Tópicos Recentes
Destaques
Klaus
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Últimos assuntos
SubaéHoje à(s) 6:11 pmpor  RyomaRenHoje à(s) 6:05 pmpor  RyomaHere Comes The SunHoje à(s) 5:55 pmpor  CejiO último adeus!Hoje à(s) 3:18 pmpor  2MiausI - Florescer improvávelHoje à(s) 2:02 pmpor  VrowkCapítulo 1 - O mar não está para peixeHoje à(s) 1:51 pmpor  Tomita2º Capítulo: A força de um guerreiro não se encontra no ataque, mas sim na resistência!Hoje à(s) 12:36 pmpor  SashaCréditosHoje à(s) 12:13 pmpor  DeepQuem liga para Karatê?Hoje à(s) 9:28 ampor  Wolfgang Ascensão Pirata - Ato 2Hoje à(s) 1:41 ampor  Kira
Uriel
Ver perfil do usuário
Imagem : [FP] Uriel D. Priest 7W9PtJi
Créditos : 00
[FP] Uriel D. Priest Seg Maio 03, 2021 10:44 pm



Uriel D. Priest








Sobre o Personagem


Nome: Uriel D. Priest
Idade: 23.
Género: Masculino.
Mão Predominante: Destra.
Altura: 1,85m
Peso: 79 kg.
Raça: Humano.
Origem: Las Camp
Localização: West Blues
Grupo: Civil

Complementos



Aparência:
Uriel é um homem de feições misteriosas e duras, difíceis de serem identificadas. O que mais chama atenção em sua face são os olhos profundos e penetrantes que refletem uma personalidade frígida e afastada. Suas mandíbulas são quadradas, traçando linhas afuniladas até um queixo mais fino. Seus lábios inferiores são mais grossos e destacados do que os superiores, traçando um semblante sério e pouco amigável. Sua pele é morena e seus olhos são profundamente negros. O cabelo branco se revela entre a parte superior do boné que esconde seu rosto, aumentando a aparência misteriosa do homem.

O corpo de Priest é robusto, com ombros largos e peitoral definido e bem destacado. A forma de seu corpo desce em uma cintura proporcional a simetria do corpo, com pernas e troncos longos. Dada sua altura e músculos, o homem apresenta certo aspecto bárbaro e bruto. A definição dos músculos de seu corpo é visível e destacada, mas não possuem grande massa, ainda sim, se destacam pela genética abençoada dos ombros e peito largos. Suas pernas e braços são tão robustos quanto o resto do corpo, tendo força e destaque em seu estilo de luta. As mãos do homem são calejadas, assim como suas costas e lombar que escondem cicatrizes superficiais porém visíveis e inapagáveis.

As vestes apresentadas pelo infame são variadas. Utiliza um boné na cabeça, cuja parte superior deixa escapar seu cabelo. Um cachecol enrolado em volta de seu pescoço e uma camisa listrada sobre o peito. Sobre as vestes, Uriel utiliza um macacão que se prende a um único ombro, cortado por um cinto na altura da cintura. Acima destas, um sobretudo bege encobre seus braços e desce até a altura das coxas.

Personalidade:
Uriel acredita que numa batalha é possível ler a alma dos homens é revelada, mas ele teria perdido a sua, há muitos anos atrás, por isso seria tão frio. A maneira instintiva de lutar se assemelha à ideia de um predador na selva. Ele não segue as leis dos homens, mas as próprias leis e acredita no instinto de um lutador. Ele acredita na reciprocidade, logo ação e efeito são uma lei natural. Uriel sempre teve uma grande desilusão do mundo e por isso é recluso quanto aos próprios ideias, mas pode-se ver que é alguém convicto nos próprios objetivos.

A visão de Uriel é frígida e direta, seu maior objetivo é nunca mais ser controlado por outros e para isso, ele está disposto a se livrar de qualquer um que se oponha à sua vingança e a esse pensamento. Priest dificilmente confia em outras pessoas e suas expectativas se limitam apenas às suas próprias ações. É capaz de se aliar por interesses mútuos, mas confiança é algo que minusciosamente deve ser conquistada. Acima de tudo, Uriel é inteligente e capaz de sancionar suas atitudes. Não luta ao menos que veja necessidade ou motivo que ache realmente necessário. Não vê significado em provar nada aos outros e age de acordo com os próprios ideais. Para ele, o mundo está consumido pela maldade dos homens e a guerra é um fardo que deve ser carregado com cuidado. Aqueles que usam apenas a força, sucumbem, mas aqueles que se escondem por trás de outros, são ainda mais escória.

A frieza contra seus inimigos é algo que transcende qualquer coisa. Não vê classes, já que sua visão quase que egoísta só permite pensar que vive num inferno, onde sobrevive o mais forte. Olho por olho, dente por dente. Essa é a única lei. Aquele que se põe diante de um campo de batalha, deve estar preparado para o que isso significa. O medo é o primeiro sinal de submissão e derrota. Os guerreiros devem lutar por suas vidas para merecê-la. A misericórdia é algo que poucos gozam ao longo da vida. Perdoar seus inimigos é algo que Uriel não entende, mas que possui um limiar entre lutar justamente e ser covarde. Uriel não ataca pessoas de maneira compulsiva e recusa-se lutar contra incapazes, crianças ou pessoas que não sejam guerreiras. Aqueles que fogem da luta são a maior escória do mundo, assim como aqueles que demonstram sua força em incapazes de revidar. O infame também tem a fama de "brincar" com os inimigos. Alguns dizem que ele faz por gosto, outros por se sentir superior, mas Uriel na verdade é alguém que acredita estar testando a motivação daqueles que enfrenta, até que ponto são capazes de superar os próprios limites e enfrentar todas dificuldades. É algo que vê em si mesmo, por isso, tenta trazer a tona algo dos inimigos que o enfrentam, chamando isso de honra, mas se engana pensar que subestima ou perde tempo "brincando" desnecessariamente.

Priest tem o objetivo de se tornar cada vez mais forte para um dia encontrar Rudi Amaro, o homem que, de acordo com Uriel, achou que havia lhe dado o direito de viver. O rapaz busca a vingança sobre homens como ele e aqueles que se escondem por trás de uniformes/poderes para serem controladores e opressores, como os marinheiros. A Grand Line é seu primeiro destino e Uriel aprendeu a nunca subestimar inimigos ou situações. O mundo é uma caixa de surpresa e o mais desatento pode perecer a qualquer momento. Isso torna Uriel alguém rigido e quase perfeccionista, normalmente, não vê problema em assumir ter errado ou que algo o surpreendeu ou foi admirável, nesse quesito é alguém bem honesto e que não teme suas próprias palavras. Sua postura natural e rotineira é imponente e direta, não gosta de jogar conversa fora, mas também não vê isso com maus olhos, é um simples ato que ele prefere se abster. Apesar da postura rigida, Uriel não perde a calma com facilidade e isso é algo que opositoriamente constrasta com sua maneira durante uma batalha séria.

Um fato engraçado é que Uriel odeia vegetais. Ele é incapaz de comê-los e até o simples fato de sentir o cheiro ou citar o assunto, o faz ter ânsia de vômito. Isso se deve ao fato de ter sido criado comendo apenas vegetais na época do orfanato, pois comer carne era considerado um pecado. Uriel, então, criou uma tremenda repulsa psicológica e fisica. Outra coisa que o irrita — num ponto, geralmente, considerado cômico e não violento — são pessoas que falam encostando no mesmo ou gente que invade seu espaço pessoal como abraços ou tapas inesperados, isso o deixa desconfortável.



História:


As lembranças mais distantes ainda guardadas por Uriel, se iniciaram num pequeno orfanato religioso situado numa area pobre, onde as crianças abandonadas eram cuidadas. A criação era rígida e regida pelo padre e as freiras. Completando cinco anos de idade, as crianças entravam num processo de aprendizado, ou melhor, um processo de doma. O orfanato era organizado pelo Frei, cuja visão religiosa extrema transformava os garotos em pessoas submissas a seus ideais perigosos.

O processo de alfabetização era o primeiro e o menos rígido, ali era separado o trigo do joio. As crianças aliviadas mais facilmente, gozavam de privilégios, enquanto as demais eram submetidas a um processo de amansamento. Uriel nunca foi alguém fácil, a personalidade forte e destemida lhe acompanhou desde aquela época, sendo as questões e perguntas algo que pautou o início do sofrimento.

A dificuldade em aprender as escrituras, somada à falta de submissão, tornou o garoto um dos animais selvagens que deveria ser domado através do chicote. Isso se criou com a visão que Uriel teve daqueles que se permitiam ser controlados. Os colegas que aceitavam aquele tratamento, constantemente sofriam abusos incontáveis do homem de fala mansa e olhar amedrontador. Uriel foi vítima de tortura, justificada como um modo de expurgar os pecados e os demônios que lhe haviam consumido a alma. Era um fardo, desde aquela época.

Quando tinha onze anos, um bando de piratas apareceu em Las Camp, usando de disfarce para se infiltrar na cidade. O orfanato recebeu a visita desses homens e as crianças consideradas rebeldes foram vendidas ao bando. Houve grandes indicios, na epoca, de que a Marinha estaria recebendo algum suborno por baixo dos panos, mas nada foi descoberto publicamente e o sumiço das crianças foi dado como uma espécie de fuga.

O Bando estaria se estabelecendo em Las Camp para uma partida à Grand Line, as crianças adquiridas eram levadas para trabalhar como escravos, carregando os materiais do navio e futuramente serviriam de "soldados". Antes, foram colocadas de frente a um homem de aparência excentrica e completamente diferente daqueles que já havia visto antes. Uriel tremeu e foi incapaz de lutar ou se opor. O que sobrou foi o trabalho pesado. As crianças eram tratadas como verdadeiros escravos, vendidas e flageladas para um melhor desempenho no trabalho. Como burros de carga, faxineiros a mordomos, tudo e quanto é sinal de cansaço era punido da mesma forma, o estalo do chicote.

Ao longo dos meses, a maior parte dos órfãos morreu por desnutrição ou maus tratos. Por resistência ou costume, Uriel sobreviveu aquela etapa, mas continuou a nutrir a esperança de se libertar. Certo dia, alvo do chicote enquanto carregava grandes blocos de madeira, Uriel ameaçou a investir contra um dos torturadores, mas foi impedido por um homem velho com olhos queimados e punhos marcados.

Don Murik, um ferreiro da velha guarda, respeitado e temido pelos demais piratas do bando, tomou a "custódia" de Uriel como "pupilo". Melhor dizendo, Don Murik viu potencial no garoto e o adotou à forja da base, onde suas habilidades e resistência podiam ser aproveitadas. O velho ferreiro era tão rude quanto outros, porém, não utilizava de tortura ou métodos grotescos, o que, ao longo do tempo, fez Uriel o respeitar mais do que os demais. Don também lhe ensinou sobre a batalha, os mares, mulheres, bebidas, o mundo ao redor e a guerra. O primeiro vislumbre do mundo externo que Uriel testemunhou foi através dos olhos de outro. Foi nessa mesma época que Uriel tornou-se dependente de alcool, graças ao modo de vida que Murik levava.

O treinamento do rapaz trouxe grandes resultados e o reconhecimento surgiu gradativamente, mas Uriel ainda guardava mágoas de um passado conturbado e uma vingança era maquinada em sua mente inquieta. Numa dada noite, aos doze anos de idade, Uriel levou consigo um machado ao orfanato religioso e lá, assassinou todos os responsáveis do local, num ato sanguinário e frio. O episódio ficou conhecido na região como “Atentado do Diabo”. O responsável foi localizado com facilidade, já que Uriel não se deu ao trabalho de fugir ou se esconder. A Marinha descobrindo seu envolvimento com Rudi, mandou-o devolta ao Bando e um trato foi feito. Uriel deveria ser executado pelo próprio Bando e a notícia que surgiria era que o garoto havia enlouquecido e se matado.

No dia da execução, o garoto foi atacado enquanto dormia e ferido de maneira grotesca. A "execução", no entanto, era um mero teatro maquinado por Rudi Amaro, Capitão do Bando. O homem ordenou que Uriel fosse espancado e sua resistência testada até os limites de sua capacidade. Se sobrevivesse, teria a oportunidade de acompanha-los como igual.

Uriel foi dado como morto mas, na verdade, havia sobrevivido. A sede de vingança o consumiu mais uma vez, agora direcionada aos responsáveis pela tentativa de execução. Uriel partiu para a Base de Rudi que se localizava em terra firme e lutou contra aqueles que cruzavam seu caminho. Cercado, o garoto se viu beirando a morte pela segunda vez. Dessa vez, Rudi interviu diretamente. O garoto o desafiou, mas Rudi gargalhou com desprezo. Rudi Amaro o contou sobre o envolvimento da Marinha, ironizou a inocencia de Uriel e gargalhou sobre sua sede de vingança, mas ao fim, convindou-o a se juntar ao Bando, mas Uriel recusou fervorosamente. Teria sido executado, mas a “simpatia” do Capitão Rudi lhe permitiria viver. O garoto deveria sobreviver e quando estivesse forte, deveria encontrá-los no Novo Mundo, onde sua vingança poderia ser consumada. Uriel aceitou em silêncio, sobreviver sozinho já seria um fardo. As notícias de sua sobrevivência correram rapidamente, mas o Bando de Rudi havia partido para a Grand Line e a Marinha não se pronunciou sobre o caso.

Uriel cresceu ganhando dinheiro da maneira que podia. A fama de seu crime ainda reverberava entre os moradores das regiões próximas, agora em sussurros discretos, mas o rapaz viveu como um fantasma. Teve de roubar para sobreviver, aproveitando-se de sua própria imagem para isso. Nunca parou de treinar e havia adquirido um vício idêntico ao de Don, a necessidade de alcool. Uriel D. Priest guardou o rancor dentro de si e jurou que se tornaria forte o suficiente para chegar ao “Cemitérios de Piratas”. Havia sido ensinado que os homens que não tomavam as rédeas do próprio destino, estavam fadados a serem controlados. Não permitiria ser controlado novamente. A Marinha, piratas como os do Bando de Rudi, homens que achassem ter o direito de cometer atrocidades como as que havia sofrido o jovem Uriel, seriam tratados da mesma maneira. Receberiam o dobro das próprias covardias e injúrias. Aprenderiam a não entrar no caminho de uma pessoa que havia sofrido o pior dos homens. Era olho por olho e dente por dente.  



Características


https://www.allbluerpg.com/t25-qualidades-e-defeitos

Qualidades:

• Adaptável (Humano)
• Intuitivo (2 Pontos)
• Hipoalgia (2 Pontos)
• Duro de Matar (2 Pontos)
• Destemido (1 Pontos)


Defeitos:
• Dependente — Alcool (2 Pontos)
• Infame (2 Pontos)
• Insônia (1 Ponto)

Infame:
"Episódio conhecido como "Atentado do Diabo", foi quando Uriel assassinou a sangue frio todos os responsáveis pelo orfanato religioso que foi criado. O ato ficou conhecido pelas autoridades, piratas e civis da região, sendo visto como grotesco e impiedoso."

Dependente:
"Quando começou a aprender algumas coisas com Don Murik, as conversas geralmente eram levadas a base do alcool e isso criou uma dependência em Uriel que perdura ao longo do tempo."


Atributos


Nível: 1
Experiência: 20

PdV: 200
STA: 100

Atributos provenientes da raça devem ser colocados em verde [#99cc00], os provenientes de estilos de combate devem ser colocados em laranja [#ff6600], os provenientes de armas devem ser colocados em amarelo [#ffcc00], as bonificações de outros atributos em azul [#34B1EB] e as bonificações de Akumas no Mi em roxo [#cc00cc]

Força: 00 [+2 Racial]
Destreza: 06 [+2 EdC] [+2 Racial]
Acerto: 06 [+2 EdC]
Reflexo: 06 [+2 EdC] [+2 Racial]
Constituição: 02 [+2 Racial]

Agilidade: 9
Oportunidade de Ataque: 3
Redução de Dano: 0

Conhecimentos



Proficiências:
https://www.allbluerpg.com/t24-proficiencias
• Briga
• Ameaça
• Estratégia
• Forja
• Mineração

Profissão:

-

https://www.allbluerpg.com/t5-profissoes

Mascote


Nome do Mascote
Animal: Raça e especificações de seu mascote.
Altura: Altura de seu mascote.
Peso: Peso de seu mascote.
Porte: Porte do seu mascote.
Raridade: Raridade do seu mascote.
Aparência: Aparência do seu mascote.
Personalidade: Personalidade do seu mascote.
Atributos: Foco de atributo de seus personagens.

Comandos:
Lista de Comando complexos que foram ensinados ao seu mascote

Estilos de Combate



Bárbaro:
Bárbaro: Bárbaros são especialistas em combates de curta distância, que se baseiam em força bruta e superioridade física para lutar, utilizam armas como machados, clavas, maças, martelos, mangual e similares.

Técnicas


Nenhuma por enquanto.

Haki da Observação


Não despertado.

Haki do Armamento


Não despertado.

Haki do Rei


Não despertado.

Berries: 50.000 ฿S

https://www.allbluerpg.com/t33-mercado-comum#79

Itens


Tratam-se dos itens equipados em seu personagem

Cabeça:
- X -

Pescoço:
- X -

Tronco:
- X -

Braços:
- X -

Mãos:
- X -

Pernas:
- X -

Pés:
- X -

Inventário


Trata-se dos itens carregados pelo que não estão equipados em seu corpo.

10 U

Nome do Item: Engarrafados
Espaço: 1.
Descrição: Da cachaça a garrafinha de suco de uva, são bebidas para matar a sede, o vício e coisas desse gênero… Seu preço em si varia conforme a qualidade e condição do lugar.
Preço: 200.000 ฿S

Embarcações


Nenhuma por enquanto.

Menções no Jornal


Nenhuma por enquanto.

Photoplayer



Photoplayer:
[FP] Uriel D. Priest 760e05b516e6523b8874360a30724c4d
[LINK]

Relações



Players:
[url=Link da Ficha do Player]Nome do Personagem[/url] - Relação com o Player

NPCs:
Rudi Amaro - Inimigo Jurado

NPCs Importantes:
[url=Link com a Aparencia se existir]Nome do NPC[/url] - Relação com o NPC

Skÿller
Ver perfil do usuário
Imagem : ALOU TESTANDO O TESTE TESTADOR DE TESTES TESTADOS
Créditos : 35
SkÿllerSoldado
https://www.allbluerpg.com/t272-annabelle-petit-barozzi https://www.allbluerpg.com/t303-voice-of-the-soul#875
Re: [FP] Uriel D. Priest Ter Maio 11, 2021 10:58 pm
Aprovado
https://www.allbluerpg.com/t339-uriel-d-priest#998

_________________

[FP] Uriel D. Priest O0yljIK

[FP] Uriel D. Priest WhdRXxk

Fala Annabelle
Pensamento Annabelle
Fala Lilith