Bem-vindo ao

All Blue

É com muito prazer que lhes damos os comprimentos ao nosso RPG. All Blue se trata de um RPG narrativo com o ambiente principal centrado em One Piece, obra de Eiichiro Oda.
Se divirta nessa nova aventura e se torne o novo rei pirata... Se puder!

Últimos assuntos
Ato II — Tiro, Porrada e ÁguaHoje à(s) 12:46 amporFormigaCap 3 - Uma gloriosa evoluçãoOntem à(s) 11:40 pmporRexCidade do Pecado, 罪市Ontem à(s) 11:15 pmporKoji2 - Fat Bottomed GirlsOntem à(s) 11:05 pmporMakaShen IkimuraOntem à(s) 10:59 pmporFormigaCrie sua Forma ZoanOntem à(s) 10:30 pmporSashaTeste seu TemplateOntem à(s) 10:16 pmporSadakiyoCriação de AventurasOntem à(s) 9:38 pmporSadakiyoKit mestre JOntem à(s) 9:22 pmpormestrejCapitulo 1 - O homem do terminal cinza!Ontem à(s) 9:06 pmporBarnabasBenks

Voice of the Soul

Página 4 de 8 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8  Seguinte
Kenshin
Imagem :
Voice of the Soul - Página 4 Ahri
Créditos :
41
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t360-agatha-harkness https://www.allbluerpg.com/t1972-capitulo-iii-solsticio#21373
Kenshin
Desenvolvedor
Voice of the Soul Seg Maio 10, 2021 10:06 pm
Relembrando a primeira mensagem :

Voice of the Soul

Aqui ocorrerá a aventura dos(a) Marinheiros Eric Flamesguard e Annabelle Petit Barozzi. A qual não possui narrador definido.

_________________

Voice of the Soul - Página 4 J09J2lK

"Ah, mas eu não quero ter dois caminhos ou ah, mas eu não quero ter caminho nenhum. Ué, você já pode porra, a única coisa que te impede de fazer isso é ser zé metinha e querer ficar comparando o tamanho do pau com o coleguinha pra compensar o ego frustrado." - Luquinhas, 2022

Antestor
Imagem :
Voice of the Soul - Página 4 Yf98gE7
Créditos :
40
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t273-eric-flamesguard https://www.allbluerpg.com/t303-voice-of-the-soul
Antestor
Desenvolvedor
Re: Voice of the Soul Ter Ago 31, 2021 7:18 pm






Voice of The Soul

Ao ouvir a reclamação do marinheiro, pouco eu dava atenção, apesar de que eu me irritasse com facilidade eu fazia um esforço para não o fazê-lo, já que o mesmo era um colega de trabalho e o marinheiro covarde apenas respondeu quando já tínhamos nos afastado, então, nem valia a pena quebrar a cabeça naquele momento. Eu estava cansado demais para me estressar e só queria o meu momento de paz e relaxamento no bar, com uma bebida gelada e minha linda garota, não deixaria que um otário qualquer me tirasse do sério. Por sorte, logo os pensamentos sobre essa situação desapareciam, ao pisar no pub. A distância eu conseguia perceber que Chad estava presente no local, como de costume, falando com os clientes e enchendo os seus copos com seus drinques especiais. O homem realmente parecia entender do negócio e eu acredito que a presença constante dele era a cereja do bolo daqui do bar. Flertes entre eu e Annie iam e vinham de formas sutis, o clima do bar também contribuía para que tais ações fossem feitas e Annie parecia estar disposta a ser mais ousada no momento. - Me esquecer disso? Nunca. Uma coisa que eu aprendi ao longo desses anos, é que dá pra se tirar algo positivo da maioria das coisas que fazemos. Você saiu machucada e cansada do combate, mas, vai ganhar algo positivo por conta disso... não que a luta fosse necessária, foi mais uma desculpa mesmo. - dava uma piscadinha rápida para Annie e apontava para o balcão, em direção a Chad. - Acho que você já percebeu, mas, esse é o cara, esse daí que é o Chad. É de conhecimento comum que ele passou em todos os Blues, já viajou bastante. - parava por um momento, olhando para Annie com um sorriso espontâneo. - A gente nunca saiu daqui. Imagino como é que são os outros mares. - deixava subentendido para minha nerd o tópico de minha futura conversa com o dono do estabelecimento.

Não demorávamos para ser atendidos por uma garçonete com roupas estilizadas trazendo o cardápio do bar, que tinha uma capa de couro, claro, tudo ali era do bom e do melhor, não podia dizer que esperava menos que isso... porém, a visão do cardápio e das letras estilizadas em prata faziam eu levar as minhas mãos até os bolsos rapidamente. Ainda tinha alguns berries comigo e Annie disse que pegaria a minha parte do salário, então estava tudo relativamente tranquilo. A garçonete entregava o cardápio, mas, logo fazia a menção sobre ir beber diretamente no balcão, o que parecia ser a melhor proposta mesmo. Annie deixava para mim a decisão e ia ao banheiro, deixando o Newton comigo enquanto eu pensava, ainda que eu não demorasse muito para que eu escolhesse. - É, você tem razão, senhora. É um espetáculo que não se perde. - eu respondia a garçonete, já me levantando e observando Annie ir até o banheiro. - Ela não vai demorar, meu guerreiro. - acariciava a cabeça de Newton e começava a me dirigir até o balcão, acenando brevemente para a garçonete. Procuraria uma cadeira que estivesse próxima de outra disponível, guardando o lugar de Annie ao pousar a mão sobre a cadeira. Esperaria que Chad terminasse quem ele tivesse que atender para então dirigir a minha palavra. - Olá, Chad. - estenderia minha mão para o homem. - Já vim algumas vezes aqui no bar, me chamo Eric. - apontaria pro ombro onde Newton estava. - Esse é o Newton. Infelizmente ele não bebe... ainda. - diria com um tom de comédia, carinho no queixo do animalzinho.

Daria mais uma olhada no bar, notando que mais e mais casais se juntavam na pista de dança, subitamente esvaziando as mesas, tocava uma música bem famosa, então era de natural que se fosse acontecer isso mesmo. Com certeza eu iria chamar minha princesa para dançar um pouco depois de alguns goles na bebida, quando eu estivesse já tivesse tomado um pouco do álcool. Esperaria então Chad se apresentar ou comentar algo antes que eu pudesse continuar a conversa. - Bom, Chad, pretendo tomar alguns drinques antes de ir para a dança, então eu gostaria de começar com algo um pouco mais leve. - explicava, gesticulando um pouco com as mãos. - Se tiver algo com um gosto mais adocicado seria muito bom também. - prestaria atenção a como ele prepararia o drinque, apesar de não entender nada de mixologia, eu achava um conhecimento bastante interessante e claro, até tinha um tom artístico no preparo das bebidas. Enquanto ele estivesse servindo a bebida, eu teria a oportunidade de perguntar sobre os outros Blues; era verdade que eu tinha um certo interesse de conhece-los por mim mesmo, mas, a Grand Line era a minha maior prioridade, assim como a de Annie também. - Me diga, Chad, como sãos os outros Blues? Você tem algum favorito, algum que você não gostou de ter ido? - questionaria o homem, dando um gole na bebida. - Eu passei a minha vida toda basicamente aqui em Shells Town e acho que não vou ter tempo de visitar os outros Blues antes de ir para a Grand Line. - terminaria explicando os motivos da pergunta, apesar que ele já deve estar acostumado com a mesma.

Depois de algum tempo conversando com o bon vivant, era hora de dar atenção para a minha nerd, tiraria a mão do assento que eu estava guardando para ela para que ela pudesse se sentar. - Nós sempre sentimos, princesa. - falaria com a minha voz um pouco mais doce. - E aí, o que você vai querer para beber? perguntaria para ela, dando um rápido gole em minha bebida e aproveitando para dar uma olhada a mais sua aparência. Após analisar por um momento, eu perceberia que ela havia aumentado o pouco o decote e logo eu abriria um sorriso, depois de ficar alguns segundos olhando pra ele, meu olhar se direcionaria aos olhos de Annie, mas, nada eu falaria, meu olhar por si só demonstraria o quanto eu havia gostado daquilo. - O pessoal parece bem agitado não é mesmo, princesa? Eu estava pensando, se você gostaria de dançar um pouco depois, comigo também. - mais um gole seria dado em minha bebida, antes que eu pudesse continuar. - Sabe, eu não sou um bom dançarino, porém, a intenção é o que importa não é mesmo? E essa música é perfeita para se dançar... - me aproximaria do ouvido de Annie. - ...coladinho. O que você acha, princesa? - abriria um sorriso e meu rosto traria uma expressão de enorme expectativa. Ao receber sua resposta, logo eu terminaria o meu drinque. - Ela que está pagando hoje, Chad. - diria para o homem, logo me levantando. Annie dizia que era uma péssima dançarina, mas, não tinha problema algum nisso, não se tinha nada muito complexo naquela dança. - Também não sou nenhum profissional. Mas, a gente improvisa. - seguraria a mão de minha princesa. Para minha surpresa novamente, ela largava a sua risada mais genuína e fofa. Logo eu arregalaria os meus olhos e abriria meu maior sorriso, não era algo que se era comum dela fazer em público. - Gostei do que vi agora, tzahahaha! - abraçaria ela subitamente e logo iria para a pista de dança. - Espertinha, você sabe do que eu tô falando... - ela se fingia de boba, mas, não conseguia conter os risinhos dela. Cara, era tão fofo! Ela confiava a mim a tarefa de conduzir a dança, então, assim eu o faria, lideraria os movimentos, de forma lenta, colado com ela e sem forçar muito a barra. Somente o básico seria o suficiente, de um lado para o outro. Sentir ela tão perto com certeza mexia comigo e nesse momento os batimentos de meu coração poderiam mais batidas de tambor. - Droga, Annie... eu tô ficando tonto e não é da bebida. - parecia que o mundo parecia se mover mais lentamente quando eu olhava para os olhos dela. Não havia preocupações, problemas, deveres. Nada. Somente nós dois. - Não é cansaço. É você... - diria abraçando-a com força. Só ela conseguia mexer assim comigo. - Sim, vamos ficar assim mais um pouco antes de voltar pra casa... - continuaria meus passos bem lentos, aproveitando cada segundo da música.



Histórico:
Yami
Imagem :
Voice of the Soul - Página 4 Giphy
Créditos :
16
Localização :
Alabasta - 7ª Rota
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t343-shimizu-d-akira#1013 https://www.allbluerpg.com/t1413-hellhounds-5-darude-sandstorm
Yami
Avaliador
Re: Voice of the Soul Dom Set 05, 2021 10:53 pm

Voice of the Soul



A animação do lugar aflorava os melhores sentimentos da dupla. Por mais que desejassem estar mais bem vestidos, ou talvez mais limpos, ainda assim não arruinava a experiência de estarem visitando o One More Drink. E como o próprio lugar sugeria, não poderiam deixar aquele lugar sem uma das famosas bebidas de Chad. Com a dupla se separando por um breve momento, Eric e Newtow se aproximavam da bancada vazia, apenas para notar mais de perto o olhar apaixonado de Chad pela riqueza de pessoas em seu bar. — Ah, olá oficial. Espero que esteja tendo uma maravilhosa noite hoje. — Seu sotaque era carregado de experiências de ilhas tão distantes que sequer poderiam ser sonhadas pelo marinheiro. Entretanto, quando olhava melhor para quem ele estava se dirigindo, abria um sorriso largo. — Ah, se não é o jovem Flamesguard. Um tempo que não lhe vejo por aqui, meu bom rapaz. — Ele falava como se Eric fosse um velho amigo, apesar de terem se visto poucas vezes.

Ele olhava para Newton, acariciando o queixo do pequeno furão que, por mais que tivesse uma personalidade agitada e brincalhona, parecia olhar para o senhor atrás do balcão com um olhar curioso e atento. — Ah, não se preocupe, tenho o que o pequeno precisa! — Ele se afastava com uma risada, tirando a rolha de uma garrafa de vidro com um conteúdo branco, aparentemente leite. Com uma colher, ele despejava uma pequena dose num pequeno copo descartável de café, apenas para complementar com umas gotas de um líquido mais escuro que emanava um aroma delicioso de baunilha. Quando colocado na frente do pequeno furão, ele saltava do pescoço de Eric diretamente para o balcão, devorando aquele “drink” que lhe parecia ser um néctar dos deuses.

Após, ele voltava sua atenção para Eric, já puxando uma coqueteleira e algumas garrafas, que aparentavam ser absinto, vodka, rum, whisky e licor. — Ah, perdão meu caro amigo, mas eu não ofereço bebidas “fortes” ou “fracas”. Me diga mais sobre você, e irei preparar o que sua alma almeja e precisa. — Era uma certa surpresa, de fato, visto que nunca havia imaginado algo daquele tipo. Se Eric acabasse cooperando, perceberia que Chad o estudava com um olhar fixo, enquanto puxava as garrafas e cubos de gelo enquanto colocava no recipiente. Seja lá o que estivesse fazendo, parecia que cada gota contava, como se uma única gota em falso pudesse estragar completamente todo o drink.

Enquanto isso, Anne passava pelo banheiro feminino que aparentava ser um dos locais menos ocupados no momento. Entretanto, assim que chegava, conseguia notar duas garotas, não muito mais novas do que ela, guardando algo dentro de suas bolsas com uma expressão de pavor ao notar a presença da marinheira. Se olhasse com atenção, notaria imediatamente uma marca branca debaixo das narinas delas e, tendo em vista seus olhos dilatados, era claro que estavam utilizando de algum tipo de entorpecente ilícito pela ilha. Elas suavam frio, e tentavam evitar olhar diretamente para Annie, que se arrumava como uma pessoa qualquer que queria apenas aproveitar sua noite, mas será que seu papel como guerreira da ordem e da justiça iria deixar aquela situação impune?

Independente do modo como fosse resolver a questão, caso a saída da mesma fosse um próximo passo de seus planos, acabaria verificando um hall agitado com pessoas animadas para extravasar seus problemas da semana durante aquela noite. Bebidas, comidas e muita música agitava o lugar para tornar um ambiente propício a criar memórias inesquecíveis, o que era inclusive o que ocorria com Eric. No instante em que o jovem marinheiro experimentava o coquetel fornecido por Chad, ele teria a absoluta certeza de que aquilo era a MELHOR coisa que ele já havia experimentado em toda sua vida. E aquilo se encaixava tão bem com suas emoções que poderia ser considerado magia. Tinha um toque apimentado ideal para simbolizar a paixão ardente que aquecia seu coração, tinha o tom adocicado ideal para contrapor o amargor que havia ficado em seus lábios após sair do refeitório momentos antes, assim como a dose de álcool perfeita para que se soltasse um pouco mais, porém sem exagerar e se envergonhar na frente de todos. — Ah, todos os Blues tem aquilo que os faz únicos. Mas, no fim, não consigo me manter distante do East Blue. Pode não possuir o melhor dos lutadores, ou as paisagens mais belas ou a melhor das tecnologias… Mas é de longe o berço das pessoas mais admiráveis que existem nesse mundo! — Ele falava com tamanha paixão que até mesmo dava um orgulho de ser originário daqueles mares.

O sorriso de satisfação de Chad já dizia tudo, visto que ao tocar os lábios naquela bebida, Eric congelava em suas memórias mais antigas e nostálgicas. Sequer seria possível dar total atenção para Annie, apesar de seu decote ser tão tentador quanto dar outro gole daquele belo copo de bronze. — E você, minha querida? Está esplêndida hoje. — Ele dizia e, ao notar melhor, Annie podia ver Newton bem à vontade recebendo um carinho na barriga do barman. — Me conte mais um pouco sobre você, e tenho certeza que poderemos preparar o drink especial para sua noite! — Ele dizia, quase seduzindo-a com seu sotaque carregado.

Caso a dupla resolvesse, entretanto, seguir para a pista de dança, encontrariam espaços mais que o suficiente para aproveitarem sua dança lenta. A música agitada ia, aos poucos, dando espaço para uma melodia um pouco mais lenta, com batidas e gingados um pouco mais devagar, permitindo que os casais se unissem em danças mais engajadas. Seria o local e momento perfeito para gastar o resto da noite antes de retornar para o conforto da casa, onde poderiam compartilhar suas camas mais uma vez.

Annabelle Petit Barozzi:

Eric Flamesguard:

_________________

Voice of the Soul - Página 4 V8upj2D

Voice of the Soul - Página 4 YDNzcDa
Skÿller
Imagem :
Voice of the Soul - Página 4 SyWUVX9
Créditos :
10
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t272-annabelle-petit-barozzi https://www.allbluerpg.com/t303-voice-of-the-soul#875
Skÿller
Soldado
Re: Voice of the Soul Seg Set 06, 2021 1:57 pm




»»No One Like You««

- Annie-


Voice of the Soul - Página 4 Samira12

O banheiro das mulheres parecia não ter muita fila, o que era bom, afinal não queria demorar muito tempo para voltar até Eric e impressionar ele. Infelizmente existiam duas garotas no banheiro fazendo alguma coisa que eu não consegui ver 100% mas, ao que tudo indicava, parecia que estavam usando algum tipo de droga - Vou fingir que não sei de nada. Não é a minha prioridade agora. - pensava, continuando com o meu plano de ficar mais atraente para Eric.

Tentava, no entanto, decorar bem o rosto delas, memorizar coisas ou rostos para mim não era muito difícil, afinal tinha uma mente brilhante. - Não sou tão feia para causar susto. - comentava de forma sarcástica. Não falava mais nada para elas, deixando-as ir - Amanhã comento sobre isso. Hoje é sobre mim e Eric. - fazia o que tinha a fazer naquele banheiro e ia até Eric, tendo um maravilhoso tempo com ele.

Tanto o meu homem quanto Newton pareciam estar maravilhados com o serviço de Chad, no entanto a forma como ele falava me causava certa repulsa. Não sabia exatamente o que era, mas tinha uma certa vontade de socar ele naquele momento - Acho que estou um pouco tensa depois de um dia tão longo. - pensava tapeando a mesa para que Newton viesse até mim. - Não há nada de interessante a contar sobre mim, senhor… - comentava num tom exageradamente desinteressado - A não ser claro… Aquela vez que eu peguei em três ratos, troquei as suas pernas umas pelas outras e fiz eles lutarem por um queijinho. Apenas porque tentaram mexer no que era meu. - comentava num tom obscuro e tenso, esperando dois segundos para soltar um riso - HAHAHAHA! HA…

Eric saberia que era um riso falso, talvez até mesmo Chad percebesse, mas o importante era passar a mensagem para o homem. - Eu to tomando uns remédios, então não quero misturar eles com álcool. Alguma bebida sem álcool ou um refri. Se não tiver nada pode ser água mesmo. - esperaria ele entregar a minha bebida para beber ela. Daria um gole bem pequeno, apenas para sentir o sabor. Caso fosse algum sabor estranho ou se sentisse o sabor do álcool, deixaria o resto da bebida no copo; caso contrário, beberia aos poucos.

Tentava não deixar aquilo estragar o meu bom humor, queria aproveitar ao máximo com Eric. - A conta, por favor? - pediria para o barista, pagando a quantidade dita. - Newton, vem. - deixava o furão subir no meu ombro antes de sair para a pista de dança com Eric. Embora nenhum dos dois fosse muito bom em dança, simples e lentos passos eram tudo que a gente precisava para aproveitar aquele momento. Dançaria com ele, coladinha a ele, conversando e jogando conversa fora. - Se morresse agora, morreria feliz… - pensava para mim mesma.

Então, num abrir e piscar de olhos, parecia que o tempo havia parado. Olhava para Eric, procurando confirmação - Aquilo… - memórias de um dia completo numa ilha maravilhosa viriam à minha mente, pessoas novas que havia conhecido, algumas que eu poderia até chamar de amigas, outras nem tanto. Tateando os meus bolsos, tentaria sentir o presente que a garota de cabelos rosados havia me dado - Então… - diria sorrindo, um sorriso de orelha a orelha - Acho que a gente tem um assunto pendente… - abraçaria ele com força, encostando a minha cabeça no seu ombro - Talvez a gente pudesse conversar em casa… No quarto… Depois ou durante o banho. - farias os meus dedos caminharem sobre lentamente - A escolha é sua.

Parecia que Eric se lembrava de tudo e não estava arrependido de suas palavras. Aquilo me deixava confortável - Então eu vou deixar você bem confortável para falar de novo... - à medida que as suas mãos desceriam até a minha cintura, eu moveria as minhas mãos até ao seu rosto, puxando-o para mim e dando um selinho - Vamos a caminho então? A gente tem muita coisa para falar. - esperava pela sua resposta antes de começar a caminhar em direção à saída. Caminharia de mãos dadas com Eric até casa, não sabia as horas exatas mas talvez não houvesse tanta gente na rua - Até que não foi ruim. - pegava com a mão livre na Planilha Excelsior, olhando para ela sorrindo - Não pensei que faria... Qual o nome? É... Gente que eu não odeio? - comentava de forma irónica, pensando nas duas garotas simpáticas e na mink interessada na gente. - A sua conversa com os outros marinheiros foi agradável? - para Eric era fácil fazer amizades, ele era quase que uma estrela. - Às vezes até parece que ele não percebe isso. Chega a ser fofo... - ele comentava sobre encontrar elas na Grand Line, o que me deixava meio apreensiva - Grand Line, né? - pensava em voz alta num tom triste, porém sorrindo.

Quando a gente chegasse na mansão Flamesguard, antes de entrar, prestaria atenção se havia alguma luz ligada - Tava pensando em... Bem... Parar com aquela trabalheira de fingir que durmo no meu quarto... - sentia as minhas bochechas aquecerem um pouco - Ficaria mais fácil. Acho que não tem motivos para manter segredo em casa... - soltava um pequeno riso, fazendo carinho em Newton - Na realidade imagino que os empregados desconfiem da gente. - ficaria com um tom um pouco mais sério - Povo fofoqueiro.

O meu princeso parecia não se importar muito com as pessoas saberem do nosso relacionamento e embora ficar preocupada com as empregadas saberem sobre a gente, o meu medo real era sobre o Capitão. Embora ele não estivesse muito presente na mansão, visto que ele tinha trabalhos mais importantes na Grand Line, temia que alguma coisa pudesse chegar aos ouvidos dele e não ser muito fã da ideia. - Talvez o Capitão Flamesguard seja o único homem que eu não quero provocar... - pensava olhando para Eric, contemplando ele. Ficaria surpresa com ele pegando em mim, olhando para Newton - Então é assim que você se sente, Newton? ha! yahaha! *oink* yahaha! *oink*  - tentava não rir muito alto, mas segurar o riso por completo seria quase que impossível com o meu bom humor.

Andando pela casa, poderia ver Lilith com um pijama, encostada na porta fazendo drama - Eu aqui morrendo preocupada, sai por um momento mas parecia uma eternidade... Hey, cê ta me ouvindo? - escutava ela, mas no entanto não tinha nada que quisesse falar para ela no momento, apenas olhando para ela por um segundo, sorrindo de orelha a orelha - Ah... A gente fala depois então. - completava a mink, suspirando com um sorriso.

Voice of the Soul - Página 4 Lilith-drama

Ela vinha atrás da gente, apenas sorrindo e saltitando. - Vai cumprir a promessa de mais cedo? - perguntaria sussurrando para ele. Assim que ele deixasse eu "livre", eu abriria uma gaveta para que Newton pudesse dormir - Boa noite coisa mais linda, fofa, fascinante e leal do mundo da mamis. - faria carinho nele para que ficasse confortável. Assim que ele estivesse dormindo, eu voltaria até Eric - Onde que a gente tava mesmo? Ah, o banho. - dizia sorrindo. Ajudava ele a tirar a sua roupa e depois tiraria a minha. Entraria na banheira, onde tomaria um longo banho bem merecido com Eric, relaxando os músculos após um dia de trabalho.



HistóricoNome do Player: Skÿller
Tracker

  • Acordou.
  • Foi até ao QG e recebeu uma tarefa da Capitã Linda.
  • Pegou ferramentas e uma katana. Foi até ao local indicado pela Capitã com Eric.
  • Chegou no navio da marinha e foi até a sala da caldeira. Resolveu o problema.
  • Teorizou sobre a existência de algum infiltrado no navio.
  • Lucy apareceu no porto explodindo tudo, confirmando a teoria de Annie.
  • Derrotou a piranha Lucy.
  • Ajudou o velho a voltar para o QG, fazendo algumas perguntas com ele.
  • Recebeu o pagamento da missão e comprou os seus remédios. Recebeu tratamento médico e foi até à biblioteca do QG para poder fazer o relatório pacificamente.
  • Entregou o relatório com Eric, jantaram e foram até ao bar.
  • Viu 2 garotas com pó no nariz no banheiro. Não fez muito caso. Voltou até Eric e após jogar um pouco de conversa fora, dançaram na pista. "Acordou" do evento do mega churras no meio da dança.

Nº de Posts: 18
Remédios: 05/10
Ferimentos

  • Dor no corpo (3/3)
  • Pequenos cortes superficiais (5/5) Tratado
  • Corte no Braço (5/5) Tratado
  • Corte nas Costas (3/3) Tratado

Ganhos:

  • Espada (Katana) Gasta da Marinha (+1 em Força)
  • Kit Mecânico da Marinha (Ferramentas diversas)
  • Mochila da Marinha
  • 125.000 berries (dado por Eric)
  • 1.500.00 salário da missão
  • 1.500.00 salário da missão
  • 1.500.00 salário da missão (Parte de Eric)
  • Remédios (⅘ usos)

Perdas

  • 300.000 ฿S


Objetivos

  • Concluir 2 Missões ( )
  • Aprender Anatomia (X)
  • Comprar remédios (X)






off para o avaliador: estou considerando q o evento aconteceu durante a dança. Também conversei com o narrador e a gente está considerando que no post que peguei o salário da minha personagem tbm peguei a parte de Eric. Isso pq a forma como eu escrevi causou um pouco de confusão, dando a entender que eu pegaria os 2 enquanto que a minha intenção era pegar apenas o meu.


Última edição por Skÿller em Seg Set 13, 2021 12:14 am, editado 4 vez(es)

_________________

Voice of the Soul - Página 4 O0yljIK

Fala Annabelle
Pensamento Annabelle
Fala Lilith
Antestor
Imagem :
Voice of the Soul - Página 4 Yf98gE7
Créditos :
40
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t273-eric-flamesguard https://www.allbluerpg.com/t303-voice-of-the-soul
Antestor
Desenvolvedor
Re: Voice of the Soul Dom Set 12, 2021 6:29 pm






Voice of The Soul

Eu era recebido no balcão por Chad de uma maneira inesperadamente amigável, não imaginava que o homem iria lembrar de meu nome pelo pouquíssimo tempo que eu tive de conversa com ele no passado. Apesar de ser daqui de Shells Town, eu percebia que o seu sotaque era uma mistura de vários outros, claro, isso advinha naturalmente por causa do tanto de tempo que ele havia gastado viajando a outros Blues. O que eu falava de brincadeira, acabava por acontecer de verdade, Chad tinha algum tipo de drinque especial, que tinha um cheiro característico de baunilha e usava o que parecia leite para completar e logo que a bebida foi colocada no balcão, Newton saltou de meu pescoço para bebe-la. - Ei parceiro, vai com calma aí desse jeito tu vai ficar bêbado num instante! - a súbita voracidade do furão me deixava impressionado e eu fazia um carinho nele enquanto ele bebia. Chad dizia que não servia bebidas fortes ou fracas, queria que eu contasse mais sobre mim para que pudesse fazer o drinque. - Hoje foi um dia "especial", por assim dizer. Comecei a fazer missões de campo finalmente e estou um pouco cansado e mesmo que tenha sido um pouco estressante, eu na realidade estou bastante feliz com o dia de hoje. - começava dando um pequeno contexto do que tinha acontecido no dia, ele poderia ter alguma base a mais para que ele pudesse fazer o drinque. - Eu prefiro coisas doces invés de coisas salgadas, gosto do meu trabalho como médico também. Minha cor favorita é branco e gosto mais de gatos do que de cachorros. - eu falava um monte de coisas aleatórias, era mais um teste para ver como ele usaria aquilo para fazer a bebida.

Quando ele terminou o drinque, eu estava curioso pelo que vinha a seguir, Chad parecia um pouco como um cientista maluco, mexendo para lá e para cá em diversas garrafas de bebida alcóolica e calculando milimetricamente cada dose que colocava no copo. No fim quando terminou de preparar, não fiz muitos rodeios para beber o conteúdo que estava no copo. E foi uma explosão de sabores deliciosos em minha boca. Não sabia como, mas, de alguma forma o homem havia captado como eu estava me sentindo no momento, era como se ele tivesse presenciado o que eu tinha passado ao longo do dia e como eu estava me sentindo no momento. Apesar dos sabores representarem diversas coisas, desde um aumento em minha moral com os tons doces e o álcool para me deixar mais a vontade, a imagem que se fixava em minha mente era a de Annie. O toque apimentado me fazia imaginar os seus macios cabelos ruivos instantaneamente, era quase como se eu estivesse tocando os cabelos dela naquele momento, podia jurar que sentia eles nas pontas de meus dedos. - Wow! Isso daqui está muito bom! - arregalava meus olhos, abrindo um sorriso, com certeza foi a melhor bebida que eu tomei em minha vida. Após experimentar a bebida, eu escutava um pouco das experiências de Chad em outros Blues e o quanto ele parecia ter um orgulho e apreço pelo East Blue, dizendo que as pessoas mais admiráveis vinham daqui. Talvez até fosse verdade, mas, eu acabava por acreditar que ele falava isso se referindo aos marinheiros daqui. Era inegável nesse quesito que a força da Marinha no East era considerada por muitos ser a maior entre os Blues e eu até mesmo concordava com isso. - Pelo East Blue, então. - levantava o copo acima de minha cabeça e terminava a minha bebida num longo e lento gole.

Ao passo que eu terminava a bebida, Annie havia chegado, linda como sempre e até Chad percebia isso, o que logo fazia eu levantar uma das sobrancelhas quando ele se mostrava amigável demais com ela para o meu gosto. Minha princesa por sua vez parecia desinteressada em beber qualquer coisa, logo chamando Newton e contando uma história um tanto quanto macabra sobre sua infância. Devido a sua família tão problemática, eu não sabia ao certo se aquilo era verdade ou não, meu semblante era um misto de preocupação com um pouco de espanto. Quando ela soltou uma gargalhada falsa, eu ficava ainda mais em dúvidas se ela estava inventando aquilo ou se realmente havia acontecido. Depois disso Annie explicava que tipo de bebida ela queria e eu esperaria que ela tomasse o seu drinque antes de ir até a pista de dança junto dela, aproveitando o tempo para esquecer sobre oque ela havia falado anteriormente. Junto dela, eu dançaria coladinho, claro, como eu já havia falado para ela, não era um expert em dança, mas, o básico deveria dar para desenrolar ali naquele momento. Enquanto estávamos dançando, no entanto, eu sentia como se minha mente tivesse saído do meu corpo por um momento. Me deparava com um turbilhão de memórias, de uma ilha paradisíaca, do sol quente da praia e o frio congelante que se tinha nos chalés que ficavam no topo das montanhas. Me lembrava de algumas das pessoas e seus nomes, que eu havia encontrado lá: Takamoto Lisandro, o agente Jack Ashford, Myriam, que havia tirado Annie na brincadeira, Aiko que havia dado o meu presente, Ren, Às e de Agatha.

Após sentir minha mente voltando ao seu devido lugar, passaria a minha mão firmemente sobre o meu rosto, era um sentimento de letargia que passava sobre meu corpo e eu até mesmo fazia um esforço maior para me manter de pé. Olhava então para Annie, que parecia ter sentido o mesmo que eu e também ter vivenciado toda aquela experiência. Levaria a minha mão até meus bolsos, onde sentiria o estetoscópio que Aiko havia me dado, o que confirmaria que aquilo havia sido real, de alguma maneira que eu não entendia muito bem. Annie me abraçava com força subitamente e logo eu lembrava do que eu havia falado para ela também, sobre as alianças e o que basicamente era a promessa de um casamento que havia feito. Não que eu não tivesse esse desejo desde quando eu era uma criança, mas, por algum motivo durantes os anos eu me sentia um pouco inseguro ao tocar no assunto. Bom, agora não mais. - Sim, nós temos. - devolveria o abraço, beijando a sua testa. - Sabe, eu sempre tive um pouco de receio de falar sobre aquilo, tinha medo de sua reação. - eu falaria baixinho, entrelaçando meus dedos nos dela. - Deve ter sido o ambiente, não sei, mas, me senti confortável para falar naquele momento. Não me arrependo nem um pouco disso. - eu sorriria, olhando para o rosto dela enquanto passava as costas de minha mão em sua bochecha. Ela perguntava em qual local iríamos discutir sobre o assunto e na realidade, eu poderia conversar sobre em todos os cômodos que ela havia citado. - Hmmm. Não sei qual escolher. Todos talvez? - meus olhos brilhariam com a ideia e eu baixaria minhas mãos, segurando-a pela cintura.

Os pequenos gestos de Annie me faziam rir baixinho depois de receber o selinho e até mesmo corar um pouco, ainda que não fosse de costume meu. - Sim, vamos. Acho que deu para curtir bastante por aqui. - coçaria a minha cabeça e viraria um pouco o meu rosto, tentando esconder o rubor em minhas bochechas. Aquela vermelhidão era porque ela tinha aceitado de braços abertos a ideia? Muito provavelmente sim. Daria minha mão para ela e assim iriamos juntos até a nossa casa, olhando um pouco ao redor, na rua, para perceber se ainda tinha tanto movimento. Annie dizia então que não tinha sido tão ruim, aquela experiência na ilha maluca, mas, eu sabia que ela tinha gostado bastante, principalmente por causa do presente de Myriam. - Fico feliz que você arrumou mais amigas. Quando a gente for para a Grand Line, podemos encontrar elas mais uma vez. - falaria em resposta, enquanto caminhava. Annie havia dado um Vivre Card para Às e tinha recebido um de Agatha, então, era certo de pelo menos essas duas ela reencontrar. - Foi sim. Cada um tem um estilo bem único e parecem ser pessoas boas também. Talvez algum dia esbarre com eles de novo. - eu responderia a pergunta de Annie com um sorriso no rosto e ainda que eu não tivesse o Vivre de nenhum deles, tinha fé que encontraria eles mais vezes. Ao chegar em casa, Annie falava que estava planejando para de fingir que dorme no quarto dela e simplesmente dormir no meu. - Eu posso dormir no seu, se quiser. - claramente seria uma provocação e uma brincadeira e um sorriso esperto estaria em meu rosto. Ela falava das empregadas, achava que elas desconfiavam da gente. - Eu tenho quase certeza que sabem, princesa. - qualquer um que me visse olhando para Annie por uns 5 segundos, já saberia o quanto eu estava apaixonado por ela. - Mas, como você disse, creio que não precisemos manter mais o segredo por aqui. - pegaria Annie, segurando ela como a princesa que era e a levaria pro meu quarto. Minha nerd se divertia enquanto eu a carregava, novamente com sua risada fofa. - Claro que vou. Mas, primeiro um banho. - pararia para que ela colocasse Newton em sua "cama", colocando-a no chão. Após ela pôr Newton para dormir eu iria até o banheiro, onde prepararia a banheira com uma água morna, perfeita para relaxar os músculos. - Está te esperando. - responderia o questionamento dela e, com um olhar, eu indicaria que a banheira estava pronta e assim que ela terminasse de tirar as minhas roupas, eu entraria junto.



Histórico:
Yami
Imagem :
Voice of the Soul - Página 4 Giphy
Créditos :
16
Localização :
Alabasta - 7ª Rota
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t343-shimizu-d-akira#1013 https://www.allbluerpg.com/t1413-hellhounds-5-darude-sandstorm
Yami
Avaliador
Re: Voice of the Soul Sex Set 17, 2021 12:41 am

Voice of the Soul



A expressão de Chad com a reação por parte da jovem marinheira não era das melhores. Por mais que possuísse um estilo galanteador de ser, as palavras do barman eram as mais receptíveis possíveis e, ao notar uma troca de olhares desconfortável de seus clientes, ele parecia ter saído de sua zona de conforto. — Bem, um drink sem álcool então. — A história por parte da oficial era macabra, por assim dizer, deixando Chad com uma expressão de espanto. Por que uma oficial estaria agindo dessa maneira consigo? Eram perguntas que davam para ser lidas apenas pelos olhos do homem.

Pela falta de informações, Anne acabava recebendo um drink multicolorido, com espumas rosadas em seu topo juntamente com três pequenas frutas vermelhas como enfeite. O sabor era delicioso e, conforme desejado, não possuía álcool algum — ou, ao menos, não era perceptível. O sabor adocicado misturado com uma pitada de acidez tornava os músculos da mandíbula de Annabelle, bem próximo de onde ficam os sisos, um pouco mais “dormentes”, incentivando que a oficial abrisse um sorriso.

Chad demonstrava satisfação por aparentar ter agradado seus clientes, apesar de Eric notar que agora o homem parecia mais recluso com o casal em sua frente. — Espero que aproveitem a estadia, senhores. — Seu sotaque carregado ainda demonstrava um certo charme, mas era tão natural que não aparentava ser direcionado a ninguém. — A conta estará lhes aguardando na saída. Agora, se me dão licença.. — Ele dizia, se afastando para outros clientes no balcão com um largo sorriso em seu rosto.

O resto da noite acabava por seguir num ritmo agradável ao casal. Uma boa música acompanhava o fim daquela estadia na estalagem, permitindo que eles relembrassem bons momentos em ilhas distantes dali. Na saída, a conta acabava por totalizar em B$ 100.000 para cada um, sendo um preço razoável comparado à experiência que tiveram ali dentro. A melodia os acompanhava até em casa naquela noite particularmente iluminada pelas estrelas, que pareciam indicar o caminho correto para que a dupla seguisse segura. Como era de se esperar de uma das cidades mais bem protegidas do mundo, era possível ver marinheiros patrulhando as ruas em praticamente toda esquina, sendo alguns destes alguns recrutas que eles mesmos já haviam visto circular pelo Quartel General.

A mansão se destacava no fim da rua já conhecida. A ausência de luzes saindo de dentro dos cômodos indicava que os funcionários não deveriam estar presentes, assim como o Capitão Flamesguard, o que era a maior preocupação da dupla no momento. Por mais que seu amor fosse um segredo para os membros daquela casa, a princípio, aquela noite especial merecia ser comemorada sem o receio da revelação, levando ao casal a se banharem juntos e determinarem que dormiriam juntos naquele dia.

Apenas na saída do tão aproveitado banho que o casal notaria maiores movimentações na casa. Especificamente, o mordomo Clark aparecia cruzando o corredor, aparentemente preocupado com os sons que havia escutado ali dentro. Como bem sabia Eric, Clark era um mordomo fiel à família Flamesguard e provavelmente um dos funcionários mais antigos dali. Apesar de claramente poder imaginar o tipo de relação que seu mestre possuía com Annabelle, nunca havia sido exposto daquela maneira. Ele erguia as sobrancelhas em surpresa, observando o casal ainda molhado e enrolado em toalhas. E, voltando à sua expressão de sempre, ele se curvava levemente para Eric, em seguida para Annabelle. — Espero que possam ter uma excelente noite, jovem mestre e madame. Estarei em meus aposentos caso lhes possa ser útil. — E, sem maiores questionamentos, perguntas ou julgamentos, ele se retirava para os corredores da mansão, deixando que a noite pudesse ser aproveitada a sós. Afinal, sabe-se lá que tipo de novidades teriam quando o sol viesse a raiar.

Annabelle Petit Barozzi:

Eric Flamesguard:

_________________

Voice of the Soul - Página 4 V8upj2D

Voice of the Soul - Página 4 YDNzcDa
Skÿller
Imagem :
Voice of the Soul - Página 4 SyWUVX9
Créditos :
10
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t272-annabelle-petit-barozzi https://www.allbluerpg.com/t303-voice-of-the-soul#875
Skÿller
Soldado
Re: Voice of the Soul Ter Set 21, 2021 3:16 pm




»» Shades of Love««

- Annie-


Voice of the Soul - Página 4 Samira12

O caminho de volta para casa era tranquilo, os soldados de vigia nas ruas ignoravam a nossa existência da mesma forma que a gente ignorava a deles, o melhor tipo de interação possível entre desconhecidos. Não havia entendido muito bem a beleza de beber no bar, claro, a atmosfera era muito boa no sentido de dançar juntinho de quem você gosta, de ficar num cantinho conversando, mas a parte de beber e conversar com o barman eu não entendia muito bem. Mas Eric gostava desse pequeno lazer, então eu poderia fazer mais pequenos sacrifícios para ver ele feliz. Eu acabei pagando as bebidas como combinado, sendo um preço um pouco salgado na minha opinião.

A nossa chegada a casa era um pouco mais barulhenta que o planejado, mas não havia muito problema, apenas os empregados estavam lá. O banho era muito tranquilo e relaxante - O seu cabelo é muito bonito. - dizia esfregando as costas dele e mexendo levemente no cabelo. - Ele às vezes parece meio dourado, às vezes parece meio castanho. - Lavava as suas assas com cuidado, pareciam ser bem delicadas e frágeis, mas o toque nelas era firme, talvez mais firme que uma parte normal do corpo - Provavelmente sejam só músculo... - pensava lavando elas. Abraçava ele por trás, suspirando com um sorriso - Espero que a gente possa ter mais noites como essa. - virava as costas para que ele pudesse lavar as minhas.

Eric sempre era tão carinhoso comigo, sempre tão preocupado - Já não sinto muitas dores... - sentia ele passando a mão nas feridas - Mas agora que o meu médico pessoal está vendo minhas feridas, acho que talvez você devesse dar uma olhadinha. Hahaha! *oink* - deixava um riso escapar. Fechava os olhos, sentindo o seu toque gentil e a água enxaguando o meu cabelo. - Framboesa, hum... Gostei da escolha.

Assim que ele terminasse de lavar as minhas costas e cabelo, eu deitaria no peito dele, sentindo o calor da água e do seu corpo, pegando nas suas mãos e enrolando na minha barriga - A gente vai ser melhor que eles, né? - embora um pouco preocupada com a minha capacidade de ser mãe, por ter tido um péssimo exemplo, eu sabia que Eric era um homem justo e bom, era impossível ele ser um mau pai - É. A gente é uma dupla incrível. E a gente aprende depressa. -  Sentia o meu rosto ficar um pouco quente  - Você sabe que depois do que você falou para mim… - mexia o dedo anelar da mão esquerda - Esse dedo aqui tá se sentindo beeeeeeeem leve. - Eric sempre cumpria as suas promessas, mas isso não me impedia de querer relembrar ele disso - Tô para ver esse anel. - comentava com um certo tom de troça.

Uma vez tendo o banho tomado, eu levantava da banheira antes de Eric - Amanhã a gente vai ter que acordar um pouco mais cedo. - ajudava ele a levantar - Então ja sabe, né? - beijava ele lentamente, afastando lentamente e com um sorriso provocador. Pegava em toalhas, me secando lentamente e de forma provocadora para Eric, finalmente terminando de me secar, me enrolava nas toalhas: uma para o corpo e uma para o cabelo. Percebia que ele repetia os meus movimentos - Caramba como ele é gostoso. - pensava para mim, olhando ele de cima a baixo com o olho rubro - Tem que colocar a toalha assim, ó. - aproximava-me dele, arrumando a toalha no cabelo dele, aproximando os meus lábios dos dele fingindo um beijo mas - E é assim que se faz. - não chegava a beijar ele, apenas deixando-o na vontade. Ele aproveitava para apertar a minha bunda - Eu também. - respondia, mordendo o lábio inferior.

Indo em direção ao quarto, um dos mordomos via a gente - Esse é o… É… Caramba tenho que começar a lembrar o nome desse povo. - continuava andando enquanto ele falava algumas coisas. Não prestava muita atenção na hora, porém eu parava por um segundo - Ah, sim. Poderia chamar a gente bem cedo amanhã? Preciso passar em um lugar antes de ir no QG. Talvez às 6:30. - esperava a resposta dele antes de voltar para o quarto.

Assim que os dois estivéssemos dentro do quarto, olharia para o teto, fingindo olhar para alguma coisa. Apenas esperando que Eric caísse no truque para poder empurrar ele para cima da cama - Minha roupa ficou no meu quarto, vou pegar a sua emprestada. - dizia rindo, pegando apenas numa camiseta dele para vestir. Deitaria na cama pegando na minha planilha Excelsior e pensando no que escrever nela - Hmmm… Hey Princeso. - não desviaria o olhar da planilha - Menino ou Menina? - soltava uma das mãos da planilha para segurar a dele - Independentemente do que nasça sei que você vai amar com todas as forças mas… Qual você teria mais vontade de ter? - Sentia ele me massageando, aliviando toda a tensão acumulada nas pernas após um longo dia - Aaw... - soltava um pequeno gemido de alivio enquanto começava a imaginar as descrições de Eric - Helena é um nome muito bonito. O nosso pequeno anjo. Cheia de energia e paixão como o pai. - no fundo havia algo que me assustava com a ideia de ter uma filha: a maldita doença. Ainda não sabia muito sobre ela, apenas que havia herdado do meu pai, um Três-Olhos assim como eu. - Ou então um garoto. Forte, de cabelos castanhos, com um olho vermelho e um azul... Inteligente... Saudável... - começava a bocejar, guardando a planilha sem ter colocado nada nela.

Após um bom tempo conversando, a gente acabaria por adormecer, adormecendo agarradinhos um no outro. Assim que a gente acordasse, fosse de forma natural ou pelo chamado do mordomo, eu me espreguiçaria lentamente - BOM DIAAAAAAAAA! - escutaria Lilith gritando logo pela manhã - Bom dia… - respondia em voz alta, ainda sonolenta. Esfregando os meus olhos, tentaria olhar pela janela para ver como que a rua estava lá fora. Caso Eric ainda estivesse deitado, eu me deitaria por cima dele - Vamos, acorda. - beijaria ele no rosto.

Pegaria no lençol e enrolaria em volta das minhas pernas, afinal não tinha nada escondendo a minha parte inferior - Eu to levando isso emprestado. Yaawn… Vou me vestir… Depois quando Newton acordar, traga ele por favor. - saia arrastando o lençol comigo até ao meu quarto, onde eu colocaria a minha farda. - Eae, qual o plano de hoje? Vamos lutar de novo? Ou será que a Capitã vai chamar a sua atenção pelo comportamento de ontem e vai colocar você de castigo? - como sempre, Lilith estaria cheia de energia - Shhh… Fala baixo… - Lilith começaria a cutucar o meu rosto - Já já você descobre. Mas a gente tem um monte para falar. - sorriria, olhando nos olhos dela - Annabelle Flamesguard... O que acha? - ela me encarava por alguns segunos, como se a sua mente estivesse passando por um milhão de pensamentos ao mesmo tempo.

Voice of the Soul - Página 4 Jester-lavorre-404jester

Quando Eric chegasse no meu quarto tentaria já ter o meu cabelo arrumado e farda vestida - Ah... - aproximar-me-ia dele, abraçando-o, escondendo o meu rosto obviamente segurando o choro - Já... Faz um tempo, desde que eu visitei eles. Quero me certificar que está tudo direito lá. - visitar o cemitério era assustador, mas com Eric do meu lado seria muito mais fácil de suportar. - E mais... - abria um pequeno sorriso - Tenho que dar a boa notícia de que a gente vai casar, né? - Sentia o toque de Lilith no meu ombro, era acolhedor e confortável. Parecia que ela queria dizer alguma coisa mas, limitava-se a se manter calada o que não era propriamente uma coisa ruim. - Bem, vou só escovar os meus dentes e a gente já pode ir. Quer tomar o café da manhã em casa ou no QG? - corria para o banheiro e escovava os meus dentes. - Você pegou Newton? - perguntaria ainda escovando os dentes.

Uma vez terminada, passaria na cozinha e pegaria num copo com água e tomaria o meu remédio - Tomar isso agora para não acabar esquecendo como ontem. - comentava fazendo troça com a minha péssima escolha em não comprar o remédio logo no inicio do dia - Tive sorte de não desmaiar no meio da luta. Tenho que agradecer aquela vadia por alimentar a minha raiva o suficiente para manter o meu corpo se mexendo. - Lilith suspirava - Ou você poderia procurar ajuda psicológica para esses problemas de raiva e ciúmes que você tem. - parando por alguns segundos, olhava para Eric, sorrindo - Nah... Qual seria a graça?

Caminharia a passo acelerado até ao cemitério, durante o caminho pegaria na minha carteira e daria a parte do salário dele - Aconteceu tanta coisa ontem que eu esqueci de dar isso para você. - se no meio do caminho existisse alguma florista aberta eu compraria dois buquês desde que o preço conjunto não ultrapassasse os 10.000 berries. Respiraria o ar durante a caminhada - A gente não vai ficar aqui muito tempo né? - sabia que Eric estava ansioso por sair de Shells Town, mas eu ainda estava meio presa na ilha mesmo que o meu lado cientista clamasse por ir para um local com mais tecnologias - Missão de campo ontem, o contato com a Raposa do Governo... - seguraria a mão dele com força, ainda andando em direção ao cemitério. - Mas vai dar tudo certo. Onde você estiver é a minha casa.


Assim que a gente chegasse no cemitério tiraria os sapatos e dobraria as calças de forma a que a água não molhasse elas, procuraria pela campa do meu pai e da minha irmã. Limpando elas caso estivessem sujas com algas ou outras coisas - Hey... - começaria a falar para as campas - Uhm... Já faz um tempo, né? Hahaha... - ria um pouco, de forma a esconder o choro, limpando as lágrimas com as costas do dedo. Olharia para campa de Catherine, colocando o primeiro buquê nela - Ontem fiz... Sniff... Amigas... Uhmm... - coçaria a bochecha - Acho que você gostaria delas. Malka e Às. Ambas cheias de energia como você. - pegaria na planilha e "mostraria" para a campa de Catherine - Ela me deu esse presente muito daora... Sniff... - guardaria a planilha e então colocaria o buquê na campa do meu pai - Uhmm... Parece que eu vou casar com o filho do seu melhor amigo. Quem diria? - seguraria o meu braço com força, mordendo os lábios tentando segurar as lágrimas, mas não com muito sucesso - Mesmo... Sniff... Mesmo depois de morrer... O Papai tinha uma carta na manga, né? - ficaria de joelhos por alguns instantes.

Após um momento ali, sairia da água e limparia o rosto com as mangas da farda - Ainda bem que eu não uso maquiagem, né? - fazia uma pequena piada, tentando disfarçar a tristeza. Limparia as calças da farda caso tivessem ficado sujas - Bem... O dever chama. - olharia Eric com carinho, parada, sem dizer uma única palavra. Apenas após algum tempo contemplando ele diria - Obrigado. Por tudo. - então caminharia em direção ao QG para dar início a mais um dia de trabalho.



HistóricoNome do Player: Skÿller
Tracker

  • Acordou.
  • Foi até ao QG e recebeu uma tarefa da Capitã Linda.
  • Pegou ferramentas e uma katana. Foi até ao local indicado pela Capitã com Eric.
  • Chegou no navio da marinha e foi até a sala da caldeira. Resolveu o problema.
  • Teorizou sobre a existência de algum infiltrado no navio.
  • Lucy apareceu no porto explodindo tudo, confirmando a teoria de Annie.
  • Derrotou a piranha Lucy.
  • Ajudou o velho a voltar para o QG, fazendo algumas perguntas com ele.
  • Recebeu o pagamento da missão e comprou os seus remédios. Recebeu tratamento médico e foi até à biblioteca do QG para poder fazer o relatório pacificamente.
  • Entregou o relatório com Eric, jantaram e foram até ao bar.
  • Viu 2 garotas com pó no nariz no banheiro. Não fez muito caso. Voltou até Eric e após jogar um pouco de conversa fora, dançaram na pista. "Acordou" do evento do mega churras no meio da dança.
  • Foram para casa

Nº de Posts: 19
Remédios: 01/10
Ferimentos

  • Dor no corpo (3/3)
  • Pequenos cortes superficiais (5/5) Tratado
  • Corte no Braço (5/5) Tratado
  • Corte nas Costas (3/3) Tratado

Ganhos:

  • Espada (Katana) Gasta da Marinha (+1 em Força)
  • Kit Mecânico da Marinha (Ferramentas diversas)
  • Mochila da Marinha
  • 125.000 berries (dado por Eric)
  • 1.500.00 salário da missão
  • Remédios (3/5 usos)

Perdas

  • 300.000 ฿S
  • 200.000 ฿S
  • 1.500.00 salário da missão (Parte de Eric e entregue para ele nesse post)


Objetivos

  • Concluir 2 Missões ( )
  • Aprender Anatomia (X)
  • Comprar remédios (X)






Última edição por Skÿller em Qua Set 22, 2021 9:52 pm, editado 4 vez(es)

_________________

Voice of the Soul - Página 4 O0yljIK

Fala Annabelle
Pensamento Annabelle
Fala Lilith
Antestor
Imagem :
Voice of the Soul - Página 4 Yf98gE7
Créditos :
40
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t273-eric-flamesguard https://www.allbluerpg.com/t303-voice-of-the-soul
Antestor
Desenvolvedor
Re: Voice of the Soul Qua Set 22, 2021 7:48 pm






Voice of The Soul

Depois de terminarmos a nossa dança lá no pub do Chad, era hora de voltarmos para casa e descansar finalmente. Annie ficou por pagar as nossas bebidas na saída, o preço era algo que eu já esperava na realidade, mas, acho que se o mesmo também era justificado pela qualidade do produto, então não me incomodava ele ser mais salgado. Já estava ficando mais tarde de noite, mas, Shells Town tinha sua fama por ser bastante segura devido a seu número grande de marinheiros, então, pouco eu me preocupava, ainda mais por estar na Alta Shells Town, pertíssimo do Quartel General e era possível ver eles patrulhando para lá e para cá, alguns rostos que eu até me recordava de ter visto anteriormente no decorrer do dia. Só agora eu parava um pouco para apreciar o céu hoje, olhando para aquela imensidão escura que era preenchida pelas estrelas brilhantes, sua imensidão me assustava ao mesmo tempo que me encantava. Eu e Annie andávamos pelas ruas de mãos dadas e eu dividia a atenção entre ela e as estrelas, que pareciam nos guiar até o caminho de nossa casa, assim como ela guiava os navegadores em suas embarcações. A cada vez que eu olhava para o céu, imaginava o casamento que eu havia prometido a Annie; as estrelas eram seu vestido branco e brilhante e a vasta imensidão negra era o tapete pelo qual ela andava até o altar. E a cada vez que eu olhava nos olhos de Annie eu lembrava agora, além de safiras, as enormes estrelas azuis, as maiores e mais quentes estrelas que existem no universo. Um pequeno sorriso se abria em meu rosto, enquanto caminhava lentamente, perdido em meus pensamentos. Nunca fui um especialista no assunto, mas, astronomia sempre foi algo por qual me interessava e eu espero algum dia ter uma oportunidade melhor de estudar essa área.

Não demorávamos para chegar em casa, a Média Shells Town era praticamente tão segura quanto a Alta e nenhuma preocupação foi necessária, chegávamos tranquilamente em casa e logo era percebido que a maioria dos funcionários já haviam se retirado, devido a maioria das luzes estarem já apagadas. Apesar de estar em casa ainda tínhamos algumas coisas para se resolver. Logo fui para o banheiro e preparei o nosso banho. Annie queria lavar meus cabelos primeiro e eu não tinha nenhuma objeção, gostava quando ela brincava e mexia nele, inclusive. - Obrigado, princesa. Tem como lavar minhas asas? - agradecia o elogio que Annie fazia, sobre os meus cabelos e logo a imagem de minha mãe aparecia em minha cabeça, possuindo cabelos de cor idêntica ao meu, ainda que seu rosto permanecesse obscurecido. Quando Annie me abraçou, segurei suas mãos. - Você tem razão... hoje pareceu tão... mágico. - eu olhava para ela com um sorriso quase nostálgico, imaginando o que tínhamos passado, principalmente sobre a nossa estadia naquela ilha maluca. Annie virava as costas para mim, era a minha vez de lava-la, afinal e eu começava pelo seus cabelos vermelhos. - Ainda está com dor? - perguntava enquanto lavava os cabelos dela, logo depois passando para suas costas, procurando os cortes que ela tinha recebido para limpa-los mais uma vez com sabão. Pegava um shampoo que estava ali próximo, colocando uma porção em minha mão e espalhando pelos cabelos de Annie. - Acho que esse aqui é de framboesa ou de morango. Não sei bem, mas, a cor dele é vermelha. - começava a esfregar bastante até fazer espuma, massageando os cabelos até estarem completamente cobertos pela espuma do shampoo e logo depois, enxaguei com água, removendo a espuma. - Acho que está pronto. - dizia, sentindo a fragrância do shampoo se espalhando pelo banheiro. - Acho que é framboesa. - dava um pequeno riso.

Depois de finalizar, Annie se inclinou, deitando em meu peito e levando minhas mãos até sua barriga. Sua pergunta, que poderia ser preocupante para qualquer homem da minha idade, na realidade era um enorme motivo de felicidade. Sabia que era jovem ainda, mas, não tinha medo de tal assunto, já até imaginei isso em diversas ocasiões, apesar de nunca ter exposto para Annie. - Vamos, minha princesa. Já temos bastante bagagem de como ou não agir em relação a isso, afinal. Não tem como dar errado. - abraçava ela, passando as mãos em suas costas. Apesar de estar feliz com ela também querendo ter filhos, eu não podia parar de pensar sobre a sua saúde fragilizada, pensamento esse que me deixava um pouco preocupado. Annie fazia um pequeno gesto, mais uma vez sobre o nosso casamento, mostrando e mexendo o seu dedo anelar. - Não se preocupe, logo logo ele vai estar um pouco mais pesado. Quando ele tiver com um anel sobre ele. - pegava suavemente a mão de Annie, beijando-a. - Eu prometo. - falava obstinado. Terminado o banho, Annie era a primeira que saía da banheira. Ela me ajudava a me levantar e logo me beijava lentamente e eu acabava por abraça-la por mais alguns instantes. - Sim, já sei... - eu sorria mais uma vez. Percebia os truques de Annie, a forma que ela estava se enxugando com certeza era provocadora e eu decidia responder na mesma moeda, quase que imitando-a. Me enrolava com uma toalha na cintura e outra nos cabelos, estando pronto para sair do banheiro, mas, antes disso eu aproveitava o momento para responder as provocações de Annie, apertando de leve sua bunda. - Ah, estava com saudade dessa sensação... - sorria maliciosamente para ela.

Saindo do banheiro, acabávamos por encontrar Clark, um velho mordomo da minha família, um dos mais antigos funcionários que serviam os Flamesguard. O senhor de idade parecia surpreso com nós dois saindo do banheiro, mas, logo voltava a sua compostura rotineira. - Está tudo bem, Clark, o senhor não precisa fazer mais nada por nós hoje. - eu respondia ele gentilmente. Não gostava de incomoda-lo e sempre que possível, preferia deixar tarefas mais fáceis para o homem, devido a sua idade e também seus longos anos de serviço. Annie pedia um favor para ele, no entanto, antes de irmos para o quarto, pedindo que ele nos acordasse cedo. Chegando no quarto, eu colocava uma bermuda e dobrava minhas toalhas, estendendo elas num cabide para ficar mais organizado. Quando eu me aproximei da cama, logo fui empurrado por Annie para cima dela, deitando-me. O ato me pegava de surpresa, mas, não me incomodava. - Tudo bem. - respondia com um sorriso desconfiado. Eu tinha certeza que ela havia "esquecido" suas roupas de propósito. Ela se deitava na cama, mexendo no presente que Myriam havia dado para ela no Amigo Secreto. Eu me alinhava atrás dela, aproveitando que ela estava relaxada e começava a massageá-la, começando pelos pés. Annie me fazia uma pergunta interessante; queria saber se eu gostaria de um filho ou filha. Ela segurava minha mão direita enquanto fazia a pergunta. - Hmm... - eu parava para pensar um pouco. - Menina. Imagina só, uma mini Annabelle correndo por aí? Ou então uma mini Helena, quem sabe? - falava se referindo a minha mãe. Voltava a massagear Annie, dessa vez nas pernas. - Imagina só, pode ser que ela tenha cabelos castanhos e olhos azuis. Ou cabelos vermelhos e olhos verdes. Asas como a minha ou um terceiro olho como o seu. - eu falava imaginando as possibilidades, atiçando a imaginação dela também. Continuaria massageando ela, até que ela começasse a adormecer. Então, me abraçaria com ela, dormindo agarrado com minha princesa.

Só acordaria de meu sono profundo com o beijo de Annie em meu rosto, a melhor forma de acordar de fato. Passaria a mão em meu rosto, esfregando os meus olhos. - Bom dia, princesa. - responderia o beijo com um sorriso no rosto. - Fique a vontade. - dava uma última antes dela se enrolar no lençol, de cima a baixo, com um sorriso malicioso e olhos fixados. Depois que ela saísse, iria então arrumar a cama, dobrando os panos e deixando tudo perfeito mais uma vez, antes de começar a vestir a minha farda da Marinha. Depois de vestido com o branco, eu iria até o banheiro, para escovar meus dentes e passar uma água no rosto e depois, procuraria Annie em seu quarto. - O que você quer fazer tão cedo, princesa? - não prestei tanta atenção neste detalhe no dia anterior, mas, a curiosidade bateria e eu a perguntaria sobre. Quando ela me abraçasse, com uma expressão chorosa, eu já não meu precisava que ela me respondesse. - Tudo bem, princesa. - eu sorriria de uma forma meio melancólica. - Tenho certeza que ficarão felizes. - tentava reconfortar minha amada abraçando-a com mais força. Depois disso, Annie foi escovar os dentes, perguntando se eu já tinha trazido o Newton. - Opa, vou pegar ele! - a passos rápidos eu voltaria para o meu quarto, procurando a gaveta que a gente havia deixado o furão. - Vamos, parceiro, sua mãe já está esperando. - estenderia minha mão para que ele subisse nela e então o colocaria em meu ombro. Voltaria para Annie. - Pode ser no QG mesmo. - responderia a sua outra pergunta, sobre o café da manhã.

Iria junto dela para a cozinha, esperando que ela tomasse o seu remédio, percebendo o seu sorriso. Estava pensando ou tramando alguma coisa, mas, eu não fazia esforço para perguntar o que era, apenas sorria de volta. Juntamente de Annie, iria em direção ao cemitério e no caminho, receberia de Annie o pagamento da missão concluída ontem, que ela tinha pegado para mim. - Ah, valeu, princesa. - pegaria o valor e guardaria em meus bolsos. Annie parecia inquieta com a visita, perguntando sobre a nossa estadia aqui em Shells Town e eu sabia a fonte de seu medo e o que ainda deixava ela com receio de ir embora. - Sim... - eu falaria baixo, também assentindo com a cabeça. Ela apertava minha mão, nervosa com o que vinha acontecendo a pouco tempo e não demoraria para que saíssemos da ilha. - Enquanto estivermos juntos, ficará tudo bem no final. - meu olhar sério serviria para passar alguma confiança para Annie. Chegando no cemitério, que ficava na Baixa Shells Town, tiraria os meus calçados, pois o mesmo já ficava dentro d'água, apesar de ser rasa, claro, os parentes tinham que visitar os entes que já partiram afinal. Deixaria que Annie tivesse a sua conversa com seu pai e sua irmã, claro, vê-la chorar era de quebrar o coração e logo surgiria uma expressão de tristeza em meu semblante. Mas, nada falaria. Somente quando ela terminasse que eu ousaria a soltar minha voz, carregada de preocupação e tristeza. - Eles ficariam orgulhosos de quem você é, Annie. - quando fossemos para o Quartel General, eu não soltaria a mão dela por nada. - Não precisa agradecer, princesa. Estarei ao seu lado sempre, tá? - Era naquele momento que eu aprendia mais um pouco sobre o que era o amor: nada era melhor que compartilhar os momentos bons com alguém e nada era mais reconfortante do que ter alguém ao seu lado nos ruins também.



Histórico:
Yami
Imagem :
Voice of the Soul - Página 4 Giphy
Créditos :
16
Localização :
Alabasta - 7ª Rota
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t343-shimizu-d-akira#1013 https://www.allbluerpg.com/t1413-hellhounds-5-darude-sandstorm
Yami
Avaliador
Re: Voice of the Soul Dom Set 26, 2021 1:38 am
POST EDITADO SEM QUERER EM 15/10 E APAGADO O CONTEÚDO ANTERIOR.

NESTE POST, FOI DITO QUE O CEMITÉRIO ESTAVA INTERDITADO POIS ALGUM ASSALTANTE HAVIA ATACADO ALGUMAS TUMBAS, E QUE A MARINHA ESTARIA INVESTIGANDO. O GRUPO PARTIU EM DIREÇÃO AO QG PARA VER COM LINDA O QUE HOUVE.


Última edição por Yami em Sex Out 15, 2021 11:40 am, editado 2 vez(es)

_________________

Voice of the Soul - Página 4 V8upj2D

Voice of the Soul - Página 4 YDNzcDa
Skÿller
Imagem :
Voice of the Soul - Página 4 SyWUVX9
Créditos :
10
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t272-annabelle-petit-barozzi https://www.allbluerpg.com/t303-voice-of-the-soul#875
Skÿller
Soldado
Re: Voice of the Soul Ter Set 28, 2021 1:36 am




»» Maybe Later...««

- Annie-


Voice of the Soul - Página 4 Samira12

O cheiro do café da manhã era convidativo - Talvez seria melhor a gente aproveitar. - acenava positivamente para o empregado. - Olha ela… Eric fez mesmo alguma coisa com você… - escutava Lilith comentando num tom debochado - Eu não sou desagradável por querer, você sabe né. - tomava o meu café, partia um pão para que Newton comesse.

A gente saia de casa, o dia estava bem bonito mesmo chuvoso - Como você consegue achar isso bonito? - escutava Lilith perguntando pegando num guarda-chuva cor de rosa e se escondendo nele - Um dia chuvoso é como eu. - dizia olhando para Eric momentos antes de sair enfrentando a chuva. - A chuva ajuda a pensar, ajuda a memorizar as coisas. - deixava Newton se esconder bem da chuva - Mas no final, o sol aparece. Você. - sorria para ele.

Estava preocupada com o estado do cemitério com toda aquela chuva, mas era pior do que eu imaginava. A gente era barrado de entrar no cemitério por ser uma cena de crime - Olha bem… - eu respirava fundo. Perder a calma ali não daria em nada - Eric, vamos embora. Talvez a gente consiga um tempinho para visitar a campa mais tarde. - escutaria Lilith fingindo uma tosse e apontando para o soldado de serviço - Voltarei mais tarde com a autorização da capitã. Mas… Ah deixa para lá. - não tava com cabeça para discutir, seria mais fácil apenas pedir a autorização da Capitã. Era possível ver a minha decepção em não poder entrar, normalmente tentaria não deixar isso se transpassar, mas Papai e Catherine eram um assunto delicado.

Daria as costas e iria em direção ao QG - De tantos dias para roubarem cova tinha que ser logo hoje. - desabafava com Eric e com Lilith. Ela estaria com um rosto mais triste que o meu - Fica assim não. Tenho a certeza que vão achar os responsáveis. - olharia para o céu - É bom esses ladrões desgraçados não cruzarem na minha frente. - seguraria a mão de Eric, buscando forças enquanto a gente andaria até ao QG. A forma como Eric respondia me fazia sorrir, aquele tipo de confiança era contagiante - Quando pegarmos eles, eu deixo você tratar eles depois de receberem o que merecem. - Lilith, andando um pouco mais afastada, sorria - Olha só... Ele todo querido e gentil e ela toda violenta e descontrolada. Que parzinho lindo!

- Sabe… Eu acho que a gente precisa aceitar a proposta da Raposa. - talvez fossem as emoções mexendo comigo, mas ver que crimes hediondos ainda aconteciam em Shells, me fazia pensar sobre quem realmente eram os criminosos que a marinha andava atrás. Escutaria as preocupações de Eric que, por sinal, até eram compreensíveis - Também seria bom pegar alguns corpos de criminosos para testar as minhas criações... - pensava escutando os seus motivos. Era normal alguém como Eric se sentir com o pé atrás com os Agentes.

No entanto, ainda era estranho terem roubado o cemitério, era preciso muita vontade para entrar na água, abrir uma cova dentro de água só para roubar - Como que uma ilha tão protegida ainda tem crimes desses? Piratas normais não se interessam por covas. - diria pensativa, fazendo carinho em Newton com a mão livre - Se o submundo do crime que essa raposa falou existe, talvez… Talvez, seja alguém que viu algo que não devia. - pararia por um instante. - Bem... A sepultura de Catherine está vazia, já a do meu pai ele foi enterrado com a sua farda da marinha. A gente era pobre, então duvido que tenham tentado violar a campa deles.

Continuava explicando para Eric sobre o nosso acordo com a Raposa - Mas de qualquer forma, você não precisa de se preocupar. A gente não precisa fazer o trabalho sujo. Na realidade, a gente apenas vai limpar esses criminosos de forma honesta, usando as provas que ela achar. - sorriria para ele - Até hoje não sei quem pegou a minha irmã. Talvez a minha mãe esteja certa. - suspiraria, concordar com aquele demônio era triste - Mas… Se a gente puder impedir mais casos assim acontecerem, eu acho que a gente deveria fazer de tudo não? - Eric acabava por dar uma pequena aceitada, me fazendo sorrir mais um pouco. Parava ele para ficar de frente com ele, fingindo arrumar a gola da sua farda apenas para ter o seu rosto eu pouco mais perto do meu - Sabe, você é bom para falar. Eu sou boa para entregar informações necessárias. A gente é um time. Eu te ajudo com oque você tiver que falar se algum dia tiver que responder publicamente. - passava a mão no seu rosto, antes de voltar a caminhada até ao QG.

Uma vez no QG, iria até a capitã Linda e faria uma saudação um pouco sem energia, como de costume - Algum trabalho para a gente hoje? - escutaria ela falando com atenção. Não havia motivos para pedir para ir até ao cemitério antes de escutar a missão que ela teria para passar. - Espero que não seja nada muito demorado. Queria visitar eles ainda hoje. - Assim que escutasse Eric falar sobre a possibilidade ou não da gente poder ir no cemitério, eu ficaria um pouco corada - Ah... Sempre protegendo as suas costas... Sabe, ele me lembra muito o meu marido. - escutaria Lilith suspirar de emoção - Sempre ali para mim, sempre disposto a me ver feliz. Foi amor à primeira vista. - ela limparia uma lágrima com um lenço azul. Ela daria uma cotocada no meu braço e num tom ríspido chamaria  a minha atenção - Não deixe ele fazer o trabalho todo. Explique para a Capitã, acho que ela vai entender. - falar era fácil. Lilith deveria saber como eu me sinto sobre me expor para os outros, mas ela tinha razão. Eu precisava explicar para a Capitã Linda - Eu... - suspiraria um pouco nervosa - Eu queria visitar a sepultura do meu pai e da minha irmã hoje de manhã, já fazia um bom tempo que eu não visitava eles... Agora que a gente tá fazendo trabalho de campo de verdade, quem sabe quando vai ser a próxima ver que eu terei oportunidade de visitar eles. - explicaria para a Capitã.



HistóricoNome do Player: Skÿller
Tracker

  • Acordou.
  • Foi até ao QG e recebeu uma tarefa da Capitã Linda.
  • Pegou ferramentas e uma katana. Foi até ao local indicado pela Capitã com Eric.
  • Chegou no navio da marinha e foi até a sala da caldeira. Resolveu o problema.
  • Teorizou sobre a existência de algum infiltrado no navio.
  • Lucy apareceu no porto explodindo tudo, confirmando a teoria de Annie.
  • Derrotou a piranha Lucy.
  • Ajudou o velho a voltar para o QG, fazendo algumas perguntas com ele.
  • Recebeu o pagamento da missão e comprou os seus remédios. Recebeu tratamento médico e foi até à biblioteca do QG para poder fazer o relatório pacificamente.
  • Entregou o relatório com Eric, jantaram e foram até ao bar.
  • Viu 2 garotas com pó no nariz no banheiro. Não fez muito caso. Voltou até Eric e após jogar um pouco de conversa fora, dançaram na pista. "Acordou" do evento do mega churras no meio da dança.
  • Foram para casa
  • Acordou e junto de Eric tentaram ir para o cemitério, infelizmente sendo barrados.

Nº de Posts: 20
Remédios: 02/10
Ferimentos

  • Dor no corpo (3/3)
  • Pequenos cortes superficiais (5/5) Tratado
  • Corte no Braço (5/5) Tratado
  • Corte nas Costas (3/3) Tratado

Ganhos:

  • Espada (Katana) Gasta da Marinha (+1 em Força)
  • Kit Mecânico da Marinha (Ferramentas diversas)
  • Mochila da Marinha
  • 125.000 berries (dado por Eric)
  • 1.500.00 salário da missão
  • Remédios (3/5 usos)

Perdas

  • 300.000 ฿S
  • 200.000 ฿S


Objetivos

  • Concluir 2 Missões ( )
  • Aprender Anatomia (X)
  • Comprar remédios (X)
  • Aprender Forja ( )






Última edição por Skÿller em Qua Set 29, 2021 2:13 pm, editado 3 vez(es)

_________________

Voice of the Soul - Página 4 O0yljIK

Fala Annabelle
Pensamento Annabelle
Fala Lilith
Antestor
Imagem :
Voice of the Soul - Página 4 Yf98gE7
Créditos :
40
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t273-eric-flamesguard https://www.allbluerpg.com/t303-voice-of-the-soul
Antestor
Desenvolvedor
Re: Voice of the Soul Qua Set 29, 2021 3:34 am






Voice of The Soul

Eu e Annie já estávamos completamente prontos para poder ir embora para o QG, eu já tinha quase me conformado com a ideia de tomar o café da manhã por lá mesmo, mas, o cheiro do café da manhã já preparado para nós dois era mais convidativo, adicionado ao fato que se estava chovendo naquele momento mudavam a minha cabeça, decidindo que comeria em casa mesmo. - Acho que a gente pode comer um pouco por aqui mesmo, né, princesa? - eu falava com Annie, já me sentando numa das cadeiras próximas a mesa, começando a me servir. - Obrigado, Clark. - eu agradecia o velho mordomo e começava a comer alguns pães, antes de comentar sobre a chuva com Annie. - O bom da chuva é que vai compensar o calor que faz normalmente. Eu estava até com saudade de uma dessas, na realidade. - apesar de uma chuvinha ser boa de vez em quando, isso significava que teríamos que pegar nossos guarda-chuvas antes de sair. Terminava de comer e voltava até meu quarto rapidamente e procurava em meu armário o guarda-chuva simples que eu possuía e que era pouco utilizado devido ao clima quente da ilha. Com o guarda-chuva em mãos, ajustava meu arco em minhas costas, passando a corda do mesmo pelo meu torso como de costume e firmava a minha aljava de flechas na minha cintura. Saía de casa junto de Annie e ela comentava comigo sobre o clima. Minha princesa dizia que um da chuvoso era como ela. - Você está certa, princesa. Acho que seja por isso que eu goste de clima chuvoso. - sorria pra ela, assim como ela sorria pra mim. - Se eu sou o sol, ultimamente eu tô pesando a mão aqui na ilha. Tzahahaha! - gargalhava e abria o guarda-chuva, começando a caminhar até o cemitério com Annie.

Caminhávamos pela baixa Shells Town, indo em direção ao cemitério, passando pela Baixa Shells Town. Antes mesmo de chegarmos no cemitério, já notava um grande número de marinheiros andando pela cidade, o que dava a entender que algo tinha acontecido, mais uma vez. As rondas atiçavam minha curiosidade e eu não deixava de comentar com Annie. - Alguma coisa aconteceu. Mais piratas malucos talvez? - olhava para Annie com um rosto mais preocupado, mas, ainda não tão tenso. Chegando então no cemitério, tínhamos a informação do que havia ocorrido por lá, quando um marinheiro nos impedia de continuar e explicava a situação, pelo visto um crime tinha ocorrido lá dentro. - Droga, esses bandidos não respeitam nem mesmo os mortos. Nem os que já partiram podem ter sossego ao que parece! - eu exclamava minha indignação, fechando minha mão em um punho institivamente. O soldado chamava nós dois para um local mais afastado, para explicar com mais detalhes o sinistro. Estávamos falando agora de um ladrão de tumbas, que havia desovado um corpo em uma cova aberta e violado diversos caixões também. Claro, isso me fazia imaginar se os túmulos do pai e da irmã de Annie haviam sido também sofrido com essa violação e estava ansioso para saber se meu pressentimento estava correto. Esperava que não. - Obrigado pelas informações, soldado. - agora eu me encontrava preocupado cruzando os meus braços ao saber que precisaria de uma autorização para adentrar a área. Quem havia tomado conta da situação era o Tenente Masanori, mas, não tinha mais nenhuma informação sobre o que estava acontecendo.

Se eu me encontrava estressado, não podia nem imaginar como Annie se sentia no momento, o timing daquilo não poderia ter sido pior. O que me deixava um pouco mais calmo, é que muito provavelmente, o ladrão deve ter dado atenção aos túmulos dos mais ricos. Não é difícil imaginar que certas pessoas vis tinham tamanha cara de pau para se abrir caixões e roubar joias e outros pertences com quais os mortos eram enterrados. Pra mim chegava até ser um pouco louco fazer isso. Eu não era supersticioso, não acreditava em fantasmas ou coisas do tipo, mas, nunca se deve mexer com os que descansam eternamente e é uma crença comum que fazer isso pode causar uma enorme má sorte para o criminoso. Voltaria a atenção para Annie mais uma vez, que pedia para irmos embora, claramente estava chateada com o ocorrido e quase perdia a calma. - Certo... - eu falaria baixo em concordância com Annie, notando a sua clara decepção. Levaria minha mão livre até a minha cabeça, sem saber o que dizer no momento. Nos afastando um pouco do cemitério, eu puxaria ela lentamente para próximo de mim, segurando-a pela cintura. - A gente vai pegar esses bastardos. Não irão sair impunes. - meu olhar preocupado daria lugar a uma expressão séria e minha voz seria mais grave e mais alta que o normal. Daria minha mão a ela e também compartilharia a minha raiva naquele momento. - Se pegarmos eles, princesa, não irei te segurar. - levaria a mão dela até meus lábios, beijando-a. Queria mostrar confiança para Annie e talvez aumentar o seu ânimo diante toda a situação, o que poderia não ser tão fácil.

Iria então até o Quartel General, sem soltar a mão de Annie. Durante o caminho no entanto, ela traria novamente a tona a proposta que nos foi feita por Agatha, sobre a sociedade secreta dela. Minha princesa parecia muito interessada em fazer a parceria, em contraste a mim, que ainda tinha certas dúvidas. - Eu estou disposto a aceitar a proposta dela, desde que ela aceite os termos que eu citei quando conversamos com ela, Annie. Sei que você está interessada e eu não quero te impedir de fazer isso. Mas, não irei mentir, alguma coisa me deixa com a pulga atrás da orelha quando se trata em trabalhar com Agentes. Eu não sei... tudo deles é tão secreto, mas tão secreto que me incomoda. - explicaria para ela sobre o meu ponto de vista. Annie falava sobre Shells e também sobre os ladrões de tumbas, dizendo ser algo incomum e também do submundo. - Bom, talvez alguma pessoa rica tenha morrido recentemente e seja lá quem for esse ladrão, tenha ido em busca dos pertences do falecido. Ou talvez, você esteja certa mesmo no final das contas. - levaria a mão até meu queixo, pensativo. Minha princesa explicava que não teríamos que fazer o trabalho sujo, ficaríamos somente com a "limpeza". - Entendo... bom, você sabe que eu não sou bom em esconder as coisas, principalmente no que se refere a mentir. Mas, eu posso escolher não falar sobre o assunto com os outros. - suspiraria, olhando pros olhos azuis de minha princesa. - Espero que a Agatha seja bem sincera em seu modo de agir, pois, eu prometo que serei igualmente sincero com os meus. - sorriria para Annie, confirmando o meu interesse em participar da parceria com a raposa. Ao chegar no Quartel General, iria juntamente de Annie até o gabinete da Capitã Linda fazendo uma rápida continência ao entrar no local. - Bom dia, Capitã. - após isso, esperaria que Annie falasse com Linda e esperaria a missão do dia ser passada. Depois disso, então era a hora que eu falaria. - Capitã, seria possível que a senhora nos desse a autorização para adentrar o cemitério? Fomos mais cedo lá para fazer uma visita, e claro, com todo o tumulto dado o contexto da situação, ficamos preocupados. - eu lembraria de como Annie havia ficado triste ao ser barrada lá e minha face se transformaria num olhar mais melancólico. - Sei que posso estar pedindo demais, mas, por favor, deixe-nos ir. - eu sabia que tinha um certo carisma que fazia as pessoas gostarem de mim, muito devido a minha aparência, mas, eu sempre utilizava a verdade para poder convencer os outros.



Histórico:
Yami
Imagem :
Voice of the Soul - Página 4 Giphy
Créditos :
16
Localização :
Alabasta - 7ª Rota
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t343-shimizu-d-akira#1013 https://www.allbluerpg.com/t1413-hellhounds-5-darude-sandstorm
Yami
Avaliador
Re: Voice of the Soul Sab Out 02, 2021 8:05 pm

Voice of the Soul



O humor de Annabelle poderia estar melhor naquele início de dia. Tudo bem que havia se iniciado muito bem e, apesar do clima, estava sendo agradável até ver a confusão na frente do cemitério. O soldado estava de mãos atadas e, conforme havia indicado, não poderia autorizar a entrada de ninguém que não tivesse adquirido uma autorização expressa de Linda. Acabou que isso fez com que a dupla tivesse que se contentar de retornar ao QG, levando mais um bom tempo para cruzar toda a Shells Town até a chegada de seu local de trabalho.

Diferentemente de outros dias, o local estava movimentado. Muitos civis presentes faziam com que a entrada estivesse abarrotada, fazendo com que o casal precisasse passar espremidos pela entrada. Muitos reclamavam também sobre o ocorrido no cemitério, mas muitos também mencionavam sobre artigos desaparecidos de suas casas. O que diabos estaria acontecendo na ilha mais bem vigiada de todo o East Blue?

Quando enfim chegavam à sala da Capitã, ela pedia um momento com a mão enquanto finalizava uma ligação com o Den Den Mushi. Suas olheiras e seus cabelos bagunçados indicavam que ela estava trabalhando desde muito cedo e provavelmente demorou para dormir no dia anterior. Após concluir o que havia de imediato, ela permitia que a dupla se aproximasse, fazendo com que ela desse um longo suspiro tentando tirar o peso dos ombros. — Uma loucura o dia hoje, hein? Espero muito que tenham vindo com boas notícias, e não mais um alerta de crime ocorrendo. — Aquela fala poderia ser um susto para ambos, pois só confirmava que algo peculiar havia ocorrido na noite anterior.

A primeira pergunta acabava levando Linda aos seus papéis, buscando em uma pasta alguns relatórios. — Na verdade, tenho uma missão importante… Devo precisar levar uma guarnição para a Grand Line e estava contando com vocês para irem. O que acham? — Ela olhava para ambos, como se buscasse reações. — Como podem saber, onde tivemos um ataque no cemitério. Além de termos encontrado um corpo recente, que ainda estamos tentando identificar, o ladrão acabou saqueando uma das tumbas também. Ainda estamos tentando identificar o motivo, mas uma das covas que ele visitou foi a de um antigo Capitão que trabalhava no Novo Mundo. Este capitão era famoso por ser um poderoso ciborgue. — Ela sentava-se, cruzando seus braços, enquanto olhava os papéis como se buscasse respostas entre suas palavras.

Ela olhava com pesar para Anne, ainda mais após o pedido de Eric para que pudessem visitar o local. — Quanto a isto… Não posso lhes permitir agora. — Ela passava a mão em seus cabelos, claramente abalada, tentando manter a pose firme que seu cargo exigia dela. — ...Temo dizer que o ladrão visitou a tumba do Sr. Barozzi na noite anterior. Não sabemos exatamente o que foi feito, mas estamos com nossos melhores peritos no local. Entendem o motivo de não poder permití-los que entrem lá, certo? — Ela sabia que aquelas palavras poderiam despertar uma fúria incontrolável em Annabelle, mas ela precisava ser firme para com seus subordinados.

Por fim, ela fecharia uma pasta, empurrando na direção deles. — Mas o que eu posso fazer, e estaria passando por muita burocracia ao permitir isso, seria que vocês acabem indo atrás de nosso principal suspeito. Temos o suficiente para acreditar que ele partiu para a Grand Line e precisamos interceptá-lo antes que alcance seus fornecedores. Posso contar que vocês irão fazer isso da maneira mais profissional possível? — Ela dizia, sabendo que estava arriscando muito em botar na mão de dois marinheiros o papel de vingar a honra de seus falecidos, sem sair da linha moral que diferenciava a justiça do caos.

Annabelle Petit Barozzi:

Eric Flamesguard:

_________________

Voice of the Soul - Página 4 V8upj2D

Voice of the Soul - Página 4 YDNzcDa
Skÿller
Imagem :
Voice of the Soul - Página 4 SyWUVX9
Créditos :
10
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t272-annabelle-petit-barozzi https://www.allbluerpg.com/t303-voice-of-the-soul#875
Skÿller
Soldado
Re: Voice of the Soul Sab Out 02, 2021 9:10 pm




»»Paint it Black««

- Annie-


Voice of the Soul - Página 4 Samira12

Pouco aos poucos, o meu mundo parecia perder o chão. Civis reclamando sobre a segurança da ilha, todo mundo numa correria na rua e até no QG e notícias nada agradáveis no gabinete da Capitã. Lilith olhava para mim preocupada, vindo até mim e me abraçando, mas não importava, nada importava, na minha cabeça passavam inúmeras questões, as quais eu ainda não tinha resposta.

Sabia o que implicava para eu poder encontrar aquele ladrão de tumbas, mas acima de tudo eu sabia quem eu era, não podia fazer promessas que não ia cumprir - Com todo o devido respeito, Capitã. - focaria bem nos seus olhos, sabia que nada daquilo era culpa dela, sabia que ela estava fazendo o seu trabalho da melhor forma, no entanto haviam coisas que eram possivelmente culpa dela - Se existia um Capitão com tecnologia tão forte no corpo enterrado no nosso cemitério, deveria ser da nossa responsabilidade manter o cemitério vigiado constantemente. - cerrava os punhos, sentindo lentamente a dor da unha entrando levemente na carne aliviar o stress e ódio de um ser humano que eu ainda nem havia conhecido. - Sabe que tipo de tecnologia ele tinha no seu corpo? - olhava para a pasta que ela deslizava sobre a mesa - Tantos anos achando que não havia nenhum pingo de tecnologia no East… Havia um ciborgue bem debaixo do meu nariz…

Das poucas perguntas que - Mas isso não importa agora. O que eu preciso saber é… - respiraria fundo, tentando manter a minha voz num tom aceitável - Ele levou o corpo do meu pai? - queria tentar descobrir porquê que ele estava fazendo isso - A gente era pobre, principalmente depois da morte do meu pai. Será que foi mais uma questão pessoal? - tentava limitar as nossas opções, mas certamente não teria nenhuma resposta coerente no momento.

Começaria a ler a pasta e, quando terminasse, passaria ela para Eric. Fazendo uma saudação, diria para a Capitã - Presumo que a gente deva conversar com alguém agora, certo? Alguém mais dentro da missão. - não conseguia esconder a minha amargura no meu olhar. Não conseguia esconder a minha raiva nas minhas palavras - Trataremos do assunto da forma como deve ser feita, Capitã. - mas acima de tudo, era a memória do meu pai que estava em jogo - Por ele… Tratarei este assunto assim como a justiça manda. - esperaria que ela desse permissão para a gente sair.

Seguiria para encontrar com o responsável pela gente e pela missão, assim que a gente estivesse a uma distância considerável do gabinete da Capitã eu respiraria fundo - Você está bem? - escutando as palavras de Lilith eu socaria a primeira parede que estivesse disponível com a mão direita. Levando a mão possivelmente agora dolorida até ao meu rosto, respirava fundo e procurava a mão de Eric com a livre - Lembra da conversa que a gente teve mais cedo? - se a minha mão tivesse muito dolorida daria ela para Eric para que ele pudesse verificar ela - É melhor você me segurar… Para o bem do infeliz e da minha carreira na marinha.

Parecia que o universo testava o meu limite, como se quisesse ver onde que eu iria explodir por completo - Lilith… Sei que você não pode fazer muita coisa mas… - olharia para Eric, tocando o seu rosto lentamente - Se eu passar do limite, preciso que você me pare. Prometa. - Lilith podia tentar me ajudar na questão emocional, mas apenas Eric poderia parar o meu corpo de mover caso fosse necessário. - C-certo… - respondia a mink meio incerta.



HistóricoNome do Player: Skÿller
Tracker

  • Acordou.
  • Foi até ao QG e recebeu uma tarefa da Capitã Linda.
  • Pegou ferramentas e uma katana. Foi até ao local indicado pela Capitã com Eric.
  • Chegou no navio da marinha e foi até a sala da caldeira. Resolveu o problema.
  • Teorizou sobre a existência de algum infiltrado no navio.
  • Lucy apareceu no porto explodindo tudo, confirmando a teoria de Annie.
  • Derrotou a piranha Lucy.
  • Ajudou o velho a voltar para o QG, fazendo algumas perguntas com ele.
  • Recebeu o pagamento da missão e comprou os seus remédios. Recebeu tratamento médico e foi até à biblioteca do QG para poder fazer o relatório pacificamente.
  • Entregou o relatório com Eric, jantaram e foram até ao bar.
  • Viu 2 garotas com pó no nariz no banheiro. Não fez muito caso. Voltou até Eric e após jogar um pouco de conversa fora, dançaram na pista. "Acordou" do evento do mega churras no meio da dança.
  • Foram para casa
  • Acordou e junto de Eric tentaram ir para o cemitério, infelizmente sendo barrados.
  • Receberam informações e missão da Capitã Linda.

Nº de Posts: 21
Remédios: 03/10
Ferimentos

  • Dor no corpo (3/3)
  • Pequenos cortes superficiais (5/5) Tratado
  • Corte no Braço (5/5) Tratado
  • Corte nas Costas (3/3) Tratado

Ganhos:

  • Espada (Katana) Gasta da Marinha (+1 em Força)
  • Kit Mecânico da Marinha (Ferramentas diversas)
  • Mochila da Marinha
  • 125.000 berries (dado por Eric)
  • 1.500.00 salário da missão
  • Remédios (3/5 usos)

Perdas

  • 300.000 ฿S
  • 200.000 ฿S


Objetivos

  • Concluir 2 Missões ( )
  • Aprender Anatomia (X)
  • Comprar remédios (X)
  • Aprender Forja ( )





_________________

Voice of the Soul - Página 4 O0yljIK

Fala Annabelle
Pensamento Annabelle
Fala Lilith
Antestor
Imagem :
Voice of the Soul - Página 4 Yf98gE7
Créditos :
40
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t273-eric-flamesguard https://www.allbluerpg.com/t303-voice-of-the-soul
Antestor
Desenvolvedor
Re: Voice of the Soul Ter Out 05, 2021 12:47 pm






Voice of The Soul

Não havia muito mais o que eu e Annie pudéssemos fazer para entrar no cemitério, o solado que havia nos recebido não tinha escolhas a não ser seguir as ordens que foram passadas para ele, por isso não pensamos muito e rapidamente fomos até o Quartel General, tentar resolver a burocracia envolvida nessa questão toda. Hoje parecia realmente um dia atípico; o crime que havia sido cometido realmente causava uma maior comoção na população em geral e por causa deste fato, muitas e muitas pessoas se faziam presentes na porta do Quartel General, dificultando a passagem para o local. - Com licença, com licença! Por favor, abram caminho, somos marinheiros! - eu dizia enquanto passava de forma apertada entre o amontoado de gente que se concentrava na porta de entrada. Além das tumbas terem sido saqueadas, havia também pessoas que falavam que artigos sumiram subitamente de suas casas, o que me fazia levantar uma sobrancelha e coçar a minha cabeça. Estava tão confuso quanto o restante da população, parando para pensar, não é de se espantar esse tumulto, hoje estava se mostrando um dia bastante atípico para as pessoas acostumadas com a boa segurança e baixa criminalidade de Shells Town, ainda mais por causa do que havia acontecido ontem, muitos crimes seguidos assim faria qualquer um daqui estranhar. Eu esperava me afastar um pouco da entrada, já dentro do Quartel General para poder comentar alguma coisa com Annie. - Primeiro um navio com uma pirata infiltrada ontem e um ladrão de tumbas no dia seguinte. Os criminosos parecem estar esquecendo com quem eles estão lidando. - olhava para minha nerd, com uma expressão preocupada e séria, apertando instintivamente a haste de uma das flechas em minha aljava.

Dentro do Quartel, não perdemos tempo e fomos direto para o gabinete da Capitã Linda. Adentrando o cômodo, era fácil perceber que Linda não tinha descansado bem do dia anterior; tinha olheiras e estava com os cabelos desarrumados, provavelmente estava sobrecarregada com o que vem ocorrendo recentemente. A Capitã terminava uma ligação em seu Den Den Mushi antes de dar atenção propriamente para nós dois. A fala dela ao nos receber só aumentava a minha curiosidade; o que diabos estava acontecendo na ilha? Nunca imaginei que passaríamos por uma onda de crimes por aqui. A Capitã Linda respondia a primeira pergunta de Annie, dizendo que precisava de uma guarnição para a Grand Line. - Eu aceito a missão, capitã. Mas, temos que resolver primeiro a situação daqui, senhora. Não gosto de sair deixando a casa bagunçada. - olhava diretamente nos olhos de Linda, com um semblante sério. Linda continuava explicando o ocorrido, dizendo que uma das covas que foram saqueadas pertencia a um capitão ciborgue, que já trabalhou no Novo Mundo. Eu pouco sabia da Grand Line e ainda menos do Novo Mundo e tudo que eu ouvia de lá me fazia parecer um local quase que lendário, como se tivesse vindo de algum livro. Os mais perigosos piratas, capazes de abalar todos os mares com sua força, os mais bravos marinheiros, que combatem os piratas com grande fervor e as mais fantásticas ilhas, com animais exóticos e monstros. A tecnologia de lá deve ser de outro patamar também, levando em consideração esses pontos. Escutava o que Annie vinha a falar, sobre a vigia constante no cemitério por causa do ciborgue e fazia sentido, mas, não era a melhor forma de se lidar com a aquele problema em minha visão. - Deveriam ter tirado os implantes cibernéticos dele antes de enterrá-lo. - cruzava meus braços. Poderia parecer frio demais o que eu estava falando no momento, mas, isso era um caso de "os meios justificam o fim". - Pessoas enterram familiares com joias, roupas caras, objetos de valor e sim, até armas. Mas, as armas que esse capitão possuía em seu corpo provavelmente eram muito mais tecnologicamente avançadas se comparadas com o que temos nos Blues, era perigoso demais deixá-las junto com ele... um criminoso com acesso a tal tecnologia com certeza causará caos no East. - eu explicava calmamente, em contraste a Annie, que eu percebia estar ficando cada vez mais estressada e claro, ela tinha todos os motivos do mundo para estar naquele momento.

O ladrão também tinha mexido na tumba do pai da Annie, mas, o motivo disso era desconhecido. Sr. Barozzi nunca fora um homem rico pelo o que eu sabia, o que me levava a crer que poderia ser algum tipo de rixa, afinal, ele ainda era um marinheiro e criminosos costumam ser vingativos. Minha princesa pensava o mesmo, não se tinha motivos para se pensar em outra coisa que fosse tão distante daquele pensamento. No fim, o nosso pedido para poder entrar no cemitério foi negado, porém, Linda dizia que poderíamos ficar com a tarefa de capturar o suspeito. Linda passava uma pasta para Annie, que logo depois passava para mim, onde eu rapidamente folheava e lia o seu conteúdo. Não havia restado nada que pudéssemos fazer em Shells pelo visto, de um jeito ou de outro teríamos que ir embora da ilha para poder ter fazer alguma justiça pelos afetados. Annie fazia mais algumas perguntas sobre a missão para a capitã e eu me limitava apenas a escutar, sabendo que Annie estava furiosa com tudo que vinha acontecendo. Ah... como eu queria poder abraçar ela agora. Como eu queria poder reconforta-la e dizer que vai dar tudo certo no final. Como eu queria deixar que ela descarregasse sua raiva a vontade quando achássemos o culpado. Mas, não. O dever me impedia de fazer isso. Apesar de não concordar com a frase que meu pai falava constantemente; "amor é a morte do dever", era inegável o que um marinheiro tinha que se fazer ou deixar de fazer por causa do dever. - Dou minha palavra, faremos o melhor possível, capitã. Não vai se arrepender de deixar essa tarefa em nossas mãos. - minha fala era pesada, carregada de determinação e uma pitada de raiva. Claro, mexeram com algo que é sagrado para Annie, então mexeram comigo também. Assim que fôssemos dispensados, faria um aceno de mão e uma rápida reverência com a cabeça para Linda, saindo da sala com passos rápidos.

Andando um pouco com Annie, não tiraria os olhos de seu rosto e obviamente ver ela socando a parede me faria preocupado e em meu rosto seria possível ver o choque que a ação de Annie fazia em mim. - Annie! - logo buscaria a mão com qual ela havia dado o soco contra a parede, olhando se ela havia se ferido, analisando se havia se ferido. Era de quebrar o coração ver ela daquele jeito, era quase como se alguém tivesse enfiado uma agulha em meu peito. Olhando para ela, eu percebia um misto de tristeza e raiva, seu olhar transparecia claramente tais sentimentos. - Lembro sim, princesa. - responderia a pergunta, sem largar a mão dela. Ela pedia em seguida que eu a segurasse, pelo bem do criminoso e pela carreira dela na Marinha. - Princesa, não irei mentir... - eu daria um profundo suspiro. - Eu tenho pouca vontade de te segurar, mas, você tem razão. Farei isso, pois é certo. - levaria a mão dela até os meus lábios, beijando-a suavemente. Ela pedia que eu prometesse, enquanto tocava em meu rosto e olhava para meus olhos. - Eu prometo. - falava seriamente, enquanto olhava para seus olhos e logo em seguida, puxaria ela para um abraço, quase que institivamente, meu corpo parecia já saber como agir em situações assim. Com uma mão, eu afagaria os cabelos de Annie, enquanto segurava-a pela cintura com a outra. Beijaria ela no rosto. - Eu prometo. - falaria mais uma vez, com a voz mais baixa dessa vez, quase como um sussurro.



Histórico:
Yami
Imagem :
Voice of the Soul - Página 4 Giphy
Créditos :
16
Localização :
Alabasta - 7ª Rota
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t343-shimizu-d-akira#1013 https://www.allbluerpg.com/t1413-hellhounds-5-darude-sandstorm
Yami
Avaliador
Re: Voice of the Soul Ter Out 05, 2021 10:53 pm

Voice of the Soul



A cada palavra parecia ser um tapa na face de Linda. A vergonha pela falha de seu sistema de segurança era algo que transparecia em sua face tão amável. — Aí que mora o problema… Ela estava sendo vigiada constantemente. Ocorre que o grupo que patrulhava na noite anterior pela redondeza simplesmente desapareceu. Já entramos em contato com os familiares, amigos… Mas é como se nunca tivessem existido. — Ela colocava os braços na mesa, cruzando as mãos na frente de seu rosto em uma pose mais séria e centrada. — Além disso, o ex-capitão não foi enterrado junto de suas próteses, ao menos é o que diz o relatório da necropsia. Isso é o que tem me deixado maluca. — Ela dizia, descartando a possibilidade de ser um simples ladrão de covas e ter sequestrado as peças do ciborgue.

Ao menos, quando a pergunta seguinte viria, Linda suspirava aliviada. — Seus familiares permanecem por lá. Aparentemente, sem avarias, além da violação dos túmulos, é claro. — O alívio era instantâneo no ambiente, por mais que ainda houvesse o desconforto da violação do sono sagrado de sua família. — E exatamente por isso que vocês estarão indo para a Grand Line. Uma testemunha ocular conseguiu descrever um sujeito esguio, alto e de trapos no rosto saindo da baixa Shells Town após ter sido escutado um grito. O retrato falado acabou nos dando uma pista de quem poderia ser. — Ela apontava para pasta, onde, após aberta, poderia ser verificado algumas informações.

A figura de um homem destacava a primeira página, grampeada num relatório sobre a testemunha ocular. O nome “Umebayashi Kazu” estava descrito logo ao lado com um ponto de interrogação, assim como fotos de um corpo completamente fatiado e jogado dentro de uma tumba aberta. — Estão chamando-o de O Colecionador, apesar de não sabermos exatamente o que ele está colecionando. A marinha ainda está confeccionando um cartaz de recompensa, mas ainda precisamos definir se é de fato ele. — Logo atrás, Eric poderia notar uma espécie de relatório escolar, descrevendo sobre o tal Kazu, nascido e criado em Polestar no East Blue.

Observando logo após, Eric poderia notar uma ficha antiga de inscrição para recrutamento ao Governo Mundial, com os dados de Kazu sendo descritos com um pouco mais de cautela. — Se é quem imaginamos ser, Kazu foi um recruta ao Governo Mundial quando jovem. Teve alguns problemas com insubordinação e perdeu seu cargo. Acabou que se tornou uma espécie de vigilante pouco depois, mas não nos preocupamos, pois aparentava ser um Caçador de Recompensas. Só que ele nunca pegou um tostão sequer dos procurados que derrotava. — Tudo aquilo poderia ser verificado no relatório também, parecendo estar bem completo pelo fato do homem ter passado um tempo como agente.

Linda prosseguia, vendo que a dupla finalizava a leitura breve do relatório. — Depois que tivemos a informação que ele foi pra Grand Line, deixou de ser algo a nos preocupar, até que ele retornou para sua terra natal há poucos meses. Causou alguns problemas por lá, mas as autoridades de Polestar perderam seu paradeiro. Por isso, preciso que passem em Polestar antes de suas idas até a Grand Line. Preciso que confiram se ele esteve em sua antiga moradia recentemente e, se possível, consigam o rastro para onde ele está indo. — Dessa forma, a missão ficava um pouco mais definida, sendo de extrema importância o foco da dupla para que aquela missão também fosse bem sucedida.

Linda abria espaço para perguntas, dispensando os marinheiros caso fosse tudo o que precisassem. — Ah, é claro. O Tenente Masanori é um dos nossos melhores detetives e está analisando a cena do crime. Ele deverá acompanhá-los nessa missão. Após ele concluir o que precisa ser feito no cemitério, o informe que lhes dei autorização para entrada e peçam a ele um relatório sobre o cenário. — E, com isso, a dupla enfim era dispensada, podendo voltar a circular por onde acharem melhor, mas antes de fecharem a porta, Linda chamava a atenção novamente. — E lembre-se que confio no profissionalismo de vocês. O que nos separa desses tipos de sujeitos são a nossa fidelidade com a ordem e justiça. Tenho certeza que não irão me desapontar. — Frisava ela, mesmo que claramente estivesse prestes a cometer uma catástrofe para acabar com aquele caos generalizado.

Annabelle Petit Barozzi:

Eric Flamesguard:

_________________

Voice of the Soul - Página 4 V8upj2D

Voice of the Soul - Página 4 YDNzcDa
Skÿller
Imagem :
Voice of the Soul - Página 4 SyWUVX9
Créditos :
10
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t272-annabelle-petit-barozzi https://www.allbluerpg.com/t303-voice-of-the-soul#875
Skÿller
Soldado
Re: Voice of the Soul Dom Out 10, 2021 3:08 pm




»»Paint it Black««

- Annie-


Voice of the Soul - Página 4 Samira12

Embora eu estivesse mais focada em saber mais sobre o criminoso, sobre o ocorrido, Lilith parecia bem preocupada com as minhas palavras. Era notável que a Capitã não se sentia orgulhosa com o ocorrido, mas naquele momento eu estava demasiado ocupada em obter o máximo de respostas do que me preocupar com sentimentos alheios - Claramente ela não sabe de mais nada, amiga… - dizia Lilith num tom apaziguador, colocando a mão no meu ombro.

Analisava rapidamente o ficheiro me passado - Ex-agente, hun? Caramba, mas ele é feio para porra… - parecia que ele tinha um grande remorso guardado pelo governo mundial e, provavelmente, pela marinha - Será que ele coleciona insigneas de honra? Como nunca conseguiu medalhas servindo o governo pode ser que ele esteja roubando medalhas para si… - pensava juntando as poucas informações que eu conseguia captar. - Talvez se o responsável pela missão nos deixar ver a tumba de Papai…

A Capitã finalizou falando que acreditava no nosso profissionalismo, o que na minha cabeça parecia mais como um aviso. A capitã não era idiota, certamente ela sabia o risco de nos deixar ir nessa missão, contudo ela tinha a certeza que a gente tinha muita mais motivação para trabalhar o dobro em cima do caso. - Ordem e justiça, né? - pensava enquanto fazia uma continência e saia da sala.

Toda aquela raiva e frustração acumuladas forçava-me a libertá-la através de um soco contra a parede. Eric prometia me segurar se eu saísse do controle, ao mesmo tempo parecia que a minha mão estava OK e sem nenhum ferimento significativo. O abraço recebido por ele era o que eu precisava, conseguia ficar mais calma sentindo o seu calor, sentindo o seu toque - Obrigado… - sussurrava no seu ouvido. Lilith também se juntava ao abraço - Não deixem eu de fora!

Afastando-me do abraço assim que ele terminasse, tocaria no seu rosto com a minha mão usada para socar a parede - Vamos logo terminar essa missão. - dizia confiante. Embora ainda muito séria, não resistia em dar um pequeno sorriso para Eric. Rapidamente começaria a correr de volta ao cemitério, não havia tempo a perder. Caso ainda existissem civis nas ruas com bastante intensidade, eu começaria pedir espaço para passar - Dispersar! Precisamos passar! Estamos em missão importante! - forçaria a minha passagem, com cuidado para não derrubar ninguém durante a minha passagem. Se existissem bastantes pessoas eu pegaria a minha katana (dentro da bainha) e levantaria ela para que todo mundo visse onde a gente tava passando.

Ao chegar no cemitério novamente, iria diretamente ao Tenente Masanori, passando pelo guarda que havia barrado a nossa entrada mais cedo. Caso ele barrasse a nossa entrada novamente eu olharia bem nos seus olhos, extremamente séria - Sai. - continuaria a andar e, caso ele tentasse nos parar de novo eu aproximar-me-ia, ficando bem perto do seu ouvido - Eu não estou num dia bom, soldado… Não vou repetir uma terceira vez: Sai. - afastar-me-ia e então diria - Não me faça perder mais tempo - conseguiria escutar os suspiros de Lilith. - A sua sorte é que Eric consegue limpar e esclarecer as suas atitudes…

Voice of the Soul - Página 4 _13

Ao chegar até ao Tenente Masanori, eu diria sem fazer uma continência - Fomos enviados pela Capitã. - começaria a olhar em volta, tentando recolher o máximo de informações possíveis - Ela pediu para você nos colocar a par da situação. - Esperaria ele terminar de falar. Caso eu visse alguma tumba de Papai aberta eu aproximar-me-ia dela, olhando para o seu uniforme com cuidado, procurando a falta de alguma insígnia. Caso estivesse em falta de alguma insígnia, perguntaria bem alto - As tumbas abertas, ignorando as dos civis, existem mais marinheiros além do capitão e do tenente Barozzi? - caso a resposta fosse positiva iria até as suas campas para anotar os nomes e ver que insignias tinham. - Você não está se apegando muito a essa teoria das ingínias? - escutaria Lilith perguntar - Parte de mim quer acreditar que é isso… Será muito pior para ele se ele tiver interrompido o descanso de Papai por uma rinha pessoal...



HistóricoNome do Player: Skÿller
Tracker

  • Acordou.
  • Foi até ao QG e recebeu uma tarefa da Capitã Linda.
  • Pegou ferramentas e uma katana. Foi até ao local indicado pela Capitã com Eric.
  • Chegou no navio da marinha e foi até a sala da caldeira. Resolveu o problema.
  • Teorizou sobre a existência de algum infiltrado no navio.
  • Lucy apareceu no porto explodindo tudo, confirmando a teoria de Annie.
  • Derrotou a piranha Lucy.
  • Ajudou o velho a voltar para o QG, fazendo algumas perguntas com ele.
  • Recebeu o pagamento da missão e comprou os seus remédios. Recebeu tratamento médico e foi até à biblioteca do QG para poder fazer o relatório pacificamente.
  • Entregou o relatório com Eric, jantaram e foram até ao bar.
  • Viu 2 garotas com pó no nariz no banheiro. Não fez muito caso. Voltou até Eric e após jogar um pouco de conversa fora, dançaram na pista. "Acordou" do evento do mega churras no meio da dança.
  • Foram para casa
  • Acordou e junto de Eric tentaram ir para o cemitério, infelizmente sendo barrados.
  • Receberam informações e missão da Capitã Linda.

Nº de Posts: 22
Remédios: 04/10
Ferimentos

  • Dor no corpo (3/3)
  • Pequenos cortes superficiais (5/5) Tratado
  • Corte no Braço (5/5) Tratado
  • Corte nas Costas (3/3) Tratado

Ganhos:

  • Espada (Katana) Gasta da Marinha (+1 em Força)
  • Kit Mecânico da Marinha (Ferramentas diversas)
  • Mochila da Marinha
  • 125.000 berries (dado por Eric)
  • 1.500.00 salário da missão
  • Remédios (3/5 usos)

Perdas

  • 300.000 ฿S
  • 200.000 ฿S


Objetivos

  • Concluir 2 Missões ( )
  • Aprender Anatomia (X)
  • Comprar remédios (X)
  • Aprender Forja ( )





_________________

Voice of the Soul - Página 4 O0yljIK

Fala Annabelle
Pensamento Annabelle
Fala Lilith