítimo


- O fim de um ciclo? -

Por sorte Monoliso era bom no que fazia e com seu auxilio iria tentando de forma rápida concertar os problemas que fossem possíveis de resolver com os equipamentos escassos que ali haviam.

Quando um forte barulho me assustava, logo deixando-me preocupada com os que estavam do lado de fora, o barco parecia continuar seu percurso, então poderia ter sido com Beo ou... com o DEEP!!

Soltando o que tivesse em mãos, correria até a porta, porém olhava com pressa, então parecia que o gigante peixe estava cansado e havia decidido ficar deitado descansando, — Nem mesmo esse caos é problema pra você... – Sorria e instantes antes de entrar olhava para o sol que aos poucos nos iluminava com mais força.

Abaixo dele, quase como uma pintura, um lindo mar nos esperava, meus ânimos voltavam ao pico, — IHUUU ESTAMOS CHEGANDO GRAND LINE!! – Minha vontade era de ficar ali fora, quem sabe até deitada ao lado de Deep, tal fato que a cada segundo fazia mais sentido, ele estava apreciando a vista!

Porém para que ele curtisse agora, deveria cuidar da parte interna com Zuba e Mono, coisa que se intensificava quando ouvia o grito de Subaé, entrando no barco eu gritaria repetindo as palavras do capitão, afinal os dois poderiam não ter ouvido.

— MONO! ZUBA!! AMARREM TUDO QUE POSSA SE MEXER, SE SEGUREM ESTAMOS PRESTES A DESÇER!! – Com o aviso, esqueceria por hora o conserto do navio, focando-me em amarrar e prender tudo que pudesse sair voando.

Ao fim, preferiria ficar dentro do barco, então dentro da cozinha, me seguraria com força na escadaria, semiflexionado meus joelhos, para tentar diminuir possíveis impactos que sofresse.


HistóricoInfo
Nº de Posts: 20
Ferimentos

  • N/A

Ganhos:

  • Rifle Winchester - Arma Clássica - POST 17

Perdas

  • N/A




_________________

Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 OAKySZI
Subaé
Imagem :
Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 Cantinho_foto
Créditos :
22
Localização :
Nos bares de então
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t354-subae?highlight=subaé https://www.allbluerpg.com/t348-cabras-da-peste-vol-1-amanhecer-do-sul#1033
Subaé
Criador de Conteúdo

33: Descida


Soundtrack:

A minha manobra foi bem executada mas não teria sido o suficiente. A iminência do choque entre as embarcações era definida pela largura do canal e todos seriam mortos na colisão se não fosse pela ação de Deep que se jogou na frente do lamento e recebeu todo o impacto. Agora só quem vai morrer são os caras do outro barco.

Aquilo me assustou. Estou acostumado com o peixão aguentando todo tipo de porrada, mas essa foi com certeza a que mais deve ter doído, então, quando vi o baiacu desinflar igual um balão eu não consegui conter a minha cara de espanto pela segunda vez.

Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 CARA

-DEEEEEEEEEEP!!!

Não pensaria duas vezes, pegaria a corda presa mais próxima e correria à todo o pique na direção de meu companheiro obeso. Se alguma caixa ou barril desgovernado saísse voando em minha direção eu saltaria realizando uma esquiva, e, usando a mesma para conseguir mais impulso e saltaria na direção de Deep.

-ISSO FOI INSANO PRA CARALHO!! - diria ao socar a lateral da cabeça do baiacu - NÃO TENTE SE MATAR DESSA FORMA! SE VOCÊ MORRESSE AGORA ESSA JORNADA NÃO TERIA GRAÇA ALGUMA, ENTÃO NÃO SE MATE!!! Ah, e obrigado… Você salvou o nosso cu.

continuaria agarrado no parapeito enquanto seguraria Deep com o máximo de minhas forças (como se isso fosse impedir algo).

Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 4cw7l

Quando o barco desse o salto eu começaria a gritar mais do que eu já estava gritando, isso mesmo, desbloqueei o novo grito de pavor. e então me seguraria mais forte ainda para não sair voando. Entretanto, todo o pavor sumiria ao ver o belo oceano conhecido como grande rota à minha frente, lá no alto o meu coração palpitaria à mil por conta da empolgação.

Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 Images?q=tbn:ANd9GcRhn_E88wa1mH-O6CS9zFMEiZSnRlHU4POxnj9BdvRGqrhMv5eoBioxxNYd4E8wKKkyM6U&usqp=CAU

-Então é aqui que o One Piece está!

Meus olhos brilhariam maravilhados diante de tamanha imensidão e até um sorriso surgiria em minha face.

Mas essa cena comovente duraria pouco, pois quando o Lamento começasse a ganhar velocidade de queda os meus gritos voltariam a ecoar pela montanha enquanto eu me cagasse todo por conta do medo.


Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 CARA

info.:









15.760/15.760280/4002/1013/15


Última edição por Subaé em Seg Jan 17, 2022 12:20 am, editado 1 vez(es)

_________________

Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 Unknown

Tabela de preços:
Jupges
Imagem :
Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 Https%3A%2F%2Fpictures.betaseries.com%2Fbanners%2Fepisodes%2F81841%2F1069791
Créditos :
00
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t1419-nero-vil-gax https://www.allbluerpg.com/t1652p30-curiosidades-em-serie-novos-horizontes-act-ii#20786
Jupges
Pirata
Conforme o clima melhorava Beowulf agradecia, seus deuses não haviam abandonado ele. Com um sorriso no rosto por um breve momento tudo ficou calmo, até que o barco vinha na nossa direção mas aquele tritão de maneira formidável aguentava todo o impacto, talvez ele fosse algo além do que ele mesmo imaginava, mas um tritão, tão corrompido pela pirataria como ele não seria agraciado pelos deuses... ou seria?

O tritão se arrastava para o barco e aparentava a primeira vista estar bem, só de estar vivo já era algo impressionante. E no momento que o barco subiu a cachoeira, Beowulf correu, pegando uma corda se conseguisse achar na sua vista, e amarrando tudo que estava solto no barco, sejam caixas ou barris soltos no convés ou qualquer outra coisa.

A garota gritava preocupada com o tritão e Subaé corria até o mesmo, neste momento Beowulf olhou para o mar, mas não havia mar algum abaixo do barco, apenas nuvens, e o Sol, brilhando e dando um caloroso abraço em Beowulf, o vento gelado secando seu pelo molhado em um momento que durou poucos segundos, mas a paz que este momento trouxe ao lobo durou uma eternidade.

Beowulf então sabia o que vinha em seguida, o lobo sentou perto da borda do barco e se segurou nele, calmamente como se não houvesse perigo algum. Baixinho Beowulf murmurava:

-A minha jornada começou Ângelo.

objetivos:
Atributos, vantagens e perícias:

Histórico:

_________________

Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 JOLLY_PNG
Formiga
Imagem :
Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 26613303cf
Créditos :
5
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t1843-nymeria-nymph
Formiga
Desenvolvedor




Cabras da Peste

Vol 03 - Velozes e Furiosos - Desafios Marítimo


Dia 03 ||Reino Sobert - South Blue || Clima: Frio ||
N° de Postagens do Narrador: 34



Desgraçados


Todos



A subida tinha sido complicada, o pior havia passado após um trabalho impecável do capitão na condução do barco e o sacríficio louvável do imediato, em segurar parte da colisão que certamente destruiria completamente o lamento. Falando nele, sua situação não era das melhores! Suas pernas ainda não funcionavam, mas ele agora tinha uma melhor percepção que aquele trauma não era algo que levaria para o resto da vida, na verdade, era algo passageiro. Subaé estava preocupado com seu aliado, assim como o restante dos tripulantes que realizavam suas ações sem muitos problemas.

A jovem Nix avisou a dupla no interior do navio sobre as ordens do bode, eles correram prendendo o máximo de caixas e itens possíveis com algumas cordas encontradas no mesmo ambiente, entretanto, não tiveram tempo hábil para concluir com êxito toda sua ação. Isso valia também para os membros no convés, que infelizmente não conseguiram prender todas as caixas e barris vazios que estavam espalhados pelo convés. Todos se seguraram do seu próprio jeito, alguns em desespero, com o capitão que gritava aos quatros ventos naquele momento, já outros estavam tranquilo, como o caso de Beowulf que mantinha seus animos controlados, como se aquilo tudo nada fosse além que um simples passeio na montanha russa.

Com todos presos – inclusive o capitão segurando Deep – o barco começou a pegar o embalo da descida; as cordas tremiam como se fossem partir a qualquer momento, a vela parecia que iria estourar e se desprender do mastro; até mesmo o próprio mastro parecia envergar pouco a pouco com a forte pressão do vento. O interior do barco era mais tranquilo, por mais que alguns itens voassem na cozinha, Nix estava em uma posição segura e relativamente tranquila, segurando todo o tranco que o impacto final causaria. Falando no diabo, não demorou muito para que sentissem o forte impacto atingindo o casco com ferocidade e o navio ficando quase que completamente imerso, contudo voltando ao estado normal logo em seguida.

Os Cabras da Peste estavam agora nos mares tortuosos da Grand Line, logo em frente puderam avistar facilmente um grande Farol, uma silhueta que aparentava ser uma estrutura refinada, mas que claramente enganava os novatos naqueles mares. O navio voltou ao seu curso normal, o som dos martelos vindos do interior da embarcação podiam ser ouvidos por todos os membros, Monoliso e Zuba estavam e um árduo trabalho para reparar parcialmente todo o dano causado pela travessia. Aos poucos o grupo pode ter uma noção melhor da estrutura precária da ilha que recebia todos aqueles que conseguiam descer com segurança, uma grande estrutura formada por resto de navios e outros itens visivelmente reutilizados. O porto estava movimentado, cerca de quatro embarcações estavam atracadas ali e aparentemente uma pequena confusão tinha acabado de acontecer, já que os ânimos do pessoal presente ainda estavam à flor da pele, assim como os corpos ensanguentados daqueles que – aparentemente – foram os vitoriosos.



Histórico Geral:

Legendas:

Deep
Imagem :
Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 Tfig50k
Créditos :
05
Localização :
Sirarossa - West Blue
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t1116-deep-cutt#10446 https://www.allbluerpg.com/t1386-cap-2-ascendendo-as-profundezas#14266
Deep
Novato


O capetão pulava para me ajudar, apesar de eu não pedir ajuda, seria mais seguro para todos ele ficar no leme, no entanto como agora ele estava sozinho lá, era melhor ele ter algum lugar para se segurar, então não reclamei… Mas céus… Para que esse berreiro, é só uma queda homem… Das nuvens? Ok, mas caralho.

Quando o navio quase submerge no fim da descida, eu me preocupava com a possibilidade de afundar, mas pelo menos a cabra parava de gritar… Meus tímpanos agradecem.

Quando voltávamos à superfície ganhamos visão do farol, não era minha primeira vez aqui, então tudo trazia muita nostalgia, apesar que minha primeira visita foi completamente diferente de agora, para começar que meu caminho era o oposto e eu era um tritão totalmente diferente de como sou hoje.

Perdido em nostalgia não percebia os tripulantes virem em minha direção, pareciam perceber que eu não tava levantando tão rápido quanto eles, a primeira era a pequena Nix, ela parecia realmente preocupada comigo, era raro ver esse tipo de sentimento para mim, principalmente partindo de humanos, ela com toda certeza era diferente.

-Tudo tranquilo, pequena, só uma ferida de leve…

Por mais que eu achasse que poderia ser algo grave, não ia trazer isso à tona numa situação que eu não considerava necessária, eu tinha que trazer a sensação de segurança ao bando, senão não tinha o porque de eu ser o imediato.
O próximo a perguntar era o médico, não teria como esconder dele uma ferida, então preferi falar de forma como se não fosse um problema, evitar uma conversa tratando a ferida como grave, mesmo que fosse.

-Humm... Não sei bem... Meio dormente as pernas... Cuspi um pouco de sangue.... Sacomé... Quarta feira…


Nix caía na fala de que não era nada grave e ia para perto do capetão que queria atracar, o lobo falava termos médicos que eu entendia pelo meio, mas não parecia ser tão grave como eu temia que pudesse ser, então olhei pra Nix e Subaé e decidi lhes dar um aviso, afinal ambos tendem a não sentir bem a tensão no ar.

-Hein.... Não estamos mais nos blues... Fiquem atentos.


Os dois pareciam entender, então eu me colocava em pé, o médico falava que meu corpo estava se virando bem com a ferida, então não tinha por que evitar andar, só ir devagar até as pernas ficarem bem firmes novamente.

-Se você diz... Mas eu queria mascar uma hydra agora... Será que aqueles bunda mole tem bebidas? Mais importante... Lobo, verifica como estamos de comida... Se algo caiu na água e o que…

Falava pro médico enquanto eu olhava para alguns combatentes ensanguentados em terra firme, eu não sabia se teria como comprar mantimentos no farol, mas aquelas quatro embarcações dele com certeza tinham algum mantimento para completar o nosso… Eles também não pareciam muito inteiros para serem uma ameaça.

-Ihh rapaz... O Coiote caolho... Eu tomei uma surra federal aqui quando passei mais de 15 anos atrás…

Diria ao me levantar e avistar o bar, se o lobo falasse que não conhecia bem o local, esbanjaria um sorriso e diria:

-Com certeza não é sua praia essas bandas mesmo... Aqui é dedo no cu e gritaria... Saudades

Tentaria então acompanhar o mais de perto possível Nix e o capetão, isso sem andar muito rápido para não mancar demais, não me importava de parecer lento, mas não queria demonstrar que minhas pernas estavam feridas… Assim como eu podia atacar aqueles bandos para pegar o que eu queria, eles podiam nos atacar pelo mesmo.

Tentaria andar perto dos meus companheiros, mas sempre estando o mais próximo do mar possível no grupo, sempre sendo o mais que está do lado da direção do mar.

Se em algum momento ouvisse alguém falando algo em tom de zuar, ridicularizar ou ameaçar, qualquer um de nós, diria em tom sério:

-O que você disse, seu merdinha?

Se alguém tentasse nos atacar ou sequer tocar de forma hostil, tentaria puxar uma bolha de água como eu treinei, sendo essa água de algo por perto, seja mar, um balde ou até mesmo de nossas roupas molhadas pela submersão, iria então a agarrar com a mão e a arremessar como uma bala usando toda minha força contra a cabeça do atacante.

No caso de alguém me atacar, sabia que minhas pernas podiam não aguentar uma porrada e me fazerem cair, então se alguém fosse me atacar, aproveitaria meu próprio estilo de luta já e tentaria deixar meu corpo cair em sua direção, assim minha queda parecia um ataque e não uma fraqueza. Caso a pessoa fosse ágil para sair debaixo de mim durante a queda, inflaria para aumentar meu tamanho e tentar impedir a fuga.

Histórico:


_________________

Legenda:

-Fala do Deep

-Voz da entidade

Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 TbTEfdK
Jupges
Imagem :
Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 Https%3A%2F%2Fpictures.betaseries.com%2Fbanners%2Fepisodes%2F81841%2F1069791
Créditos :
00
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t1419-nero-vil-gax https://www.allbluerpg.com/t1652p30-curiosidades-em-serie-novos-horizontes-act-ii#20786
Jupges
Pirata
A descida foi o mais tranquila que poderia ter sido, o tritão não havia morrido e um farol gigantesco podia ser visto por Beowulf. Apesar de ter se molhado aquilo pelo menos servia para limpar o sangue do corpo de Beowulf, e o lobo agradecia aos céus por isso.

O lobo se surpreendia quando a cabra falava para nunca comentar o que aconteceu antes, -Eu só te segurei para que você não saísse voando, a cabra perguntava sobre quem iria no bar com ela e Beowulf respondia, -Eu vou ver como que o tritão está.

Ao chegar na frente do tritão Beowulf dizia:

-Ei! Como você está?

O tritão respondia falando sobre as pernas estarem dormentes, e o lobo analisaria os ferimentos usando de sua diagnose, depois de passar um pouco de tempo pensando chegava a conclusão em sua mente de que não era nada realmente grave, o que era impressionante.

-Uma hemorragia interna... Bom as pernas ficarem dormentes não é algo de se estranhar

Beowulf analisaria e chegaria a conclusão de que aparentemente o corpo do tritão lidaria bem com a situação, então Beowulf diria:

-O impacto foi bem grande mas seu corpo está tratando disso sozinho. Impressionante tritão, verdadeiramente impressionante

Beowulf então observaria os suprimentos como foi ordenado pelo tritão, antes de ir Beowulf diria, -Vou ver, estava tudo na cozinha, vejamos se permaneceu lá. Beowulf então depois de observar diria o que estava faltando, e se nada estivesse faltando Beowulf diria que tudo estava bem.

O tritão fazia um comentário, indicando que já havia passado pelo local, e o lobo dizia com um certo pesar e leve preocupação em sua voz:

-E a partir daqui eu estou em uma terra que não conheço bem

Beowulf ouvia o comentário de Deep e dava uma risada leve, arfando ar pelo nariz e boca. Beowulf andaria atrás de Deep, tentando proteger o membro que neste momento estava no estado mais frágil do grupo, agora ele tinha uma dívida de vida com o tritão e o mínimo que poderia fazer é se mostrar agradecido.

Ouvindo muita coisa ruim sobre a Grand Line, caso percebesse alguma briga se formando, Beowulf pegaria seu machado e apoiaria ele em seu ombro direito, segurando ele de maneira intimidadora e cobrindo seu corpo com uma aura de eletricidade utilizando de seu electro, isto provavelmente não evitaria inimigos de chegarem perto, mas que pelo menos eles soubessem o que estão prestes a enfrentar se quisessem avançar até o grupo.

objetivos:
Atributos, vantagens e perícias:

Histórico:

_________________

Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 JOLLY_PNG
Subaé
Imagem :
Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 Cantinho_foto
Créditos :
22
Localização :
Nos bares de então
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t354-subae?highlight=subaé https://www.allbluerpg.com/t348-cabras-da-peste-vol-1-amanhecer-do-sul#1033
Subaé
Criador de Conteúdo

34: Excitação


A descida pela montanha foi assustadora mas no final conseguimos chegar ao outro lado inteiros e com vida. Eu me encontrava no batente frontal no barco, junto a Deep. Agarrava o batente como se minha vida dependesse disso, mesmo depois que o barco perdeu velocidade.

Inacreditavelmente, o clima parecia ser mais calmo deste lado da montanha, ainda assim era frio. Notei que em um dos cabos existia um grande farol isolado em meio a rochas e terras inférteis, no outro cabo havia uma pequena cidade feita de destroços onde havia um porto onde outras quatro embarcações estavam atracadas.

Com as pernas ainda tremendo, caminharia pelo convés e então perceberia que estava todo sujo de medo.

“que maldição”

Avistaria o Beo e me aproximaria do mesmo  - Nunca mais vamos falar sobre o que aconteceu lá atrás, okay? - diria ao dar-lhe uns tapinhas no ombro. Depois iria até o leme onde poderia conduzir o Lamento até o porto  da cidade dos destroços.

-MONO, ZUBA ICEM VELAS E PREPAREM-SE PARA ATRACAR.

Chegando no porto, ajudaria os marujos a atracar o navio e então olharia para o mar, enamorando-me pelo novo horizonte que acabara de conhecer - O mundo realmente é maravilhosamente imenso! - falei comigo mesmo sem conseguir deixar de sorrir - faz muito tempo que não me sinto assim de novo - O meu coração palpitava desenfreadamente diante o desconhecido, essa é a sensação que antecede grandes experiências e descobertas. Aventuras maravilhosas - Foi por essa sensação que parti para o mar ZeBeBeBaBa!! e eu que achei que ela já havia se extinguido!

Agora me sinto completo, pois, depois de novamente quase ter morrido, estar com minha tripulação, meu navio, e com essa excitação infantil em meu peito… eu me sinto renascido.

Observei a cidade de destroços e lembrei que ainda precisamos pegar um montão de coisas para nos preparar para a viagem, já que os nossos planos em Baterilla não foram lá muito eficientes. Além do mais, eu não tenho ideia de qual caminho tomar a partir daqui e também não tenho nenhuma bússola.

-Cabras!! - falei para que todos me ouvissem - eu vou atrás de um goró e de informações sobre o novo mar! Quem quer vir comigo?

Nix se prontificou em me acompanhar e já foi empolgadíssima, como de praste, saltando para fora da embarcação. A guria me apressaria, mas antes de sair eu precisaria resolver algumas coisas.

-Calma, calma -  Iria até Monoliso e perguntaria sobre o que seria necessário para que ele deixasse o Lamento nos trinques - Monoliso, tome conta do Lamento! Talvez, quando voltar eu te traga um agrado - Depois iria até Zuba e o convidaria para vir comigo e Nix, por fim saltaria do lamento para o cais - Prontinho, vamos.

No porto,  observaria indiscriminadamente o pessoal ensanguentado e todos os outros que por lá estivessem e se alguém se aproximasse eu perguntaria - E ai homi, o que foi que aconteceu por aqui? ZeBeBeBaBa Parece que a briga foi feia - escutaria toda a história atentamente, balançando a cabeça positivamente com a mão no queixo - Caramba, que situação ein?! Eu e meus tripulantes também passamos por poucas e boas no caminho até aqui. Parece que todos nós precisamos de uma cerveja gelada para relaxar, não é? ZeBeBeBaBa!!!! Por falar nisso, ocê num saberia me dizer onde eu posso conseguir bebida e informações por aqui?


info.:









15.760/15.760280/4001/1012/15

_________________

Cabras da Peste, vol 3- Velozes e furiosos: Desafio marítimo - Página 11 Unknown

Tabela de preços: