Bem-vindo ao

All Blue

É com muito prazer que lhes damos os comprimentos ao nosso RPG. All Blue se trata de um RPG narrativo com o ambiente principal centrado em One Piece, obra de Eiichiro Oda.
Se divirta nessa nova aventura e se torne o novo rei pirata... Se puder!

Hellhounds 6 - Sands and Tears

Página 4 de 4 Anterior  1, 2, 3, 4
Sasha
Imagem :
Berserker
Créditos :
58
Localização :
Rota 6 - 4ª Ilha Vedde
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t340-sasha-sparks#1002 https://www.allbluerpg.com/
Sasha
Rank B
Hellhounds 6 - Sands and Tears Qui Ago 18, 2022 11:10 pm
Relembrando a primeira mensagem :



Hellhounds 6 - Sands and Tears


[ Caçadores de recompensa]Shimizu D. Akira e Às E. Volkerbäll

não possui narrador definido.
Aberta

_________________



Hellhounds 6 - Sands and Tears - Página 4 9g2joTh


Blindao
Imagem :
Hellhounds 6 - Sands and Tears - Página 4 ZDZLMTU
Créditos :
1
Localização :
Segunda Rota ~ Lotda
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t296-thorkell-dragnar-godheim https://www.allbluerpg.com/t1057-4-capitulo-gigantorines-em-altai
Blindao
Tenente
Re: Hellhounds 6 - Sands and Tears Qui Set 22, 2022 10:01 pm

Narração
Aventura

O tritão ia logo avaliando o estado da jovem Mizuki, percebendo que mais estava debilitada por motivo das caçadoras estarem sendo caçadas, o que era um pouco irônico, mas era a realidade. Graças a Akira e Às, a queda de Ras faria os assassinos recuarem e se esconderem por medida de segurança, pelo menos os que ainda sobraram. Afinal, boa parte da quadrilha teria sido presa por consequência das ações de Nephthy.

Durante o tempo que o tritão analisava o estado febril da caçadora, pedirá para o canino ficar de guarda. – Pode deixar parça. Ele diria caminhando em direção a porta e saindo para o lado de fora, montando vigília. Luna traria um copo de água para ajudar com o estado de Mizuki. – Beba um pouco de água, ajudará. Ela diria entregando para sua aliada beber o liquido. – Obrigado Luna, obrigado Akira. Mizuki diria com um pouco de dificuldade.

Após uma averiguação, Akira notaria um corte próximo das costelas que estava com uma cara bem feia. Todavia, Shimizu rapidamente tratava o ferimento e proporcionava a solução mais ágil possível junto de suas chamas para melhorar o tratamento, o que teria uma resposta bastante positiva.

Enquanto Mizuki descansava, caindo no sono em razão da exaustão, Akira puxava assunto com Luna sobre as informações que a mulher teria dito outrora, inclusive falando sobre os dele. – Que bom que está aprendendo a usar suas habilidades. Luna diria com um rosto tranquilo. – Estivemos indo e vindo de vários pontos turísticos e alguns mais... escondidos. A caçadora diria com um rosto agora mais apreensivo. – Parece que um banquete acontecerá em pouco tempo. Mizuki e eu soubemos que será uma organização chamada RA. E que os revolucionários estão tramando uma guerra para tomar posse do trono, pois, com sumiço do rei, e a ajuda de alguns nobres, eles querem tirar proveito da situação e conquistar o castelo da família Mesbah. Ela proferia com sinceridade e seriedade para com o evento.

Luna era uma excelente barda cuja as capacidades em obter e extrair informações era até mesmo melhor que seus dotes de caçadora, mais sendo voltada a uma caçadora de informações do que procurados. Então era de se confiar em suas palavras, agora com algumas informações que Akira detinha, poderia associar e entender que havia algo por trás de tudo, principalmente com sumiço do rei em questão.

A situação havia instigado o tritão a tentar se comunicar com sua irmã, Às, com intuito de explicar o que acorrerá. No entanto, o den den mushi não conseguiu contato, isto porque o local que a caçadora estava era isolado por algum tipo de interceptador. Apesar de Akira não saber onde Às estava, talvez desconfiasse o motivo de o comunicador não ter retorno.

Durante esse tempo, a caçadora Volkerball estava com a princesa Mesbah no Ninho de Hórus, cujo era um local semelhante ao submundo. Conversando sobre o local, Às trazia a princesa para mais próxima, quase podendo tocar pele na pele. – Está ficando um pouco quente aqui. Ela diria olhando nos olhos de Às, não se importando da ousadia da caçadora, talvez pelo contrário. Ainda que não fosse o momento certo, por motivo de seu pai estar sumido e sua mãe lhe cobrando constantemente, era perceptível um clima entre as duas.

Às era bastante astuta e muito ardilosa, já que, sabendo que a princesa havia torrado uma grana para descobrir a senha de entrada do Ninho, como também que haveria um informante lá. – Você é bem perspicaz Às. Ela diria em um tom baixo enquanto tomaria um pouco da bebida a seguir. A caçadora comentava sobre os nobres que lá estavam, não se importando nem um pouco de esconder seus rostos. – Aqueles são os Mormont. Uma família bastante antiga e com raízes por todos negócios. Ela diria continuamente em um tom baixo, voltando a tomar um pouco da bebida e novamente desviando seu olhar da família que estava sentada ao fundo do recinto com alguns homens; parecia ser algum tipo de negociação.

Com toda merda acontecendo lá dentro, não era só Volkerball que estava furiosa, Nephthy também havia ficado. Afinal, se tratava de crianças bem como a caçadora teria notado. - Mantenha a calma... não podemos perder essa oportunidade. A princesa diria, pois, sabia que se perdesse a chance de obter provas dos atos da família e do local, certamente levaria mais tempo para descobrir o próximo local; afinal, aquele evento não era em um lugar fixo, mas sim sempre se movendo por questão estratégica.

Apesar dos piratas, revolucionários, apostadores e comerciantes ilegais, a família Mormont certamente seria a que mais chamaria atenção. No entanto, antes que Às tomasse uma precipitada ação, com razão é claro, Nephthy teria a pegado sutilmente pelo braço e mostrado uma pessoa vinda em sua direção. Sirius teria notado traços nas vestes iguais a da família Mormont, pois, todos usavam roupas semelhantes.

O rapaz viria até o bar e então faria um gesto com a mão sinalizando para trazer uma bebida. – Vejo que aceitou minha oferta. Ele diria sem olhar para a princesa e a caçadora. – Sigam-me, está muito barulhento aqui. E então ele apanharia a bebida e caminharia até um ambiente um pouco menos movimentado naquele andar.

Seguindo o nobre até o outro recinto, demorando alguns segundos para não dar na telha, Às ia logo tomando as rédeas do assunto. O homem apontava a mão para a mulher, como se pedisse para ela parar. – Você sabe quem eu sou? Para ficar exigindo alguma coisa. Ele era arrogante, tão arrogante que com suas palavras ele olhava friamente para Volkerball como se pouco se importasse com a presença dela, o que não era o caso. – Espere um pouco Às, ele é confiável. Pelo menos enquanto ele puder ganhar com isso. Nephthy teria dito, como se não tivesse muita escolha. Mas antes alguém que precisasse de algo em troca do que meramente por boa vontade. Nunca se sabe em quem confiar.

O homem então bebia sua taça por alguns segundos e retornava falar. – Kassius Mormont, a seu dispor. E você seria... Ele perguntaria interessado pelo ímpeto da mulher, apesar de sua excêntrica personalidade, não parecia ser o tipo que frequentava aquele lugar, não se um proposito.

Independente se a caçadora se apresentasse ou não, ele tornaria falar. – Princesa... eu lhe fiz uma proposta algum tempo atrás, e torno a dizer: terá todo meu conhecimento e apoio, desde que me faça o líder da minha família. Ele era ambicioso, isso era bem óbvio. – Eu sei onde está seu pai... ou pelo menos onde ele estava. Era um pouco estranho a forma que ele dizia, mas pelo menos dava entender que o rei estava vivo.

Poderia parecer uma oferta incrível e louvável, mas com certeza não era. Afinal, a princesa sabia bem que aceitando isso teria que tomar as providencias para com os líderes da família Mormont. – Certo! Me de as provas, o paradeiro de meu pai... e eu cumprirei minha parte. Ela diria com desgosto, mas sabendo que era mais para o bem do que para o mal.

Então Kassius movimentava sobre uma mesa, onde ele estava sentado, um dossiê repleto de dados ilícitos dos lideres da família. – Aqui está. Ele então enfatizou. – Seu pai foi pego por Hórus. Este mesmo que corrompeu parte da célula revolucionaria de Alabasta. Ele finaliza sua bebida na taça, voltando a falar. - É dito que quando Elsa ajudou o Rei Osiris no passado em relação ao governo, Hórus estava começando dentro do exercito com objetivo de criar sua própria revolução. Mas pouco se sabe sobre isso... nem mesmo eu sei muito. O homem parecia estar sendo sincero, até porque ele tinha muito a ganhar com o suporte da princesa.

Nephthy ficou um pouco pensativa e então comentou. – Uffs. Você continua o mesmo ein, ambicioso e egocêntrico. Ela deixou escapar um sorriso amigável, logo Kassius retornou com um sutil sorriso. – Temos que almejar o topo, afinal. Ele diria olhando para Nephthy e em seguida para Às, demonstrando ler visualmente o estado da caçadora.

A princesa e o homem pareciam ser conhecidos de longa data, ainda que sua interação não fosse lá tão amistosa. Semelhante aqueles casamentos pré-determinados onde as partes tinham que conviver uma com a outra, mesmo que o ódio pairasse na relação.

Histórico Akira:

Histórico Às:



_________________

Hellhounds 6 - Sands and Tears - Página 4 2uAvx3T_d
Yami
Imagem :
Hellhounds 6 - Sands and Tears - Página 4 Giphy
Créditos :
25
Localização :
Alabasta - 7ª Rota
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t343-shimizu-d-akira#1013 https://www.allbluerpg.com/t1413-hellhounds-5-darude-sandstorm
Yami
Avaliador
Re: Hellhounds 6 - Sands and Tears Sex Set 23, 2022 4:28 pm

Sands and Tears
- Falas | ~ Pensamentos



Por sorte, o ferimento de Mizuki não era nada muito profundo, apesar de exigir um tratamento adequado para não haver uma piora significante. Graças àquelas chamas que agora sabia produzir, o ferimento acelerava a taxa de recuperação a níveis inumanos, exigindo um descanso imediato por parte da mulher imediatamente. Acariciava sua testa em tom feliz e tenro, satisfeito por ela ter conseguido descansar, enfim. — Às tava cuidando disso. Tinha umas maçãs podres nos Rá, mas eles até que não são gente ruim. — Diria de forma natural, ainda sem tirar os olhos de Mizuki.

Relembrava-me de meu amigo Snark, que havia se colocado em perigo por aqueles que havia acabado de conhecer, meramente movido pela sede de justiça em fazer a coisa certa. — E como disse, Às está com a princesa e estamos compelidos a resgatar o rei agora. Então acho que eles vão ficar tristes em saber que os planos deles vão por água abaixo, GHYAHAHAHA! — Não era nenhuma novidade sobre a célula de Rá estar pendente de uma movimentação política arriscada, mas recordava-me de Ísis e de suas intenções, e com certeza fazer um golpe de estado mediante violência não parecia ser muito o jeito dela. — Mas seja lá quem esteja por trás do sumiço do rei, deve se beneficiar desse golpe. Esses nobres, viu… — Suspirava desgostoso em imaginar que a ganância poderia fazer coisas realmente horríveis.

De qualquer maneira, parece que chegamos na ilha num momento delicado. — Refletia, apoiando-me na janela para ver o céu de Alabasta no lado de fora. — Esse povo está numa briga constante pelo poder e agora uma vaga surgiu. Todos querem ocupá-la, e estão dispostos a fazerem de tudo para alcançar a isso. Outros, por outro lado, querem ver o circo pegar fogo. E eu… Só queria minha festa. — Diria de forma simplificada. Politicagem, poder, glória e riquezas eram antagônicas das palavras que me definiam. Relembrava-me dos caçadores Hebino, Glaunt e Hosokawa, que haviam demonstrado uma animação que nenhuma outra ilha havia demonstrado… Talvez fossem apenas um grão neste vasto deserto.

Abria um largo bocejo, deixando os dentes pontiagudos praticamente saltarem para fora. — Você e Mizuki deveriam descansar. Estão há muito tempo em alerta e já está tarde. Deixe que Rango e eu fiquemos de olho, sim? E amanhã podemos falar com Às e ver o que mais ela soube. Deve ter desligado o comunicador para ter mair privacidade. — Concluía, visto que o Den Den Mushi não completava a chamada. Se Luna não tivesse outros planos além do sugerido, sinalizaria para que Rango retornasse para o quarto, onde eu ficaria pela janela observando a vida lá fora. Vez ou outra, acionaria o Arrepio do Akira para sentir algo nos arredores, mas estava tranquilo em imaginar que a noite seria tranquila. Apesar de um leve tom de preocupação com o bem-estar de minha irmã, sabia que agora ela estava segura e bem, e provavelmente estava fazendo o seu melhor para desembaralhar toda aquela bagunça.

Pediria serviço de quarto para que entregassem um lanche noturno, permitindo que eu ficasse algumas horas entretidos com a comida. Apesar da falta de sono, o repouso estava me fazendo bem, me fazendo refletir o quão diferente estaria o meu corpo agora se não fosse por aquelas chamas amaldiçoadas. — Sabe, provavelmente eu estaria todo enfaixado e quebrado agora se não fosse por esse maldito pássaro. Lembra como eu fiquei depois de derrotar aquele tubarão-ciborgue que soltava tiro pelas tetas? Nossa… Eu fiquei uns três dias em coma. — Comentaria com Rango, percebendo que não havia nenhum tipo de ferimento em mim, e que provavelmente sentir machucados por muito tempo seriam uma realidade que eu não mais saberia.

Apesar da vontade ainda grande em retornar para a festa na taverna, confesso que sentia-me feliz em estar na presença de meus amigos e de vê-los bem. Acho que, no fim das contas, as festas eram apenas um reflexo disso, sabe? Não dá para festejar se aqueles que você ama estão passando por maus bocados. Comemorações de verdade são feitas para celebrar a vida, ao bem-estar e, acima de tudo, às amizades. Caso Às me contactasse durante a noite precisando de um auxílio, avisaria para Rango sobre isso, deixando que meu irmão tomasse conta das meninas enquanto eu lidaria com o assunto. — Deixe-as descansarem. Teremos tempo de sobra para dormir quando isso tudo tiver acabado. — Confiando que ele seria capaz de protegê-las, sairia voando dali atrás de mais um resgate.


  • Posts: 16
  • Ganhos: B$ 149.000.000 (metade da recompensa de Ras - Post 12)
  • Perdas: Minério Luminita (Post 12), B$ 1.000.000 (gorjeta Post 13)
  • Alterações: Depósito de B$ 249.000.000 no banco (Post 12)
  • Contagem Caçador: B$ 845.500.000 - Rank B (acrescido da recompensa de Ras, 298 milhões)
  • Players/NPCs: Ras Alh Gul, Princesa Nephthy
  • Localização: Alabasta - 7ª Rota - Grand Line



PDV: 91.180/91.180
STA: 2.120/2.200
CONDIÇÕES: N/A
FERIMENTOS: N/A

Força: 1500 +80 +440 +1000 +1000 +350 [Shigan] = 4.370 [Extravagante]
Destreza: 1685 +1000 = 2685 [Perito]
Acerto: 3670 +80 +440 +1200 +1155 Jujutsu = 6545 [Magnífico]
Reflexo: 188 +440 +1200 +1155 Jujutsu +350 [Kami-e] = 3333 [Perito]
Constituição: 1200 +80 = 1280 [Talentoso]

Agilidade: 4939 +350 [Soru/Geppou]
Oportunidade de Ataque: 3
Armadura: 0 +1000 +350 [Tekkai] +10% Força [Jujutsu]
Penetração: 0 +1000

Formas Zoans:

Qualidades:

Defeitos:

Primeiros SocorrosVocê sabe tratar ferimentos externos, de gravidade simples ou moderada, além de ser capaz de ministrar o tratamento inicial de qualquer tipo de ferimento. A proficiência primeiros socorros contempla ações como: parar sangramentos, fazer curativos, mitigar danos e similares.

CirurgiaVocê é capaz de tratar ferimentos graves e internos, desde que esteja em posse dos instrumentos apropriados.

AnatomiaVocê conhece o funcionamento e estrutura do corpo dos humanóides, sabendo identificar órgãos, artérias, veias, músculos e todo o resto.

DiagnoseVocê conhece diversas doenças, sabendo identificar seus sintomas e quadro de evolução, além disso, sabe ministrar os tratamentos para frear ou erradicar a doença, se existentes.

AcrobaciaVocê possui um corpo flexível e é capaz de dar saltos elaborados e piruetas, além disso, consegue equilibrar-se em várias superfícies, fazer malabarismo e sabe como amortecer suas quedas.

FarmáciaCom os instrumentos corretos, você é capaz de criar e manipular remédios, seja através de ingredientes orgânicos ou químicos..

HerbalismoVocê conhece plantas, ervas e suas propriedades. Sabe onde encontrar a planta ou erva que deseja, como cultivá-la, se elas têm propriedades venenosas, características curativas ou alucinógenas. Você pode utilizar as propriedades in natura das plantas e ervas que encontrar, mas essa proficiência não permite a manipulação das mesmas.

ToxicologiaVocê conhece e sabe identificar diversos venenos, sejam eles orgânicos ou não. Além disso, é capaz de produzir venenos, com os materiais e matéria prima necessários. Essa proficiência também contempla a criação de antídotos.

HipnoseAtravés de sugestões mentais, você pode tentar manipular o comportamento de um indivíduo.

FísicaVocê conhece a natureza e as suas leis, sendo capaz de realizar cálculos para prever fenômenos.

DançaVocê conhece diversos estilos de dança e é capaz de executá-los com maestria.


Profissão:
MédicoOs médicos são especialistas em saúde humana e/ou animal, sabendo preservar a saúde de seus companheiros e sendo capaz de tratar os mais diversos ferimentos.

Bônus: Jogadores médicos são extremos conhecedores do corpo humano, assim sendo, são capazes de aplicar e encerrar condições por meio de tratamentos, criações e técnicas, além disso, podem tratar qualquer ferimento.


Médico de GuerraBônus: Ao estar sob os cuidados de um Médico de Guerra em meio a uma urgência, o jogador poderá receber um tratamento extremamente veloz (mas não necessariamente o ideal) para solucionar o problema que está enfrentando naquele instante. Entretanto, a solução é ilusória, gerando uma espécie de Pontos de Vida Temporários (narrativo) para que a pessoa possa procurar por um tratamento melhor ou finalizar um combate difícil de lidar. Além disso, remédios produzidos pelo Médico de Guerra são capazes de garantir efeitos bônus em capacidades físicas em uma maior duração durante um combate.


Arma: BubblesArma: Bubbles
Descrição: Um par de manoplas cuidadosamente forjado para garantir uma boa proteção, com a base de tungstênio puro, mostra-se extremamente resistente ao calor, seu design parece carregar consigo alguma característica hidrodinâmica, sendo pensada para um tritão usar.
Tipo da Arma: Manopla
Qualidade: Forjada
Durabilidade: Alta
Dano: 1000
Estado: Nova


Maleta Médica
Kit de Bandagens: Contém 26 bandagens para tratamento de feridos e 10 talas junto deles para caso haja necessidade.
Espaço no inventário: 2 por unidade
Bisturi: Extremamente afiado e fino, feito para uso cirúrgico.
Espaço no inventário: 0.5 por unidade
Kit de Agulha Esterilizada: 10 agulhas pré esterilizadas para facilitar tratamentos rápidos, são vendidas num pacote lacrado e com invólucros as separando...
Usos: 10 usos.
Espaço no inventário: 0.5 por unidade
Álcool: Uma garrafa de 2l de álcool para fins diversos.
Usos: 18 usos.
Espaço no inventário: 1 por unidade
Estetoscópio: Um instrumento usado por médicos para ouvir as batidas do coração entre outros barulhos internos.
Espaço no inventário: 0.5 por unidade
Medidor de Pressão: Um medidor de pressão arterial para fins médicos.
Espaço no inventário: 1 por unidade
Remédios: Remédios de uso comum, antigripal, antiinflamatório, remédio para tosse e Soro fisiológico.
Usos: 5 usos. (um uso para cada um)
Espaço no inventário: 0.5 por unidade.
Sedativos: Aqui se encontram sedativos, como morfina e afins. Especifique qual o sedativo na hora da compra. (Morfina)
Usos: 4 usos
Espaço no inventário: 0.5 por unidade
Matéria Prima para Criação de Remédios:
Itens diversos para a produção de fármacos.
Usos: 9 usos.
Espaço no inventário: 1 por unidade


Insígnia da PurezaDescrição: Essa insígnia emana um brilho colorido, como uma espécie de aura que envolve o portador. A aura pode assumir qualquer cor que o usuário escolher. Porém, é apenas visual, não sendo capaz de causar condições ao utilizar disso.


Den Den Mushi BebêDescrição: Diferentemente do Regular, esses são usados pela sua portabilidade, é normal levar eles tranquilamente na mochila, o que ajuda a se comunicar com pessoas da mesma ilha que estejam longe de você, mas seu alcance não vai além de uma mesma ilha.


Water DialDescrição: São dials capazes de armazenar e liberar água, eles conseguem guardar um total de até 20l dentro deles de forma compactada, podendo liberar de forma controlada, ou pressurizada, dependendo do usuário. Ao ser usado para combate para disparos pressurizados, a água pode ir até 10m a frente, tendo 10 usos até a necessidade de recarga.


Enciclopédia Akuma no MiDescrição: O livro que contém o nome de todas as akumas conhecidas. O livro possui uma breve descrição de cada uma das akumas sem se aprofundar em suas capacidades ou fraquezas mas explicando o básico delas. Dessa forma um jogador com esse livro pode ver o código de sua akuma antes de comer ela, já sabendo das capacidades.


Roupas Típicas de AlabastaDescrição: Roupas Típicas de Alabasta, um turbante de cor azul claro e trajes confortáveis e folgados (calça, camisa de manga na cor branca e um lenço preso na cintura na cor azul). Todas bem resistentes, costuradas e aptas a vagar pelo deserto.



_________________

Hellhounds 6 - Sands and Tears - Página 4 V8upj2D

Hellhounds 6 - Sands and Tears - Página 4 YDNzcDa
Às
Imagem :
Hellhounds 6 - Sands and Tears - Página 4 BcOqz4N
Créditos :
08
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t271-as-e-volkerball#780 https://www.allbluerpg.com/t742-sharp-teeth-and-hard-fists
Às
Designer
Re: Hellhounds 6 - Sands and Tears Sex Set 23, 2022 8:59 pm



»» Sands and Tears ««

- Às Volkerbäll -


Ж


Acredite princesa, você ainda não viu o que é calor de verdade. - o comentário poderia conter um duplo sentido, porém a menção não era pelas vias de um interesse, mas sim de uma menção ainda que muito dispersa a respeito de calor, especialmente queimaduras tão graves que imaginar seria impossível para quem não as tivesse vivido. Ainda sim, podia observar em Nep um olhar bastante particular, do tipo que aumenta a sede e faz a imaginação viajar por alguns segundos. - Vamos nos concentrar no que precisamos fazer. - sussurrava, embora a dica facilmente pudesse servir para mim. Desta forma, entre um gole e outro de bebida, podia ouvir a mulher comentar sobre as figuras ali presentes, porém somente dar o devido destaque a um grupo específico. - Ou seja, uma família tão influente quanto a sua. Talvez até mais? - comentava, porém achava pertinente esclarecer o motivo. - Se estão aqui é porque não se importam de sujar seus negócios com pessoas moralmente questionáveis. - diria, momentos antes de observar os escravos e sentir um calor bem diferente subir pela minha espinha, o suficiente para ver-me na necessidade de pressionar Nep por uma ação mais concreta, antes que eu procurasse do meu jeito.

Eu já estou mantendo, só não vou dar garantias de que ficarei parada por tanto tempo. - sussurrava, cerrando meus dentes ao final daquilo, como se engolisse meu ímpeto pelo bem da ocasião. Por sorte, Nep puxava-me sutilmente, sinalizando a aproximação de alguém que rapidamente pude identificar como alguém que pertencia aos Mormont, o grupo de nobres que a princesa fez questão de identificar. O homem puxava assunto de forma indireta com a mulher e sugeria que a conversa continuasse em outro local. Silenciosamente ouvia e da mesma maneira me coloquei em movimento, segurando Nep pela cintura e a empurrando de maneira sutil, como se dissesse “pode ir, estou logo atrás de você”. Os passos duravam uma eternidade e meu olhar durante boa parte do tempo se manteve fixo nos escravos, como se ponderasse ou não fazer uma besteira, o silêncio duraria o tempo em que mantinha meu olhar longe do homem, passando a disparar perguntas assim que estivéssemos suficientemente afastados, o que de alguma maneira parecia ofendê-lo. - Normalmente quem fala isso, não é muita coisa. - a resposta saia afiada, encarando seu olhar arrogante enquanto pensava em uma resposta mais apropriada. - Você é alguém que está flertando com um soco na cara. - dizia em pensamento, suspirando longamente, antes de relaxar com as palavras de Nep, garantindo a confiabilidade no homem.

Tudo bem. - se aquelas palavras pudessem cortar, certamente o fariam, mas guardava a duras penas o ímpeto, dando ao homem o tempo que ele queria para sentir-se alguém de fato importante e necessário. - Ninguém. Eu não sou ninguém que valha a pena conhecer. - não fazia questão de me expor ao homem e certamente, seria até do agrado dele, não saber de mim. - Pau no cu de merda! - pensava de imediato ao ouvir sua proposta, especialmente por compreender bem suas intenções. A reação de Nep mostrava bem seu dilema, sua resposta era dúbia especialmente por falar algo que todo seu corpo parecia lutar para falar o completo oposto, mas no fim Kassius entregava não apenas um dossiê sobre sua própria família, como também a informação pela qual a mulher procurava. Ouvia tudo com atenção, porém não esperava escutar com tanta clareza o nome de minha mãe. - Está falando da Rainha dos Espinhos? - procuraria ter uma confirmação após o Mormont falar tudo a respeito. - Em relação ao governo? - diria com estranheza. - Que tipo de problema o Governo Mundial teria com Alabasta, para que uma revolucionária ajudasse o rei? - tentaria extrair mais um pouco de informação, mas desta vez mantinha um tom de voz mais suave, carregado muito mais de interesse do que “exigências”. - Você disse “parte do exército” isso implica que não são todos, existe alguma liderança que se oponha a Hórus? - bastaria saber essas coisas, para então ouvir Nep e o homem conversarem mais um pouco.

Parece que temos o que precisamos Nep. - diria a mulher. - Vamos até o Palácio, talvez agora tenhamos as perguntas certas para fazer por lá. - comentaria, sutilmente a puxando pela cintura, com o intuito de sair daquele local o mais depressa possível. - Sirius, quero que memorize cada rosto daqui. - pensaria em sintonia ao mecanismo, com o único intuito de ter em memória uma oportunidade de localizar tal local outra vez. Uma vez do lado de fora, caminharia com Nep por algumas quadras, certificando-me de que ninguém poderia estar nos seguindo e observando. - Alguma coisa não me cheira bem nessa história e não é o perfume bosta que aquele desgraçado estava usando. - diria em referência a Kassius. O clima daquele ambiente, parecia sufocar-me, prova disso é que uma vez do lado de fora, parecia enfim capaz de respirar com prazer, arfando profundamente enquanto podia sentir o frio passar pelas minhas mãos trêmulas de raiva. - Se Hórus quer uma revolução própria, isso envolve tomar o controle do reino. Se ele não atacou até agora é porque espera pelo momento certo. - diria, olhando Nep de soslaio. - Poucas perguntas restam a serem feitas, mas se o conflito já parece próximo, preciso treinar, preciso também falar com meu irmão o quanto antes. - responderia, não perdendo tempo e novamente segurando a princesa pela cintura e com o auxílio de Orion, dirigir-me rapidamente até o palácio real. Quando chegasse no local, pegaria o Den Den Mushi, chamando pelo ruivo. - Akira, você encontrou as meninas? Se sim, preciso que venha o mais rápido possível ao palácio, preciso dividir algo com vocês.

Após entrar em contato com Akira, apontaria para o portão. - Eu não conheço sua casa, se importa me apresentá-la? Prometo que não vou arranjar confusão aqui, desde que me prometa que não serei devorada pelos seus guardas, conselho, ou o que quer que tenha aqui de tedioso. - diria, em um tom levemente bem humorado.













Histórico:






_________________

Hellhounds 6 - Sands and Tears - Página 4 Z0zQdpF

Hellhounds 6 - Sands and Tears - Página 4 ZaT0xpq
Blindao
Imagem :
Hellhounds 6 - Sands and Tears - Página 4 ZDZLMTU
Créditos :
1
Localização :
Segunda Rota ~ Lotda
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t296-thorkell-dragnar-godheim https://www.allbluerpg.com/t1057-4-capitulo-gigantorines-em-altai
Blindao
Tenente

Narração
Aventura

Após o tratamento pelas mãos medicinais do tritão, Mizuki havia caído no sono com tranquilidade. Neste meio tempo, Akira e Luna conversavam sobre a situação em que Alabasta se encontrava, como principalmente no meio disto tudo havia entrado sem intenção. Luna acenava com a cabeça concordando com o tritão ao tempo que o mesmo estava apoiado na sacada do quarto do hotel.

A noite estrava estrelada e a lua cintilante. A temperatura havia baixado, ficando agora por volta de uns 25 graus, o que antes era bem mais quente. Não que fosse novidade o extremo calor na ilha. No entanto, era incrível como a mudança no clima ia do extremo calor ao extremo frio, isto num ciclo de 24 horas.

Luna havia concordado com o tritão sobre descansar, afinal, isso era algo que ela estava a tempos querendo fazer. A bardista deitava em um sofá e em poucos segundos nocauteava, pois, podia confiar em Shimizu e Rango de prontidão.

Akira havia pedido serviço de quarto e Rango teria recebido e trazido para dentro do quarto. Conversando com o canino sobre o passado, seria difícil o mesmo não rir com o ocorrido. – Verdade. Hahahaha! Ops. Ele diria tapando a boca para não acordar as donzelas. O Mink se encostava do lado da porta e permanecia em alerta. Apesar de Akira não mostrar estar muito atento, seus sentidos e habilidades estava sim monitorando. Afinal de contas, nunca se sabe quando pode ocorrer um ataque.

O ninho de Hórus bombava de transações e disputas como sempre, durante o tempo que Às e Nephthy estavam em uma área mais privada conversando com Kassius. A troca de informações prosseguia entre os três indivíduos, até que Às ouvirá o nome de sua falecida mãe. – Para um ninguém... você parece bastante informada. Kassius diria um tanto intrigado pela forma que Volkerball teria pronunciado. – Sim, a mulher conhecida como Rainha dos Espinhos foi uma associada ao Rei, se é que podemos dizer desta forma. Talvez fosse melhor dizer que Ela foi um “componente” na relação entre a Realeza Mesbah e o governo. O homem diria cruzando suas pernas e encostando seus braços sobre a poltrona, mostrando estar relaxado apesar da situação em que se encontrava.

Às tentava extorquir mais informações de Kassius, mas por motivo de sua forma rudes de antes e, por não ter muito coligação ao assunto central, ele respondia evitando o assunto. – Sim, minha cara. Mas isso ficou no passado, não se atenha a detalhes ditos por causalidade. Ele diria arqueando uma de suas sobrancelhas ainda que estivesse mais interessado no motivo do interesse repentino da mulher a sua frente, mas optava por se focar em seus interesses.

A pergunta a seguir de Volkerball daria uma oportunidade para Kassius responder por razão de relatar algo importante. – O exército revolucionário tem uma base central, mas todos as ramificações são células únicas que atuam por interesses divergentes, apesar de uma que outra atuarem adjunto. Mormont diria acreditando no que havia visto, ouvido e presenciado dos revolucionários desde o seu nascimento. – A organização que Hórus criou, junto de seus irmãos, foi consumida por ele em sua maioria. Alguns dizem que seu irmão foi morto e sua irmã presa. Boatos, mitos, que seja. De qualquer forma, existe sim um mandante acima de todos: O Major Barolth. Kassius então mostrou um rosto um pouco mais sério. – Ele é o mandante da primeira célula criada em Alabasta. Hórus chegou a fazer parte dela, junto de outros. Após cortar vínculos e criar a sua própria, junto de seus irmãos, corrompeu parte dos nobres, usou artimanhas de todo tipo e hoje... conquistou o que veem aqui. Kassius então apoiava seus braços na mesa e entrelaçava os dedos apoiando sobre o queixo. – Não da pra negar que ele conseguiu sair do campo de visão do Major, criou outra fundação e ainda conquistou tanto poder quanto o próprio homem. Poucos podem dizer que conseguiram tal feito. Ele finalizaria suas palavras em razão dos argumentos ditos com seriedade.

Após despedirem, Kassius permaneceu lá sentado, enquanto Às e Nephthy sairiam daquele nebuloso ambiente. A caçadora estava apreensiva com a situação, o que possuía sentido. – Talvez ele não tenha atacado por causa do Major. Ele não deve ter as forças necessárias para conseguir abolir a reputação e poder daquele que está acima dele. A princesa diria pensativa, pois, era a única coisa que teria sentido na posição de espera em que o homem se encontrava.

Volkerball estava determinada me ajudar Nephthy, mas já era tarde e ambas possuíam seus interesses. – Certo. Vamos até o palácio para ficarmos mais seguras. Nephthy diria agarrando a princesa e usando Orion para rapidamente se moverem até a grande construção e seus muros que cercavam. Chegando lá, os guardas de prontidão empunhavam suas armas assustados pela súbita aparição de duas mulheres. – Está tudo bem, sou eu. A princesa diria e os homens agilmente recuavam seus armamentos baixando suas cabeças. Afinal, já estavam acostumados a lidar com as escapadas da princesa.

Rumando para dentro do castelo, a caçadora se comunicava com o tritão com intuito de convoca-lo e explicar a situação. O palácio era fenomenal, talvez Às jamais havia visto aquilo em toda sua vida. Ele era revestido em um branco perolado luxuoso, mas não em soberba. Ele era grande, mas não sucumbindo as presenças que ali estavam. Ele era belo em suas estruturas, mas não tanto quanto as obras de artes das famílias que lá estavam.

A princesa começava a mostrar o palácio para a caçadora enquanto andavam por suas extensões. Haviam bastante serviçais, guardas e quartos para todos os lados. – Eu avisarei os guardas que seu amigo virá. Neste meio tempo, escolha um quarto e descanse. Há banheiros, cozinha e quartos para vocês descansarem. Estou exausta também. Amanha iremos falar com o Major e tentar resolver essa situação. Nephthy diria carinhosamente.

Ainda que a presença dos caçadores fosse autorizada pela princesa, os guardas jamais baixavam suas guardas sempre que um deles avistassem tanto Às quanto Akira; assim que ele chegasse. Era por volta das duas da manhã, mas ainda assim havia guardas de sobra lá dentro.

Histórico Akira:

Histórico Às:



_________________

Hellhounds 6 - Sands and Tears - Página 4 2uAvx3T_d