Tópicos Recentes
Destaques
Klaus
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Akira
Sasha
Ás
Shiori
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Últimos assuntos
四 - Morte e SangueHoje à(s) 1:21 ampor  Koji6º Capítulo: Gigantes versus Dragões!Ontem à(s) 11:23 pmpor  Sashaficha Aika KinOntem à(s) 10:50 pmpor  mestrej2° - De Dawn a Shells - Uma viagem para conhecimento.Ontem à(s) 10:39 pmpor  SaruNo Maidens?Ontem à(s) 9:38 pmpor  IzumiCap. 2 - Ascendendo às profundezasOntem à(s) 9:23 pmpor  VanKaoru KageyamaOntem à(s) 9:09 pmpor  Kaoru[Pedido de instrutor] - TaliyahOntem à(s) 9:00 pmpor  nothawaiian[TUTORIAL] - TaliyahOntem à(s) 8:56 pmpor  nothawaiianPorradaria e Fuga: Grand Line Drift. [3]Ontem à(s) 8:46 pmpor  Van
 :: Oceanos :: Blues :: South Blue :: Centaurea
Página 2 de 4 Página 2 de 4 Anterior  1, 2, 3, 4  Seguinte
Kenshin
Ver perfil do usuário
Imagem :  Diário de Bordo, Do Extremo Sul ao Mundo. - Página 2 XqxMi0y
Créditos : 26
KenshinDesenvolvedor
https://www.allbluerpg.com/t360-agatha-harkness https://www.allbluerpg.com/t1510-capitulo-ii-sonho-de-uma-noite-de-verao
Relembrando a primeira mensagem :

Diário de Bordo, Do Extremo Sul ao Mundo.

Aqui ocorrerá a aventura do(a) Civil Benisuzume L. Fluriote. A qual não possui narrador definido.

_________________

 Diário de Bordo, Do Extremo Sul ao Mundo. - Página 2 J09J2lK

"Ah, mas eu não quero ter dois caminhos ou ah, mas eu não quero ter caminho nenhum. Ué, você já pode porra, a única coisa que te impede de fazer isso é ser zé metinha e querer ficar comparando o tamanho do pau com o coleguinha pra compensar o ego frustrado." - Luquinhas, 2022

Benisuzume
Ver perfil do usuário
Imagem :  Diário de Bordo, Do Extremo Sul ao Mundo. - Página 2 DzoN8sc
Créditos : 05
Diário de BordoContos de uma Artista
The Eye's Song




Opostas no sentido climático. — Respondi a moça.

Entretanto, eu realmente não conhecia aquela ilha e tudo que sei era que meu pai passou por lá em um período extremamente quente e seco. Por isso minha base era essa.

Meu pedido não pôde ser concedido. Talvez era pedir demais que ela trouxesse amostras do solo, ou, por outro lado fosse amadorismo, já que um cientista se atenta aos detalhes. Eu como artista tinha essa característica por acreditar que os minuciosos detalhes faziam a diferença em uma boa atuação ou cantoria.

O tempo ia se passando, e minhas tentativas se mostravam frustradas. Minha inexperiência era um problema, e dessa forma não conseguia ajudar como eu realmente desejava. Por outro lado, o velhote em pouco tempo já havia conseguido um progresso extraordinário que surpreendia até a senhorita Lermol, lhe arrancando algumas palavras.

Olhei contente com a conquista do doutor. Um sorriso foi esboçado, mas quando ninguém olhava para mim, acabei abaixando os olhos e olhando de canto para um lugar qualquer com um sentimento angustiante. Queria poder comemorar como aquele senhor fazia a tantos anos com o que ele escolheu para sua vida. Eu gostava da ciência, mas meu talento e paixão eram outros.

O momento de melancolia tinha tempo limite, pois todos iam se retirando do recinto e indo para outro local na qual a mente brilhante por trás da resolução daquele problema iria contar suas façanhas atuais. Olhei ao redor e via somente mesas recheadas de objetos espalhados e substâncias químicas perigosas.

O incrível munda da ciência, dizia uma vez o Dr. Sageguchi. uFf... — Comentei sarcasticamente com um sorriso leve na face.

Me virei e apertei um botão para desligar o aparelho na qual estava fazendo a calibragem. Removi qualquer eventual produto que tivesse por lá, e comecei a organizar o local. Toda vidraria sem componentes preenchidos, eram recolhidos e levados ao grande tanque de limpeza, deixando-os enfileirados para uma lavagem sequencial.

Os recipientes com substâncias, eu tratava de junta-los em um carrinho para transporte até uma área segura para desaguar em um local adequado, como tambores de plásticos especiais que aguentavam ácidos e afins, dessa forma iriam levar toda química até outro local para dar um fim ecologicamente correto, pois se despejado no tanque, poderia derreter o mesmo. E jogar na cidade ou em área florestal, poderia agredir o ambiente e trazer problemas igual trouxe pra ilha da doutora Lermol.

Assim que terminasse com esses afazeres de reunir tudo, me juntaria com os demais para ouvir as explicações do Dr. Sageguchi — se é que daria tempo — mas qualquer coisa ele me contava depois. Queria ao menos ver a conclusão de tudo para depois terminar de limpar as coisas.

08

HistóricoPosts: 08
Ganhos:
Perdas:





_________________

 Diário de Bordo, Do Extremo Sul ao Mundo. - Página 2 UzUrtSf
Pepe
Ver perfil do usuário
Imagem : Teje preso!
Créditos : 11
Localização : Lvneel - North Blue
PepeAvaliador
https://www.allbluerpg.com/t321-aiko-saito#935 https://www.allbluerpg.com/t1723-operacao-p-a-r-a-d-i-s-e


Narração

Beni
Localização: Centaurea - South Blue
Período do dia: Manhã – quase almoço

O problema era resolvido tão rápido que pegava todos ali de surpresa. Talvez a facilidade do doutor Sageguchi em resolver aquilo respondesse à questão sobre Lermol ser amadora ou não na mente da jovem Beni. Amadorismo presente ou não, acabaram fazendo uma bagunça e era dever da pobre Suzume arrumar aquilo tudo.

Era incrível quanta bagunça podia ser feita em tão poucos testes. Neste ponto ciência e subir no palco possuíam suas similaridades. Ambos gastavam mais tempo nas preparações do que no “show” em si. Quando acabava de arrumar, ia até o grupo, mas o doutor Sageguchi já havia acabado a explicação para o grupo e já estavam se despedindo. — Foi um prazer e realmente muito útil — falava a doutora, mas a voz dela parecia meio falha por algum motivo. — O prazer foi todo nosso — falava o doutor feliz.

O povo se despedia dos dois e saíam andando. — Quer ir almoçar? — perguntava o doutor para Beni. — Acho que podemos parar por hoje depois que comermos qualquer coisa — falava ele satisfeito com o trabalho. Mas tudo parecia tão simples. Beni ouvira o doutor falar deste dia por tanto tempo, mas agora parecia ter acabado tão rápido.

Legenda:
Histórico:

Icons made by Freepik from www.flaticon.com

_________________

 Diário de Bordo, Do Extremo Sul ao Mundo. - Página 2 OOvf4T4
Benisuzume
Ver perfil do usuário
Imagem :  Diário de Bordo, Do Extremo Sul ao Mundo. - Página 2 DzoN8sc
Créditos : 05
Diário de BordoContos de uma Artista
The Eye's Song




Novamente eu ficava a mercê do "profissionalismo", ou melhor dizendo, subalterno. Havia perdido toda explicação que desejava ver. Teria que perguntar em uma outra ocasião.

Na despedida, observei a mulher que falava de um jeito estranho, fora do comum. Como uma profissional dramaturga, tentava identificar falhas em sua comunicação, talvez alguma atuação ou uma surpresa real. Não sei dizer, mas era estranho seu modo de agir. Eu não era uma policial, nem nada parecido. Mas ainda sim devido minha profissão de artista, sentia que algo de errado não estava certo.

Almoço? — Procurei ver às horas em algum canto. — Claro, estou faminta. Nem vi o tempo passar. Onde o senhor sugere? Há um restaurante perto do teatro que é muito bom. — Acabei eu sugerindo sem perceber.

Se ele preferisse ir a outro lugar, o seguiria, sabe como é, né? Velhos e seus conservadorismo. Ainda mais cientista que são cheios de manias.

Durante o caminho olharia para os lados, e quando não houvesse ninguém por perto suspeito, comentaria despretensiosamente.

Doutor... Você notou alguma coisa errado com nossos clientes de hoje? Alguma reação estranha ou inesperada.

09

HistóricoPosts: 09
Ganhos:
Perdas:





_________________

 Diário de Bordo, Do Extremo Sul ao Mundo. - Página 2 UzUrtSf
Pepe
Ver perfil do usuário
Imagem : Teje preso!
Créditos : 11
Localização : Lvneel - North Blue
PepeAvaliador
https://www.allbluerpg.com/t321-aiko-saito#935 https://www.allbluerpg.com/t1723-operacao-p-a-r-a-d-i-s-e


Narração

Beni
Localização: Centaurea - South Blue
Período do dia: Manhã – quase almoço

Com o trabalho terminado um almoço não faria mal algum. Porém, alguma coisa incomodava Beni naquela situação toda. Como não queria falar ainda, sugeria o local para almoçarem e o doutor parecia feliz com a sugestão. — Só não posso almoçar em casa hoje, minha mulher está viajando — falava ele.  — Inclusive, é algo que gostaria de discutir com você enquanto almoçávamos — comentava, aquele típico comentário para deixar alguém ansioso.

Começaram a andar naquele clima frio da ilha, se alguém prestava atenção neles, era de forma tão escondida que Suzume não percebia. Por isso, a menina não teve problema algum em perguntar o que a incomodava. — Também tive essa sensação — ouvia Sageguchi falando e aquilo o desanimava um pouco. — Acho que ela engana o senhorio dela, foi bem fácil de acabar com aquele ácido, não havia necessidade de viajar ou qualquer coisa do tipo... não sei se ela saiba o que está fazendo, provavelmente vai enrolar aqui na ilha por um tempo para parecer que trabalharam por dias — falava ele, claramente com um desgosto em sua voz. Afinal, aquela era uma acusação bem grave. — Mas pelo menos nos pagaram — falava ele batendo em um de seus bolsos tentando se animar.

Chegavam no restaurante do lado do teatro, como Beni havia indicado, e se sentavam confortavelmente do lado de dentro. — E então, vai querer o quê? — perguntava o doutor pegando um cardápio. — Acho que vou querer meramente um bom caldo quente — falava ele imaginando ao ler as opções que havia.

Após pedir, e esperar que Beni pedisse também. O doutor abaixava o menu e olhava mais sério para a jovem a sua frente. — Bem, você sabe como a vida melhorou nos últimos anos aqui na ilha — comentava ele começando a contar sua história. — Mas não o suficiente para resolvermos alguns problemas associados a ilha — falava ele querendo ir pouco mais direto ao ponto, mas claramente parecia fugir do que quer que fosse falar. — Minha sogra está bem doente e o clima frio da ilha atrapalha e muito a sua recuperação — comentava meio triste.

— Ela piorou muito dois dias atrás e minha mulher partiu em viagem para outra ilha onde achamos que terá um tratamento melhor, mas antes de qualquer coisa precisava ver se era uma ilha pelo menos mais quente. Estamos cogitando ir até mesmo para a Grand Line, ouvimos que tem uma ilha lá que possui os melhores médicos do mundo... mas bem, é um movimento arriscado — falava ele meio preocupado, claramente tinha medo da Grand Line.

Balançando sua própria cabeça continuava falando. — Por isso aceitei a doutora Lermol e nos próximos dias teremos mais convidados, preciso juntar a maior quantidade de dinheiro que conseguir para viajarmos e acharmos a cura para a minha sogra — falava ele meio desgostoso. — Não importando quão estranhos sejam esses visitantes — comentava até sorrindo pela primeira vez naquela fala toda, ao lembrar do comentário da própria Suzume. — De qualquer forma, recomendo que pense bem em seu futuro também jovenzinha, pois infelizmente vamos fechar as portas do local em pouco tempo — terminava o doutor.

Legenda:
Histórico:

Icons made by Freepik from www.flaticon.com

_________________

 Diário de Bordo, Do Extremo Sul ao Mundo. - Página 2 OOvf4T4
Benisuzume
Ver perfil do usuário
Imagem :  Diário de Bordo, Do Extremo Sul ao Mundo. - Página 2 DzoN8sc
Créditos : 05
Diário de BordoContos de uma Artista
The Eye's Song






O doutor tinha algo velado a me revelar, mas parecia querer estar confortável para contar. Não insisti, e somente aguardei chegarmos no local.

Durante o caminho, Sageguchi confirmava minhas suspeitas ao demonstrar que também havia notado algo peculiar, e ainda especulava suposições dos motivos. Aquilo chamava minha atenção, e eu comentava sobre.

Nossa, não fazia ideia. Desconheço quem são, mas se o que diz é verdade, essa viagem é somente uma forma de quererem viajar de graça ou coisa parecida. Estão de certa forma, abusando da verba pública da ilha que vieram. É de se esperar que nem mesmo sejam cientistas, já que pelo que você disse da substância ser fácil de solucionar, foi um tanto intrigante a surpresa deles ao perceberem que foi tão rápido a resolução do problema.

Diferente de mim, o doutor ficava contente, talvez por não querer se meter nos problemas que não lhe envolvia. Afinal, ele mesmo já tinha os seus próprios para resolver e eu estava prestes a saber deles.

No restaurante o senhorzinho era um tanto humilde quanto ao que iria comer, já eu bem...

Hum... Um ramen com caldo de miso e porção dupla de carne de porco. Dois rolinhos primavera e uma porção pra nós dois de tenpura. E vejamos... Um doce de banana caramelizada pra sobremesa, yuyuyuyu. Vai querer um doce, doutor? — Aguardava sua resposta, e fazia o pedido para um garçom logo a seguir.

O clima mudava após o funcionário se retirar, e Sageguchi me encarava seriamente. Percebia que se tratava de algo importante. Ouvi atentamente olhando em seus olhos.

Quando o velhote terminava tudo que tinha a dizer, foi impossível os olhos não caírem e a cabeça abaixar. Ficava aquele olhar reflexivo sobre minha própria vida e as escolhas que eu teria que fazer. A renda que eu tirava do laboratório era importante para manter a casa. Em contra partida, era algo que me prendia a ilha e me impedia de seguir em frente com meu sonho de rodar o mundo como uma artista.

Grand Line, hã? — Pensava na grande viagem do doutor, e lhe dava uma resposta. — Meu sonho é cruzar os oceanos todos e ir para lá um dia. Acho que nunca comentei com o senhor, né? É um tanto contraditório como uma artista como eu que quer cantar em todas as ilhas, acabou parando em um lugar onde há tanta química e ciência. — Meu olhar ainda se mantinha baixo, mas nesse ponto da conversa eu me voltava a encarar o Dr. Sageguchi nos olhos com uma expressão confiante e carismática. — Não tem problema doutor, eu sempre me virei com meus irmãos após meus pais irem para outra ilha. Na verdade, nosso objetivo familiar atual é poder sair daqui também, e se reunirem onde meus pais estão. Contudo, eu quero ir mais além como acabei de revelar. Será uma jornada dura com diversos desafios, mas receio que você tenha me dado o incentivo para adiantar o que busco alcançar.

Dava um tempo para o homem absorver minhas palavras enquanto eu própria tomava fôlego depois de tantas palavras e uma certa adrenalina que corria por minhas veias ao perceber que teria que tomar coragem de verdade e seguir em frente.

Hoje a noite haverá um evento esportivo no ginásio. Meu irmão irá lutar hoje lá fazendo a abertura para a verdadeira grande atração da noite. Todavia, eu abrirei o evento com uma apresentação própria com uma canção. Por que o senhor não vai hoje lá me ver? Acho que nunca me viu atuando, certo? Já que em breve selaremos nosso destino com novos caminhos, gostaria que pudesse me ver cantar ao menos uma vez em uma apresentação oficial. Sei que me ouve cantarolando qualquer coisa enquanto trabalho, mas garanto que será diferente dessa vez, hihi.

Ficava o convite para o sujeito.

10

HistóricoPosts: 10
Ganhos:
Perdas:





_________________

 Diário de Bordo, Do Extremo Sul ao Mundo. - Página 2 UzUrtSf
Pepe
Ver perfil do usuário
Imagem : Teje preso!
Créditos : 11
Localização : Lvneel - North Blue
PepeAvaliador
https://www.allbluerpg.com/t321-aiko-saito#935 https://www.allbluerpg.com/t1723-operacao-p-a-r-a-d-i-s-e


Narração

Beni
Localização: Centaurea - South Blue
Período do dia: Manhã – quase almoço

A informação do doutor caia como uma bomba. Sua vida agora iria mudar, finalmente levaria seu sonho para frente. Havia até comentado sobre os cientistas que talvez nem fossem cientistas, mas e daí? Beni naquele momento tinha coisas mais importantes para falar.

Pela primeira vez falava de seu ambicioso sonho para o doutor inclusive o chamava para a apresentação que ocorreria a noite. O homem sorria e mal respondia que sim quando a comida que os dois pediram chegava.

A comida estava ótima e enquanto comiam o doutor citava as próximas visitam que receberiam. A primeira aparentemente era um homem que queria dar aulas simples de química para seus filhos, era um rico obviamente para conseguir reservar todo o laboratório para uma mera aula.

A segunda visita seria para mero trabalho braçal, um laboratório menor queria fazer uma série de testes ao mesmo tempo e o laboratório deles não possuía todos os equipamentos, então iam pagar para usarem as instalações.

A terceira visita... quando o doutor começou a falar dela até parou por um tempo enquanto olhava para seu caldo. — Um possível comprador para o laboratório — comentou ele por fim. Era meio lógico. Não havia motivo para continuar com a construção se iria se mudar, não só se mudar, como precisar de dinheiro.

Após falar desta terceira visita Sageguchi ficava um tempo calado, até enfim perguntar. — Qual ginásio? — Centaurea era uma cidade com densa população, não havia só um ginásio na cidade.

Legenda:
Histórico:

Icons made by Freepik from www.flaticon.com

_________________

 Diário de Bordo, Do Extremo Sul ao Mundo. - Página 2 OOvf4T4
Benisuzume
Ver perfil do usuário
Imagem :  Diário de Bordo, Do Extremo Sul ao Mundo. - Página 2 DzoN8sc
Créditos : 05
Diário de BordoContos de uma Artista
The Eye's Song




O almoço chegava, e eu não demorava em pegar um dos rolinhos e mergulhar no teryaki que vinha acompanhado. Mordia uma vez, e podia-se ouvir o "Crek" da massa crocante.

Umai! — Expressava-me com o sabor agradável.

Não deixava de comer o tenpura que caia bem sem molho algum. O mix de fritura com vegetais, era perfeito. Saudável, porém calórico? Isso existe? Talvez meu irmão Jel Fluriote soubesse me responder isso. Entre uma mordida e outra, o diálogo não parava.

Aulas? Hum... Isso é incomum, hehe. Mas nesse etapa do seu objetivo, qualquer coisa está valendo, haha. Eu posso ajudar, mas quero minha parte também, yuyuyuyu.

Não podia perder a oportunidade de ganhar um extra pra minha própria viagem. Afinal, meu contrato era pra ajudar no laboratório, e não bancar a professora. Ainda mais de algo que eu não dominava por completo.

Fico contente que haja tanto movimento nesse momento de necessidade. Supervisionar o pessoal que for lá testar os equipamentos, vai ser um trabalho tão fácil, hihi. — Não podia deixar de brincar com essas coisas. — A compra do local, é realmente importante. Tudo incluso em um ato só. Dinheiro fácil. Quem sabe o pessoal que for lá testar as coisas, não se interessem em algo que esteja sobrando. — Concluí.

Voltava a degustar a comida, dando algumas hashizadas no ramen e experimentando o caldo grosso de miso.

Tão bom... — Ficava corada pelo calor da comida. — O ginásio? Aquele mais famoso no centro da cidade que tem uma estátua de um guerreiro ou coisa assim. Eu esqueço sempre o nome, porque não costumo ir lá. Diferente do meu irmão que irá lutar, e vez ou outra ele entra no set de lutadores do card secundário.

Esperava que o Dr. Sageguchi soubesse qual ginásio eu citava. Se fosse locais para apresentações de música ou teatro, eu saberia responder melhor.

11

HistóricoPosts: 11
Ganhos:
Perdas:





_________________

 Diário de Bordo, Do Extremo Sul ao Mundo. - Página 2 UzUrtSf
Pepe
Ver perfil do usuário
Imagem : Teje preso!
Créditos : 11
Localização : Lvneel - North Blue
PepeAvaliador
https://www.allbluerpg.com/t321-aiko-saito#935 https://www.allbluerpg.com/t1723-operacao-p-a-r-a-d-i-s-e


Narração

Beni
Localização: Centaurea - South Blue
Período do dia: Manhã – quase almoço

Beni reagia as próximas visitas com uma ou outra piada e frisava principalmente que seria paga por isso. — Mas é claro — falava o doutor e então em uma expressão de surpresa, enfiava a mão no bolso enquanto continuava. — Claro claro, não te paguei ainda por hoje, não é? — e assim que terminava de falar isso acabava por colocar o dinheiro ao lado de Suzume, seu salário normal, 2.5 milhões de berries.

Continuavam comendo e conversando, quando a jovem acabava explicando porcamente qual era o ginásio. O doutor sorria concordando que sabia sim de qual ela falava. Após a refeição, enquanto pagava pela comida de ambos, Sageguchi comentava com ela se emocionando um pouco. — Foi um prazer te ter como assistente, sei que vai dar tudo certo na sua vida, você é uma menina incrível — falava ele sorrindo feliz. — Tenho certeza que a apresentação hoje vai ser fantástica — falava dando os primeiros passos para fora do restaurante. — Aproveite bem o resto do dia, te vejo a noite — falava se despedindo de Beni e tomando seu próprio rumo.

Legenda:
Histórico:

Icons made by Freepik from www.flaticon.com

_________________

 Diário de Bordo, Do Extremo Sul ao Mundo. - Página 2 OOvf4T4
Benisuzume
Ver perfil do usuário
Imagem :  Diário de Bordo, Do Extremo Sul ao Mundo. - Página 2 DzoN8sc
Créditos : 05
Diário de BordoContos de uma Artista
The Eye's Song




A conversa tinha se alongado tanto que nem lembrava que tinha um pagamento a receber pelas horas trabalhadas. Sentir o pesinho das moedas chacoalhando, trazia certa paz de espírito.

Multiplicai-vos... — Realizava uma prece.

Continuava a comer e conversar com o velho, que em dado momento parecia um pouco estranho após a refeição e pronto para ir embora. Sua entonação de voz parecia se alterar e palavras gentis eram ditas. Não consegui esconder o sorriso exibido no rosto, e um olhar acanhado para o lado. Tinha meu lado tímida e envergonha, mesmo sendo uma atriz.

Agradeço de coração, doutor. Eu desejo ao senhor coragem para o que vai enfrentar. E principalmente, resiliência para as adversidades que poderão vir. O senhor sempre foi dedicado, certamente conseguirá.

Não era comum uma troca de elogios, mas era sempre revigorante demonstrar seus afetos a quem admiramos.

Aproveitarei sim, nos vemos mais tarde. — Despedia-me.

O velhote dava as costas, e eu o via seguir seu caminho até virar uma esquina ou sumir na multidão. Um sorriso permanecia fixo na face, relembrando os dias incríveis que tive com o Dr. Sageguchi e todo conhecimento que ele me proporcionou.

Voltei minha atenção para dentro do restaurante em busca de um relógio de parede ou algo semelhante. Sabia que já já meu irmão caçula sairia da escola, e eu precisava busca-lo. O colégio fornecia almoço, então eu não precisava preparar nenhuma gogoroba pra ele em casa.

Sem muito o que fazer com aquela tarde livre, só pensei em duas coisas, me adiantar pra chegar cedo no colégio e repassar uma música ou outra pra apresentação. Seguiria até a escola, e procuraria algum banco na qual cantarolaria uma música qualquer enquanto esperava as crianças saírem.

♫♫♫ Tudo que eu sei. Tempo é uma coisa valiosa. Veja-o passar enquanto o pêndulo balança. Veja-o contar até o fim do dia. O relógio marca o tempo da vida. É tão irreal... ♪♪♪

Fazia um breve ajuste na canção, e continuava a melhora-la.

Espero que ele não demore muito.

12

HistóricoPosts: 12
Ganhos:
Perdas:





_________________

 Diário de Bordo, Do Extremo Sul ao Mundo. - Página 2 UzUrtSf
Pepe
Ver perfil do usuário
Imagem : Teje preso!
Créditos : 11
Localização : Lvneel - North Blue
PepeAvaliador
https://www.allbluerpg.com/t321-aiko-saito#935 https://www.allbluerpg.com/t1723-operacao-p-a-r-a-d-i-s-e


Narração

Beni
Localização: Centaurea - South Blue
Período do dia: Manhã – quase almoço

Após o almoço, Beni não possuía muito a fazer além de ir para a escola de seu irmão para esperar ele sair. Esperou por pouco tempo... bem esperou por pouco tempo o povo começar a sair. Mas as crianças iam saindo e nada de seu irmão aparecer.

Após mais de cinco minutos ainda não havia qualquer sinal de seu irmão, que foi quando um outro menino pequeno apareceu. Apesar de não saber seu nome, Suzume sabia que era da sala de seu irmãozinho. — Seu... — começou vendo a mulher, era clara a timidez dele em sua voz, compreensível talvez já que a moça a sua frente era bem bonita. — Seu irmão já foi — conseguiu falar. — Ele... pediuparaavisarquefoialmoçarnacasadaYuna — falou apressado o menino e saiu correndo.

Que sacanagem que seu irmão havia feito com ela, como ele voltaria para casa? Os pais da menina levariam? Nem para ele mesmo ter coragem de avisar e explicar a situação. Mas ele já não almoçava na escola também?

Legenda:
Histórico:

Icons made by Freepik from www.flaticon.com

_________________

 Diário de Bordo, Do Extremo Sul ao Mundo. - Página 2 OOvf4T4
Benisuzume
Ver perfil do usuário
Imagem :  Diário de Bordo, Do Extremo Sul ao Mundo. - Página 2 DzoN8sc
Créditos : 05
Diário de BordoContos de uma Artista
The Eye's Song




A movimentação na escola começava a crescer com o fim das aulas. Alunos e mais alunos passavam por ali, alguns iam embora e outros acompanhados de seus familiares. Entretanto, aquele que eu vim buscar não aparecia. Meu coração começava a palpitar mais forte, e uma insegurança surgia em meu seio.

Hideki, cadê você. — Dizia levantando e juntando a mãos próxima ao peito com um olhar apreensivo.

Uma diminuta figura surgia, e aos poucos se aproximava. Por um momento minha atenção se concentrou nele, quase esquecendo a aflição que sentia. Ele tentava dizer algo, mas parecia acanhado. Fiquei em silêncio sem saber como reagir. Encarava o menino com meus olhos azuis que estavam tão arregalados que alguém tão pequeno como ele poderia mergulhar como se fosse o oceano que cercava South Blue.

Uma brisa passava por meus cabelos, subindo alguns fios e trazendo atona a coragem do menino que falando depressa e misturava as palavras, conseguindo transmitir uma mensagem que a primeiro instante me deixava boquiaberta sem saber o que dizer.

O garotinho se virou e saiu correndo antes que eu pudesse agradecer. Minha feição se alterava instantaneamente ao cair a ficha que meu irmão estava bem. O peito que antes estava estufado segurando o ar em meio a pensamentos obscuros e incertos, esvaziava rapidamente ao descobrir o paradeiro do jovem apaixonado.

Terei que dar uma bronca nele mais tarde, yuyu. — Premonizava o futuro daquele guri com um riso aliviado no rosto.

Balancei a cabeça pros lados bem devagar, me recuperando da tensão que sofri. Refletia o que faria agora que tinha a tarde livre e já estava de barriga cheia. Voltei os olhos para baixo mantendo o polegar coçando os lábios.

Hum... Acho que até o pé da montanha para espairecer. Isso me deixou ansiosa e não posso ficar assim pra noite de hoje.

Até aonde eu lembrava, o local não ficava muito longe da cidade e era sempre bem quieto. Gostava de ir quando pequena, pois às vezes conseguia observar animais que passavam por ali ou se perdiam. Alguns eram até abandonados por suas companhias por estarem fracos ou doentes. Movi minha perna e dava o primeiro passo rumo ao destino que tracei para mim naquela tarde.

13

HistóricoPosts: 13
Ganhos:
Perdas:





_________________

 Diário de Bordo, Do Extremo Sul ao Mundo. - Página 2 UzUrtSf
Pepe
Ver perfil do usuário
Imagem : Teje preso!
Créditos : 11
Localização : Lvneel - North Blue
PepeAvaliador
https://www.allbluerpg.com/t321-aiko-saito#935 https://www.allbluerpg.com/t1723-operacao-p-a-r-a-d-i-s-e


Narração

Beni
Localização: Centaurea - South Blue
Período do dia: Manhã – quase almoço

O alívio que Beni sentia ao entender a situação era imensurável. Até mesmo se divertia um pouco pensando na bronca que daria em seu irmãozinho apaixonado depois. No entanto, como nem sabia exatamente o local que ele estava, acabou decidindo ir para outro lugar apreciar aquela tarde que tinha. Fazia um bom tempo que não possuía uma e a usaria para relaxar enquanto seu show não chegasse.

Seu objetivo era simples, o pé da montanha, um local mais isolado, sem toda aquela população por metro quadrado. Dirigia-se para lá tão rápido quanto a população nas ruas deixasse. Quanto mais se distanciava dos locais mais comuns, mais frio sentia. Incrível como os seres humanos conseguiam esquentar o ambiente a sua volta por simplesmente estarem amontoados.

O frio parecia cortar a pele, mas agora Suzume estava aos pés da montanha, via a neve lá no topo, via algumas árvores e em geral poucas pessoas por ali, em sua maior parte lenhadores que provavelmente proviam algo de vital importância para o aquecimento das casas no dia a dia.

Legenda:
Histórico:

Icons made by Freepik from www.flaticon.com


_________________

 Diário de Bordo, Do Extremo Sul ao Mundo. - Página 2 OOvf4T4
Benisuzume
Ver perfil do usuário
Imagem :  Diário de Bordo, Do Extremo Sul ao Mundo. - Página 2 DzoN8sc
Créditos : 05
Diário de BordoContos de uma Artista
The Eye's Song




Enquanto caminhava eu não pensava em nada. Via as pessoas passando, desviava de várias naquele lugar tão populoso, e seguia em frente.

Conforme chegava na saída da cidade, a movimentação diminuía e o ritmo pra caminhar aumentava. Um contra ponto bastante proveitoso que me fazia esquentar com a aceleração feita. Entretanto, o frio que se fazia em um espaço mais aberto e vazio não podia ser subestimado.

Uuuu fii.

Tremia o corpo ao sentir menos calor naquele momento. Soltava um ar quente que se vaporizava instantaneamente em tal região. Puxava as aberturas do casaco e me cobria de um lado e de outro, apertando meu tronco em um "abraço" que buscava fazer um isolamento térmico mais eficiente com a grossa blusa de frio.

Daquela jeito mantive o passo. Mas meu olhar foi ofuscado pelas árvores e por alguns poucos homens que por ali trabalhavam. A região parecia ser o sustento deles e um ponto importante pra toda Centaurea.

Não me lembrava que aqui tinha tantos trabalhadores. Provavelmente os outros locais de corte tenham sido já usado o máximo.

Deixei aquilo de lado e continuei. Buscava algum tronco derrubado para sentar ou uma pedra grande suficiente para isso. Se achasse alguma, começaria a cantarolar qualquer coisa como um aquecimento de voz com algumas técnicas adequadas.

14

HistóricoPosts: 14
Ganhos: 2.500.000 Berries
Perdas:





_________________

 Diário de Bordo, Do Extremo Sul ao Mundo. - Página 2 UzUrtSf
Pepe
Ver perfil do usuário
Imagem : Teje preso!
Créditos : 11
Localização : Lvneel - North Blue
PepeAvaliador
https://www.allbluerpg.com/t321-aiko-saito#935 https://www.allbluerpg.com/t1723-operacao-p-a-r-a-d-i-s-e


Narração

Beni
Localização: Centaurea - South Blue
Período do dia: Tarde

Beni não se importava tanto com o frio, na verdade parecia se importar mais com o número “alto” de trabalhadores que havia por ali. Acabou entrando um pouco mais na floresta sem medo algum, simplesmente a procura de um bom lugar para se sentar.

Demorou pouco menos de dez minutos para encontrar um e assim começou a cantarolar lá. Ficou certo tempo cantarolando, treinando sua garganta, era difícil estimar o tempo que gastou nisso, mas o frio ali no meio das árvores era um pouco melhor que no campo mais aberto onde o povo estava cortando. De vez em quando um vento passava entre as árvores e o frio voltava com tudo.

Com o passar do tempo Suzume começava a sentir certo desconforto. Não do frio ou da bunda estar doendo sentada no tronco, mas sim aquela sensação instintiva de que estava em perigo. A presença de lobos e ursos na floresta sempre foi forte e quando olhou para o lado viu exatamente um lobo a olhando.

Era um bonito lobo, com a pelugem meio acinzentada, mas ele não parecia agressivo. E o motivo para isso era simples, Beni percebeu que ele estava com uma coleira. Um homem alto apareceu pouco depois logo atrás dele. Seus músculos se destacavam mesmo com a roupa grossa que possuía. — Por que uma jovem como você está aqui sozinha? — a voz do homem parecia preocupada. — Não está tentando se matar, não é? — perguntou com a voz ainda mais carregada de preocupação.

Legenda:
Histórico:

Icons made by Freepik from www.flaticon.com

_________________

 Diário de Bordo, Do Extremo Sul ao Mundo. - Página 2 OOvf4T4
Benisuzume
Ver perfil do usuário
Imagem :  Diário de Bordo, Do Extremo Sul ao Mundo. - Página 2 DzoN8sc
Créditos : 05
Diário de BordoContos de uma Artista
The Eye's Song




O vento corria naquele labirinto de árvores e se viam forçados a seguirem por caminhos alternativos devido as grandes moradoras que compunham aquela floresta. Assim, o frio maior era evitado — mas não totalmente — e com isso eu podia aquecer melhor minha garganta e cantar sem receios.

Contudo, uma brisa ou outra que viaja com mais liberdade chegava a mim, me fazendo arrepiar por dentro e soltar gemidinhos de frio que vinha tão inconvenientemente.

Uuu uiuiu. Acho que não foi uma boa idea, hihi.

Por mais que achava a decisão de vir pra montanha um tanto ruim agora, ainda permanecia por lá. Não queria ter perdido meu tempo livre atoa. Continuei, e isso trazia sensações estranhas. Um silêncio perturbador que parecia que a floresta ia me engolir. Interrompia meu canto com o instinto me fazendo olhar pros cantos de forma involuntária.

Droga. Acho que deveria sair da...

As palavras desapareceram ao ver o lobo diante de mim. Os olhos azuis como o mar, ficaram abertos sem piscar. O coração por um momento acelerou.

"Um lobo? Devo fugir?"

Sabia que eram animais perigosos, facilmente me morderiam se eu demonstrasse agressividade ou atitude emocionada. Mas eu não pensei nisso, o medo que me paralisou. Por sorte, minha atenção foi levada a um item confeccionado por humanos.

Uma coleira?

Foi então que me dei conta do sujeito a seu lado. Olhei para o homem um tanto surpresa, meu olhar não demonstrava medo a ele, tampouco algum tipo de vontade de tê-lo longe de mim. Sua forma atenciosa me cativou por se importar com uma desconhecida.

Hã? Me matar? Nem, nem, nem. Sou a única mulher entre 8 irmãos, sendo a filha do meio com um monte de responsabilidades. Me matar é a última coisa que poderia acontecer comigo agora, yuyuyu. — Brincava. — Vim só pra por os pensamentos no lugar em um ambiente calmo. A montanha me pareceu um local adequado, embora muito frio, hihi.

Voltei meus olhos para o pequeno lupino, e comentei.

Criaturinha fofa, esse. Como conseguiu domesticar um lobo?

15

HistóricoPosts: 15
Ganhos: 2.500.000 Berries
Perdas:





_________________

 Diário de Bordo, Do Extremo Sul ao Mundo. - Página 2 UzUrtSf