Bem-vindo ao

All Blue

É com muito prazer que lhes damos os comprimentos ao nosso RPG. All Blue se trata de um RPG narrativo com o ambiente principal centrado em One Piece, obra de Eiichiro Oda.
Se divirta nessa nova aventura e se torne o novo rei pirata... Se puder!

Últimos assuntos
Kris, a Incrível NinjaHoje à(s) 10:46 pmporFormigaNa busca por sinaisHoje à(s) 9:38 pmporOverLordOs Infernais - Um Tesouro Banhado em SangueHoje à(s) 8:30 pmporTerryCréditosHoje à(s) 8:22 pmporShiori~Voracity~Hoje à(s) 8:20 pmporShioriI know what I want and where I'm goingHoje à(s) 5:34 pmporAnthony DiorQuanto Vale o ShowHoje à(s) 4:40 pmporMendoncaRecomeçosHoje à(s) 3:08 amporFaktorIndicaçõesOntem à(s) 10:06 pmporKenshinCabras da Peste, Vol 5 - A face da desordemOntem à(s) 9:19 pmporFormiga

II - O cão e o dragão

Página 4 de 4 Anterior  1, 2, 3, 4
Achiles
Imagem :
II - O cão e o dragão - Página 4 Bf3w3iH
Créditos :
25
Localização :
Farol - Grand Line
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t1735-caitlyn-g#18385 https://www.allbluerpg.com/t2060-iv-you-ll-never-see-me-cry#22235
Achiles
Pirata
II - O cão e o dragão Sab Jun 25, 2022 8:08 pm
Relembrando a primeira mensagem :



II - O cão e o dragão


[Piratas]Franky Tanky & Aaron Reyes

não possui narrador definido.
Fechada

_________________

II - O cão e o dragão - Página 4 BhECXT7

Reepz
Imagem :
II - O cão e o dragão - Página 4 JcaDlwL
Créditos :
08
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t279-dante-di-tresigallo#816 https://www.allbluerpg.com/t381-i-florescer-improvavel#1247
Reepz
Pirata
Re: II - O cão e o dragão Qui Set 22, 2022 12:01 am


Ato I: não dá para fugir do passado
País de Kano - West Blue
~ Post 17 ~
*Aaron Reyes



O dia ainda estava na metade, mas as surpresas não paravam de chegar. Dessa vez as palavras de Anya bateram mais fortes do que qualquer soco que eu já tenha recebido em uma luta. E de repente me vi novamente em luto. Não conseguia processar as informações direito. Minha cabeça não funcionava. Puxaria uma cadeira para me sentar e, em silêncio, ficaria olhando para o teto, enquanto talvez uma ou outra lágrima pingasse de meu olho. Eu não gosto de mostrar fraqueza, mas eu simplesmente não conseguia evitar. Depois de Franciele e minha família, Franky era quem eu mais me importava, ele era um irmão para mim. Ouvir sobre a sua morte evocava também memórias sobre Franciele. Então ficaria apenas parado, apertando o anel de Franciele contra o peito e remoendo o passado.

- Yuan… - sussuraria - Yuan - falaria novamente, ainda em um tom melancólico, enquanto me levantava para ir até a porta da cozinha - Três bebidas… por favor… - todos estavam tão abatidos quanto eu, mas em minha posição e pelo carinho e respeito por Franky, obriguei-me assumir mais uma vez o papel de liderança do grupo. Tomaria um longo gole da garrafa de bebida que Yuan trouxesse, em seguida, deixaria o resto no balcão e falaria com o grupo, sem me importar se Yuan estivesse ouvindo ou não.

- Vocês conheceram Franky há pouco tempo, então deixem-me contar um pouco da sua história - esboçaria um discreto sorriso, orgulhoso de contar parte da história de meu amigo - Franky nasceu em Sirarossa e sempre foi um encrenqueiro, não podia ver uma briga que ele já partia para cima, mas acima de tudo era uma pessoa justa e, mesmo pequeno e em menor número, Franky uma vez atacou uma gangue inteira sozinho para salvar outro menino como ele… - faria uma pausa para tomar fôlego e trocar olhares de acalento com Anya e Cheng - Desde então ele se tornou ainda mais briguento, mas nunca sem perder a sua essência, logo virou um chefe de gangue. Foi quando nos conhecemos e viramos melhores amigos… Assim como ele, eu me meti em problemas e estava próximo de cair em um abismo que eu jamais conseguiria sair, mas ele me puxou de volta e me ajudou a encontrar quem eu realmente queria ser… - cerrei meus punhos instintivamente antes de continuar a história - Mas a morte e a desgraça sempre nos rodearam… Franky foi vendido como escravo e torturado, enquanto eu perdi o amor da minha vida. Mais uma vez eu cheguei perto de me afundar, porém, antes que eu pudesse me afogar, ele novamente me salvou - o sorriso antes discreto tomaria conta do meu rosto enquanto algumas lágrimas começassem a surgir - Mesmo depois de tudo isso, o desgraçado manteve o bom humor que vocês conhecem, vivemos uma verdadeira tragédia e comédia, tanto que o pai de Franky infartou e a mãe fugiu com o padeiro DJADJAJAJAJAJA! E mesmo assim ele vivia fazendo piadas DJADJAJAJAJA! - enxugaria as lágrimas com o dorso da mão enquanto ainda estivesse rindo. Então, entregaria uma garrafa de bebida para Cheng e para Anya e ergueria a minha garrafa, propondo um brinde - Eu estou decidido a seguir em frente e criar meu próprio legado, vou carregar o meu sonho e o sonho de Franky comigo, eu honrarei o seu último desejo de acabar com aquele leilão e vocês dois serão bem vindos se quiserem se juntar a mim… Mas agora, proponho um brinde ao Franky, à grande pessoa que ele foi. SAÚDE! - então tomaria o restante da bebida junto aos meus companheiros.

Foi fácil discursar, não precisei usar os ensinamentos que havia aprendido pois todas as palavras saíram do coração. Enfim, meu luto teria que ser curto. Por Franky e por mim, eu preciso ser forte nesse momento, liderar e ser forte o bastante para carregar o sonho de dois homens nos meus ombros. Subiria para o meu quarto e, quando estivesse na metade da escada, pararia para dizer aos dois - Eu falei sério em honrar o Franky, esta noite seguirei com o plano de atacar o depósito e depois eu matarei o Lao Ka Long com as minhas próprias mãos… Se quiserem vir comigo, me encontrem aqui embaixo ao anoitecer.

No meu quarto, tomaria um longo banho quente para me ajudar a relaxar. Estranhamente o discurso pareceu ter surtido efeito para mim mesmo, pois ao invés de estar deprimido como havia ficado em outras grandes perdas, eu me sentia motivado para seguir em frente. Saberia a hora de sair do banho quando o vapor começasse a tomar conta do banheiro. Então, após me enxugar, vestiria a minha clássica roupa escolar, passaria o melhor perfume disponível, pegaria o meu bastão, minhas gazuas e desceria para o salão, esperando o anoitecer, quando as ruas estivessem mais vazias.

Se a Anya e Cheng descessem, eu perguntaria a eles mais uma vez - Vocês estão certos de que querem participar disso até o fim? Podem ir embora se quiserem, ninguém irá prender ou julgar vocês - então olharia diretaremente para o Cheng - Especialmente você, Cheng, nos encontramos novamente em um momento delicado, acredito que Anya já tenha contado o que está acontecendo, você não precisa estar aqui se não quiser - considerando que todos concordassem em seguir em frente, eu sorriria com os dentes à mostra e sairia andando na frente, abriria a porta e antes de sair, olharia por cima do ombro e diria - É isso pessoal, hora do show!

Voltaria até o porto. Porém, antes de tomar qualquer atitude, observaria melhor as redondezas a fim de identificar guardas e meios de entrada no galpão como portas e janelas. Também procuraria por algum lugar alto, onde Cheng pudesse dar cobertura com o seu rifle.

~ Informações ~


Histórico:

Resumo da ficha:

Objetivos:



_________________

Ficha
Terry
Imagem :
https://i.imgur.com/x2frSwS.png
Créditos :
15
Localização :
República de Hoxter - 1ª Rota
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t313-ren https://www.allbluerpg.com/t2120-kris-a-incrivel-ninja#22935
Terry
Capodecina
Re: II - O cão e o dragão Sex Set 23, 2022 4:09 pm



O discurso de Aaron havia sido bastante emocionante, levando seus companheiros às lágrimas sem muita dificuldade. O brinde foi um belo momento, que conseguiu de fato levantar os espíritos de todos os presentes. Em seguida, tudo ocorreu normalmente. Yuan Shao removeu as garrafas, e o pirata subiu para tomar seu banho e começar as preparações para a missão. O tempo passou, e pela janela de seu quarto, Aaron notou que o sol logo se punha, transformando o esplendor do céu alaranjado do fim da tarde na escuridão da noite.

Com as energias recarregadas, Aaron retornou até o saguão da pousada, onde encontrou os seus velhos aliados. Quando o delinquente fez sua convocação, Anya e Cheng não hesitaram nem por um segundo antes de responder. - Eu não vou a lugar algum, devo isso ao Franky. Preciso ir até o final. - A tritã decidiu, enxugando as lágrimas com um lenço. - Concordo, o meu lugar é com vocês! - Cheng complementou, assentindo com a cabeça. Com todos de acordo, o trio saiu da pousada, novamente nas ruas de Kano durante a noite, no intuito de realizar a missão passada por Zhu.

As ruas estavam quase vazias, como se era esperado do período da noite, e a caminhada até o porto do Cais de Jade foi tranquila. De longe, já era possível enxergar o armazém em questão, com a porta da frente guardada pelos mesmos três homens armados que ele havia visto mais cedo. Procurando possíveis entradas, o delinquente pode ver, além da porta principal, algumas janelas de vidro nas laterais do edifício. Quando a lugares altos de onde Cheng poderia oferecer cobertura com seu rifle, tinham sempre os outros galpões vizinhos ao que os piratas planejavam assaltar.

II - O cão e o dragão - Página 4 D8YU0nD

Os guardas aparentemente ainda não haviam percebido a presença dos três, e estavam armados com pistolas e espadas tradicionais de Kano. Não tinha mais nenhum inimigo visível, mas era plenamente possível que houvessem mais guardas dentro do local ou escondidos em algum lugar do lado de fora. Também não tinha nenhum civil visível nos arredores daquela área do cais.



Histórico:

_________________

"The soon-to-be Empress of the Underworld"

II - O cão e o dragão - Página 4 UNCo9W5
Reepz
Imagem :
II - O cão e o dragão - Página 4 JcaDlwL
Créditos :
08
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t279-dante-di-tresigallo#816 https://www.allbluerpg.com/t381-i-florescer-improvavel#1247
Reepz
Pirata
Re: II - O cão e o dragão Ter Set 27, 2022 9:47 pm


Ato I: não dá para fugir do passado
País de Kano - West Blue
~ Post 18 ~
*Aaron Reyes


Lá estavam os três homens de mais cedo. Tínhamos o porto só para nós, o que era bom, pois não pretendia deixar nenhuma testemunha viva essa noite. Não que eu seja um assassino cruel, mas o anonimato será essencial para minha sobrevivência e para o ataque ao leilão. Enfim, precisava focar nos inimigos à minha frente. Cheng poderia matá-los à distância, mas isso chamaria muita atenção, e um tiro a essa hora da noite ecoaria até o Palácio Real. Então puxaria meus dois companheiros pelo pescoço para falar-lhes no ouvido.

- Temos que matar aqueles três primeiro e com o mínimo de barulho possível - olharia diretamente para o atirador - Cheng, você fica aqui escondido, por enquanto vigie a redondeza, quando acabarmos com aqueles três, você vem e fica do lado de fora do galpão até eu dar outra ordem, certo? Cuide sempre da nossa retaguarda e foque os atiradores inimigos - então viraria para Anya e sussurraria - Anya, vou inventar uma historinha para nos aproximarmos, só fique em silêncio e me acompanhe, eu vou atacar um guarda e você ataca o outro quando for a hora, depois atacaremos o mesmo guarda, tudo precisa ser feito muito rapidamente, entendeu? - puxaria mais ainda os seus pescoços para próximo de mim, praticamente os abraçando - Não deixem nenhuma testemunha viva, vamos nos manter juntos e assim ficaremos bem!

Então, como um bom capitão, lideraria o caminho até o galpão. Minhas mãos nos bolsos da calça, passos largos e nariz empinado exalando a minha confiança. É possível que eu fosse recebido com hostilidade, ainda assim tentaria chegar o mais próximo possível dos guardas e pararia de andar apenas quando recebesse um ultimato. Neste caso, levantaria ambas as mãos até a altura dos ombros, como se estivesse me rendendo e começaria a rir:

- Djadjajajaja! - como o mentiroso experiente que sou, eu iria deturpar uma informação verdadeira para confundí-los e conseguir isolar ao menos um dos guardas - Vocês são bem idiotas mesmo, agora faz sentido eu ter sido contratado Djadjajajaja! - antes que me fizessem perguntas, eu jogaria a informação verdadeira, transformando-a ao meu favor - Vocês estão guardando um baú com cadeado verde, um intermediário me contratou para reforçar a segurança, acreditam que hoje haverá uma tentativa de roubo da rival do nosso contratante em comum… sim, parece que aquela tal de Zhu está planejando algo - já esperando que eu fosse questionado quanto a veracidade da fala, estaria preparado para responder com minha mentira final - É claro que guardinhas mequetrefes como vocês não estão sabendo de nada disso Djadjajajaja! - daria de ombros e continuaria dizendo - Façamos o seguinte, eu e minha amiga esperamos aqui fora enquanto um de vocês vai lá dentro checar a informação com seu superior, nós aguardamos aqui.

Então aguardaria ansiosamente por qualquer abertura, isto é, quando um dos seguranças virasse de costas ou algum momento de distração em que eles não estivessem olhando diretamente para mim. Neste instante, seguraria o cabo do meu bastão com ambas as mãos, contorceria o meu corpo no próprio eixo como se fosse um parafuso e então giraria rapidamente em um movimento amplo mirando acertar a cabeça do segurança mais próximo de mim com a ponta do bastão, como se estivesse rebatendo uma bola de beisebol.

II - O cão e o dragão - Página 4 Ed05b310

Considerando que conseguisse eliminar ou pelo menos derrubar o primeiro guarda atingido, eu esperaria que Anya já estivesse lutando com o seu respectivo alvo. Então focaria em derrubar o terceiro guarda antes que ele pudesse chamar reforço. Assim sendo, pegaria o revólver na cintura do primeiro guarda e o lançaria como uma bola em direção ao inimigo ainda em pé. Em seguida, avançaria com o maior impulso que conseguisse para acertar-lhe a barriga com o corpo do bastão em mais um movimento amplo. Se obtivesse sucesso finalizaria com uma cabeçada em seu nariz e um golpe rápido com o bastão mirando no queixo, mas dessa vez seguraria o bastão com apenas uma mão, perdendo intensidade mas tentando ser rápido.

Para me defender, tentaria sempre me posicionar atrás de um adversário, a fim de não ser alvejado por um tiro. Também manteria o combate à curta distância, pois não seria insano de enfrentar três atiradores à longa distância. Como espadachins, também não ousaria tentar desarmá-los. Assim sendo, apostaria no meu vigor físico para atacá-los repetidamente variando golpes horizontais, verticais e diagonais com o bastão, para forçá-los a se defender até surgir uma abertura. Caso fosse atacado, posicionaria o bastão com ambas as mãos no sentido contrário do ataque a fim de segurar os movimentos ofensivos. Em seguida, contra-atacaria cuspindo no rosto do adversário e atacando com uma estocada nas partes íntimas. Se eu fosse alvejado nas pernas, tentaria saltar por cima do ataque e reiniciar a sequência de contra-ataques, entretanto, se não fosse possível, saltaria para trás antes de reengajar o combate à curta distância.

Na possibilidade de derrotar os três adversários, procuraria nos bolsos deles possíveis chaves e as munições dos revólveres. Não que eu fosse um atirador, mas  confiava que meus braços poderiam lançar aqueles projéteis com tanta força quanto um canhão. Em seguida faria um sinal para Cheng se aproximar e, antes de tentar abrir a porta do galpão com uma chave ou com a gazua, viraria para os meus companheiros e diria:

- Certo pessoal, o plano é ficar vivo Djadjajajaja! Cheng dá cobertura e atire em toda pessoa que você ver com uma arma de fogo. Anya, eu vou entrar primeiro para chamar atenção e você entra logo em seguida para atacá-los pelas costas, vamos destruir todos eles!
   

~ Informações ~


Histórico:

Resumo da ficha:

Objetivos:


_________________

Ficha
Terry
Imagem :
https://i.imgur.com/x2frSwS.png
Créditos :
15
Localização :
República de Hoxter - 1ª Rota
Ver perfil do usuário https://www.allbluerpg.com/t313-ren https://www.allbluerpg.com/t2120-kris-a-incrivel-ninja#22935
Terry
Capodecina
Re: II - O cão e o dragão Sex Set 30, 2022 2:52 am



Cumprindo as ordens do colega, Cheng recuou para observar o ambiente de longe. Enquanto isso, Aaron e Anya começaram a andar na direção dos guardas do armazém como planejado. - Não pode entrar aqui, é propriedade privada. - Falou um dos guardas, colocando a mão no cabo da espada ao perceber a aproximação dos dois desconhecidos. Depois disso, o humano contou sua historinha completa, o que acabou fazendo com que os três guardas relaxassem. - Bom, então acho que tá tudo bem, só preciso avisar lá dentro.

O guardião do armazém então virou de costas, dando ao delinquente a abertura que precisava, acertando a lateral da cabeça dele pelas costas com um poderosíssimo golpe de bastão, nocauteando-o instantâneamente, fazendo seu corpo cair no chão desacordado. Ao mesmo tempo, Anya retirava seu machado da cintura e o cravava no pescoço do segundo guarda, espalhando sangue pra todo lado e matando-o na mesma hora.

Aaron tentou dar cabo do terceiro antes que ele pudesse chamar intrusos, mas não teve como fazer todas aquelas ações antes que ele simplesmente gritasse: - Intrusos! Estão nos atacando! - O guarda sobrevivente berrou, puxando a própria espada. Ele então partiu pra cima do delinquente, tendo seus primeiros golpes de espada bloqueados pelo bastão. Eventualmente, porém, ele conseguiu acertar um corte de raspão na perna do delinquente, que nessa altura já partia para sua própria ofensiva.

Os golpes de bastão eram esquivados pelo guarda com uma certa dificuldade, mas ele havia esquecido de um fator importante, Anya ainda estava por ali, e cravava seu machado no ombro esquerdo do inimigo enquanto ele se focava em Aaron. Assim, o delinquente foi capaz de dar cabo dele com um furioso golpe de bastão bem na cabeça. O terceiro inimigo então finalmente caiu no chão, morto. Isso deu a chance que o rapaz precisava para rapidamente vasculhar os pertences dos guardas, achando algumas balas de revolver e as chaves do galpão.

- Mandaram bem, pessoal! - Cheng elogiou, já preparando sua arma, mas ainda dando uma engolida em seco, demonstrando que ele ainda estava com um pouco de medo do que viria a seguir. Aaron então passou suas novas ordens, o que fez com que Anya respondesse. - Sem problemas. - A tritã parecia focada, sem dúvidas bastante determinada a ter sucesso depois dos trágicos eventos recentes. O pirata então finalmente abriu a porta principal, encontrando cerca de mais dez guardas armados exatamente como os anteriores, mas diferentes dos outros, todos já com as espadas erguidas e preparados para o combate. - Invasores malditos, vão se arrepender de terem vindo até aqui! - Um deles gritou, fazendo os outros vibrarem em resposta. Atrás deles, Aaron conseguiu ver o pequeno baú com o cadeado verde.



Histórico:

_________________

"The soon-to-be Empress of the Underworld"

II - O cão e o dragão - Página 4 UNCo9W5