Tópicos Recentes
Destaques
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Últimos assuntos
[Kit] ChrolloHoje à(s) 1:29 ampor  HooliganColorsHoje à(s) 12:17 ampor  Shiori1v9 Kirinha Adventures - 1° EpisódioHoje à(s) 12:14 ampor  KiraMazushi: Por um punhado de berriesHoje à(s) 12:08 ampor  Wild Ragnar[Tutorial] VincentOntem à(s) 11:57 pmpor  VincentCréditosOntem à(s) 11:36 pmpor  HooliganTutorial - HooliganOntem à(s) 11:32 pmpor  Dio1º Chapter - Wild HuntOntem à(s) 11:22 pmpor  ÀsHere Comes The SunOntem à(s) 11:14 pmpor  RavenbornDesventura na Terra dos Sonhos - Grupo 5Ontem à(s) 10:37 pmpor  Narrador De Eventos
 :: Oceanos :: Blues :: East Blue :: Shells Town
Página 2 de 3 Página 2 de 3 Anterior  1, 2, 3  Seguinte
Kenshin
Ver perfil do usuário
Imagem : Voice of the Soul - Página 2 XqxMi0y
Créditos : 10
KenshinDesenvolvedor
https://www.allbluerpg.com/t360-agatha-harkness https://www.allbluerpg.com/t386-prologo-frenesi-da-raposa#1165
Voice of the Soul Seg Maio 10, 2021 10:06 pm
Relembrando a primeira mensagem :

Voice of the Soul

Aqui ocorrerá a aventura dos(a) Marinheiros Eric Flamesguard e Annabelle Petit Barozzi. A qual não possui narrador definido.

_________________

Voice of the Soul - Página 2 J09J2lK

Skÿller
Ver perfil do usuário
Imagem : ALOU TESTANDO O TESTE TESTADOR DE TESTES TESTADOS
Créditos : 15
SkÿllerSoldado
https://www.allbluerpg.com/t272-annabelle-petit-barozzi https://www.allbluerpg.com/t303-voice-of-the-soul#875
Re: Voice of the Soul Qui Maio 20, 2021 10:41 pm





»» Babooshka ««

- Annie-


🦄


Lilith parecia não ser grande ajuda, eu não trabalhava com aquele tipo de informações - Eu preciso de dados, amiga. DADOS! Como que eu vou saber algo sem saber sobre isso e magicamente eu vou descobrir isso? Eu hein, mina louca. - mas por mais que eu odiasse admitir, de uma forma estranha o que ela falava tinha sentido. Eric não era do tipo de pessoa que era impaciente e parecia aceitar muito bem o meu ritmo, claro que ele gostava e queria demonstrar mais afeto publicamente, mas ainda tentava respeitar a minha escolha.

A Capitão indicou onde a gente poderia pegar as ferramentas e recomendou que a gente levasse uma arma do arsenal. Eu e Eric já tinhamos as nossas armas, mas ter uma arma a mais poderia dar jeito. Assim que ela se afastou eu murmurei para Eric - Parece que não é brincadeira, estão dando para a gente armas e tudo. - Parecia que finalmente o trabalho de secretária e bibliotecária chegaria ao fim. Eu gostava de ler, mas o meu trabalho de bibliotecária ironicamente não tinha muito a ver com livros. Ao passar pelo arsenal, procurei por uma katana que fosse leve e de um tamanho aceitável. Eric questionava sobre uma amiga minha, demorou algum tempo para que eu olhasse de canto para Lilith e percebesse que ele se referia a ela. Era estranho explicar para as pessoas que Lilith era uma amiga que apenas eu conseguia ver, escutar ou até mesmo tocar. E explicar que a gente fala por telepatia? Nem me fale sobre isso. Ainda não sabia ao certo como explicar isso para Eric, talvez um dia conseguiria arrumar uma forma simples dele entender - Ah... Eu vejo ela às vezes na rua mas... Sabe... Ela é tímida. Então só falo com ela quando conseguimos ficar sozinhas...

Com tudo com a gente, fomos até ao local mas claro que pelo caminho Eric seria Eric e não perderia uma chance de me elogiar. Lilith parecia adorar ver aquilo tudo - S-Silêncio… - Eric parecia ansioso para ir logo para a Grand Line. Não vou mentir, parte de mim também queria ir especialmente pela tecnologia que eles teriam lá, mas ainda assim era um lugar perigoso e apenas marinheiros fortes eram mandados para lá, até mesmo os soldados de lá precisam ser muito fortes - Ah... Quero ver a tecnologia de lá, mas acho que se a gente fizer um bom trabalho em campo, talvez eles comecem a mandar a gente para missão de maior nível e eventualmente a Grand Line. - ser almirante para mim não parecia um grande sonho - Você seria um ótimo almirante. As pessoas gostam de você e respeitam você com facilidade. Eu acho que não me encaixaria nesse cargo...

Ao chegar no local analisava tudo com cuidado, parecia que o navio estava superaquecendo e aquilo poderia ser bem desastroso. Acelerei o passo puxando Eric para o navio - Vamos, Eric. - assim que me aproxima-se dos sujeitos diria num tom sério - Tá. O que aconteceu, como aconteceu e sabem o motivo de ter acontecido? - esperaria escutar as respostas deles, mas se estavam naquela situação era pouco provável conseguirem responder - Bando de macaco… - coçaria a minha cabeça pensando nas possibilidades.

Após alguns segundos de raciocínio olharia para Eric - Você vem comigo. Vocês dois também. Tem alguém dentro do navio? Se tiver, você vai entrar para ajudar todo mundo a sair. - diria apontando para os dois primeiros que falaram e depois para o terceiro membro. Andaria para dentro do navio - Me levem até à caldeira. - seguiria eles, claro que eles pareciam um cagões e poderiam precisar de um incentivo caso se recusassem por medo - Ai desculpa, não sabia que estava na presença das princesinhas da marinha. No que estava pensando eu, meu deus? - levaria a mão à testa numa forma “escaralhada” - Cala a boca e vem logo caralho. - provavelmente Eric teria que fazer algum tipo de reparação social, mas isso não era pica minha. Ao chegar na zona da caldeira analisaria tudo com cuidado e antes de entrar eu tentaria escutar a caldeira, protegida pela parede - A última coisa que eu quero é entrar nessa sala e explodir na hora.




HistóricoNome do Player: Skÿller
Tracker

  • Acordou.
  • Foi até ao QG e recebeu uma tarefa da Capitã Linda.
  • Pegou ferramentas e uma katana. Foi até ao local indicado pela Capitã com Eric.

Nº de Posts: 4
Remédios: 04/15
Ferimentos

  • Ainda nenhum

Ganhos:

  • Katana

Perdas

  • N/A





Última edição por Skÿller em Sex Maio 21, 2021 2:08 pm, editado 1 vez(es)

_________________

Voice of the Soul - Página 2 O0yljIK

Voice of the Soul - Página 2 WhdRXxk

Fala Annabelle
Pensamento Annabelle
Fala Lilith
Antestor
Ver perfil do usuário
Imagem : Voice of the Soul - Página 2 0aaeb1e6ea9b8ed6776845ebe8eeb6011f0fe274_00
Créditos : 14
AntestorDesenvolvedor
https://www.allbluerpg.com/t273-eric-flamesguard https://www.allbluerpg.com/t303-voice-of-the-soul
Re: Voice of the Soul Sex Maio 21, 2021 3:33 am






Voice of The Soul

Eu e Annie recebíamos as últimas instruções da Capitã Linda, como havíamos pensado, poderíamos levar algumas coisas com a gente para o serviço, então tínhamos que passar na enfermaria e na mecânica para pegarmos as coisas que precisávamos. Bati continência mais uma vez para a Capitã, que parecia um pouco envergonhada com a minha conversa com minha princesa, porém, não havia nada a se preocupar, era somente nossa química em ação e talvez ela somente não estivesse familiarizada com ela. - Muito obrigada, capitã! Não demoraremos em cumprir a missão. - dei um sorriso para Linda e logo voltei as atenções para a minha nerd. - Eu acho que a gente merece essa atenção, princesa. - respondia Annie com um sorriso de satisfação em meu semblante. Enquanto íamos pegar as coisas eu notava algo que já era um pouco recorrente que acontecia com minha amada. As vezes, ela parecia um pouco deslocada, talvez seja porque ela é muito inteligente ou talvez seja uma válvula de escape para lidar com as coisas, bom, não tenho muito ideia, mas, as vezes eu conseguia ver ela olhando para o nada, fazendo expressões de forma muito espontânea e até mesmo falando sozinha. Eu até mesmo já falei com ela sobre isso... bom, ela me disse que era uma amiga dela para quem ela recorria as vezes para pedir conselhos e de vez em quando ela lembrava de suas conversas. Infelizmente eu nunca tive a chance de conhecer essa tal amiga e pouco eu perguntava sobre ela. - Ei, Annie... - chamei ela, um pouco pensativo. - E aquela sua amiga? Faz tempo que você não vê ela? - levava a mão ao queixo. - Como era o nome dela mesmo? - eu estava curioso com a resposta de Annie. Eu sabia muito bem dos traumas que ela tinha quando era uma criança e saber que ela tinha alguém que considera uma amiga era algo muito bom. Não era todo mundo que tinha a capacidade de lidar com o gênio forte que minha princesa tinha, mas, eu sabia muito bem como domar a fera. Anos e anos de experiência.

Dava para carregar tudo em apenas uma única mão, então eu ficava com uma mão livre para caminhar de mãos dadas com a minha Annie. Saíamos do QG bastante rápido, afinal a ida da Alta Shells até a Baixa Shells era bem complicada, a geografia da ilha não contribuía muito com os moradores, que tinham que subir e descer o morro várias e várias vezes durante o dia a dia. Os dias costumavam ser quentes em Shells Town e hoje não era diferente. Só espero que eu não comece a suar logo... deveria ter prendido o meu cabelo antes de sair de casa. Apesar do calor, eu não soltava a mão de Annie durante o trajeto. Sabia de seu problema em demonstrar afeto em público e não queria forçar muito a barra, mas, com esses pequenos atos ela ficaria mais confortável com o tempo. - Eu tava pensando em algo aqui, princesa. - eu pausava por um instante, olhando para ela animado. - Será que iremos demorar muito para ir para Grand Line? O primeiro passo já foi dado. - por um momento eu conseguia mentalizar Annie e eu, já como capitães assim como meu pai. De capitães, eu passei a imaginar nós dois como Almirantes. - Já pensou a gente como Almirante? Seria muito foda, no mínimo. - eu dizia, olhando para o rosto de minha nerd. Aqui em Shells Town foi havia nascido um dos maiores marinheiros do mundo, o Almirante conhecido como Grifo Negro e o povo da cidade adorava-o bastante.

Chegando na Baixa Shells Town, logo nos dirigimos até o porto, que por sinal, estava bastante movimentado apesar de sua estrutura um pouco precária. Não era difícil encontrar o barco ao qual a gente deveria ir. Sem perder tempo algum, Annie me puxava até a embarcação, que parecia estar superaquecendo e logo descobriríamos o motivo. - A situação parece estar um pouco complicada por aqui. Mas, eu tenho certeza que minha nerd consegue resolver. - eu falava em tom de brincadeira enquanto era puxado. No barco se tinha três marinheiros, que discutiam bastante entre si e estavam claramente com os nervos a flor da pele, a pior coisa que poderia acontecer com eles numa situação como essa. - Bom dia companheiros, eu sou o soldado Flamesguard. Fui designado pela capitã Linda para vir ajudar com o problema aqui. O que houve? - daria uma breve apresentação e cumprementaria todos com um aperto de mão. Não era minha especialidade, mas, eu tentaria entender o que havia dado errado na embarcação, escutando atenciosamente caso os homens explicassem o que realmente estava ocorrendo por ali.

Como mecânica de navios não era muito a minha praia, me manteria seguindo as instruções de Annie, ajudando ela com o possível. - Tudo bem, princesa. - falaria de forma espontânea, voltando o meu olhar para os três marinheiros. - Não tem ninguém ferido né? Se tiver, me levem até onde essa pessoa está. Tenho ferramentas para ajudar com isso. - terminaria minha fala, esperando a resposta dos três. Se a gente estivesse com sorte, ninguém estaria em apuros, mas, eu já me preparava para o pior e ao chegar no local do ferido, logo eu buscaria observar o seu estado, se havia queimaduras, ferimentos e outros malefícios que estivessem o afetando antes de agir. Caso a resposta fosse negativa, então eu seguiria junto de Annie até a caldeira. Claro, eu sabia que o seu modo naturalmente hostil de falar com estranhos poderia assustar os pobres coitados, então eu faria a parte diplomática da situação. - Esquenta não gente. Annie é um doce, ela só está um pouco estressada. - me aproximaria dos três, com um tom cômico. - É o que falam de pessoas muito inteligente né? Todas são meio assim. Acho que é de tanto fazer cálculo. - daria um tapinha nas costas de um dos três. - Bora resolver essa parada logo. - continuaria o meu caminho, junto de Annie, analisando com cuidado o que faria em seguida.



Histórico:
Nome: Eric Flamesguard
Estilo de Combate: Atirador
Proficiências: Primeiros Socorros, Anatomia, Farmácia, Diagnose e Toxicologia
Profissão: Médico
Localização: Shells Town - East Blue


Posts: 4
Ganhos: Kit Médico da Marinha (Sedativos, Álcool, Bisturi, Agulha e Linha de sutura, Bandagens, Remédio [1 unidade])
Perdas: 125.000 berries (Entregues a Annabelle)
Milabbh
Ver perfil do usuário
Imagem : Voice of the Soul - Página 2 Ezgif.com-resize
Créditos : 05
Localização : Flevance - North Blue
MilabbhAvaliador
https://www.allbluerpg.com/t311-haru-kaplyanova?highlight https://www.allbluerpg.com/t301-os-monarcas-i-efeito-borboleta#980
Re: Voice of the Soul Sab Maio 22, 2021 4:57 pm
Narração - Voice of The Soul
Localização: Porto de Baixa Shells Town
Período do dia: Tarde


Sob o sol escaldante do meio dia, e envoltos em conversas sobre um futuro na Grand Line, o casal descia os morros, atravessando a cidade. O calor castigava suas peles, mas quem mais parecia sofrer era Lilith que, apesar de imaginária, ainda era uma mink, e a quantidade de pelos a fazia sentir ainda mais a temperatura elevada.

A cabrita andava se arrastando, mas mantinha o passo. - Uff... Além de não falar nada sobre mim, ainda me deixa nesse sol quente aqui. Que tipo de amiga é você?! - Sem receber muita atenção, a moça decidia ouvir a conversa do loiro, que parecia bem animado e pensava bem à frente, em seu posto de almirante. - Esse aí sonha alto hein? Bom que mantém o equilíbrio com você. - Lilith mostrava a língua e puxava a pálpebra inferior para baixo, para só então sorrir brincalhona.

No entanto, antes mesmo que percebessem, já haviam alcançado seu destino, e a cena não parecia das melhores. Annie puxava Eric até o barco, onde viam os três patetas discutindo entre si. Ao verem a aproximação do casal, iam parando aos poucos, e os encaravam de braços cruzados.

- Flamesguard...? Conheço não. - Dizia o mais novo. - Não tem um capitão com esse nome aí? - O do meio se pronunciava. - Tem, calem a boca. Bom dia Soldado. Agradeço que tenham vindo, mas acham que dão conta? A situação está cabeluda.

O mais velho dizia por último, cumprimentando Eric e Anabelle, depois encarando o navio atrás de si. - Para resumir: A caldeira, que é a parte responsável por esquentar a água que usamos no navio, está danificada. Não sabemos o que houve pois não entendemos da parte mecânica, eu sou só carpinteiro. - O velho coçava a nuca e continuava. - Mas enfim, a água do nada ficou extremamente quente, e o navio todo começou a ficar com a temperatura elevada, achamos que era o calor da ilha, mas no fim, a fumaça denunciou o problema.... Ahhhh, os canos também estão fazendo barulho.

O comentário mental de Annie fazia Lilith bufar. - Eii, não ofende os macacos! Eu conheço uns bem mais inteligentes que esses 3 aí. - Mas no fim, o que interessava era a situação, e Annie parecia tomar a dianteira. Ela já começava dando algumas ordens e dividindo as pessoas em seus respectivos afazeres.

- Te guio! - O mais novo falava. - De novo com isso, né? Tudo bem, vamos indo. - O velho completava e começava a seguir. O último era o do meio, que olhava para Eric. - Algumas pessoas ainda estão lá dentro, 2 feridos na enfermaria, se queimaram com a água, poderia checá-los?

Com isso, todos entravam no navio, mas ao chegarem no porão, se dividam. Eric e um dos marinheiros seguiam para a enfermaria, enquanto Annie e os outros 2 iam até a sala de máquinas do navio.

A cada passo, a tensão crescia. O barulho da água nos canos era ensurdecedor, e se lá fora já estava quente, ali dentro era o próprio inferno. Annie chegava na parede que dividia o corredor da sala onde a caldeira ficava, e de lá de dentro um barulho de calefação e borbulhas era produzido constantemente, além disso, o vapor quente parecia escapar pela porta, denunciando que o cômodo deveria estar uma verdadeira sauna.

Eric, por sua vez, chegava finalmente na enfermaria, e ao entrar se deparava com os dois feridos. Um deles parecia até bem, e tinha a mão queimada, já o outro, tinha uma boa parte do corpo tomada por carne viva, denunciada pelas gazes sujas de sangue que foram passadas pelos ferimentos. - Ele foi tomar banho... - O acompanhante do médico falava soturno, como se estivesse perdido em lembranças. - Ouvimos os gritos e fomos ajudar, quando chegamos ele estava todo queimado. Não sabíamos o que fazer, mas ele disse que o ar machucava, então cobrimos tudo... Fizemos mal?

A cena era deplorável, e o calor beirava o insuportável, mas parecia complicado tirar aquele paciente dali, pelo menos naquela situação. O outro, que estava sentado na maca e com a mão enfaixada, olhava para Eric com esperança. - A marinha mandou vocês?! Finalmente, achei que íamos cozinhar vivos aqui... De novo. - Ele olhava para a mão e depois para o amigo, que agora grunhia de dor.

ControlePosts: 04

*Annie
Doença: (4/15)
Ferimentos:
Ganhos:
- Espada (Katana) Gasta da Marinha (+1 em Força)
- Kit Mecânico da Marinha (Ferramentas diversas)
- Mochila da Marinha
Perdas:

*Eric
Ferimentos:
Ganhos:
- Kit Médico da Marinha (Sedativos, Álcool, Bisturi, Agulha e Linha de sutura, Bandagens, Remédio [1 unidade])
Perdas:
- 125.000 Berries (Entregues a Anabelle)
 

Considerações
Lilith
Voice of the Soul - Página 2 Encomenda_-_Cubo_02-03_-_Sem_Assinatura 


Velho Marinheiro (Robervaldo)
Voice of the Soul - Página 2 1-1212967747


Marinheiro do Meio (Elias)
Voice of the Soul - Página 2 Bdfb346c979c0ca1786cbe21c40e1fb1


Marinheiro mais Novo (Jorge)
Voice of the Soul - Página 2 1357a53306073a203a829156fdc61987



emme



_________________

Voice of the Soul - Página 2 QeMkXKw
Falta de Humildade:

Voice of the Soul - Página 2 ABC
Skÿller
Ver perfil do usuário
Imagem : ALOU TESTANDO O TESTE TESTADOR DE TESTES TESTADOS
Créditos : 15
SkÿllerSoldado
https://www.allbluerpg.com/t272-annabelle-petit-barozzi https://www.allbluerpg.com/t303-voice-of-the-soul#875
Re: Voice of the Soul Sab Maio 22, 2021 5:38 pm





»» Babooshka ««

- Annie-


🦄


Como de esperar, Lilith parecia precisar de atenção fazendo um teatrinho por conta do calor. Não podia mentir que também sentia algum calor com aquela farda, mas precisava manter a posição de cima - Cofoi, cabritinha? Não tanka um calorzin não? - perguntava em tom de deboche - Tá sofrendo tanto com o calor que esqueceu que andar na sombra pode ajudar a não sentir tanto calor… Ai, ai… - Lilith me atiçava comparando o meu sonho com o de Eric, não conseguia esconder o meu pequeno momento de raiva, mesmo tentando colocar um sorriso no meu rosto qualquer um poderia perceber que ele era forçado - E se você fosse dar esse cu? Eu hein. Já falei que vou ser a maior cientista e pronto final acabou, porra. - arrefecia um pouco os pensamentos, refletindo um pouco melhor no que ela havia dito - Almirantes têm muitos holofotes. Eu prefiro ficar mais atrás. Conhecimento é poder, tenho a certeza que consigo derrotar qualquer Almirante meia bunda com a minha tecnologia… Quer dizer… A tecnologia que eu vou criar.

Como eu já esperava, ninguém sabia ao certo o motivo da caldeira estar quase explodindo - É tem razão. Já vi macacos mais espertos. - suspirava escutando eles. Eric fazia um bom trabalho nos apresentando e mantendo a paz no lugar. Rapidamente a gente se separava em dois grupos e, antes de nos separarmos, segurei a mão de Eric, ficando alguns segundos sem falar nada. Não havia nada a ser dito, apenas queria olhar para ele antes de nos separarmos. Querendo ou não, ficar separada dele em situações de estresse era desagradável, mesmo se ele estivesse apenas alguns metros de distância. Larguei a mão dele e fui até ao local onde estava a caldeira.

O som era horrível, rapidamente pegava Newton e pousava ele no chão, longe da porta e atrás da gente. - Fica aqui, fofinho. - lançava um olhar rapido e feroz para os dois meliantes - Se pisarem nele, cês tão fudido. - analisava o som vindo dali, parecia que tudo ali estaria prestes a explodir e eu não queria acabar com uma queimadura de décimo quinto grau ou algo do tipo. - Acho que começo a me arrepender de querer trabalho de campo… - suspirava.

Apontaria para o jovem cujo nome eu não prestei atenção suficiente para lembrar - Me dá a sua camisa. Rápido. - tiraria a camisa dele à força - Vou entrar ali dentro, mas não quero que nada exploda na minha cara. Pelo menos se explodir estou parcialmente protegida. - explicaria para ele. Enrolaria então a camisa em volta do meu rosto, deixando apenas os meus 3 olhos de fora, não gostava de deixar o olho rubro à mostra especialmente à vista de estranhos mas eu precisava de maximizar a minha visão ao máximo e ter um olho coberto não ajudaria muito.

Respiraria fundo antes de entrar na sauna infernal do navio. Teria as ferramentas à mão para que assim que chegasse na caldeira podesse começar a trabalhar. Inicialmente verificaria a pressão da caldeira, depois procuraria por algum tubo com alguma espécie de deformação e, por fim, procuraria por qualquer indicador na caldeira sobre sabotagem. Talvez existisse alguma coisa impedindo que o vapor da caldeira fosse libertado corretamente que estivesse causando tudo aquilo - Isso tá assim há quanto tempo?! - gritaria para os trogloditas.




HistóricoNome do Player: Skÿller
Tracker

  • Acordou.
  • Foi até ao QG e recebeu uma tarefa da Capitã Linda.
  • Pegou ferramentas e uma katana. Foi até ao local indicado pela Capitã com Eric.

Nº de Posts: 5
Remédios: 05/15
Ferimentos

  • Ainda nenhum

Ganhos:

  • Espada (Katana) Gasta da Marinha (+1 em Força)
  • Kit Mecânico da Marinha (Ferramentas diversas)
  • Mochila da Marinha
  • 125.000 berries (dador por Eric)

Perdas

  • N/A




_________________

Voice of the Soul - Página 2 O0yljIK

Voice of the Soul - Página 2 WhdRXxk

Fala Annabelle
Pensamento Annabelle
Fala Lilith
Antestor
Ver perfil do usuário
Imagem : Voice of the Soul - Página 2 0aaeb1e6ea9b8ed6776845ebe8eeb6011f0fe274_00
Créditos : 14
AntestorDesenvolvedor
https://www.allbluerpg.com/t273-eric-flamesguard https://www.allbluerpg.com/t303-voice-of-the-soul
Re: Voice of the Soul Sab Maio 22, 2021 8:09 pm






Voice of The Soul

A nossa primeira missão de campo parecia ficar cada vez mais complicada ao passo que nós descobríamos as coisas que estavam acontecendo a fundo; o barco parecia uma panela de pressão, alguns marinheiros feridos e outros desesperados, imagino que esse era um bom começo, um bom baque para a primeira missão de campo de um marinheiro. Os homens se perguntavam sobre o meu sobrenome, logo reconhecendo-o por causa de meu pai, o que não me deixava feliz na verdade, não queria receber nenhum tratamento diferenciado apenas por filho de um capitão da Marinha. - Tudo bem homens, podem parar por aí. Minha família pouco importa agora. Temos coisas para mais importantes para resolver, não é? - demonstrava um semblante determinado para os homens, eu sabia que demonstrar minha confiança poderia levantar um pouco o astral dos outros soldados e poderia ajudar eles a se acalmarem um pouco. - Acho que conseguiremos lidar sim. Quem nos mandou foi a Capitã Linda para cá, talvez a gente se encaixasse no perfil que ela precisava para o trabalho. - eu respondia um dos marinheiros, o mais velho, que perguntava se a gente conseguiria dar conta do recado. Eu não era um médico muito experiente, mas, eu tinha certa confiança em minhas habilidades e eu sabia que Annie era um gênio, no fim, eu tenho certeza que tudo vai dar certo. O mais velho explicava o que de fato tinha ocorrido e assim eu podia ter um vislumbre geral da situação, apesar de não entender como resolver. - É, Annie, essa daí tá na tua conta mesmo. - eu sorria, com um misto de sarcasmo e nervosismo, olhando para os olhos azuis dela. Com o desenrolar da conversa com os homens, logo minhas dúvidas eram respondidas, não era de se espantar que tivesse feridos aqui devido a situação que estávamos, provavelmente por causa da água fervente.

O marinheiro mais novo me chamava e dizia que me mostraria onde estava os feridos para eu poder dar uma uma checada em como estavam, mas, antes de me separar de minha nerd eu percebia o olhar que ela lançava para mim, segurando um pouco minha mão por uns instantes também. Olhei diretamente para Annie, sorrindo. Ela era minha musa inspiradora e quando eu a tinha ao meu lado eu sentia que podia fazer qualquer coisa. Mesmo que nesse momento a gente tivesse que seguir um sem o outro, eu sabia que ela ainda estaria junto de mim de alguma forma. Vislumbrei minha amada por algum tempo, querendo poder abraça-la, beija-la, senti-la perto de mim naquele momento, ainda mais depois de um gesto fofo como aquele, mas, infelizmente eu não o podia faze-lo. Mas, não tem problema, mais tarde eu dou um jeito de pagar isso, quando terminarmos o trabalho. Me limitei então a mexer meus lábios, falando um "Eu te amo" inaudível, mas, que com certeza Annie entenderia e então segui junto do jovem marinheiro, apenas assentindo com a cabeça em resposta ao marinheiro do meio em relação aos feridos. - Então rapaz, qual o seu nome? Me chamo Eric, o sobrenome você já sabe. - perguntei para o rapaz, querendo deixar o clima um pouco menos tenso. Minha mãe sempre dizia que uma pessoa saber que você sabe o nome dela o deixava a mais confortável na sua presença, claro, não sabia se tinha algum sentido, mas, eu preferia acreditar naquilo mesmo. O jovem que eu acompanhava não parecia ser mais velho que eu. Não era incomum pessoas nas mais tenras idades adentrarem na Marinha aqui em Shells Town, por causa de toda a proximidade que a organização tem com os moradores da ilha. Eu sou um bom exemplo disso, afinal de contas.

Chegando no que parecia ser a enfermaria do barco, eu conseguia saber o que tinha acontecido com os homens feridos; como eu suspeitava, queimaduras por causa da água quente da caldeira, já era de se esperar algo do tipo. Água fervente não é brincadeira e dói para um cacete. Um dos feridos havia sofrido somente queimaduras em uma pequena parte do corpo, sendo apenas atingido na mão. Já o outro parecia que havia sido escaldado, com a pele em carne viva, o pobre coitado tinha tido uma má sorte do caralho na hora de ir tomar banho, chega dava pena olhar pro estado do homem. - Minha nossa. A caldeira realmente é algo bastante perigoso pelo visto. - dizia um pouco chocado ao ver o marinheiro em pior estado. Por sorte, eu tinha comigo o kit médico disponibilizado pela própria Marinha, então daria para dar alguma ajuda para o pobre coitado. - Fez bem em cobrir ele. Quando se tem queimaduras área onde se foi queimado fica mais propensa a infecções então é recomendado que se cubra com a gaze mesmo. - eu observava as gazes sujas de sangue que cobriam o corpo do marinheiro, já retirando as que eu possuía no kit médico. - Precisamos trocar as gazes dele, eu tenho algumas comigo aqui. E depois, levar ele para fora daqui imediatamente. - o calor era insuportável lá dentro, com certeza não seria recomendado que ficassem lá. - O recomendado é leva-lo já para a enfermaria do Quartel General, lá tem mais material para ele. - falava com o rapaz, olhando diretamente para ele com um semblante sério, até voltar o meu olhar para o homem que tinha sido queimado na mão. - Você consegue andar certo? Vamos precisar sair daqui o mais rápido possível. - tentava passar confiança em minha fala para o homem, a situação ficaria ainda pior se continuássemos no barco.

Logo eu então eu começaria a retirar as gazes, de forma extremamente cuidadosa para não estourar qualquer bolha por causa de queimadura do marinheiro mais afetado, para trocar pelas novas que tinha comigo. - Vai doer um pouco, mas, é pro seu bem, amigo. - falaria enquanto realizava o procedimento médico, ainda bastante focado para que ele não sentisse tanta dor. - Me ajude a virar ele, por favor. - a palavra seria dirigida para o marinheiro mais novo.- Não faça muita força para não estourar alguma bolha. - com o auxilio do jovem, eu continuaria meu trabalho, enfaixando o homem o máximo que eu pudesse, claro, dando uma atenção especial para os locais mais afetados. - Por aqui não nenhuma pomada para queimaduras né? - perguntaria, afinal, estávamos numa enfermaria, apesar de ser pouco provável pelo desenrolar da situação. - Ótimo, me diga onde está. - em uma resposta positiva eu começaria a buscar a pomada para queimaduras, pegando-a e guardando-a para poder usar posteriormente, não teria muito tempo de passar ela no momento. Com a pomada ou não em mãos, era a hora de movermos os marinheiros para fora do barco, deixa-los lá dentro só os colocaria mais e mais em perigo. - Bora lá, me ajude com a maca. Temos que ser rápidos. - diria, pegando numa ponta da maca enquanto esperava que o rapaz que me acompanhava pegasse na outra. Juntando nossas forças, eu buscaria sair do barco, voltando até o porto. Assim que estivéssemos numa área segura, poderíamos seguir com os procedimentos. - Tem como ver se você consegue uma compressa fria lá no mercado? Ajuda a aliviar a dor. Água também, mas, essa tem que ser em temperatura ambiente mesmo. Ambas limpas. - faria o pedido para o jovem e logo depois buscaria rapidamente no porto por algum marinheiro que estivesse por ali, sabia que lá era um local patrulhado normalmente. - Olá, estou precisando de ajuda, soldado. É uma emergência, precisamos levar um companheiro para o Quartel General. - diria preocupado, esperançoso para que aceitasse meu pedido. De volta onde estava o homem em carne viva, o trataria com a pomada para queimaduras se eu a possuísse, em seguida indo para o homem com a mão enfaixada e repetindo o processo de tratamento. - Vão, levem ele o mais rápido possível. Eu ainda tenho coisas a resolver lá dentro. - diria para os marinheiros, logo voltando para o navio, procurando por algum sinal de Annie ou dos outros marinheiros que foram com ela juntos para a caldeira.



Histórico:
Nome: Eric Flamesguard
Estilo de Combate: Atirador
Proficiências: Primeiros Socorros, Anatomia, Farmácia, Diagnose e Toxicologia
Profissão: Médico
Localização: Shells Town - East Blue


Posts: 5
Ganhos: Kit Médico da Marinha (Sedativos, Álcool, Bisturi, Agulha e Linha de sutura, Bandagens, Remédio [1 unidade])
Perdas: 125.000 berries (Entregues a Annabelle)
Milabbh
Ver perfil do usuário
Imagem : Voice of the Soul - Página 2 Ezgif.com-resize
Créditos : 05
Localização : Flevance - North Blue
MilabbhAvaliador
https://www.allbluerpg.com/t311-haru-kaplyanova?highlight https://www.allbluerpg.com/t301-os-monarcas-i-efeito-borboleta#980
Re: Voice of the Soul Seg Maio 24, 2021 1:00 pm
Narração - Voice of The Soul
Localização: Porto de Baixa Shells Town
Período do dia: Tarde


Após as conversas tensas com os marinheiros do local, o casal precisava se separar, mas não sem antes trocarem olhares que reafirmavam seus sentimentos um pelo o outro. E assim o faziam, cada um indo para onde era necessitado.

~Annie~


A moça sentia o calor absurdo, bem como o som ensurdecedor da caldeira ao se aproximar. Preocupada com seu amiguinho peludo, ela o deixava livre para ficar em uma porta próxima, mas afastada do vapor emanado. A fala sobre pisar em Newton, que vinha em seguida, surpreendia os marinheiros, que rapidamente erguiam suas mãos em uma expressão rendida.

Logo na primeira missão, a cientista podia perceber que nem tudo eram flores na marinha, contudo, ela sabia que se havia alguém capaz de resolver aquele problema, esse alguém era ela. Determinada, ela apontava para Jorge e exigia sua camisa.

- M-minha c-camisa?! - Antes que pudesse protestar, a moça arrancava o tecido do corpo do rapaz, deixando-o completamente ruborizado, talvez por vergonha, ou mesmo por calor, de qualquer forma, nem conseguia falar mais nada. - É um bom plano... - O velho dizia com a mão no queixo, e então se aproximava. - Ficaremos à postos, caso precise de algo, é só gritar.

Ouvindo as palavras, Annie enrolava a camisa sobre seu rosto, cobrindo as áreas mais sensíveis, exceto os olhos, o que poderia ser um risco, se não fosse cuidadosa. Contudo, não havia tempo para hesitação, e ela sabia disso. Por esse motivo, tomava ar e entrava na caldeira.

O vapor quente envolvia seu corpo e quase que imediatamente ela se sentia mais fraca. Apesar de não saber disso, sua pressão havia caído, e um momento de vertigem era experimentado. No entanto, após alguns segundos, ela se acostumava com o novo ambiente e começava a avançar em direção às engrenagens.

A visão era prejudicada ali dentro, mas ter um terceiro olho ajudava em muito na situação. Suando e quase se arrastando pelo caminho, ela finalmente alcançava a maquinaria que fazia a caldeira funcionar. Suas ferramentas já estavam em mãos e ela imediatamente começava a analisar a situação.

- Annie, é melhor não demorarmos... Eu li em algum lugar que temperaturas muito altas fazem mal para o corpo. - Lilith, mesmo que morrendo de calor, se mantinha ao lado da amiga, olhando tudo com concentração, tentando ajudar no problema.

A cientista, por sua vez, resolvia perguntar há quanto tempo a situação estava assim. - Hoje fazem quase 2 dias, por isso deve estar tão ruim. - O velho gritava lá de fora, enquanto Annie ainda encarava a máquina.

Percebia que a maioria dos canos e mecanismos era de metal, ou seja, se tentasse tocá-los com as mãos nuas, se queimaria. Além disso, percebia a presença de pequenos ventiladores, que ela sabia serem os responsáveis por fazer circularem os gases que operavam o mecanismo. Um deles estavam emperrado, causando o superaquecimento.

Em uma de suas hélices, jazia uma chave de fenda, que de tanto calor absorvido, já mudava de forma e emanava um brilho levemente alaranjado, indicando o quão incandescente estava. Tentar pegá-la poderia ser arriscado com a caldeira ligada, mas via um painel próximo.

Painel:

Inserir número faltante na sequência de desligamento.

06/68/88/x/98






Antes que conseguisse fazer qualquer coisa, porém, ouvia gritos intensos que ecoavam por todo o navio, e sobrepunham até o barulho da caldeira, mesmo que de forma contida. - Ouviu isso...? - Lilith perguntava olhando ao redor, nervosa. - Melhor a gente ir rápido. Você entendeu esses números? Diz que simmm.

~Eric~


Enquanto isso, em outro cômodo mais afastado, mas não menos quente daquele mesmo navio, o jovem Flamesguard puxava um assunto para tentar acalmar os ânimos. - Meu nome é Elias. Um prazer Eric. - Naqueles momento, pouco importavam títulos e patentes, a situação estava claramente pesada.

E isso só se intensificava ao entrar na enfermaria. A cena parecia ter sido tirada diretamente de um filme de terror, mas o soldado em sua primeira missão sabia se controlar, apesar da inexperiência. As gazes enroladas pelo corpo do marinheiro queimado lhe davam certa esperança, mas também alguma preocupação.

Se não trocadas com frequência, elas poderiam aderir à pele, e quando retiradas, causariam ainda mais dor no pobre coitado. E para piorar ainda mais a situação, a temperatura parecia subir a cada momento e era só uma questão de tempo até que não conseguissem mais ficar ali, afinal, como bom médico que era, o loiro sabia que as proteínas do corpo começariam a ser desnaturadas, causando mortes de células e, eventualmente, do indivíduo. Ou seja, o que Lilith falou, só que bonito.

De qualquer forma, era hora de focar no paciente e sair com ele dali de dentro o mais rápido possível. Olhando para o outro queimado, Eric se mantinha firme e confiante, o que deixava os outros ao redor menos temerosos. - S-sim senhor! Posso ajudar no que precisar! - Um dos pacientes dizia e logo se levantava da maca para ficar ali perto.

Após esses momentos de tensão, era chegada a hora de trocar as gazes, e no momento em que tocou Eric já sabia, o que temia havia acontecido, e as bandagens haviam aderido às feridas. Por desencargo de consciência, ele tentava puxar um dos curativos, e o que se seguiu foi um grito estrondoso de dor.

- PARE POR FAVOR, VOCÊ ESTÁ ME MACHUCANDO!!! ALGUÉM ME MATA! - O paciente rapidamente escalava para um quadro de histeria e só não se debatia por não conseguir mover o corpo, mas ainda assim, continuava sua sinfonia ensurdecedora.

O que podia fazer era pedir por pomadas, na esperança de conseguir soltar as gazes das feridas. - Pior que não... Acabamos de voltar de uma missão em outra ilha, esgotamos nossos recursos lá. - Elias dizia nervoso, enquanto olhava ao redor tentando achar algo que pudesse ajudar.

- Doutor, eu sei que pode parecer burrice, mas eu tenho vaselina... Acha que serve? - O paciente com a mão queimada se aproximava com o pequeno frasco em mãos. - Também temos óleo de cozinha e álcool, mas é só.

Queria evacuar a embarcação, contudo, se não conseguia nem encostar nos curativos, como iria transportar o homem? Por sorte, via uma maca ali perto, e poderia usá-la quando resolvesse a situação emergente.

ControlePosts: 05

*Annie
Doença: (5/15)
Ferimentos:
Ganhos:
- Espada (Katana) Gasta da Marinha (+1 em Força)
- Kit Mecânico da Marinha (Ferramentas diversas)
- Mochila da Marinha
Perdas:

*Eric
Ferimentos:
Ganhos:
- Kit Médico da Marinha (Sedativos, Álcool, Bisturi, Agulha e Linha de sutura, Bandagens, Remédio [1 unidade])
Perdas:
- 125.000 Berries (Entregues a Anabelle)
 

Considerações
Lilith
Voice of the Soul - Página 2 Encomenda_-_Cubo_02-03_-_Sem_Assinatura 


Velho Marinheiro (Robervaldo)
Voice of the Soul - Página 2 1-1212967747


Marinheiro do Meio (Elias)
Voice of the Soul - Página 2 Bdfb346c979c0ca1786cbe21c40e1fb1


Marinheiro mais Novo (Jorge)
Voice of the Soul - Página 2 1357a53306073a203a829156fdc61987



emme



_________________

Voice of the Soul - Página 2 QeMkXKw
Falta de Humildade:

Voice of the Soul - Página 2 ABC
Skÿller
Ver perfil do usuário
Imagem : ALOU TESTANDO O TESTE TESTADOR DE TESTES TESTADOS
Créditos : 15
SkÿllerSoldado
https://www.allbluerpg.com/t272-annabelle-petit-barozzi https://www.allbluerpg.com/t303-voice-of-the-soul#875
Re: Voice of the Soul Qui Maio 27, 2021 4:46 pm





»» there's an imposter ««

- Annie-


Voice of the Soul - Página 2 Samira12


Parecia que o garoto tinha a ideia errada sobre a minha ordem de tirar a roupa. Era nojenta a ideia dele sequer ponderar outro contexto numa situação daquelas - Arg... Que nojo. Homens... São quase todos iguais: um bando de animais que só pensam com a cabeça de baixo... - pensava enquanto tirava a camisa dele. - Eric realmente deve ser um dos poucos que presta... - Mesmo estando pouco tempo afastada dele, já sentia falta dele. Alguns diriam que essa vontade de estar com ele se deve por conta do meu medo irracional de voltar a ficar sozinha e abandonada, mas eu responderia "Vai se fuder, eu amo ele para caralho." e no final, a resposta certa é essa: amor. Enrolava aquele tecido cheio de cecê e suvaqueira - Acho que prefiria estar trabalhando com documentos no QG... - adentrava na sala e rapidamente sentia uma tontura. Poderia ser consequência daquele fedor, do calor ou então eu realmente deveria ter tomado os remédios - Tá... Assim que der eu compro remédios. - pensava em voz alta observando o local.

Lilith tinha razão, ficar naquela sala por muito tempo não faria bem a ninguém, então era bom ser rápida. - Bem visto, Watson. - respondia para Lilith, enquanto observava a chave de fendas que já começava a mudar de cor. Não me impressionava por ouvir que a caldeira estava assim há pelo menos 2 dias - E nenhum gênio pensou "Eita vamos ver esse bagulho aqui antes que dê merda"? - suspirava e resmungava sozinha - São umas inteligências raras mesmo...

Parecia que o painel pedia por um código para desligar e isso poderia ser o meu maior problema. Não sabia os códigos da marinha e muito menos sabia se existia alguma lógica por de trás deles. Muitas vezes, as senhas são escolhidas com base de raciocínios logicos ou carga afetiva. O calor era intenso e Lilith me apressando não ajudava em nada - Aaaaaah... Espero que seja lógica. - daria um pulinho para chegar logo no painel - À primeira vista parece ser uma progressão aritmética mas... Hmm... - sacava a minha adaga e começava a fazer contas rápidas no ar para tentar encontrar a progressão, apenas para parar no meio e dar um pequeno pulo - E se? 06. 68. 88. X. 98...

Existia uma logica atrás dos números, eles não eram aleatórios como pareciam à primeira vista. - Invertendo os números ficaria 98, X, 88, 68 e 06. Mas se a gente refletir eles duas vezes dá 90, 89, 88, X e 86. - introduziria o número 87 no painel. - Sendo uma progressao de 1 em 1. - esperava que a minha logica fosse a correta, no entanto ainda existia o problema da chave por arrumar.

Parecia não existir nenhuma forma de tirar elas com as mãos - Pensa Annie... Pensa... - o calor começava a afetar o meu raciocínio e respiração, sentia-me ofegante. Sacaria a nova katana e tentria encaixar ela de forma a usá-la como alavanca e tirar a chave de fendas sem precisar tocar nela. Conseguindo ou não, não perderia mais tempo ali. Rapidamente sairia da sala e me encostaria numa das paredes, longe da porta. Arrancaria fora a camisa do rosto e começaria a respirar fundo. - Agora esperamos... - Deixaria a minha audição trabalhar, precisava recuperar o fôlego e forças antes de voltar lá  para dentro caso fosse necessário - Quem é o responsável pela caldeira? Tem que existir pelo menos uma pessoa que trate dela. - perguntaria ainda cansada

Tudo indicava que alguém que estava no navio não tinha boas intenções, provavelmente um infiltrado querendo causar dor e caos. Apenas perguntaria de forma casual e, ainda acrescentaria - Da próxima vez é só colocar o código do painel... - limparia o suor da testa. Chamaria Newton com batidinhas rápidas no chão com a mão, me sentando e deixando ele subir em mim. - Temos uma ratazana para achar, Newtonzinho. Ah temos pois. Quem vai ajudar a mamis a achar ele? - se enquanto eu estivesse falando com a criatura  mais fofa do universo os marinheiros estivessem me encarando eu rosnaria para eles - Que foi? Perderam p cu na minha cara? Não têm colegas feridos? - me levantaria. Se a caldeira parecesse aos poucos começar a melhorar eu iria até à fonte dos gritos - Presumo que venham da enfermaria.


HistóricoNome do Player: Skÿller
Tracker

  • Acordou.
  • Foi até ao QG e recebeu uma tarefa da Capitã Linda.
  • Pegou ferramentas e uma katana. Foi até ao local indicado pela Capitã com Eric.

Nº de Posts: 6
Remédios: 06/15
Ferimentos

  • Ainda nenhum

Ganhos:

  • Espada (Katana) Gasta da Marinha (+1 em Força)
  • Kit Mecânico da Marinha (Ferramentas diversas)
  • Mochila da Marinha
  • 125.000 berries (dado por Eric)

Perdas

  • N/A




_________________

Voice of the Soul - Página 2 O0yljIK

Voice of the Soul - Página 2 WhdRXxk

Fala Annabelle
Pensamento Annabelle
Fala Lilith
Antestor
Ver perfil do usuário
Imagem : Voice of the Soul - Página 2 0aaeb1e6ea9b8ed6776845ebe8eeb6011f0fe274_00
Créditos : 14
AntestorDesenvolvedor
https://www.allbluerpg.com/t273-eric-flamesguard https://www.allbluerpg.com/t303-voice-of-the-soul
Re: Voice of the Soul Dom Jun 06, 2021 2:36 am






Voice of The Soul

A sensação de ter a situação fora do controle era algo que podia ser um pouco desesperador demais para um médico iniciante, porém, por fora eu tentava me manter calmo ainda que a situação fosse demasiadamente estressante para a minha mente. O homem sentia muita dor, a mínima ameaça ao tocar na gazes fazia-o gritar de dor; as gazes haviam grudado aos ferimentos e seria um inferno para poder tira-las dali. O coitado gritava pedindo para que desse um fim em sua vida, o que era um absurdo, eu como médico farei o que estiver em meu alcance para poder salva-lo. - Calma, soldado! Iremos tirar você dessa, não se preocupe! - eu reagia aos pedidos do homem, tentando acalma-lo. Não seria tarefa fácil no entanto. Voltava a atenção para os dois homens que estavam comigo, escutando o que eles tinham a dizer sobre o suprimentos; todos esgotados numa recente missão. - Merda. - sem muita opção eu puxava o kit médico, vendo as opções que eu tinha para poder usar naquele momento. Linha de sutura e agulha? Não. Álcool? Não. Bisturi? Nem pensar. Sedativos... sedativos! Ótimo, pelo menos a dor eu poderia ajudar a amenizar naquele momento. Com os sedativos em mão, virei-me para os dois soldados. - Alguém tem uma garrafinha de água ou um cantil? Tenho alguns sedativos para o nosso companheiro e eu preciso da água para poder fazer o sedativo descer. - eu sabia muito bem mal que fazia tomar um comprimido sem ter água, então não poderia realizar o procedimento sem ela. - Se não tiver... - eu olhava para o óleo de cozinha que o soldado com a mão queimada segurava. - Vamos ter que dar aquela improvisada. E sim, eu sei que óleo é gorduroso, porém na falta do cão a gente tem que caçar com o gato. - terminava minha fala, cruzando meus braços, seria a água ou o óleo. A situação era crítica, então improvisação era algo que eu já previa que poderia acontecer.

Com o sedativo em mãos, era a hora que eu iria aplica-lo no soldado agonizante. Me aproximaria mais uma vez do homem, e iria apoiar a cabeça dele com a minha mão, segurando-a pela nuca para poder a ingestão do líquido ser melhor. - Elias, traga o líquido para ele poder ingerir. - eu colocaria o medicamento na boca do homem. Em seguida eu pegaria o líquido e daria ao soldado para que ele pudesse ingerir o medicamento. - Isso daqui vai te ajudar a dar uma relaxada, meu amigo. Logo a dor desaparecerá. - falaria após o homem ingerir o sedativo. Ok, terminando essa fase, seria melhor para poder resolver as outras. - Vamos nos preparar para trocar as bandagens. Assim que o sedativo começar a fazer efeito eu começarei o procedimento... não será algo nada bonito, no entanto. - avisaria aos outros soldados que estavam presentes comigo. As queimaduras eram os ferimentos mais feios que se tinha, não era todo mundo que teria estômago para poder ver a cena, ainda mais sabendo do estado em que o homem estava. Mas, isso era ser médico. Nem sempre a medicina era algo bonito como as pessoas costumam fantasiar. Assim o que eu percebesse que o efeito do sedativo tivesse começado eu logo pegaria as minhas bandagens do kit médico e começaria a trocar as bandagens sujas pelas novas bandagens limpinhas, certamente seria doloroso se eu não tivesse dado para ele o sedativo. Realizaria a troca de forma mais cautelosa possível, tentando manter a minha calma mesmo estando sendo cozinhado vivo durante o procedimento.

Realizada a troca das bandagens, era hora de transportar o paciente para a fora do navio e logo eu pediria a ajuda para Elias para realizar o transporte do soldado ferido.- Elias, me ajude a coloca-lo na maca. - com a ajuda do jovem soldado, eu então iria colocar o soldado na maca, segurando numa ponta dela, enquanto esperava que Elias segurasse na outra. - Amigo, qual é o seu nome? - perguntaria para o marinheiro que estava com a mão ferida, enquanto já começaria a levantar a maca junto de Elias. - É um prazer em conhece-lo. Sei que você está ferido, então só preciso que você abra o caminho para nós dois, nos guie pelo navio até a saída. Não podemos ficar aqui por muito mais tempo. - terminaria minha fala com um semblante sério e preocupado ao mesmo tempo. Estava preocupado com este soldado, no entanto, não conseguia parar de pensar em Annie. Minha amada tinha ido direto para a boca do leão, no coração da tempestade. Só de imaginar isso, meu coração se enchia de aflição. Bom, o que eu podia fazer nessa situação era dar o meu melhor, assim como eu tenho certeza que Annie está fazendo o possível para conter a situação lá na caldeira. Então, seguiria para fora do navio com a ajuda dos outros soldados enquanto carregava a maca, com o maior cuidado possível. Assim que chegasse lá fora, passaria algumas instruções para Elias e o outro soldado. - Tudo que eu fiz aqui foi só uma pequena ajuda. Temos que levar ele para a enfermaria do QG de maneira urgente. - olharia no olho dos dois soldados, já um pouco mais aliviado e passaria as costas da mão em minha testa para limpar o suor. - Pode ser que ainda precisem de mim aqui, então eu terei de ficar no navio. Por sorte, no porto há algumas patrulhas e eu tenho certeza que poderá ser destacado um soldado para ajudar já que é situação de emergência. - terminava de explicar para os dois, que já deveriam entender o que estava querendo dizer. - Procurem um desses soldados para leva-lo para o QG, eu irei retornar para o barco. - terminaria então de falar e logo marcharia de volta para o navio a passos rápidos.

De volta a panela de pressão que era aquele navio, eu buscaria onde estava os outros marinheiros, correndo rapidamente e gritando para que pudessem escutar e localizar onde eu estava e vice-versa. - Ei! Onde é que vocês estão?! - exclamaria na esperança que alguém me escutasse e numa resposta sonora, eu me dirigiria rapidamente até o local para averiguar como estava a situação por lá. Não posso mentir que eu gostaria que fosse a minha Annie que me respondesse, estava muito preocupado com ela e só vê-la em minha frente poderia me acalmar naquele momento. Caso escutasse ou visse ela, partiria em sua direção o mais rápido possível, colocando as mãos em seus ombros e chegando o seu corpo de cima a baixo em busca de alguma queimadura. - Annie! Meu Deus, você está bem? - checaria ela por completo de forma minuciosa. - Me diga, princesa, tem alguém mais ferido? Eu encontrei um soldado que estava completamente coberto de queimaduras. Água fervente não é brincadeira. - esperaria então que ela me dissesse se tinha mais alguém que precisava de minha ajuda, afinal, não deixaria que ninguém ficasse sem tratamento. - Me diga onde está e vou ver o que posso fazer para ajudar. Infelizmente eu não tô com tanto material. - seguiria Annie até onde estivesse o ferido, para poder analisar a situação do mesmo. No entanto, se déssemos sorte, nosso trabalho já teria sido concluído e poderíamos sair do navio.



Histórico:
Nome: Eric Flamesguard
Estilo de Combate: Atirador
Proficiências: Primeiros Socorros, Anatomia, Farmácia, Diagnose e Toxicologia
Profissão: Médico
Localização: Shells Town - East Blue


Posts: 6
Ganhos: Kit Médico da Marinha (Sedativos, Álcool, Bisturi, Agulha e Linha de sutura, Bandagens, Remédio [1 unidade])
Perdas: 125.000 berries (Entregues a Annabelle)
Milabbh
Ver perfil do usuário
Imagem : Voice of the Soul - Página 2 Ezgif.com-resize
Créditos : 05
Localização : Flevance - North Blue
MilabbhAvaliador
https://www.allbluerpg.com/t311-haru-kaplyanova?highlight https://www.allbluerpg.com/t301-os-monarcas-i-efeito-borboleta#980
Re: Voice of the Soul Dom Jun 06, 2021 6:12 pm
Narração - Voice of The Soul
Localização: Porto de Baixa Shells Town
Período do dia: Fim de Tarde


~Annie~


Suando e respirando com dificuldade, Annie observava a situação, e logo entendia o que estava acontecendo. A chave de fenda prendia as engrenagens, e ela precisaria desligar o sistema antes de poder tirá-la daquele local.

No entanto, um desafio se apresentava para ela. Uma sequência numérica que parecia não ter nenhum sentido lógico era ostentada em um painel, e fazia a moça quebrar a cabeça, o que não era fácil naquela situação, ainda mais com Lilith lhe apressando.

No entanto, ela não tinha aquele cérebro avantajado para nada, e mesmo sob pressão, conseguia encontrar algo que ajudasse. Ela fazia contas, invertia os numeros de diversas formas e os encarava repetidas vezes, até que solução surgiu em sua mente como um estalo.

Ao virar os números de cabeça para baixo, solucionou o mistério, e ao digitar 87, uma barra de carregamento apareceu, dando início a uma contagem. Sem perder mais tempo, ela forçava a chave presa com sua espada, e o objeto era expulso voando pela sala de máquinas. Por sorte, não parecia ter atingido nada importante, mas ela não iria ficar ali para tirar a prova. Saía do cômodo infernal, e se apoiava em uma parede próxima.

Newton corria até ela preocupado, se aninhando em seu colo, enquanto Lilith também se apoiava na parede, respirando de forma pesada. - Uff, essa foi por pouco! - A mink passava as costas da mão sobre a testa, limpando o vapor e suor.

Os marinheiros, por sua vez, encaravam Annie falando com seu bichinho, mas logo desviavam o olhar com suas falas encantadoras para eles. Mas algo mais urgente surgia na cabeça da marinheira. Não era possível que uma chave de fenda tinha ido parar lá por acidente, e o pior, que ninguém tenha visto antes... O mais provável era que existisse um traidor naquele navio, mas quem?

Voice of the Soul - Página 2 Tenor

- É uma novata chamada Lucy. Não sabemos muito sobre ela, mas veio com recomendações muito boas do quartel. - Jorge falava ainda cobrindo o tórax nu, mas era interrompido por Robervaldo.

- Tsc! Eu nunca gostei dessa ai. Chegou se achando a dona do lugar, dando ordem e reclamando de tudo, mas assim que a caldeira deu problema, magicamente esqueceu tudo o que sabia e precisou chamar ajuda... Tem caroço nesse angu.

Isso, no entanto, era uma conversa para outra hora. Uma vez que ouviam novamente os gritos ensurdecedores que ecoavam pelo corredor. A caldeira, por sua vez, já não mais fazia barulho, e até a estrutura do barco parecia ter parado de tremer, e lentamente voltava para sua temperatura normal.

Annie, vendo que havia estabilizado a situação, resolvia seguir até a enfermaria, na esperança de encontrar Eric e, quem sabe, ajudá-lo.

~Eric~


Falando nele, era notável seu desespero, para quem o conhecesse, claro. Aos olhos dos marinheiros ali presentes, ele mais parecia um salvador da pátria, mesmo que por dentro estivesse completamente surtado.

Ainda assim, ao ouvir as súplicas do ferido, sentia seu fogo ser renovado. Ele precisava ajudar aquele pobre homem, e não o deixaria morrer. Com isso em mente, e sem os suprimentos que precisava, começava a procurar algo no kit, e se deparava com um sedativo, que seria aplicado de forma oral.

- Isso eu tenho! - Elias parecia animado e corria rapidamente até um cômodo próximo, voltando com um cantil em mãos. - Aqui!

Por sorte, o recipiente estava cheio de água... Que passarinho não bebe. Mas ei, melhor que óleo de cozinha, certo? De quaquer forma, era hora de ministrar o medicamento, e Eric apoiava a cabeça do soldado na angulação correta para não deixar que engasgasse.

Uma vez que ingeriu, o homem tossia um pouco, por conta do álcool forte, mas não demorava muito para apagar. Agora finalmente tinham um momento de paz para ponderar o que fazer e botar em prática o novo plano.

Eric já advertia os outros dois que o procedimento seria horrível de se ver, mas ao menos o soldado não sentiria dor. Com a romantização da medicina vivendo apenas por aparelhos, era hora de trabalhar. O médico rapidamente começava o procedimento, e pegava gazes limpas para colocar à medida que as velhas iam saindo.

Em sua testa, o suor acumulava, dificultando um pouco a situação, mas ainda assim, se mantinha calmo e continuava o procedimento. Vez ou outra o paciente grunhia de dor, mesmo apagado ainda sentia um pouco e isso seria quase insuportável quando acordasse. Por isso, seria bom já estarem em um hospital quando isso acontecesse.

De qualquer forma, já próximo do fim, Eric percebia que não mais suava ou sentia um calor infernal. O navio, na verdade, parecia estar retornando à temperatura normal, o que só podia indicar que Annie tinha resolvido a situação.

Eric, por sua vez, também fora bem sucedido em sua empreitada, mas agora precisava sair dali, não sabia como a situação havia se resolvido na caldeira, e precisava levar o ferido para o hospital.

Com as ordens, Elias ajudava a colocar o soldado na maca e, enquanto carregavam o objeto, Eric perguntava o nome do outro soldado, bem como pedia para que guiasse a saída. - Me chamo Pietro, obrigado pela ajuda, doutor. Não estou tão ruim assim. - O jovem acenava a cabeça de maneira firme, e então passava na frente dos dois. - Me sigam!

Os três passavam rapidamente pelos corredores, carregando o soldado ferido que gemia de dor. Por sorte, não demorava para chegarem até a superfície, onde o sol poente os cegava brevemente. Sem perder tempo, o líder provisório da situação dava suas ordens, e os dois marinheiros concordavam.

Uma patrulha os ajudava, e carregava o ferido para longe, enquanto eram seguidos por Elias e Pietro. Eric, por sua vez, não queria deixar sua amada e, por isso, voltava para dentro do navio. No entanto, assim que chegava em um dos corredores, se deparava com o trio correndo até a enfermaria.

~Todos~



Não dava nem tempo de processar o que acontecia. O loiro avistava a marinheira e corria até ela, olhando seu corpo em busca de ferimentos. Os dois conversavam por alguns momentos e Lilith, como sempre, olhava a cena com seu rosto bobo. - Ahhh, que meigo...!

Os marinheiros, por sua vez, ficavam encarando o chão, um pouco desconfortáveis com a situação. - Err, podemos ir? Precisamos chegar no QG para dar o relatório e achar a Lucy.

No momento em que Jorge parava de falar, porém, um estrondo era ouvido lá fora, algo que parecia uma pequena bomba. - Mais problemas?! Vocês dois têm uma ímã ou algo assim? - Newton também parecia ter escutado, e colocava a cabeça para fora das roupas de Annie, como se procurasse o barulho.

ControlePosts: 06

Annie
Doença: (6/15)
Ferimentos:
Ganhos:
- Espada (Katana) Gasta da Marinha (+1 em Força)
- Kit Mecânico da Marinha (Ferramentas diversas)
- Mochila da Marinha
Perdas:
- Só neurônios


Eric
Ferimentos:
Ganhos:
- Kit Médico da Marinha (Sedativo, Álcool, Bisturi, Agulha e Linha de sutura, Bandagens, Remédio [1 unidade])
Perdas:
- 125.000 Berries (Entregues a Anabelle)

 

Considerações
Lilith
Voice of the Soul - Página 2 Encomenda_-_Cubo_02-03_-_Sem_Assinatura 


Velho Marinheiro (Robervaldo)
Voice of the Soul - Página 2 1-1212967747


Marinheiro do Meio (Elias)
Voice of the Soul - Página 2 Bdfb346c979c0ca1786cbe21c40e1fb1


Marinheiro mais Novo (Jorge)
Voice of the Soul - Página 2 1357a53306073a203a829156fdc61987



emme




Última edição por Milabbh em Dom Jun 06, 2021 10:26 pm, editado 1 vez(es)

_________________

Voice of the Soul - Página 2 QeMkXKw
Falta de Humildade:

Voice of the Soul - Página 2 ABC
Skÿller
Ver perfil do usuário
Imagem : ALOU TESTANDO O TESTE TESTADOR DE TESTES TESTADOS
Créditos : 15
SkÿllerSoldado
https://www.allbluerpg.com/t272-annabelle-petit-barozzi https://www.allbluerpg.com/t303-voice-of-the-soul#875
Re: Voice of the Soul Dom Jun 06, 2021 9:09 pm





»» there's an imposter ««

- Annie-


Voice of the Soul - Página 2 Samira12


Encostada na parede, junto de Newton, eu conseguia respirar tranquilamente. Enquanto esperava pacientemente que a caldeira voltasse ao normal, eu podia sentir o meu coração palpitar com mais e mais força, aquela adrenalina toda, aquela tensão era… Prazerosa - É… Foi por pouco, mas nunca duvide de mim, cabrita. - respondia mentalmente para a minha amiga suada com um pequeno sorriso - Eu acho que vou precisar de tomar um banho... Urgente… - suspirava me levantando.

Os marinheiros pareciam falar sobre uma tal de Lucy - Nome de piranha. - pensava escutando eles falar sobre ela - Tá. - respondia para eles num tom pouco interessado assim que terminaram de falar o que eu havia perguntado. Lentamente olhei para Lilith - Bom trabalho… Eu acho… - deixaria a expressão nervosa, tendo uma mais neutra. - Nem precisa falar nada. Eu sei já sei que tu ia falar “ain Annie, tu tem que ser mais simpática… E não sei o quê lá…” Você tá ficando muito previsível. - suspiraria e iria até a enfermaria. - Se bem que vocês podiam ter investigado melhor essa piranha chamada Lucy. - comentaria andando até a enfermaria. - Slá, só uma ideia mesmo.

Não sabia como estava correndo a parte de Eric, era estranho estar separado dele, mesmo que a gente já tivesse tido tarefas longe um do outro, dessa vez era uma missão de verdade e existia um possível traidor no navio. Preocupada, acelerava os meus até que pudesse finalmente encontrar o meu loiro. Não demorou para que eu escutasse ele chamar pela gente, mas por algum motivo não respondi ao chamado, apenas acelerei mais o meu passo até ele. Eu sentia a minha cabeça começar a esquentar, a minha boca a secar e os pulmões a ficarem pesados, estava na hora de arrumar um remédio imediatamente. - Sim, estou bem. Mas talvez eu precise mesmo do remédio, no final das contas. - arrumava o meu cabelo, dando especial atenção a esconder o terceiro olho. - Ainda não tem ninguém ferido. Mas vai ficar. Ó se vai… - assim que eu colocasse as mãos no infiltrado eu iria me divertir imenso.

Lilith tinha razão, Eric era sempre meigo. E não só comigo. Ele era uma alma muito pura e caridosa, uma pessoa com um coração de ouro, sempre preparado para ajudar os outros. Ele parecia começar a brilhar para mim, quando mais eu olhava para ele mais ele era lindo e perfeito, até que o momento era destruído por um pentelho, jogava a camisa de volta para ele. Havia esquecido desse pequeno detalhe - Tá tá, podem ir… - e então uma explosão se escutava por todo o navio.

Lançaria um olhar para Eric e começaria a correr para o exterior - Eric, eu acho que existe um infiltrado no navio. - explicaria durante o caminho - Alguém sabotou o navio. - Era difícil alguém ser um génio como eu, mas Eric certamente era um homem inteligente - Sim, acho que é essa vagabunda que causou o problema todo na caldeira. - ao chegar lá gora, chegando ao exterior, olharia aos arredores. Pelo som da explosão não parecia ser algo muito grande. Sacaria de imediato a minha adaga, ficando de guarda alta. Mexendo um pouco a cabeça para tirar parte do cabelo da frente do terceiro olho, começaria a analisar o espaço. O meu foco seria procurar alguém suspeito, com um comportamento oposto ao de alguém que acabou de escutar uma explosão do nada. - Manobra de diversão? - antes que um dos marinheiros que estava com a gente pudesse descer do navio, eu pararia eles e perguntaria - Vocês carregavam alguma coisa de valor no navio? Ou talvez alguém? Prisioneiros ou algo do tipo? - se não carregassem nada ou ninguém, talvez fosse apenas um bando de desocupado querendo atenção.

Enquanto Eric estivesse pegando informações e não estivesse tendo nenhuma luta no exterior, eu voltaria para dentro do navio - Será que estão tentando nos distrair? - passaria correndo por todo o navio, entrando em todos os cômodos e dando uma vista de olhos lá dentro. Caso não encontrasse nada, voltaria para o exterior para me encontrar com Eric - Acho que não tem ninguém lá dentro... - eu sabia que ele não tinha más intenções em querer me proteger do perigo, seguraria a mão dele - Eu sei, eu sei... Mas... - daria um pequeno sorriso para ele - Eu consigo lutar. Se eu não fosse capaz, eu nem teria me ingressado na marinha. - passaria a mão no rosto dele - E mais, tenho um anjinho da guarda olhando por mim. Controle eles de longe que eu controlo eles de perto. - a preocupação dele tinha uma fundação lógica e coerente, no entanto eu precisava provar para todo mundo que eu sou mais que uma garotinha. - Essa doença não vai me matar. Não antes de eu provar para todo mundo o meu valor como cientista e mulher...



HistóricoNome do Player: Skÿller
Tracker

  • Acordou.
  • Foi até ao QG e recebeu uma tarefa da Capitã Linda.
  • Pegou ferramentas e uma katana. Foi até ao local indicado pela Capitã com Eric.
  • Chegou no navio da marinha e foi até a sala da caldeira. Resolveu o problema.
  • Teorizou sobre a existência de algum infiltrado no navio.

Nº de Posts: 7
Remédios: 07/15
Ferimentos

  • Ainda nenhum

Ganhos:

  • Espada (Katana) Gasta da Marinha (+1 em Força)
  • Kit Mecânico da Marinha (Ferramentas diversas)
  • Mochila da Marinha
  • 125.000 berries (dado por Eric)

Perdas

  • N/A




Última edição por Skÿller em Ter Jun 08, 2021 5:56 pm, editado 1 vez(es)

_________________

Voice of the Soul - Página 2 O0yljIK

Voice of the Soul - Página 2 WhdRXxk

Fala Annabelle
Pensamento Annabelle
Fala Lilith