Tópicos Recentes
Destaques
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Últimos assuntos
 :: Oceanos :: Blues :: South Blue :: Petra Yuni
Página 7 de 10 Página 7 de 10 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10  Seguinte
Kenshin
Ver perfil do usuário
Imagem : Cabras da Peste, vol 1- Amanhecer do Sul - Página 7 XqxMi0y
Créditos : 25
KenshinDesenvolvedor
https://www.allbluerpg.com/t360-agatha-harkness https://www.allbluerpg.com/t386-prologo-frenesi-da-raposa#1165
Cabras da Peste, vol 1- Amanhecer do Sul Qua Maio 12, 2021 12:21 am
Relembrando a primeira mensagem :

Cabras da Peste, vol 1- Amanhecer do Sul

Aqui ocorrerá a aventura do(a) Civil Deep Scaleback. A qual não possui narrador definido.

_________________

Cabras da Peste, vol 1- Amanhecer do Sul - Página 7 J09J2lK

Formiga
Ver perfil do usuário
Imagem : Cabras da Peste, vol 1- Amanhecer do Sul - Página 7 CsHkSDy
Créditos : 19
FormigaEstagiário
https://www.allbluerpg.com/t766-takeshi-isamune https://www.allbluerpg.com/t768-capitulo-i-o-espetacular-takeshi-isamune




Cabras da Peste

Vol 01 - Amanhecer do Sul


Dia 01 || Arosa - Petra Yuni || Clima: Quente ||
N° de Postagens do Narrador: 12


Subaé - Horário: 18:40

O capitão pirata até então aposentado mostrava um certo descontentamento pelo falatório exacerbado de Alin, parecia que o encanto pela morena - não tão morena assim - tinha acabado. A teimosia era algo compartilhado entre os membros do bando, afinal, Chadd já havia orientado anteriormente que certas coisas não deveriam ser ditas, mas, talvez pela petulância, coragem ou apenas pela masculinidade sendo ferida, o caprino não resistiu a dar uma cutucada em Max Vrunc. Um dos homens ao seu lado, o que outrora encarou o caprino fazia a menção de ir em direção ao mesmo apoia ouvir suas palavras contra seu chefe, entretanto, foi parado pelo mesmo, seguindo seu caminho com um pequeno sorriso no rosto.

O breve encontro entre Blade e Subaé acontecia alí mesmo no salão, uma breve discussão sobre Peri acontecia e em seguida a dupla se separava novamente, dessa vez avisando sobre seus futuros passos. O bode fedorento ficou no lugar à procura do anão, procurava de todas as maneiras e aquilo chamava atenção dos clientes que estavam ali apenas para se divertir e aproveitar a companhia dos seus conhecidos. O incômodo pelos gritos do mink não demoraram a surgir, um homem de aparência bastante comum surgia ao lado do desesperado - Senhor, devo pedir que baixe o tom da sua voz. Posso ajudar em algo? - Indagou tirando uma pequena madeixa negra que cobria um dos seus olhos - Senhor? - Tentou falar novamente com o capitão que continuava empenhado em sua busca por mais alguns poucos segundos, até ter a consciência que Peri não estava mais no recinto, saindo em seguida.

Saiu do palácio de sal como se nada estivesse acontecido, pelo menos, não demonstrou uma preocupação com o paradeiro do seu minúsculo colega, que seja, o povo desse bando é todo estranho mesmo. Talvez isso mudasse ao encontrar a sua "touca" alguns metros próximos à saída do palácio. Na rua ele sentia no seu próprio corpo que o Sol estava bem mais fraco do que quando chegou no lugar, a movimentação ainda era grande, mas, de certa forma mais tranquila do que horas antes. Próximo ao palácio ele - assim como Blade momentos antes - notava a presença de um grupo estranho treinando, não dava para identificar o que eles eram, mas, pareciam ser uma espécie de exército, polícia ou algo como guardas, um ponto interessante era que todos eles mostravam uma sinergia em seus movimentos, seja os que estavam correndo ou aqueles que estavam realizando exercícios focados em certas porções musculares.

Pelas ruas de Arosa o bode se deparava com o padrão movimentado que a cidade parecia ter em todo momento, porém, de prestasse atenção pelo caminho veria algumas pessoas com roupas iguais em alguns pontos da cidade, homens com trajes em tonalidade vermelha em alguns pontos, já em outros, azuis. Algo perceptível também era que os transeuntes passavam em passos ligeiros quando estavam próximos aos de vestes vermelhas e de certa forma aparentavam estarem mais tranquilas perante os de roupas azuis… agora o motivo? Só Deus sabe - Pode ir reto nessa rua e vira ali na segunda esquina, vai andar mais alguns metros e logo chega. - Respondeu um senhorzinho com aparência de gente boa as perguntas de Subaé pela localização do estabelecimento e realmente não demorava para que ele visse uma grande estalagem feira de madeira, sua aparência era de algo que já existia a longos anos, tinha cerca de três andares e uma espécie de"puxadinho" em cima, sendo de telha a cobertura desse último andar.

Um assobio característico foi dado por Subaé, para avisá-lo que estava por perto, porém, ele não ouviu… já que presumiu que o Hotel indicado por Chadd fosse o próprio Palácio. Já o Mink não sabia disso e apenas entrou no estabelecimento ao lado da estalagem, sua arquitetura era tão simples quanto o seu vizinho. Sua estrutura era de madeira, algumas marcas logo na porta de entrada era visível ao caprino, como se algo tivesse sido forçado contra a mesma e/oi alguém tinha sido jogado contra a porta - Seja bem vindo. - Disse o homem que aparentava ter seus quarenta anos, uma quantidade de fios já estavam grisalhos e mesclavam com o preto existente nas raízes do seu cabelo, seus olhos tinham uma tonalidade amarelada, semelhante a cor de mel. Já seu porte físico era comum para um ser humano na sua idade, sem músculos torneados, mas também não era totalmente magro, ficava no meio termo. O bode então iniciou o falatório e as explicações sobre as proporções dos seus amigos da melhor forma que podia, só saberia o quão bom ficaria quando os mesmos vestissem - Um momento, pelo que disse vou ficar lhe devendo o último, já que precisarei de uma noite inteira para confeccionar algo de proporções grandes como é este seu colega. - Em que mundo o caprino achou que teria a pronta entrega um terno para alguém com quatro metros e uma circunferência acima da média? - Tenho esses… - Pausou sua fala enquanto observava o espécime com maior atenção - Um terno pretposimples, porém, que sai bastante. Uma camisa de manga longa na cor branca, calça preta e por fim um sapato social, as últimas peças carregam a mesma cor do "terno". - Colocou todas as peças no balcão extenso a sua frente, organizando os "kits" - Cada peça custa 100 mil berries, pegando o Kit completo tem um desconto de quinze por cento em cima do valor total da compra. Agora a peça que irei confeccionar, terá uma taxa adicional de vinte por cento no valor total, já que pelas proporções passadas por você, terei um trabalho maior na confecção da peça. - Falou calmamente ensacando os dois pares para Subaé e seu amigo Blade, já que como dito, eram os únicos com itens no estoque. Os trâmites foram realizados sem maiores delongas, o Mink parecia não querer muito papo com o vendedor.

O Bode recebia suas compras em duas sacolas laranjas - Caso venha buscar hoje mais tarde, estarei no interior da loja, toque a campainha e irei lhe atender. - Finalizou o vendedor acompanhando o Mink até a saída da loja, o mesmo via que a noite tinha chegado, o vendedor então trancou a loja, colocando em seguida uma placa escrito "Fechado" no vidro ao lado da porta, onde ficava também o mostruário com algumas peças. Por fim, o Mink ficou na porta da loja vendo o tempo passar.


Blade - Horário: 18:40

O lobo trocava algumas palavras com seu capitão sobre o paradeiro de Peri, até mesmo alterava um pouco o tom de voz em uma das indagações feitas ao outro homem fera. Após uma breve discussão tranquila entre a dupla chegou a uma resolução simples, Blade iria dar atenção aos cuidados necessitados por Lua, alí mesmo no Palácio de Sal.

Sem maiores delongas a dupla se separou e enquanto o canino alugava um quarto no nome do seu capitão, via-o procurando por Peri aos gritos - Animado aquele senhor, não é? - Falou o atendente enquanto observava toda situação e anotava o nome do caprino - Quarto Treze, tenha um bom descanso. - Concluiu entregando a chave para o Mink, indicando o caminho que ele deveria seguir. Ao andar pelo lugar Blade tinha a percepção do quão realmente belo era o seu interior, uma arquitetura fina, com detalhes dourados semelhante a estrutura do lado de fora.

Após subir um andar de escada ele chegou ao quarto e logo que abriu pode ver uma cama de solteiro, uma toalha de cor azul em cima do lençol branco que cobria toda a cama. Uma janela que estava aberta, dando para a entrada do palácio de Sal e ele assim podia - se quisesse - ter uma boa visão do lado de fora do lugar, notava que a noite já tomava conta do ambiente. Rapidamente buscou ajudar sua Lua usando seus conhecimentos veterinários, higienizando da maneira que pode e também o seu cachecol, que utilizou parte dele para enrolar o ferimento da sua aliada.

Deixou a cachorra no quarto e foi rapidamente até o bar, pedindo um Bife que após alguns minutos era prontamente entregue - Au-Au-Auu (Que delícia!) - Latiu a cadela enquanto comia o pedaço robusto de carne que lhe foi ofertado. Por fim, Blade resolvia ir ajudar o seu capitão na procura do anão, ao passar pelo salão do bar o mesmo via que o movimento tinha tido um certo aumento, Subaé não estava no local. Ao chegar na porta do Palácio via um ser colossal caminhando na direção do palácio, aquele era Deep.


Deep - Horário: 18:40

O Titã observava todos os trâmites feitos no Porto, a carga e descarga de mercadorias e alguns caixotes de variados tamanhos. Após o mergulho saiu do mar guardando todos os ganhos obtidos naquela ação, inclusive uma pequena pérola foi encontrada em uma delas. Realizou a organização dos itens com cuidados, fazendo alguns amontoados e separando cada item para facilitar o acesso.

O tritão então seguiu para o palácio de Sal de maneira tranquila, seu porte físico chamava a atenção de algumas pessoas nas proximidades do porto, mas nada que os levassem a falar algo do seu corpo, para o seu azar, seu caminho era de paz e tranquilidade. As ruas estavam cada vez mais vazias e alguns grupos eram vistos pelo homem-peixe, alguns de roupas na tonalidade azul, outros vermelhos e por fim alguns com uma espécie de roxo claro, era notável que Arosa era repleta de pequenos grupos, provavelmente de bandidos.


Blade e Deep- Horário: 18:40

O homem peixe não demorava para ver uma estrutura grande de três andares, feita quase inteiramente de sal. Como já vivia a algum tempo no local, talvez não fosse tão impressionante assim rever o Palácio, mas, posso estar completamente enganado. A luz do Luar cobria todo o território do estabelecimento, trazendo uma beleza ainda mais exótica ao lugar. Uma estrutura próxima existente estava fechada, mas alguns homens pareciam fazer a proteção do lugar, os mesmos que pareciam realizar o serviço de segurança do Palácio de Sal.

Na entrada do lugar o tritão via uma silhueta conhecida, aquele era Blade, que também o via.



Histórico Geral:
Bella:
Número de POST: 03
Ganhos: -
Perdas: -

Blade:
Número de POST: 12
Ganhos: Adaga Gasta - POST 05
Perdas: -
ComandosMascote Lua: Assobio:  Tendo a duração de três segundos, com duas pausas no meio e se tornando mais estridente no final. Ao ouvir esse som o mascote vai imediatamente na direção do seu dono. - POST 11
Cão de Guarda: Lua foi treinada para atacar "pontos fracos" dos seus oponentes. - POST 11

Deep:
Número de POST: 11
GanhosChicote Gasto - POST 05
Proficiência: Confeitaria - POST 12
4x Alga-Marron 04/04 - POST 11
7x Ostras 07/07 - POST 11

Perdas -

Mikazuki:
Número de POST: 05
Ganhos: -
Perdas: -

Regia:
Número de POST: 04
Ganhos:
Arma - POST 04 do Narrador:

[/color]
Cabras da Peste, vol 1- Amanhecer do Sul - Página 7 3FgOgPo

Arma: Cimitarra
Descrição: Uma espada comum, possuindo 80cm de lâmina.
Tipo da Arma: Acuidade
Qualidade: Clássica
Durabilidade: Baixa
Dano: +2 em força por nível

Estado: Nova
Perdas: 250.00 (Duzentos e cinquenta mil) - POST 04 - Espada


Subaé:
Número de POST: 12
Ganhos - Uma dose de remédio canábico(POST 3) - USADO
-Frasco com 03 comprimidos de remédio canábico (POST 5)
- Garrafa de cachaça com 07/10 usos (POST 09)
- Terno x2 - Camisa de manga longa x2 - Calça x2 - Sapato social x2 - Todos na categoria simples (POST 12)

Perdas 200. 000 B$ (Duzentos Mil)  - POST 07
75.000 B$ (Setenta e Cinco mil) - POST 09
680.000 B$ (Seiscentos e Oitenta mil) - POST 12

Dinheiro Atual: 4.045.000 B$
Dependência: 05/15
Doença Degenerativa: 05/10

Legendas:
Tulin  ~ Aparência
Peri Erê ~ Aparência
Sem nome
Josuk
Boron
Yagger
NPC's
Chadd ~ Aparência
Lua
Nome (??)
Josuk
Eve
Alin ~ Aparência
Personagens random
Max Vrunc ~ Aparência

Log de combate:

Blade:


Ferimentos:

• Por enquanto tá safe

Subaé:

Ferimentos:

• Corte no posterior da coxa esquerda – 04/04 (Curado)
• Corte diagonal na região das costas – 05/06 [Tratado]


Deep:

Ferimentos:

• Por enquanto tá safe

Considerações:
Pessoal vamos a alguns detalhes desta última rodada:

01 - Blade achou que a estalagem era no próprio Palácio, contudo no meu POST deixo explícito que Chadd deu o endereço de outro lugar, ao lado da tal loja de roupa. Enfim, ele se alojou no próprio Palácio e colocou no nome do Subaé.

02 - Quanto mais informações vocês me darem, melhor para o desenvolvimento da narração. Por exemplo o Deep, o que faria ao chegar no palácio? Procuraria pelos companheiros ou não? Blade, onde iria procurar o Subaé ou o Peri? Preciso de mais detalhes para que a gente consiga desenvolver. Isso também inclui você Bodão, o que faria após pegar as roupas?

03 - F Peri.


_________________

Cabras da Peste, vol 1- Amanhecer do Sul - Página 7 Fi6WMX7


Certificurso:
Curso Narrador AB, 2021
Cabras da Peste, vol 1- Amanhecer do Sul - Página 7 EBEAdF4X4AYyK13
Deep
Ver perfil do usuário
Imagem : Deep Scaleback
Créditos : 05
DeepNovato
https://www.allbluerpg.com/t341-deep-scaleback#1007 https://www.allbluerpg.com/t348-cabras-da-peste-vol-1-amanhecer-do-sul#1033


Em meio a minhas deliciosas ostras, encontrava uma pérola que eu guardava em meu bolso enquanto pensava “Lucky” e assobiava. Comi todas minhas ostras no caminho para o palácio e com todas as gatas lambidas até perder o gosto, apenas as jogava no chão próximo ao local, lá via uma silhueta conhecida… O cachorro.

-Fala sarnento, cadê o resto da galera?

Após ouvir a fala do mink.

-Carai, vocês perderam o anão?

Dizia indignado e esperando alguma explicação.

-Ta... Temos que ver isso com o capetão agora... Mas eae, arranjaram o que nesse tempo?

Ouvia a fala do sarnento já repudiando a ideia de ter que trabalhar, porém ficava abismado com o fato de terem alugado um quarto no palácio de sal.

-Oi? Vocês alugaram um quarto no palácio de sal? Carai... Tão aceitando sarnacard?

Era estranho o bode ter tal dinheiro, mas já que ele ta pagando tudo hoje, não penso muito no caso.

-Porra me passa o número do quarto então, vou tomar um banho e pedir uns bagulho então pra aproveitar pô…


Ouvia ele falar o número do quarto e prosseguia minha fala.

-Vou subir lá então, vê se acha o capetão e o anão, qualquer coisa eu estou lá... Dá um uivinho de donzela que eu ouço... Ah... E vê se não olha pro céu viu o lobichona…

Atormentar Blade era meu esporte favorito, mas lembrei que eu não tinha as chaves para entrar no quarto.

-KUKUKU... Me dá a chave do quarto logo vai...

Ouvia o mink falar que não tinha fechado o quarto e ficava meio pensativo, porra, será que ele sabe que está em Petra Yuni? Rapidamente mudava eu humor para algo menos zueiro.

-Ok... Vai lá limpar suas merda... Ahh pega aki…

Lembrava então da alga-marrom que peguei antes, diferente das ostras elas não estava ali apenas pra matar fome, então pegava dois rolos de alga-marrom em minha pochete e os jogava para Blade.

-... Fica com um e dá outro pro capetão, são amargos, mas termogênicos, vão dar uma acelerada em vcs caso entrem numa luta séria.

Falando isso virava minhas costas e entrava no palácio de sal procurando o quarto treze, ao o encontrar, entraria, trancaria a porta com a chave, se estivesse lá, ou colocando algum móvel pesado na frente, no caso da chave não estar lá.

Iria para o banheiro, onde tiraria a roupa e tomaria banho cantando em voz alta uma música que ouvi algumas vezes, mas não sabia direito a letra, apenas imitava o som que eu ouvia, já que não sabia a língua da música.


-LALALALALALAHHHH
Largo a farofa da dona chica… Largo
lalalalalalala LAAAHHHHH
Preço dessa budega que não beija… Preço
lalalalalalala LAAAHHHHH
Ah, Quebro o vinho...
O da peixeira…
Que peixeira?
Pé de barbeira...
De bagdá…De bagdá
Ah, bravo fígado, bravo bravíssimo
BRAVOOO
lalalalalalala LAAAHHHHH
Ah Furadissimo peru, ver e tal, bravoo
lalalalalalala LAAAHHHHH
Furádissimo peru, ver e tal.
Furádissimo peru, ver e tal.
lalalalalalala LAAAHHHHH

Nesse ponto da música, já teria tirado a roupa e estaria me ensaboando sob a água gelada, todas minhas dobradinhas sendo bem lavadas.

-Pronto pra tudo
Pinote e torno
Sempre de entorno
O peru está
Pica a picanha
Peru barbeiro
Vinagre nobre, assim não vai dá
lalalalalalala LAAAHHHHH
Ravioli e pickles
Lanche formiga
Alma e comando a tutoriar
Lanche e formesse
Ravioli e pickles
Alma e comando a tutoriar
VELHA SONSA…
BOI NÃO ME FERE..
Cu da boneca…
Cu cavalinho…
Cu da boneca…
LA LA LE LA
Cu cavalinho
lalalalalalala LA LA LAAAHHHHH


Pegaria nesse momento o sabonete do banheiro e o usaria como microfone.

-Taca e me vire..
É da peixeira…
É DA PEIXEEEEIRAA
pé de barbeira…
De bagdá…
De bagdá.
Muito dinheiro
Muito molho
Dó e rasgaste
venci ele
Qual a pergunta?
Presto a barba?
ou a sardinha?
Presto direito
Muito dinheiro
Muito molho
muito dinheiro
Muito molho
Presto a barba
Presto o boleto
FÍIIII GADO
FÍIIIIIGADO
FÍGADO FIGADO FIGADO
FÍIIGADO
Ai meu que furia
Ai meu que folha
Um cu na volta
Peru careca
PERU CARECA PERU CARECA
Uma baitola
Uma baitola
Uma baitola
Peru careca


Começaria a me secar esfregando a toalha em mim no ritmo da música.

-Fígado
Sopa
Ei... fígado
Sopa
Fígado cá
fígado lá
fígado cá
fícado lá
fígado sul
fígado tu
fígado sul
fígado tu
Pronto prontíssimo
Só come e fume
Sono e sapato
Dona chica
Dona chica
Dona chica Dona chica Dona chica.



Me vestiria já apenas cantando meus “lalalalalalala LAAAHHHHH” E então olharia para a vista do quarto, logo antes de descer ao bar, onde avisaria que eu era do quarto treze e que era mandar um jantar completo e uma garrafa de vinho tinto para lá.

Voltaria pro quarto, o fechando novamente e esperaria a comida.

-Cobra do Subaé depois…

Diria apenas isso a quem levasse a comida, pegaria o que me foi levado e comeria tomando grandes goles de vinho, pegaria outro um copo, colocaria os dois rolos de alga e os mergulharia no vinho, assim eles perderiam seu amargor, sem perder suas capacidades termogênicas.

Se lua me olhasse comendo, diria para ela:

-Que foi? Pede comida pro sarnento, se me olhar muito torto, você é a sobremesa…

Após dez minutos, ou caso ocorresse algo, pegaria os rolos de alga, os apertaria na mão para secarem e os colocaria na pochete.

Se visse o capetão ou o sarnento em problemas, ou se ouvisse um uivo do sarnento, iria descer correndo levando minhas algas na pochete, nas minhas mãos levaria a comida, o vinho, uma em cada mão, comeria durante todo o caminho até chegar no local de necessidade e uma vez lá enfiaria todo o resto da comida na boca, com a mesma cheia então diria:

-Quala a truetua?(Qual a treta?)



Histórico:
Nome: Deep Scaleback
Posts: 13
Ganhos: chicote de ferro, proficiência: confeitaria, 4 usos de alga marrom, pérola
Perdas:
Players conhecidos:
NPC's:
Extras:




_________________

Cabras da Peste, vol 1- Amanhecer do Sul - Página 7 WBoszKt
Cabras da Peste, vol 1- Amanhecer do Sul - Página 7 ADN2FDA
Subaé
Ver perfil do usuário
Imagem : Cabra da Peste
Créditos : 04
Localização : Nos bares de então
SubaéCriador de Conteúdo
https://www.allbluerpg.com/t354-subae?highlight=subaé https://www.allbluerpg.com/t348-cabras-da-peste-vol-1-amanhecer-do-sul#1033

Amanhecer do sul, Post 13

Não encontrei o anão em nenhum lugar do palácio de sal, sendo assim fui buscar os ternos e encontrar Blade no hotel cujo endereço Chadd havia me dado. Por sorte encontrei o píleo de peri largado no chão de qualquer forma. Recolhi o pequeno chapéu já que Blade poderia usá-lo para rastrear seu cheiro. Não que eu me preocupe, um velho como ele com certeza sabe se virar.

Durante o caminho eu pude perceber alguns grupinhos que se reuniam de acordo com a cor de suas roupas “um festival talvez?” pensei “Não, não, isso me parece muito mais uma preparação para uma rixa de gangues… Fodam-se eles, vou pro meu quartinho de hotel que Blade alugou”...
Sabe de nada, inocente…

Depois de recolher os ternos, o velho falou que iria preparar a veste do peixão e fechou a porta. Certo ele, afinal parece que as coisas vão ficar tensas por aqui. com todas as minhas sacolas em mão eu fui até o hotel ao lado do alfaiate e me dirigi até o balcão.

-Boa noite pra tu! Eu sou Subaé e por sinal tô cansadão. E aí,  qual é o quarto que o lobo alugou?

Provavelmente o/a balconista não entenderia nada sobre aquela pergunta, por consequência, independente de qual seja a sua resposta eu ficaria tão confuso quanto ele/ela.

Cabras da Peste, vol 1- Amanhecer do Sul - Página 7 Nazarz10

“Quer dizer que Blade não veio pra cá… Será que eu gravei o endereço certo?”  As duvidas explodem em minha mente “Não pode ser… O alfaiate tá ali do lado, então quem se perdeu foi ele”

-DEIXA PRA LÁ! - Responderia o/a balconista, recolheria as minhas coisas e iria embora.
Atravessaria a rua e tocaria a campainha do alfaiate repetidas vezes até que ele atendesse a porta.

-Ei rapaz, eu levei um toco e não tenho onde ficar - Caso a porta não estivesse trancada com um pega-ladrão eu apenas entraria, não esperaria que ele me convidasse a entrar -  Será que eu posso ficar aqui enquanto espero o terno ficar pronto?

Se a pessoa que atender não queira destrancar o pega-ladrão (caso este exista) eu faria uma cara de cão sem dono para tentar tocar a compaixão da pessoa - Só preciso de um lugar para ficar seguro enquanto este terno não fica pronto, eu não tenho certeza, mas parece que essas ruas vão virar um palco de guerra, me deixa entrar vai…

Caso ele não me deixe entrar eu voltaria até o salão de entrada do hotel e ficaria lá sentado por uma hora, depois disso voltaria ao alfaiate e faria o mesmo pedido.

Já dentro do recinto (isto é, caso eu entre) buscaria algum lugar onde eu pudesse sentar confortavelmente (um sofá ou poltrona talvez), se só houverem cadeiras eu me sentaria no chão e me encostaria em alguma parede.

Apontaria a garrafa na direção do alfaiate - Servido? - Caso ele aceitasse, entregaria a garrafa e pegaria de volta logo depois que ele se servisse - Sabe, essa ilha é muito interessante. Quando cheguei aqui, me espantei com as lembranças ruins que me acometeram - Nesse momento retirei o meu chapéu e dei uma boa olhada para ele -As ilhas de verão são muito especiais para mim, sabia? elas me lembram de um certo homem…- Depositei o chapéu de couro ao meu lado e segui falando - Mas e aí, o que você sabe sobre esse povo se aglomerando em cores ?

Escutaria a resposta do alfaiate, sempre respondendo-lhe confirmando com a cabeça e sussurrando uns “uhum”, “sei”, “entendo”, “é isso mesmo”.

- Eu devo estar enchendo o saco com tanta conversa, né? Afinal, você tem muito tecido pra costurar. Será que você não teria um livro de astronomia ou  condução para que eu pudesse dar uma estudada enquanto você trabalha? - Sei que um alfaiate talvez não tenha livros sobre navegação, mas não custa nada tentar…

- Como é que eu posso te ajudar então? - Diria caso ele não tenha nenhum livro de meu agrado - Vai desembuchando, me fala sobre você - Puxaria assunto enquanto seguisse os comandos que ele me desse.

Terminado o processo, recolheria a veste recém confeccionada, pediria três gravatas, e caso eu tenha auxiliado no trabalho, pechincharia um desconto de 30% - Sabe que eu ajudei né, o trabalho dessas mãos custam algo, mesmo que pouco - Por fim, entregaria o dinheiro.

Agora, com tudo feito e sem um quarto alugado no hotel, eu recolheria todas as minhas sacolas, colocaria o meu chapéu e iria de volta ao palácio de sal caminhando sempre com o meu gingado de bêbum acabado, sem nunca olhar para o céu noturno. Talvez eu encontre algum de meus companheiros por lá.

Ao chegar no palácio daria uma breve olhada para ver se eu reconheceria algum rosto familiar, e caso eu encontrasse Blade, Deep ou Peri iria até o mesmo - Puta que pariu! Como é que você some desse jeito sem me falar nada!!- Diria.

Caso eu encontre Blade a minha primeira reação seria chuta-lo bem forte - TA VIAJANDO COM MINHA CARA É PORRA?! ONDE É QUE VOCÊ SE METEU? EU FUI PRO HOTEL E FIQUEI IGUAL UM IDIOTA TE ESPERANDO!!! - Depois de dar a bronca em meu amigo, iria recuperar a minha pose e perguntaria - E ai, encontrou o Peri? Eu achei isso aqui ó! - E mostraria o pequeno chapéu que achei mais cedo.



Histórico:
Páginas: 3
Posts: 13

Ganhos:
-Uma dose de remédio canábico(Post 3)
-Frasco com 3 comprimidos de remédio canábico (Post 5)
- Garrafa de cachaça com 07 usos (Post 9)
- Terno x2 - Camisa de manga longa x2 - Calça x2 - Sapato social x2 - Todos na categoria simples (POST 12)

Perdas:
-200.000 B$ (Post 7)
-75.000 B$  (post 9)
-680.000 B$ ( POST 12)

Dinheiro Atual: 4.045.000 B$




Proficiências:
- Acrobacia
-Ameaça
-Atletismo
-Briga
-Lábia

Qualidades:
-Carismático
-Prodígio
-Talentoso
-Destemido
-Electro
-Idioma silvestre
-Chifres curvos
-Cabeça dura

Defeitos:
-Doença degenerativa
-Sadista
-Cabeça quente
-Dependente (15 posts)
-Extravagante
-Apegado (ao chapéu)
-Feio
-Preconceito
-Atípico
-Sensível ao calor
-Forma sulong.
-Roubar remédios da farmácia
-Encontrar o bonde
-saciar vício
-Aprender proficiências Geografia e Astronomia
-Prender o anão perneta dentro de uma garrafa. (NPC companheiro)
-começar a desenvolver liderança
240/240100/1005/1011/15

_________________

Cabras da Peste, vol 1- Amanhecer do Sul - Página 7 Sign_b10

"Deus me fez um cara fraco, desdentado e feio
Pele e osso simplesmente, quase sem recheio
Mas se alguém me desafia e bota a mãe no meio
Eu dou porrada à 3x4 e nem me despenteio
Porque eu já tô de saco cheio."




Meus cabritinhos
Jupges
Ver perfil do usuário
Imagem : Cabras da Peste, vol 1- Amanhecer do Sul - Página 7 Dz4yuJf
Créditos : 00
Blade
Lobão
Ao ver Deep, Blade ouviria sua pergunta e então rapidamente responderia, -Porra eu perdi o anão, vim cuidar da Lua, e o capitão ta procurando ele, talvez ele tenha sido sequestrado.

Ouviria Deep e então responderia de um jeito que me lembrava Subaé, -Ele é muito pequeno, difícil de notar. E EU NÃO SOU O PAI DELE PRA FICAR CUIDANDO DELE NÃO!. Após isso responderia sobre o que havíamos conseguido, -Ah esse hotel de bacana, e um serviço pra uma patricinha

Quando Deep dissesse sobre o valor do hotel, Blade responderia -Ué o capitão que mandou, ele deve estar com grana de sobra. Diria então o número do quarto, -Quarto treze, e a Lua ta descansando na cama, ela ta machucada mas já vai se recuperar. Quando o senhor Scaleback resolvesse me importunar, Blade logo diria, -Eu não faço ideia de onde o capitão ta, e antes que eu me esqueça, vai botar uma dentadura no cu e rir por caralho vai!

Então diria para Deep que a porta do quarto estava destrancada. Bom, já que o Subaé não estava aqui o mink deveria aproveitar, iria até o balcão e ficaria ao lado de alguém, Blade estava procurando por um sujeito bem apessoado, que tivesse cara de rico, olharia para o lado e diria -Só uma ou duas certo?, afinal não precisava ficar bêbado. E precisava se apresentar, o mink achou q assim era o jeito certo

Continuando a falar com o sujeito sem ligar para sua reação, Blade diria -Sabe, eu conheço muita gente, talvez esse seja o meu problema, e eu já vi muita coisa estranha mas, Blade cortava seu raciocínio, olharia para o teto e perguntaria para o homem, -Está ouvindo isso? Parece O Barbeiro de Sevilha, talvez Blade estivesse ficando louco, mas podia ouvir claramente, lalalalalalala LAAAHHHHH, um pouco ao fundo e um tanto abafado, ainda assim conseguia ouvir.

Para provar que não estava ficando louco, Blade começava a cantarolar a música com a bebida na mão, indo até as pessoas no balcão e tentando induzir elas a cantar, se desse certo Blade continuaria, por algum motivo Blade se lembra claramente da música, e tentaria induzir as pessoas no Palácio a cantarem, utilizando de suas habilidades artísticas, dançando e rodopiando pelo salão, enquanto bebia, usando todo o seu carisma

-Vamos lá todo mundo junto
Largo al factotum della città
Largo! La la la la la la la la!

Presto a bottega che l'alba è già
Presto! La la la la la la la la!

Ah, che bel vivere, che bel piacere (che bel piacere)
Per un barbiere di qualità! (di qualità!)

Ah, bravo Figaro!
Bravo, bravissimo!
Bravo! La la la la la la la la!


Se Blade fosse ignorado diria, -Povo chato esse, e continuaria bebendo sem ver o tempo passar, agora se Blade conseguisse conquistar a multidão, ele então continuaria cantando e dançando, tentando promover uma festa no Palácio sem ao menos ter planejado, iria propor um brinde, e cantaria ainda mais músicas, mesmo sem saber cantar, quando sua bebida acabasse ele pediria outra e outra e outra e outra, e quando já estivesse bêbado, em meio a multidão diria -PODEM BEBER O QUANTO QUISEREM, AFINAL MEU CAPITÃO O GRANDE SUBAÉ, ESTÁ PAGANDO POR TUDO!

Blade, já bêbado estava buscando o caos, gastando dinheiro dos outros, e ficaria em festa no Palácio de Sal, puxaria damas para dançar tango, mesmo que o lobo não soubesse dançar, e tentaria fazer amigos, ele até tentaria fazer um show de ilusionismo bêbado, fazendo as garrafas que bebia sumirem e aparecem nos lugares mais inesperados, desde o teto, até debaixo das saias das moças.

E quando Subaé chegasse ele podia ter duas visões diferentes, uma era do lobo triste no balcão sozinho, caso não conseguisse conquistar a multidão, a outra, era do lobo em cima de uma das mesas apontando pra ele e dizendo, -AÍ ESTÁ, É ELE O GRANDIOSO E MAJESTOSO SUBAÉ!!! O IMORTAL O LENDÁRIO LORDE DOS BLUES, BRINDEM A ELE E CANTEM UMA CANÇÃO, AFINAL VOCÊS ESTÃO FALANDO DO MEU CAPITÃO KHAK KHAK KAAAAAAAAAAAAA!!!!!

Independente da visão, quando Blade visse Subaé e tomasse um chute, ele diria falando meio enrolado, -Ué mas você tinha dito pra alugar aqui o quarto homem!

Durante sua estada do Palácio, com medo da Lua nos céus, Blade não ousaria nem sequer olhar para as janelas, nem quando estivesse bêbado.





objetivos:

-reunir-se com a trip
-ensinar meu dog um comando de cão de guarda
-e aprender uma perícia se possível (Acrobacia)

Atributos, qualidades e perícias:
Hp:2800
Sta:100

Força: Esquece
Destreza:420
Agilidade:160
Acerto:280
Reflexo:40
Constituição:20

perícias:
• Adestramento: Você é capaz de ensinar um animal domado a executar diversas tarefas, como, por exemplo, servir de montaria, servir de animal de carga, atacar, caçar e executar diversas outras funções.
• Doma: Você é capaz de domesticar ou tornar mansa uma criatura selvagem, fazendo com que ela deixe de ser hostil contra você ou seu grupo momentaneamente.
• Ilusionismo: Você é capaz de realizar truques e enganar uma plateia. Podem ser coisas simples, como fazer uma moeda surgir ‘‘do nada’’ em sua mão até truques complexos com fumaça e espelhos.
• Discurso: Você domina a arte das palavras, sendo capaz de expressar suas ideias, vontades, sentimentos e objetivos com precisão. Com sua dicção e articulação é capaz de se comunicar com exatidão com pessoas e grupos, podendo cativá-los dependendo da mensagem que deseja passar.
• Veterinária: Você consegue tratar de ferimentos animais, desde que tenha em mãos os materiais necessários, independentemente da complexidade dos ferimentos.

Os artistas dominam a arte do canto, dança, artesanato ou outras áreas. Artistas são mestres do entretenimento, sendo capazes de se expressar nas mais diversas formas e cativar aqueles que o cercam
Vantagens e coisas ruins:

Qualidades :

Carismático (2 Pontos):
Você tem uma espécie de magnetismo natural que faz com que algumas pessoas gostem de você sem motivo aparente.
Visão na Penumbra (1 Ponto):
Você é capaz de enxergar com clareza em ambientes com pouca iluminação. Desde que não seja uma escuridão completa, você consegue distinguir coisas e pessoas com relativa precisão. Mecanicamente, esta qualidade reduz a condição Cego em uma categoria quando a causa do efeito em questão for relacionado a falta ou obstrução de luz.
Visão Aguçada (1 Ponto):
Você tem capacidades visuais sobre-humanas, sendo capaz de enxergar com clareza e precisão mesmo em grandes distâncias, além disso, costuma ver detalhes não notados pelos outros. (Metade do custo para Minks)
Olfato Aguçado (1 Ponto):
Você tem capacidades olfativas que são capazes de rivalizar com um cão farejador, sendo capaz de distinguir aromas e cheiros com clareza e precisão mesmo em médias distâncias. (Metade do custo para Minks e cegos)
Renome(1 Ponto):
Você é conhecido localmente de forma positiva, seja por um feito ou sua origem, não importa se você é filho de um herói lendário ou ajudou a capturar uma gangue de criminosos locais. As pessoas tendem a confiar facilmente em você, além de lhe tratarem bem e respeitarem enquanto seu comportamento for coerente.
Blade é bem conhecido pelos lugares aonde passa, pelos seus truques e pela sua fama de gente boa.
Impassível (1 Ponto):
Você é uma pessoa calma que não tem o seu humor alterado por ameaças, provocações ou acontecimentos drásticos, sua razão sempre consegue dominar a sua emoção e você sempre é capaz de tomar as suas decisões com clareza. Isso não significa que você não possa sentir raiva ou outros sentimentos extremos, apenas consegue ter um controle maestral sobre os mesmos.
Qualidades de Raça:
Garras e presas: Minks caninos possuem presas e garras afiadas que podem ser utilizadas como armas naturais.

Alpha (Machos): Você naturalmente se destaca como um líder dentro do seu círculo de amigos. Não quer dizer que você seja um líder nato, mas aqueles que confiam em você sentem quase que uma aura de liderança vinda de você. Infelizmente, devido a sua natureza, quando outro Mink Canino (especialmente de outra “raça”) entra no seu círculo de amigos vocês têm a tendência a ter uma pequena rivalidade saudável nos primeiros momentos.

Electro: Minks tem a capacidade de produzir choques elétricos a partir de seu corpo, de forma não contínua e por meio de liberação única. Os Minks não são capazes de manipular essa eletricidade, apenas gerá-la e transferi-la para outro corpo através de contato direto. O Electro pode ser utilizado uma vez por página e não gera nenhum bônus de atributo, apenas narrativo.

Idioma Silvestre: Você é capaz de se comunicar com criaturas mamíferas similares a sua subespécie através de certo esforço. É importante frisar que essa qualidade garante apenas a capacidade de comunicar-se com as criaturas, não controlá-las.

Defeitos:

Extravagante (1 Ponto):
Você chama atenção por onde quer que passe, seja pela sua aparência ou seus hábitos, você causa uma impressão difícil de esquecer.
Apegado (2 Pontos):
Você ama algo ou alguém, não medindo esforços para proteger e recuperar o alvo de seu apego emocional. Perder algo que ama é uma experiência traumática que pode deixar sequelas.
Blade ama seus companheiros e amigos de verdade, sejam eles membros da sua tripulação ou um pet
Intolerância Racial (2 Pontos):

Blade tem ódio e repulsa contra minks felinos, também desgosta dos animais que lembram ele dos mesmos, um preconceito antigo de Blade
Leal(2 Pontos):
Existe algo ou alguém, uma pessoa ou organização, que você coloca acima de si mesmo, não se importando com o fato de ignorar seus valores ou se sacrificar para proteger essa relação.

Blade é leal ao seu bando e ao seu capitão
Defeitos de Raça:
Preconceito: Você tem uma aparência incomum quando comparado aos humanos e alguns podem lhe achar repugnante, assustador ou até mesmo uma aberração. Alguns humanos podem lhe destratar e serem hostis simplesmente pelo fato de você ser diferente deles, entretanto, é importante notar que nem todos pensam e agem desse jeito.

Atípico: Devido ao fato dos Minks não serem tão comuns e não se tratar de uma raça tão populosa, eles têm um alto preço no mercado de escravos, o que sempre pode vir a ser um problema.

Sensíveis ao calor: Devido a sua pelagem, os Minks são mais suscetíveis a sofrer efeitos adversos relacionados ao calor e altas temperaturas.

Forma Sulong: Como parte da tribo Mink seu corpo tem uma interação muito única com a lua que nenhuma outra raça tem, uma vez que você tenha contato visual com a lua, desperta-se em eu interior os instintos mais primitivos, selvagens e violentos fazendo com que você perca a sua razão agindo como uma besta furiosa que ataca tudo e todos ao seu redor com uma fúria sanguinária, suas características físicas selvagens mostram-se mais aparentes e justifica-se o medo e o preconceito que existem contra os minks, pois aqueles incapazes de dominar a besta anterior, dificilmente serão vistos como algo além disso.

Durante a transformação passada ao se ter o contato visual direto com a lua, você sentirá uma espécie de sede de sangue imensa, atacando a todos ao seu redor que não sejam Minks, sendo assim todas as noites você terá de ser cauteloso pois a sua razão pela noite estará sempre em cheque. Mecanicamente a fúria dura três turnos e após o término, do quarto turno até o momento em que você possa tratar da condição, você estará sobre o efeito de Exausto I.


Histórico:
Nome: Blade
Posts: 13
Ganhos:
Perdas:
Players conhecidos: Deep, Subaé, Regia, Mikazuki
NPC's: Chadd
Extras:

_________________

Cabras da Peste, vol 1- Amanhecer do Sul - Página 7 Trono1
Formiga
Ver perfil do usuário
Imagem : Cabras da Peste, vol 1- Amanhecer do Sul - Página 7 CsHkSDy
Créditos : 19
FormigaEstagiário
https://www.allbluerpg.com/t766-takeshi-isamune https://www.allbluerpg.com/t768-capitulo-i-o-espetacular-takeshi-isamune




Cabras da Peste

Vol 01 - Amanhecer do Sul


Dia 01 || Arosa - Petra Yuni || Clima: Quente ||
N° de Postagens do Narrador: 13


Subaé - Horário: 19:40

O capitão Mink não demorou para chegar no Hotel indicado por Chadd algum tempo atrás, afinal, o estabelecimento ficava colado com a loja do Alfaiate. O ranger da porta era tão alto que poderia causar um certo incômodo aos ouvidos daqueles que estivessem no interior do Hotel, contudo, apenas uma criança, na verdade, um adolescente estava sentado atrás do balcão de madeira pequeno e bastante simples – Boa noite, tio! – Falou em alto e bom-tom observando o caprino caminhar pelo Hall do hotel, o lugar era simples como o seu exterior, feito completamente de madeira a cada passo que dava Subaé era capaz de sentir que a qualquer momento as tábuas debaixo dos teus pés se partiram em dezenas de pedaços, mas, por hora nada acontecia – Eu sou o Tommy! – Disse esbanjando um sorriso amarelo e seus dentes estavam tomados por um amontoado de tártaro que, em alguns meses, cobriam completamente a dentição da criança – Lobo? – Indagou colocando uma das mãos no queixo, rapidamente voltando sua atenção para o grande livro empoeirado em cima do balcão – Não tem nenhum lobo aqui não, o último hóspede que entrou foi hoje de manhã, mas foi uma mulher. – Concluiu. Sinceramente, não sei quem ficou mais confuso dos dois que continuaram ali por alguns instantes perdidos em seus próprios pensamentos, até que a voz do Mink cortou o silêncio e tão rápido quanto chegou, ele foi embora.

Ainda acometido pela confusão em seus pensamentos, o bode atravessou a rua em busca do Alfaiate, sendo que o mesmo ficava ao lado do Hotel, talvez ele tivesse algum tipo de problema... A Síndrome do Zoro? Isso só um médico podia dar o diagnóstico. Tocou a campainha de outro estabelecimento que nada tinha a ver com o Alfaiate, parecia mais ser uma mercearia que já estava fechada, mas ele não desistiria da sua missão e com tamanha insistência tocou a campanha repetidas vezes que eu perdi a conta, mas, aquilo foi irritante o bastante para dona do lugar que saiu na varanda do primeiro andar do local, utilizando um longo vestido velho, parecia ser usado apenas nas noites de sono, sua estampa florida chamava a atenção de qualquer um que visse, afinal, as cada planta tinha uma cor distinta – O que você quer? Tá fechado! Não tá vendo? – Gritou a mulher com um balde na mão – E eu tenho cara de hotel? O hotel fica ali! – Gritou novamente apontando para o lugar que Subaé acabou de sair – Sai daqui, mendigo! – Gritou virando o balde com água na cabeça do caprino enquanto ele falava sua extensa frase – Terno? O Alfaiate fica do outro lado da rua, do lado do hotel seu imbecil, me deixe em paz! – Falou tão alto quanto antes e rapidamente voltou para sua casa, batendo a porta com toda sua força. O Mink não tinha nenhuma oportunidade de se defender e/ou esquivar, apenas sentia seu corpo encharcado com água que por sorte, era limpa, aquilo talvez tivesse sido útil ao mesmo.

Rapaz, venha cá! – Disse o Alfaiate que estava com a porta da sua loja entreaberta, na verdade, todos os fofoqueiros daquela rua saíram para ver o que estava acontecendo, inclusive o grupo com roupas vermelhas caminhava na direção do Mink – Calma rapazes, é meu cliente. Deve estar bêbado e acabou se confundindo! – Proferiu o Alfaiate indo na direção do bode, empurrando-o pelas costas até a sua loja. Obviamente o interior da loja não mudava, algumas prateleiras com roupas, já outras penduradas e algumas na “vitrine” faziam parte da decoração do lugar, ao entrar Subaé já buscava por um lugar para sentar e achava um pequeno banco – Normalmente peço pros meus clientes subirem aí, mas, pode ficar sentado. – Disse o homem trancando a porta – O que foi isso tudo? Como você conseguiu errar minha loja, sendo que acabou de sair daqui praticamente? – Sua voz não carregava uma rispidez, na verdade, ele parecia curioso pela situação que o mink se envolveu – Não bebo em serviço. – Recusou a bebida – São pequenos grupos que disputam o poder das ruas, são gangues, na verdade. Cada grupo tem sua respectiva cor, eles não entram no território um do outro, exceto se forem resolver algum problema entre si. Mas não ligue não, são peixes pequenos, se não mexer com eles, eles não mexem de volta. – Falou enquanto procurava algo no meio de alguns tecidos – Ah! É claro, não mexa com os comerciantes dentro do seu território, a maioria paga uma taxa pela “segurança”. Toma, se seca um pouco. – Jogou um tecido velho e grosso que serviria para que o mink enxugasse seu pelo.

- Uma ajuda seria boa, mas no estado que você tá, vai mais atrapalhar do que ajudar. Aliás, que tal esperar aqui nos fundos? – Falou de forma tranquila enquanto guiava o bode por sua loja, eles saiam do cômodo de entrada e passavam por um pequeno corredor iluminado por uma única lâmpada, o fio que energiza a mesma parecia vir de outro lugar, era notável que tudo aquilo foi feito de madeira simplória e meramente segura. Não demoravam a cortar o corredor e então chegavam em um cômodo duas vezes maior que o principal lá na frente, algumas máquinas, cerca de três estavam espalhadas pelo ambiente cada uma em uma extremidade, um amontoado de tecido das mais variadas cores estavam também organizados pela sua grossura no chão e em algumas extensas prateleiras presas nas paredes. Uma pequena porta parecia dar acesso a outro cômodo que pelo que o mink pode ver, também estava repleto de tecido Por fim uma grande porta de correr dava acesso aos fundos da loja, um ambiente de barro e longo, cerca de vinte metros quadrados da porta até a cerca que delimita o final do território- Fique ali. – Apontou o homem para o canto da porta que dava acesso aos fundos, uma espécie de poltrona velha, mas que ainda tinha grande parte do seu acolchoado intacto – Vou continuar a confecção do seu último pedido. – Caminhou até uma das máquinas onde estava sendo feito os trajes do amigo gordo de Subaé- Sobre os Livros... Infelizmente não tenho. Você pode achar em algumas barracas pela cidade ou lá no porto. – Bradou ligando a máquina que fazia um barulho estranho, parecia que a qualquer momento as peças voariam para todos os lados – Eu sou só um Alfaiate desde que me entendo por gente, herdei esse lugar do meu pai, que herdou do pai dele. – Gritou realizando seu ofício com cautela, costurando uma roupa que mais parecia um lençol para cama King Size.

O tempo passava, não sabia quantos minutos ou horas exatamente – Pronto. – Disse puxando com cuidado a última peça confeccionada – Aqui. – Estendeu a mão com uma sacola laranja, diferente das outras, essa estava um tanto quanto pesada – Gravatas? Eu não lhe dei? Mil perdões. – Disse o homem correndo na direção oposta do Mink, abrindo uma gaveta de uma pequena e velha cômoda no canto o cômodo – Pronto, não cobro pela gravata quanto compram o terno completo. – Falou entregando três gravatas (você escolhe as cores, Subaé) e pegando o pagamento pelo trabalho feito – Espere um momento. – O homem olhava para o dinheiro em suas mãos e tinha uma expressão pensativa em seu rosto – Tome. – Estendia as mãos com 80 B$ (Oitenta Mil) em espécie em mãos – A princípio tive uma visão errada sobre você e quis ganhar um pouco mais em cima, mas, vejo estar completamente errado quanto a isso. Me desculpe. – Falou enquanto guiava o mink até a saia da loja – Obrigado pela preferência e novamente me desculpe pelo inconveniente. – Finalizou fechando a loja.

Após resolver as pendências, o caprino tomava rumo até o Palácio novamente, utilizando seu chapéu evitava que seus olhos tivessem contato com a lua.


Blade - Horário: 20:45

O reencontro com seu amigo foi descrito no trecho acima, diferentes do tritão que preferiu ir até o quarto o canino resolveu ficar pelo salão, ele parecia gostar do clima que tomava conta do ambiente. O lugar estava relativamente cheio, algumas pessoas festejavam e outras bebiam calmamente os drinks exóticos que o lugar servia, de início Blade resolveu ir até o balcão sentando-se ao lado de uma pessoa que aparentava ter dinheiro – Uma ou duas? Eu já devo tá na vigésima nona! ZEHAHAHAHHAHA – Sua risada característica chamava a atenção daqueles a sua volta que o olhavam com um certo temor – Ouvindo o quê? Bem bebeu e já está delirando meu jovem lobo? – Bradou ingerindo a bebida que estava em sua caneca.

Talvez eu esteja louco mas... Essa aventura virou um musical? O lobo também começava a cantarolar utilizando suas habilidades artísticas, entretanto dada a falta da proficiência canto, sua voz não era nada agradável de ouvir. Seu timbre – na grande maioria da música, desafinado – Fez com que o homem ao seu lado tivesse uma ação semelhante à Lua no trecho do tritão, já que o mesmo levou ambas as mãos até seus ouvidos, tampando para que não morresse ao escutar tamanha falta de habilidade – [coolor=#66D786]Pelos Deuses! Pare com isso.[/color] – Falou em alto tom. Já não bastava a atenção ruim que era captada pela voz de Blade, as palavras do homem também traziam alguns olhares desagradáveis para a dupla.

O mink continuou a beber e beber cada vez mais, até mais gritou para todos ouvirem que tudo estaria sendo pago por Subaé, que loucura este indivíduo estava fazendo? Todos pareciam se animar com suas palavras e a festa que já estava boa, se intensificou ainda mais. Alguns homens que outrora estavam treinando entravam também na festa e começavam a dançar, Blade puxasse uma das mulheres enquanto requebrava seu quadril na tentativa de mostrar seus dons para dança, mas, suas habilidades se encontravam no mesmo nível das suas técnicas de canto, digo, a falta delas.


Blade e Subaé - Horário: 21:00

Algumas horas passavam, mas no fim todos se encontravam no mesmo tempo e espaço. A princípio Subaé ainda do lado de fora do Palácio escutava que em seu interior uma festa de proporções exacerbados estava acontecendo, ao entrar ele viu um amontoado de seres vivos festejando algo que ainda não era perceptível ao mesmo, até que avistou seu companheiro Blade gritando o seu nome e proferindo alguns outros elogios e umas coisinhas a mais – SUUUUUUUUBAÉ! – Com uma sinergia de arrepiar os pelos do braço, um coro composto por várias vozes gritavam o nome do capitão em alto em bom-tom, que recebia todo aquele sentimento de alegria de uma única vez. Dois homens apareceram subitamente nas costas do Caprino e o erguiam em seus ombros enquanto caminhavam pelo lugar, gritando o seu nome, assim como todos os outros.

Tão súbito quanto os rapazes, uma mão surgia ao lado do homem levando uma garrafa de bebida até ele, um homem de aparência jovial de esticava o máximo que podia para oferecer a bebida a Subaé, jogando em seu colo em seguida – SUBAÉ! SUBAÉ! SUBAÉ! – A trupe continuava a rogar seu nome bem alto, entretendo, se prestasse atenção tanto ele quanto Blade poderiam ver que nem todos pareciam felizes com toda a balbúrdia que estava sendo causada, talvez fosse apenas alguns clientes que preferiam um clima tranquilo para degustar da bebida e do ambiente.

Um homem de pele negra trajando apenas uma calça branca, mas, o que chamava realmente atenção em sua aparência era a quantidade de ouro e jóias que reviam seu corpo, seu cabelo era um misto de amarelo-claro com branco, o que dava um forte contraste ao seu tom de pele. Ele falava com o atendente responsável por Blade e pelo tritão – ZAYN! ZAYN! ZAYN! – Gritaram as pessoas ao notar a presença do homem descrito, erguendo suas bebidas como uma forma de recepção para aquele ser de aparência imponente – MEUS AMIGOS E MINHAS AMIGAS! VEJO QUE ESTÃO SE DIVERTINDO! – Gritou esbanjando um imenso sorriso em seu homem – APROVEITEM A PRESENÇA DO LORDE SUBAÉ NO MEU BELO ESTABELECIMENTO. – Finalizou erguendo uma taça – UM BRINDE MEUS AMIGOS! – Ingerindo em seguida o líquido que estava na taça.

Por fim a festa continuava, os garçons corriam de um lado para o outro servindo os clientes. Subaé e Blade estavam juntos finalmente e a primeira ação do capitão era aplicar-lhe um chute bem forte sabe-se lá onde, mas aquilo com certeza doía.



Deep - Horário: 21:00

O reencontro entre a dupla aliada foi caloroso, várias frases ditas e até mesmo uma surpresa ocorreu para ambos, já que o seu capitão estava aparentemente nadando em dinheiro. Após resolverem os assuntos pendentes o tritão tomava rumo até o quarto onde Lua estava, sem muitas dificuldades encontrou o quarto por ficar logo no primeiro andar, o lugar era digno da grandeza que o palácio carregava, o vento entrava pela janela do quarto, deixando o local em uma temperatura aconchegante. Diferente de Blade, o homem peixe trancou a porta, o que lhe dava uma maior segurança, se bem que... Quem ia procurar encrenca com um baiacu daquele tamanho? Lua acordava com o barulho do gigante entrando no cômodo, mas, ao ver que era um aliado, voltava a descansar confortavelmente na cama.

Para sorte do peixão o banheiro era relativamente grande e coube todo o amontoado de gordura e músculos que faziam parte da composição da sua estrutura física, entretanto, o local onde o chuveiro ficava não era dos maiores, mas, mesmo que com certa dificuldade ele pode tomar o devido banho enquanto cantarolava uma música incomum. Falar nisso o Show dado pelo homem de voz nada afinada era escutado pelos vizinhos e também por alguns hóspedes que passavam pelo corredor, inclusive, a coitada da Lua agora estava embaixo da cama deitada com ambas as patas frontais “tampando” suas orelhas ou pelo menos era isso que ela tentava. Não limitando apenas aos arredores sua voz podia ser escutada até mesmo no salão, é claro, para aqueles com uma audição bem trabalhada, como Blade e alguns poucos clientes do lugar.

Após estar limpo e vestido voltou a caminhar pelo lugar em passos tranquilos, indo até o bar e realizando alguns pedidos para o atendente que o olhava de maneira estranha – Ok Senhor. – Sua voz parecia trêmula, não era medo e sim insegurança, ele parecia ser novo naquela função. Não demorou para que um homem batesse sutilmente na porta e em seguida desse tudo aquilo que foi pedido ao tritão, que respondia para pôr na conta do tal do Subaé, essa hora já estaria chorando pela dívida que só aumentava. O tritão pode escutar o som de festejo lá vindo do salão, isso é claro, enquanto comia e bebia o que foi pedido pelo mesmo. Se por acaso ele tentasse sair e ir ver o que era todo aquele barulho e gritos com o nome do seu capitão, veria dois homens vindo pelo corredor, utilizavam roupas normais, mas ambos com um símbolo em Y no lado direito das suas vestes, na verdade, parecia mais um brasão. Um deles era alto e devia ter cerca de seus dois metros e vinte de altura, dotado de uma certa musculatura bem definida e longos cabelos pretos, que estavam presos por um rabo de cavalo. Já o outro, era um pouco mais baixo, com cerca de trinta centímetros a menos que seu companheiro, seu cabelo era preto, mas curto e espichado, como se não tivesse sido penteado adequadamente – Boa noite, o senhor está no quarto 13? Por favor, nos acompanhe até o salão. – Diria um deles, voltando de onde estava indo na direção das escadas. Porém, se o tritão não ligasse para o barulho e continuasse no quarto, escutaria três batidas na porta e assim que abrisse a mesma, veria os dois homens que descrevi acima – Boa noite senhor, por favor, nos acompanhe até o Salão. – Diria o maior.



Leia aqui Deep.Deep, coloquei essas duas opções para você, para ter uma liberdade maior em suas ações. Se por acaso você resolver sair logo que escutar os primeiros sons da festa, assuma que encontrará os homens no meio da escada.

Com relação aos horários:

Saindo do quarto assim que ouvir a festa: 19:30, vai ver o salão cheio e escutar Blade dizendo que o Subaé banca tudo.

Saindo minutos após a festa começar você encontra os rapazes no corredor e/ou na porta do quarto, descendo vê Subae e Blade juntos, pode assumir que consegue chegar no momento em que ele dá um chutão no lobo.




Histórico Geral:
Bella:
Número de POST: 03
Ganhos: -
Perdas: -

Blade:
Número de POST: 13
Ganhos: Adaga Gasta - POST 05
Perdas: -
ComandosMascote Lua: Assobio:  Tendo a duração de três segundos, com duas pausas no meio e se tornando mais estridente no final. Ao ouvir esse som o mascote vai imediatamente na direção do seu dono. - POST 11
Cão de Guarda: Lua foi treinada para atacar "pontos fracos" dos seus oponentes. - POST 11

Deep:
Número de POST: 13
GanhosChicote Gasto - POST 05
Proficiência: Confeitaria - POST 12
4x Alga-Marron 04/04 - POST 11
7x Ostras 07/07 - POST 11
01 Pérola obtida da Ostra - Valor: ?? - POST 12

Perdas -

Mikazuki:
Número de POST: 05
Ganhos: -
Perdas: -

Regia:
Número de POST: 04
Ganhos:
Arma - POST 04 do Narrador:

[/color]
Cabras da Peste, vol 1- Amanhecer do Sul - Página 7 3FgOgPo

Arma: Cimitarra
Descrição: Uma espada comum, possuindo 80cm de lâmina.
Tipo da Arma: Acuidade
Qualidade: Clássica
Durabilidade: Baixa
Dano: +2 em força por nível

Estado: Nova
Perdas: 250.00 (Duzentos e cinquenta mil) - POST 04 - Espada


Subaé:
Número de POST: 13
Ganhos - Uma dose de remédio canábico(POST 3) - USADO
-Frasco com 03 comprimidos de remédio canábico (POST 5)
- Garrafa de cachaça com 07/10 usos (POST 09)
- Terno x2 - Camisa de manga longa x2 - Calça x2 - Sapato social x2 - Todos na categoria simples (POST 12)
- Terno x1 - Camisa de manga longa x1 - Calça x1 - Sapato Social x1 - Tudo na Categoria de simples (POST 13)
- 80.000 B$ (Oitenta Mil) (POST 13)

Perdas 200. 000 B$ (Duzentos Mil)  - POST 07
75.000 B$ (Setenta e Cinco mil) - POST 09
680.000 B$ (Seiscentos e Oitenta mil) - POST 12
400.000 B$ (Quatrocentos Mil) - POST 13

Dinheiro Atual: 3645000 B$
Dependência: 06/15
Doença Degenerativa: 06/10

Legendas:
NPC's Específicos
Tulin  ~ Aparência
Peri Erê ~ Aparência
Sem nome
Josuk
Boron
Yagger
NPC's
Chadd ~ Aparência
Lua
Nome (??)
Josuk
Eve
Alin ~ Aparência
Max Vrunc ~ Aparência
Zayn Youssef ~ Aparência
Homem de Risada Estranha ~ Aparência

NPC's Aleatórios
Personagens Simples: Atendentes | Garçons | Pessoas encontradas nas Ruas | Vendedores | Moradores de Petra.

Homens no comando de Zayn Youssef

Log de combate:

Blade:


Ferimentos:

• Por enquanto tá safe

Subaé:

Ferimentos:

• Corte no posterior da coxa esquerda – 04/04 (Curado)
• Corte diagonal na região das costas – 06/06 (Curado)


Deep:

Ferimentos:

• Por enquanto tá safe

_________________

Cabras da Peste, vol 1- Amanhecer do Sul - Página 7 Fi6WMX7


Certificurso:
Curso Narrador AB, 2021
Cabras da Peste, vol 1- Amanhecer do Sul - Página 7 EBEAdF4X4AYyK13
Deep
Ver perfil do usuário
Imagem : Deep Scaleback
Créditos : 05
DeepNovato
https://www.allbluerpg.com/t341-deep-scaleback#1007 https://www.allbluerpg.com/t348-cabras-da-peste-vol-1-amanhecer-do-sul#1033


Era atendido muito bem no local, algo muito diferente das pocilgas a qual era acostumado, inclusive a comida e bebida eram de enorme qualidade… Faltava um pouco de pimenta, talvez um tomilho, mas era bem decente no geral. A bebida tabém era de excelente qualidade, bem encorpada e devia ser de uma boa safra de uma plantação bem cuidada, os sabores eram bem equilibrados.

Ficaria aproveitando a bebida no quarto sentado acariciando minha barriga por um tempo.

Se batessem na porta atenderia, no caso de me falarem para acompanhar alguém ao salão, me sentiria levemente incomodado de ter que sair do meu descanso e diria:

-To com vontade não…Alguém vai me forçar? Até…

Terminaria minha fala e fecharia a porta para voltar a meu descanso coçando a barriga, porém se impedissem que eu fechasse a porta, perderia a paciência e chutaria a porta com toda minha força e peso, não apenas tentando quebrar a porta, como a jogar contra os que estavam do outro lado.

Cabras da Peste, vol 1- Amanhecer do Sul - Página 7 Tenor

Se não quebrasse a porta a abriria para atacar eles, no caso da quebra da porta, eu apenas sairia para a pancadaria. Iria uma vez no corredor tentar agarrar o mais próximo com as mãos, o erguer e jogar na direção das escadas, logo antes de dar um soco de direita contra o outro, mirando seu nariz, depois o ergueria de cabeça para baixo e o jogaria contra o chão nessa posição, tentando causar danos a essa parte de seu corpo.

Se quem entrasse no quarto fosse os rapazes do meu bando, continuaria a comer e quando ouvisse algo sobre “golpes” diria:

-Golpes? Cabeça de quem eu amasso?

Se me falassem pra usar terno, diria:

-Não vou vestir isso aqui, quem vai me obrigar? Don Feiote e Sancho Sarna? Tão parecendo chihuahua em roupinha, porra.

Se insistissem, retrucaria entornando a bebida recebida:

-Essencial é meu pau... Roupa assim me atrapalha a lutar e cozinhar.... Eu vivo pra lutar e cozinhar... Veste a porra da cadela...

Se insistissem mais, contrariado, diria:

-Olha, ok, mas se essa porra me penicar ou incomodar demais, rasgo na hora…

Experimentaria então o terno no banheiro, mas colocaria a pochete com meus pertences no cinto, voltaria depois então cutucando a gola com o indicador direito.

-Rapaz vou fazer vocês comerem uns bagulho bem escroto por um tempo, vingança disso aqui, se fuder…

Já caso eu tenha brigado com os caras antes de encontrar com os rapazes, diria:

-Chegaram atrasado, a festa já acabou...





Histórico:
Nome: Deep Scaleback
Posts: 14
Ganhos: chicote de ferro, proficiência: confeitaria, 4 usos de alga marrom, pérola
Perdas:
Players conhecidos:
NPC's:
Extras:




_________________

Cabras da Peste, vol 1- Amanhecer do Sul - Página 7 WBoszKt
Cabras da Peste, vol 1- Amanhecer do Sul - Página 7 ADN2FDA
Subaé
Ver perfil do usuário
Imagem : Cabra da Peste
Créditos : 04
Localização : Nos bares de então
SubaéCriador de Conteúdo
https://www.allbluerpg.com/t354-subae?highlight=subaé https://www.allbluerpg.com/t348-cabras-da-peste-vol-1-amanhecer-do-sul#1033

Amanhecer do sul,Post 14


Não estou apenas envelhecido, ao que tudo aponta, estou caduco também. Talvez seja o fruto a se colher depois de tantos anos em libertinagem, drogas variadas, noites sem dormir, e por falar nisso lembrei agora de pelo menos umas 60 vezes que bati a cabeça tão forte o suficiente para sequelar um humano. Acordei de meus pensamentos assim que a água fria bateu em mim, fiquei todo ensopado.

A minha vontade foi de matar a velha, mas tão logo ela fechou a porta, em seguida o alfaiate apareceu e me chamou para entrar. Entrei, me sequei, joguei conversa fora. Enquanto o velho estivesse atento ao trabalho eu tentaria furtar um dos tantos tecidos (é muito útil ter um lenço).

Assim que o terno ficou pronto, escolhi três gravatas pretas, peguei todas as minhas coisas e fui embora.

Por sinal, Que velho malandro! Ele tava cobrando a mais pelos ternos, mas quem nunca passou a perna em alguém? Não tenho moral para julgá-lo e além do mais ele é gente boa.

Incrível foi chegar no Palácio de Sal, cansado e cheio de compras, e ter aquela magnífica recepção. Aposto cem mil berries que essa festança com o meu nome não tem nada a ver com a briga de mais cedo… Isso tem cara de ser arte do lobo...

Quando vieram me carregar, apenas me afastei com o meu cambalear característico, não gosto de ser carregado por estranhos (Meus bolsos ficam perto das mãos deles), apenas brindei com eles (usando a minha garrafa que comprei mais cedo).
Um gole para cada brinde.

-Um brinde à mim então, meus amigos!

Por falar em garrafa, não recusei a que me deram, e por sinal, jamais recusarei nenhuma bebida, sendo assim peguei a garrafa da mão do ser que trouxe ela até mim e guardei ela em uma de minhas tantas sacolas de compra.

Por um momento eu até esqueci que estava puto com Blade por conta do mal entendido do hotel. Enquanto seguia aquelas pessoas em festa, os ânimos eram tão excitantes, todas aquelas pessoas gritando o meu nome era mil vezes melhor do que uma orquestra para os meus ouvidos. Se alguem estivesse incomodado, que se foda. Afinal “Esse é o meu momento de ser exaltado!”

Foi com esse pensamento em mente que comecei a cantar bem alto, guiando o côro de bebuns interesseiros:

-SUBAÉ SAN! SUBAÉ SAN! NA I NI ERU KOTO FUTTA ARE NO UTTA!!
NA I NI ERU KOTO...
FUTTA ARE...
FUTTA ARE...
FUTTA ARE NO UTTA!!

(* translate japonês= O quê está acontecendo?*)

Ao final da cantoria (pelo menos eu cantei, se os outros acompanharam, eu já não sei) um homem se aproximou de mim, e a julgar pelo furor que as pessoas emanavam ao gritar por seu nome, logo percebi que ele era alguém importante. Constatação que se confirmou assim que o mesmo proferiu seu brinde.
“Dono do palácio é? ZEBEBEBE” pensei “mas que história é essa de lorde Subaé”. Foi quando  avistei Blade e aí a raiva que eu tava voltou.

- Te chutei por conta do bolo que tu me deu! - Diria.

Ao ouvir a resposta do canino eu retrucaria aos sussurros  - Como é que você confundiu os hotéis? Tá achando que to cheio de grana é? O jeito agora é enrolar esses aí até a gente dar o fora depois do leilão… Me leva pro quarto.

Antes de subir, falei para meu companheiro - Espera um segundo - Caminhei até o homem adornado, tentando parecer o menos bêbado possível. Chegando em sua presença, ergueria a garrafa para o mesmo - Um brinde, meu novo amigo! Depois de viajar de tão longe, é um prazer enfim conhecê-lo, Grande Zayn! - Bateria levemente a garrafa em seu copo (caso ele tenha um) - Infelizmente estou cheio de compras aqui, já que o meu serviçal acabou se perdendo de mim mais cedo. Vou no quarto deixar as compras e me arrumar, logo estarei de volta para que possamos conversar melhor, de lorde para lorde - Me afastaria de Zayn prestando-lhe uma curta reverência.

Ao ficar de costas para o lorde eu faria uma careta demonstrando minha aversão ao nobre, Depois chamaria Blade para que me guiasse até o quarto alugado.

Caso encontre os seguranças de Zayn esperando a porta ser atendida, eu tomaria a iniciativa do diálogo - Boa noite pra vocês! Não lembro de pedir serviço de quarto - Se eles me pedirem para descer ao salão ou cobrarem as despesas eu responderia - Oh, parece que meu criado é um tanto desajeitado ao realizar seus afazeres, se ele continuar  fazendo um trabalho mal feito desses talvez eu contrate um de vocês, o que acham? Eu costumo pagar os funcionários muito bem.

-Agora se me derem licença, eu preciso deixar essas compras no aposento e me arrumar, afinal, Zayn está me esperando lá em baixo - acenaria com as duas mãos para que os guardas se afastem, igual se enxota um cão molhado - Sai, Sai… tenho mais o que fazer!

Se  ao chegar no corredor eu encontre Deep em batalha - Segura isso aqui - diria para Blade ao entregar todas as sacolas de compras.
Com as mãos livres, avançaria com um salto contra os oponentes do baiacu gourmet, ainda no ar começaria a chutá-los desferindo uma série de chutes no rosto do mais próximo de mim.

Caso eu seja atacado, me jogaria no chão sem muito cuidado para desviar do golpe (imagine uma jaca madura caindo do pé, é bem por aí), quando caído no chão, rodaria as pernas ao redor de meu corpo realizando uma rasteira nos inimigos próximos.

Caso alguém tente me imobilizar, morderia a parte de seu corpo mais próxima de minha boca.

Se houver a possibilidade, daria uma forte na cabeçada na testa do inimigo que baixou a guarda.Com o embate finalizado, chamaria Blade e Deep para conversar no quarto.

No quarto, retomaria a minha discussão com Blade:

-Meus companheiros, vocês se lembram do golpe que fizemos em Centáurea, dez anos atrás? Vamos refazê-lo, que tal? - Provavelmente o lobo encontraria desculpas para não realizar o golpe, ele sempre foi de evitar conflitos grandes. Ao ouvir sua resposta, diria - Não se preocupe! Eles podem ser fortes, mas nós temos o Deep.

Dito isso, entregaria os respectivos ternos para cada um -Se quiserem descer, vistam esses ternos! - Deep mostraria aversão ao fato de vestir tal roupa - Se não quer vestir hoje, não vista. Mas amanhã no leilão vai ser essencial viu! - Foi quando percebi que Deep ainda não tinha informações sobre o serviço - Lembrem-se, amanhã às oito da manhã vamos fazer um servicinho no leilão. A gente vai proteger uma patricinha - Nessa hora olhei para o peixão - E a gente tem permissão para bater.

Ao final de minha explicação joguei a garrafa que ganhei agora a pouco para Deep.
- Tô, pra você tomar uma!

Iria ao banheiro e vestiria o meu terno novo (pegaria tudo que estava no bolso da roupa anterior, e guardaria no bolso do terno) , daria o nó na gravata preta, trançaria a barba e se houvesse alguma amostra de perfume na pia eu usaria o frasco inteiro em mim. Caso eu tenha conseguido roubar um dos tecidos do alfaiate, enrolaria os meus draeds ao redor dos chifres e cobriria o cabelo com o tecido, preparando um belo turbante. Se eu não rou bei o tecido, os dreads vão soltos como de costume.
Vestido de terno e muito pomposo, mas ainda assim com o meu chapéu de couro, olhei para o espelho e por um segundo quase não me reconheci.

-Uh lalá! - Exclamei! Me virei para meus companheiros e fiz outra reverência - Saúdem, Subaé D. Alí Ababua!!

Aguardaria Blade se arrumar, e enquanto esperasse, deitaria na cama (ao lado de Deep) e tentaria beliscar a comida que Deep estava a comer. Assim que o Lobo se aprontasse eu me levantaria e abraçaria-o - Tá bonitão ein! Agora vamos descer. Faz um discurso igual daquela vez.

Se em algum momento Deep ou Blade me entreguem algo, eu guardaria em meu bolso.
-Preciso comprar uma pochete igual a sua peixão.

Ao descer a escada para o Salão, caminharia com toda a pompa de uma princesa, e, ao ouvir o discurso de Blade acenaria para todos enquanto caminhasse na direção de Zayn.
Ergueria a mão para que o mesmo beijasse, se assim o desejasse - Como prometido, estou aqui de volta.

-Alguns de seus homens foram desrespeitosos comigo e meu gruarda costas deu uma surra neles - Diria, caso tenhamos brigado no corredor - Espero que isso não interfira em nossos negócios,afinal, ele só estava fazendo o trabalho dele… Ouvimos muitos rumores sobre Petra Yuni ser um tanto perigosa.

Não daria oportunidade para Zayn comentar sobre as minhas dívidas, por isso logo puxei desviei o rumo da conversa -Este é um belo estabelecimento! Você mandou construir ou herdou? Sabe, precisamos de arquitetos bons assim lá em… alí.. Ababua!- Isso lá é nome de reino? - Em ali Ababua!

-Voltando ao que importa, é um belo palácio. - Diminuiria o tom de voz, mantendo a conversa apenas entre eu, Zayn e Blade - Imagino que deva estar tão empolgado quanto eu para o leilão de amanhã, por que eu não me aguento de ansiedade! ZEBEBEBE!! Sabe, eu vim  de muito longe, especialmente para comprar “aquilo” que vai ser vendido amanhã - Digo “aquilo” pois pode vir a ser qualquer coisa. Minha idéia é que ele associasse “aquilo” a qualquer item que será vendido. Se ele ainda assim não morder a isca, eu diria - Você sabe muito bem o que é, todos que vieram querem, não se faça de bobo!

-Estou disposto a pagar o triplo do valor que você me dizer! é só falar! Mas não quero correr o risco que vendam aquilo para outra pessoa! - Dito isso lhe dei um beijo na testa - Vai pensando aí enquanto vou pegar uma bebida pra mim, estou com a garganta seca - E sairia de perto dele para evitar continuar a conversa.

Iria até Blade e entregaria o chapeuzinho de Peri para ele - O velho não apareceu ainda… isso tá estranho. Vê se você consegue rastrear o baixinho...



Histórico:
Páginas: 3
Posts: 14

Ganhos:
-Uma dose de remédio canábico(Post 3)
-Frasco com 3 comprimidos de remédio canábico (Post 5)
- Garrafa de cachaça com 07 usos (Post 9)
- Terno x2 - Camisa de manga longa x2 - Calça x2 - Sapato social x2 - Todos na categoria simples (POST 12)
- 80.000 B$ (Oitenta Mil) (POST 13)

Perdas:
-200.000 B$ (Post 7)
-75.000 B$  (post 9)
-680.000 B$ ( POST 12)
400.000 B$  (POST 13)

Dinheiro Atual: 3645000 B$




Proficiências:
- Acrobacia
-Ameaça
-Atletismo
-Briga
-Lábia

Qualidades:
-Carismático
-Prodígio
-Talentoso
-Destemido
-Electro
-Idioma silvestre
-Chifres curvos
-Cabeça dura

Defeitos:
-Doença degenerativa
-Sadista
-Cabeça quente
-Dependente (15 posts)
-Extravagante
-Apegado (ao chapéu)
-Feio
-Preconceito
-Atípico
-Sensível ao calor
-Forma sulong.
-Roubar remédios da farmácia
-Encontrar o bonde
-saciar vício
-Aprender proficiências Geografia e Astronomia
-Prender o anão perneta dentro de uma garrafa. (NPC companheiro)
-começar a desenvolver liderança
240/240100/1004/1010/15


Última edição por Subaé em Sex Jul 02, 2021 1:58 pm, editado 2 vez(es)

_________________

Cabras da Peste, vol 1- Amanhecer do Sul - Página 7 Sign_b10

"Deus me fez um cara fraco, desdentado e feio
Pele e osso simplesmente, quase sem recheio
Mas se alguém me desafia e bota a mãe no meio
Eu dou porrada à 3x4 e nem me despenteio
Porque eu já tô de saco cheio."




Meus cabritinhos
Jupges
Ver perfil do usuário
Imagem : Cabras da Peste, vol 1- Amanhecer do Sul - Página 7 Dz4yuJf
Créditos : 00
Blade
Lobão
Blade estava tranquilo, até que reconheceu aquele homem dito como sendo dono do Palácio, quando isso aconteceu mesmo bêbado na sua mente o lobo começou a rezar, ''Sim, sim eu sei que eu estou em dívidas, mas por favor me deixe só mais esse dia vivo, eu tenho tanta coisa pra resolver'', o medo do lobo se devia por saber que ele, o tal do Zayn era o comerciante mais poderoso da região, se os homens do farmacêutico deram trabalho imagine os dele.

Quando o lobo tomou o chute sussurrou, -Ok talvez tenhamos saído um pouco do limite Subaé, mas eu não posso negar q eu estava com saudade dessas aventuras

Quando o lobo ouviu o pedido de seu capitão, ele rapidamente reagia, -SENHORES, SENHORES POR FAVOR, EU VOU LEVAR O MEU LORDE AOS SEUS APOSENTOS PARA QUE ELE POSSA DESCANSAR E SE VESTIR, MAS ELE JÁ VOLTA, PEÇO A PACIÊNCIA DE VOCÊS, se curvava e entregava a mão a Subaé para que ele pudesse acompanha-lo.

Esperaria pelo seu capitão, e guiaria ele até o quarto 13, esperando não encontrar nenhuma surpresa nos corredores mas já se preparando para o pior, caso encontrasse os homens parados na porta, Blade rapidamente conversaria antes mesmo do Subaé, -Olá meus cavalheiros, por favor não nos incomodem, Subaé já chegou e ele não gosta de ser importunado em seus aposentos, peço que se retirem

Agora se Blade visse Deep batendo nos homens, ele diria chorando de leve e com a mão na boca, -OH PAI, por que me abandonastes?, quando Subaé fosse ajudar, pegaria as compras e Blade se ajoelharia boquiaberto, como podem ser tão idiotas esses dois? Era a única coisa que conseguia pensar, em meio a uma confusão mental, desesperado Blade esperaria o combate acabar e entraria no quarto.

Ao entrar no quarto responderia ao Subaé, -Olha poderíamos aplicar ele de novo se não tivesse um agravante, diferente daqueles otários de Centaurea, o dono do lugar não é besta não, o pai dele acabou de morrer sabe-se lá como e o cara assumiu o império, pelo menos é o que dizem mais do que isso eu n sei, ainda assim estamos lidando com o comerciante mais poderoso de Petra.

Quando ouvisse sobre Deep Blade diria, -Isso é o que me preocupa, Blade encara Deep comendo, -Ele n é lá tão confiável quando se diz sobre aplicar golpes. Se Deep respondesse Blade incrédulo e gaguejando diria, -V-v-v-v-viu só?

Blade pegaria o terno e esperaria Subaé sair do banheiro, e quando ele saísse seria realmente irreconhecível, o que se arrumar por 5 minutos não fazem em um homem, Blade então faria uma reverência, daria uma risada e entraria no banheiro, jogaria água na cara pra tentar ficar sóbrio, e depois Blade colocaria sua cauda pra dentro da calça do terno enrolada pra não fazer nenhum volume, colocaria sua gravata borboleta, e pentearia seus pelos restantes para trás, guardaria suas roupas e cachecol na sacola de Subaé e deixaria no quarto, pegaria a Lua, esperando que ela já estivesse bem e tiraria suas ataduras.

Então Blade iria se agachar e diria para a cadela, -Aja como se fosse aqueles cães imponentes dos jornais, mas não ao meu lado, e sim ao lado de Subaé, ele vai atuar como príncipe, e um doberman é um cão imponente o suficiente para ser pet do lorde., Blade então afagaria a cabeça da cadela, e diria -Estou pronto vamos!  

Blade daria uns tapinhas na própria cara e diria, -É hora do discurso, ao descer as escadas, desceria sempre um passo atrás de seu lorde e quando pudessem ver todo o seu esplendor, Blade começaria o discurso, -Senhoras e senhores, sei que já me conhecem, mas não conhecem em seu todo o grande esplendor do lorde Subaé D. alí Ababua, que veio até essas terras a passeio como um dos meus grandes amigos, e como meu senhor, peço que festejem e celebrem em seu nome, pois o que ele me pediu foi para fazer uma festa digna do mesmo, mas antes devo perdoar nossos modos com o dono deste local, saímos e fomos nos vestir sem dar a devida atenção ao nosso anfitrião, então quero pedir aplausos, não só ao meu lorde mas também ao grande senhor Zayn!!

Blade aplaudiria junto, sempre com um sorriso no rosto, quando Blade ouvisse Subaé falando do leilão se aproximaria e sussurraria alto o suficiente para Zayn escutar, rindo meio de nervoso, -Meu lorde, receio que o leilão não seja de conhecimento público, e receio ainda mais que assim como o senhor, o lorde Zayn não tenha envolvimento com a administração do leilão, olha eu disse para o Rafael te passar as informações direito, mas acho que nem isso ele soube fazer

Blade acenaria para Zayn, faria uma reverência e beijaria sua mão sussurrando apenas para ele, -Ora por favor lorde Zayn, perdoe o meu lorde não é culpa dele, é culpa de um dos seus funcionários, que não soube passar para ele as informações corretas do leilão, por favor não queremos problemas com os Vrunc de modo algum, vou alerta-lo sobre isso no futuro

Receberia o gorro do anão, guardaria e falaria para Subaé, -Você não ouviu o Chadd falando? Não comente publicamente sobre o leilão, Blade pegaria um drink e iria até Zayn agora, -Olá, peço perdão se estiver atrapalhando alguma conversa, eu sou o conselheiro do lorde Subaé, apenas queria esclarecer algumas coisas em relação ao pagamento, bom conosco não temos muito dinheiro, mas nossa comitiva está vindo, como perdemos a conexão com eles devido alguns problemas, não sabemos quando eles chegam, mas o senhor pode ficar tranquilo, porque pretendemos passar férias em Petra, então não sairemos daqui até pagar a dívida.

Caso tenha acontecido uma luta no corredor, Blade diria, -E sobre os seus homens derrubados pelo nosso guarda-costas, nos desculpe ele é um mercenário que achamos enquanto vinhamos, afinal estávamos sem proteção, sobre os seus homens quero esclarecer de que não conhecemos o tal mercenário, então por favor não nos responsabilize por suas ações

Blade tentava jogar seu carisma para Zayn, rezando para que tudo desse certo afinal sua vida era o que estava em jogo, tomara que o lorde caísse no papo furado do lobo.






objetivos:

-reunir-se com a trip
-ensinar meu dog um comando de cão de guarda
-e aprender uma perícia se possível (Acrobacia)

Atributos, qualidades e perícias:
Hp:2800
Sta:100

Força: Esquece
Destreza:420
Agilidade:160
Acerto:280
Reflexo:40
Constituição:20

perícias:
• Adestramento: Você é capaz de ensinar um animal domado a executar diversas tarefas, como, por exemplo, servir de montaria, servir de animal de carga, atacar, caçar e executar diversas outras funções.
• Doma: Você é capaz de domesticar ou tornar mansa uma criatura selvagem, fazendo com que ela deixe de ser hostil contra você ou seu grupo momentaneamente.
• Ilusionismo: Você é capaz de realizar truques e enganar uma plateia. Podem ser coisas simples, como fazer uma moeda surgir ‘‘do nada’’ em sua mão até truques complexos com fumaça e espelhos.
• Discurso: Você domina a arte das palavras, sendo capaz de expressar suas ideias, vontades, sentimentos e objetivos com precisão. Com sua dicção e articulação é capaz de se comunicar com exatidão com pessoas e grupos, podendo cativá-los dependendo da mensagem que deseja passar.
• Veterinária: Você consegue tratar de ferimentos animais, desde que tenha em mãos os materiais necessários, independentemente da complexidade dos ferimentos.

Os artistas dominam a arte do canto, dança, artesanato ou outras áreas. Artistas são mestres do entretenimento, sendo capazes de se expressar nas mais diversas formas e cativar aqueles que o cercam
Vantagens e coisas ruins:

Qualidades :

Carismático (2 Pontos):
Você tem uma espécie de magnetismo natural que faz com que algumas pessoas gostem de você sem motivo aparente.
Visão na Penumbra (1 Ponto):
Você é capaz de enxergar com clareza em ambientes com pouca iluminação. Desde que não seja uma escuridão completa, você consegue distinguir coisas e pessoas com relativa precisão. Mecanicamente, esta qualidade reduz a condição Cego em uma categoria quando a causa do efeito em questão for relacionado a falta ou obstrução de luz.
Visão Aguçada (1 Ponto):
Você tem capacidades visuais sobre-humanas, sendo capaz de enxergar com clareza e precisão mesmo em grandes distâncias, além disso, costuma ver detalhes não notados pelos outros. (Metade do custo para Minks)
Olfato Aguçado (1 Ponto):
Você tem capacidades olfativas que são capazes de rivalizar com um cão farejador, sendo capaz de distinguir aromas e cheiros com clareza e precisão mesmo em médias distâncias. (Metade do custo para Minks e cegos)
Renome(1 Ponto):
Você é conhecido localmente de forma positiva, seja por um feito ou sua origem, não importa se você é filho de um herói lendário ou ajudou a capturar uma gangue de criminosos locais. As pessoas tendem a confiar facilmente em você, além de lhe tratarem bem e respeitarem enquanto seu comportamento for coerente.
Blade é bem conhecido pelos lugares aonde passa, pelos seus truques e pela sua fama de gente boa.
Impassível (1 Ponto):
Você é uma pessoa calma que não tem o seu humor alterado por ameaças, provocações ou acontecimentos drásticos, sua razão sempre consegue dominar a sua emoção e você sempre é capaz de tomar as suas decisões com clareza. Isso não significa que você não possa sentir raiva ou outros sentimentos extremos, apenas consegue ter um controle maestral sobre os mesmos.
Qualidades de Raça:
Garras e presas: Minks caninos possuem presas e garras afiadas que podem ser utilizadas como armas naturais.

Alpha (Machos): Você naturalmente se destaca como um líder dentro do seu círculo de amigos. Não quer dizer que você seja um líder nato, mas aqueles que confiam em você sentem quase que uma aura de liderança vinda de você. Infelizmente, devido a sua natureza, quando outro Mink Canino (especialmente de outra “raça”) entra no seu círculo de amigos vocês têm a tendência a ter uma pequena rivalidade saudável nos primeiros momentos.

Electro: Minks tem a capacidade de produzir choques elétricos a partir de seu corpo, de forma não contínua e por meio de liberação única. Os Minks não são capazes de manipular essa eletricidade, apenas gerá-la e transferi-la para outro corpo através de contato direto. O Electro pode ser utilizado uma vez por página e não gera nenhum bônus de atributo, apenas narrativo.

Idioma Silvestre: Você é capaz de se comunicar com criaturas mamíferas similares a sua subespécie através de certo esforço. É importante frisar que essa qualidade garante apenas a capacidade de comunicar-se com as criaturas, não controlá-las.

Defeitos:

Extravagante (1 Ponto):
Você chama atenção por onde quer que passe, seja pela sua aparência ou seus hábitos, você causa uma impressão difícil de esquecer.
Apegado (2 Pontos):
Você ama algo ou alguém, não medindo esforços para proteger e recuperar o alvo de seu apego emocional. Perder algo que ama é uma experiência traumática que pode deixar sequelas.
Blade ama seus companheiros e amigos de verdade, sejam eles membros da sua tripulação ou um pet
Intolerância Racial (2 Pontos):

Blade tem ódio e repulsa contra minks felinos, também desgosta dos animais que lembram ele dos mesmos, um preconceito antigo de Blade
Leal(2 Pontos):
Existe algo ou alguém, uma pessoa ou organização, que você coloca acima de si mesmo, não se importando com o fato de ignorar seus valores ou se sacrificar para proteger essa relação.

Blade é leal ao seu bando e ao seu capitão
Defeitos de Raça:
Preconceito: Você tem uma aparência incomum quando comparado aos humanos e alguns podem lhe achar repugnante, assustador ou até mesmo uma aberração. Alguns humanos podem lhe destratar e serem hostis simplesmente pelo fato de você ser diferente deles, entretanto, é importante notar que nem todos pensam e agem desse jeito.

Atípico: Devido ao fato dos Minks não serem tão comuns e não se tratar de uma raça tão populosa, eles têm um alto preço no mercado de escravos, o que sempre pode vir a ser um problema.

Sensíveis ao calor: Devido a sua pelagem, os Minks são mais suscetíveis a sofrer efeitos adversos relacionados ao calor e altas temperaturas.

Forma Sulong: Como parte da tribo Mink seu corpo tem uma interação muito única com a lua que nenhuma outra raça tem, uma vez que você tenha contato visual com a lua, desperta-se em eu interior os instintos mais primitivos, selvagens e violentos fazendo com que você perca a sua razão agindo como uma besta furiosa que ataca tudo e todos ao seu redor com uma fúria sanguinária, suas características físicas selvagens mostram-se mais aparentes e justifica-se o medo e o preconceito que existem contra os minks, pois aqueles incapazes de dominar a besta anterior, dificilmente serão vistos como algo além disso.

Durante a transformação passada ao se ter o contato visual direto com a lua, você sentirá uma espécie de sede de sangue imensa, atacando a todos ao seu redor que não sejam Minks, sendo assim todas as noites você terá de ser cauteloso pois a sua razão pela noite estará sempre em cheque. Mecanicamente a fúria dura três turnos e após o término, do quarto turno até o momento em que você possa tratar da condição, você estará sobre o efeito de Exausto I.


Histórico:
Nome: Blade
Posts: 14
Ganhos:
Perdas:
Players conhecidos: Deep, Subaé, Regia, Mikazuki
NPC's: Chadd
Extras:
[/color]

_________________

Cabras da Peste, vol 1- Amanhecer do Sul - Página 7 Trono1
Formiga
Ver perfil do usuário
Imagem : Cabras da Peste, vol 1- Amanhecer do Sul - Página 7 CsHkSDy
Créditos : 19
FormigaEstagiário
https://www.allbluerpg.com/t766-takeshi-isamune https://www.allbluerpg.com/t768-capitulo-i-o-espetacular-takeshi-isamune




Cabras da Peste

Vol 01 - Amanhecer do Sul


Dia 01 || Arosa - Petra Yuni || Clima: Quente ||
N° de Postagens do Narrador: 14


Todos - Horário: 21:36

Em algumas ocasiões uma tempestade de proporções desastrosas chega de maneira repentina, como é o caso do aparecimento de Zayn, o dono do estabelecimento onde toda aquela balbúrdia estava acontecendo. Aliás, dentre todas as maneiras possíveis de sair daquela situação que acabaram entrando unicamente pela desatenção de um homem, digo, de um lobo, eles optaram por fingir ser quem não são. O salão estava ainda mais cheio após a chegada de dois grupos distintos com cerca de 6 pessoas cada, os mesmos haviam entrado na festa como se fossem gasolina em um incêndio, tudo estava uma loucura. As mesas que antes pareciam ter sido cuidadosamente organizada e espaçada, tendo o distanciamento social necessário para evitar qualquer vírus que um dos clientes podiam estar carregando sem sequer imaginar, agora estavam amontoadas nos cantos do salão, as cadeiras algumas estavam em cima das mesas, outras embaixo, uma em cima da outra e algumas sendo utilizadas por aqueles que já não tinham o mesmo vigor da juventude, que dançava e cantarolava exacerbadamente.

A dupla resolvia ir até o quarto alugado por Blade, mas, sem antes trataram de se despedir dos seus fãs e também do dono do lugar – Leve o tempo que precisar, Grande Lorde... – No meio de toda aquela bagunça, parecia que a voz do homem de alguma forma era ouvida de maneira limpa aos ouvidos do Bode, seus olhos também davam a sensação ao mesmo que sua própria alma estava sendo vista pelo homem, tudo aquilo formava uma aura estranha em sua volta. Os minks sentiam uma certa dificuldade em passar pela festa e enquanto caminhavam podiam sentir como se alguns olhos estivessem voltados unicamente para a dupla, mas, caso olhassem, nada perceptível era visto nas várias faces em volta. Subiam um vão de escadas e ao entrarem no corredor viam a porta do quarto Treze de fechando, antes mesmo que a dupla pudesse bater novamente na porta a voz do caprino cortava todo o corredor, chamando a atenção dos mesmos – Boa noite senhores, desculpe pelo incômodo. Creio que seja o responsável pelo quarto, meu mestre mandou-nos aqui para que acompanhássemos o hóspede até o salão. – Sua voz transmitia uma tranquilidade sem igual – Entendo. Pelo que posso ver já encontrou meu mestre, iremos deixá-los realizar seus afazeres. Com licença. – Sem responder a pequena brincadeira relacionada a contratá-los, os mesmos passaram pela dupla tomando os devidos cuidados para não tocar uns nos outros, descendo as escadas em seguida.

No quarto a dupla animalesca se encontrava com o baiacu após algumas horas distantes uns dos outros, mas, nada de muito carinhoso acontecia em meio a conversa entre os três seres. Falavam algumas coisas do passado, algo relacionado a Centaurea, mas não vem ao caso, já que saberíamos de tudo quando eles repetissem o tal golpe. Blade parecia saber muito sobre a vida de Zayn, aquilo era meio estranho, porém, quiçá ele fosse um fofoqueiro de carteirinha que perambulava pelas ruas de Petra atrás de informações, tem um Leo Dias em todo lugar. Após alguns conflitos que duravam meros minutos, o trio se vestia com os itens adquiridos pelo capitão no Alfaiate, cada um com sua particularidade, isso incluía Subaé achando no armário uma pequena amostra de um perfume feminino, que era utilizado totalmente por ele. Já, os ternos ficavam… bons, exceto por alguns detalhes: Na calça do Blade ele sentia um certo incômodo em seus testículos, notava que de tempos em tempos seria necessário puxar um pouco aquela região da calça para baixo, assim, aliviando um pouco a pressão que a “criança” sofria; A sensação de Deep era como se ele estivesse sido enlatado, Subaé não era o rei das proporções e com isso a parte superior do terno estava um tanto quanto apertada, dependendo do quão forte fosse seu movimento, aquilo podia rasgar de uma hora para outra e todo dinheiro gasto pelo Mink iria por água abaixo; por sorte parecia que as vestes do capitão eram as mais próximas ao que de fato lhe servia, talvez pela sua estatura ser um tanto quanto mais comum, se comparado a dupla anterior, diferentes dos outros para Subaé seria necessário segurar as calças para que elas de fato, não caíssem, um nó, “pinça” ou sabe lá o que ele teria que fazer para aquilo não ir abaixo, obviamente a calça tinha espaço para que fosse colocado um cinto.

Não demorou muito para que todos estivessem prontos para o “show”, alguns simplórios preparativos foram realizados, como foi o caso de Blade e Lua, era necessário um tempo a mais de descanso para ela, porém, estava melhor do que antes e podia andar com uma certa tranquilidade. Tão rápido quanto chegaram no quarto, eles desciam. Blade tomava a dianteira, pelo jeito sua função era ser o porta-voz do Lorde Subaé, que, aliás, estava sendo escoltado por Lua e Deep, sendo esse último localizado um pouco atrás do caprino. O salão estava uma repleta LOUCURA, o que tinha de diferente na bebida desse povo? Gritos, canções e até mesmo uma briga ocorria em pleno Palácio de Sal, mas era interrompida por alguns funcionários. Zayn estava inerte a toda aquela situação e com isso era um dos poucos que escutaram o discurso do lobo, o mesmo mostrou uma habilidade com as palavras, porém, para o seu azar dada a bagunça, as pessoas não pararam para-o escutar – Seja bem-vindo novamente. – O homem falou de maneira fria, sua feição não demonstrava, contudo, sua voz parecia carregar uma certa irritação. O anfitrião do lugar escutava as palavras de Subaé e Blade, no momento em que ouviu o nome do “lugar” comandado pelo caprino, não resistiu a deixou uma pequena gargalhada escapar – Shurororororororo. – A risada característica e exótica do homem se espalhava pelo local, mesmo que em grande parte fosse abafada pelo só do ambiente – Gladios, por favor. – Bradou momentos após a fala de Subaé com relação ao leilão. Um homem que assim como  o trio, estava de terno dava dois passos à frente da sua localização, que era cerca de três metros na diagonal de Zayn, seus olhos puxados e cabelos longos traziam uma beleza encantadora e, ao mesmo tempo, simples – SILÊNCIO! – Sua voz ecoou pelo ambiente de uma maneira assustadora, Lua até mesmo encolheu por alguns segundos como se seus ou idos estivessem doendo após escutar tamanha potencial vocal. De repente no salão que estava a maior bagunça, a única coisa encontrada era o silêncio e os olhos arregalados de alguns clientes – O Palácio estará fechando suas portas mais cedo, quem estiver hospedado aqui, por favor se dirijam até seus respectivos quartos. Qualquer gasto realizado, será pago pelo Lorde Subaé. – Sua voz viajava pelo salão de maneira simples, nenhum dos clientes pareciam conseguir responder algo que não fosse um simples “sim” a tal homem – Agora sim podemos conversar. – Falou Zayn.

Em questão de segundos um amontoado de funcionários surgiam como formigas, realizando a limpeza do lugar de maneira eficiente, enquanto outros trataram rapidamente de trazer uma grande mesa redonda e mais quatro cadeiras, sendo uma delas ocupada por Youssef. O próprio escutava as palavras de Blade com relação ao seu “chefe” – Vejo que tem funcionários qualificados, Lorde Subaé. – Disse ajeitando-se na cadeira – Petra é realmente perigosa para aqueles que mexem com quem não deve, porém, com um guarda costa desse tamanho, presumo que não terá problema no tempo que passar aqui. – Falou erguendo sua mão e chamando um dos seus funcionários, era aquele jovem que realizou o atendimento do canino algum tempo atrás – Um salmão ao ponto, uma salada com rúcula, alface, tomate, pimentão, e cebola. – Realizou o pedido e em seguida deu um pequeno sorriso – Espere! – Falou ordenando que o funcionário que segundos antes partiu em disparada até a cozinha, parasse no meio do caminho – Sem cebola. – Concluiu. Ao lado do homem duas pessoas estavam em pé, na verdade, cerca de um passo atrás da sua cadeira: O primeiro era o responsável por pedir educadamente silêncio anteriormente, o outro era poucos centímetros menor que o seu companheiro, tendo cabelo castanho-claro e uma estrutura fica esguia, mas, uma aura feroz era emanava a partir dos seus olhos.

A dupla que foi até o quarto do trio estava alguns metros atrás de Zayn, próximos ao balcão. Quatro homens estavam na porta do Palácio de Sal e pareciam indicar que o mesmo por hoje estaria fechado, mas, três homens e duas mulheres entravam no lugar e se dirigiram até as escadas, aparentavam ser hóspedes – Lorde Subaé, se queria uma bebida era só erguer sua mão. Pelo visto em Abadua, as coisas são diferentes. – Falou observando a limpeza que ocorria por toda área do salão – Respondendo sua pergunta eu herdei esse estabelecimento da minha família, infelizmente meu pai não resistiu ao tempo e o destino o levou. – Disse mantendo a tranquilidade em suas palavras – É realmente um lugar maravilhoso. – Continuou. Afagou sua cabeça como se estivesse “encucado” com alguma coisa – Como é mesmo seu nome? – Disse direcionando seu olhar a Blade – Espere, não me diga. Lembro de ouvi-lo de um dos meus funcionários... Blado? Não...Blade! É isso. – Parecia de certa forma animado, mas, não tinha como saber se aquilo era real ou simplesmente uma puta aula de encenação – Não precisa esconder sobre o leilão de amanhã, a família Vrunc parece estar se desfazendo de parte do seu território, se bem que isso me soa estranho desde o começo das especulações sobre, mas, talvez estejam simplesmente precisando de dinheiro. – Um sorriso malicioso se formava em seu rosto – Falando no diabo, entendo você com relação ao pagamento da fortuna que gastou aqui, se bem que pelas palavras do Lorde Subaé, não creio que tenha sido um gasto significativo para ele. Mas, falamos disso outra hora. – Palavras carregadas por uma acidez incomum eram disparadas pelo homem – E você Vergulio, não irá se sentar na mesa comigo? – Riu ao terminar tal frase.

Um homem que estava sentado próximo à saída, mas, diferente do local que pelo período da tarde a dupla de minks conversou com Chadd e Alin, esse homem estava próximo ao balcão – Não vou perder meu tempo com um merdinha como você. – Disse levantando e caminhando vagarosamente até a saída do palácio – Mas estava aí, ouvindo nossa conversa até agora. – Replicou Zayn mostrando-se visivelmente alterado, uma veia rapidamente saltava em sua testa – Vá em segurança para casa, senhor Ahi. - Finalizou olhando na direção do homem que saia do recinto – Desculpem-me por esse momento, todo homem tem seus problemas, não é? – Disse. O pedido do homem chegava em seguida do término das suas palavras – Me diga Lorde, o que é “aquilo” que tanto deseja adquirir no leilão? – Cortou um pedaço do salmão e levou a sua boca, seus olhos reviraram com o delicioso sabor do alimento ingerido – Por acaso está buscando o mesmo que a senhorita Alin? Se for, adianto-lhe o mesmo que lhe falei, desista. A família Ahi detém praticamente todo o direito pela extração, produção e exportação do Sal de Petra, isso sem falar dos seus outros negócios, o homem é dono de quase toda a ilha. - Cortou, mastigou e engoliu novamente outra parcela do salmão – Se tem receio com os Vrunc, deve ter o triplo com eles. – Concluiu.

A situação se mantinha de maneira tranquila até então. Zayn estava comendo cercado por dois guarda-costas, mais dois deles estavam alguns metros atrás, quatro na porta principal, alguns funcionários passavam de um lado para o outro enquanto organizavam todo o salão.


Leiam aqui.
Amigos, primeiramente, boa noite. Como na parte do Deep antes para deixar mais abertas as opções e também um pouco mais visível, quero fazer algumas ressalvas:

Tanto Blade quanto o Subaé podem assumir que estão na mesa ou no bar. Na verdade, se quiserem andar pelo salão também sintam-se livres para isso, não é um problema, só deixem claro o caminho que farão para que possamos organizar da melhor maneira possível toda a narrativa. Se quiserem comer ou beber algo podem assumir também que o pedido de vocês chegou, não precisam esperar que eu confirme o pedido chegando.

Com relação aos ternos na vida real já é necessária uma atenção maior com produções desse tipo, então, para que não saísse tudo em vão coloquei algumas “restrições” no uso, já que o próprio personagem do Subaé não tem uma real habilidade para dizer com certeza como deveriam ser feitas as roupas.

Com relação ao discurso e atuação tudo é válido no RP, porém, sou obrigado a considerar alguns pontos desfavoráveis a você. Mas pela narrativa, criatividade e também pela situação que estão inseridos assumi que seria coerente que os hóspedes tivessem uma reação favorável às suas ações.

Enfim, é isto. Tamo junto. <3



Histórico Geral:
Bella:
Número de POST: 03
Ganhos: -
Perdas: -

Blade:
Número de POST: 14
Ganhos: Adaga Gasta - POST 05
Perdas: -
ComandosMascote Lua: Assobio:  Tendo a duração de três segundos, com duas pausas no meio e se tornando mais estridente no final. Ao ouvir esse som o mascote vai imediatamente na direção do seu dono. - POST 11
Cão de Guarda: Lua foi treinada para atacar "pontos fracos" dos seus oponentes. - POST 11

Deep:
Número de POST: 14
GanhosChicote Gasto - POST 05
Proficiência: Confeitaria - POST 12
4x Alga-Marron 04/04 - POST 11
7x Ostras 07/07 - POST 11
01 Pérola obtida da Ostra - Valor: ?? - POST 12
1x Garrafa de Bebida dada por Subaé 10/10 - POST 14

Perdas -

Mikazuki:
Número de POST: 05
Ganhos: -
Perdas: -

Regia:
Número de POST: 04
Ganhos:
Arma - POST 04 do Narrador:

[/color]
Cabras da Peste, vol 1- Amanhecer do Sul - Página 7 3FgOgPo

Arma: Cimitarra
Descrição: Uma espada comum, possuindo 80cm de lâmina.
Tipo da Arma: Acuidade
Qualidade: Clássica
Durabilidade: Baixa
Dano: +2 em força por nível

Estado: Nova
Perdas: 250.00 (Duzentos e cinquenta mil) - POST 04 - Espada


Subaé:
Número de POST: 14
Ganhos - Uma dose de remédio canábico(POST 3) - USADO
-Frasco com 03 comprimidos de remédio canábico (POST 5)
- Garrafa de cachaça com 07/10 usos (POST 09)
- Terno x2 - Camisa de manga longa x2 - Calça x2 - Sapato social x2 - Todos na categoria simples (POST 12)
- Terno x1 - Camisa de manga longa x1 - Calça x1 - Sapato Social x1 - Tudo na Categoria de simples (POST 13)
- 80.000 B$ (Oitenta Mil) (POST 13)

Perdas 200. 000 B$ (Duzentos Mil)  - POST 07
75.000 B$ (Setenta e Cinco mil) - POST 09
680.000 B$ (Seiscentos e Oitenta mil) - POST 12
400.000 B$ (Quatrocentos Mil) - POST 13

Dinheiro Atual: 3645000 B$
Dependência: 06/15
Doença Degenerativa: 06/10

Legendas:
NPC's Específicos
Tulin  ~ Aparência
Peri Erê ~ Aparência
Sem nome
Josuk
Boron
Yagger
NPC's
Chadd ~ Aparência
Lua
Nome (??)
Josuk
Eve
Alin ~ Aparência
Max Vrunc ~ Aparência
Zayn Youssef ~ Aparência
Vergulio Ahi ~ Aparência

NPC's Aleatórios
Personagens Simples: Atendentes | Garçons | Pessoas encontradas nas Ruas | Vendedores | Moradores de Petra.

Homens no comando de Zayn Youssef

Aparência de alguns NPC's Aleatórios
Segurança 02 de Zayn Youssef
Segurança 01 de Zayn Youssef - O que pediu Silêncio

Log de combate:

Blade:


Ferimentos:

• Por enquanto tá safe

Subaé:

Ferimentos:

• Corte no posterior da coxa esquerda – 04/04 (Curado)
• Corte diagonal na região das costas – 06/06 (Curado)


Deep:

Ferimentos:

• Por enquanto tá safe

_________________

Cabras da Peste, vol 1- Amanhecer do Sul - Página 7 Fi6WMX7


Certificurso:
Curso Narrador AB, 2021
Cabras da Peste, vol 1- Amanhecer do Sul - Página 7 EBEAdF4X4AYyK13
Deep
Ver perfil do usuário
Imagem : Deep Scaleback
Créditos : 05
DeepNovato
https://www.allbluerpg.com/t341-deep-scaleback#1007 https://www.allbluerpg.com/t348-cabras-da-peste-vol-1-amanhecer-do-sul#1033


O terno parecia ser de qualidade, não atrapalhava muito, mas era apertadíssimo, me sentia uma sardinha em lata ou um salame amarrado. No entanto, se fazia necessário o uso daquilo pro plano dos rapazes, não é do meu agrado e não terei paciência pra usar isso muito tempo, mas dá para seguir um pouco essa ideia, não é como se o tecido fosse deságradavel, apenas não é uma roupa que eu usaria normalmente.

De cara fechada e com visível desagrado na expressão segui os rapazes até o local onde iriam conversar com outro fulano com bolas de prata, que carinha que se acha, dando ordens e comentários a todos, enquanto não me desse nenhuma ordem eu até gostava do jeitão dele, mas uma veia saltava na minha testa só de pensar na possibilidade de ele me tratar como trata outros. Óbvio, o comentário dele sobre eu ser grandão e portanto forte, me agradava, era uma massagem no ego, afinal de contas foram anos para adquirir tamanha capacidade física, por isso após tal comentário meu semblante melhorava e ficava quase com um sorrisinho enquanto eu cutucava a gola sem parar com o indicador direito.

Um homem encarava bolas de prata e o chamava de merdinha, o que me tirava um sorriso, gostei desse cara, esse tem bolas grandes, assim que tem que ser.

Me manteria atrás do Subaé, cutucando minha gola tentando arranjar mais espaço para meu gordo pescoço, se em algum momento percebesse o homem encurralando algum dos rapazes nas falas, de forma mais agressiva, iniciando algum tipo de ameaça ou mesmo beirando isso, diria de forma irônica e sem um pingo de medo no olhar:

-Você não tem homens suficientes para ser tão folgado… Cuidado…


Após alguns minutos de conversa, não importando as falas, desde que não houvesse uma briga, andaria em direção ao balcão e diria:

-Tem um suco ai, to afim de beber algo doce...

Histórico:
Nome: Deep Scaleback
Posts: 15
Ganhos: chicote de ferro, proficiência: confeitaria, 2 usos de alga marrom saborizada no vinho, pérola
Perdas:
Players conhecidos:
NPC's:
Extras:




_________________

Cabras da Peste, vol 1- Amanhecer do Sul - Página 7 WBoszKt
Cabras da Peste, vol 1- Amanhecer do Sul - Página 7 ADN2FDA