Tópicos Recentes
Destaques
Klaus
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Akira
Sasha
Ás
Shiori
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Últimos assuntos
Kit - FaktorHoje à(s) 9:39 pmpor  Faktor四 - Morte e SangueHoje à(s) 9:25 pmpor  Ex-PandaIchiji Tekina KachiHoje à(s) 8:53 pmpor  Kekzy Faísca ExordialHoje à(s) 8:41 pmpor  KekzyHellhounds 5 - Darude SandstormHoje à(s) 8:22 pmpor  YamiIII - Death or ParadiseHoje à(s) 7:26 pmpor  ShioriA Voz dos SilenciadosHoje à(s) 7:08 pmpor  KojiAgatha HarknessHoje à(s) 6:57 pmpor  KenshinUm Bom ArgumentoHoje à(s) 6:02 pmpor  ShroudCap. 2 - Ascendendo às profundezasHoje à(s) 4:57 pmpor  Van
 :: Oceanos :: Blues :: North Blue :: Stevelty
Página 1 de 1
Milabbh
Ver perfil do usuário
Imagem : Onde o poder predomina D776fa701dbbd5baf79e8a90639230aa
Créditos : 05
Localização : Ilhas Organ - East Blue
MilabbhCivil
https://www.allbluerpg.com/t1609-ophelia-jester#17229 https://www.allbluerpg.com/t1586-morte-e-sangue#16916
Onde o poder predomina Qua Out 13, 2021 9:14 pm
Onde o poder predomina

Aqui ocorrerá a aventura do Civil Leopoldo Bonfiglio. A qual não possui narrador definido.
Blind1
Ver perfil do usuário
Créditos : 14
Blind1Civil
https://www.allbluerpg.com/t1545-silver-khan#16471 https://www.allbluerpg.com/t1550-i-re-cobrando-os-sentidos#16527
Re: Onde o poder predomina Qui Out 14, 2021 7:47 pm


Tempo é dinheiro, dinheiro é poder. Algo a se saber sobre mim é que eu não perco meu tempo com coisas fúteis, todos os meus esforços são concentrados em fazer a diferença no meu presente visando o futuro. É com essa filosofia que eu, Leopoldo Bonfiglio, o responsável por reconstruir a minha família, acabo de chegar a Sytlever.

As referências que eu ouvi a seu respeito não poderiam ser melhores, em especial sobre o tal mercado sombrio, onde dizem possuir recursos valiosos e inestimáveis. Só de lembrar isso me traz arrepios, sinal da excitação que sinto com meu trabalho.

Durante minha viagem em primeira classe até Stevelty e o serviço de acompanhantes que foi me oferecido, acabei deixando praticamente toda minha economia nas coxas daquelas belas mulheres, charutos e baldes com cerveja e vinho mas felizmente posso dizer que vivi e aproveitei ao máximo essa experiência e, enquanto minhas pernas, braços e principalmente a mente tiverem disposição para trabalharem a busca por dinheiro não será um problema.  

Em contraste com o meu tempo no navio, agora em terras firmes me frustra o que eu vejo em um primeiro momento. Acostumado com o ar limpo de minha terra natal, não estava sendo fácil me controlar ante a poluição das fábricas e se a primeira impressão é a que fica, Stevelty terá que encontrar uma maneira de me abrir uma porta muito maior lá na frente se quiser que eu prolongue minha estadia aqui.

Sem tempo a perder, começaria a desbravar a ilha. Caso estivesse chovendo, eu procuraria me abrigar embaixo de uma estrutura horizontal que pudesse me proteger da água, afinal de contas, eu não posso chegar aos locais com cheiro de cachorro molhado. Com o tempo limpo, caminharia de cabeça erguida, a passos lentos e com ambas as mãos nos bolsos da calça em demonstração de confiança.

Meu maior objetivo nesta ilha é me inserir no mercado sombrio, onde eu poderei fazer contatos e me aproximar de mercadorias valiosas e, como eu imagino que não encontrarei as pistas sobre esse mercado em placas ou qualquer outro meio de sinalização, precisarei correr atrás disso pessoalmente. Precavido, já sei até onde vai ser minha primeira parada: sem sombra de dúvidas, um restaurante. Não atrás do entretenimento que esses estabelecimentos brilhantemente oferecem, mas sim das pessoas que ali frequentam e que o torna um centro muito rico de troca de informações e respostas diversas.

O local que eu procuro é de primeira categoria. Mesmo que na ocasião eu me encontre pouco ou nada afortunado, o poder dos clientes certamente me levará até a fonte do dinheiro. Quando encontrasse o estabelecimento que seguisse esse padrão, através de sua fachada, letreiro, símbolos, imagens ou escrita que pudessem chamar minha atenção, eu ingressaria imediatamente.

Ali dentro, iniciaria imediatamente a análise dos perfis da clientela. Eu procuro por homens ou mulheres, muito bem trajados, com jóias de ouro ou diamantes e similares e que possam estar acompanhados de seguranças, o que indicaria o seu grau de importância dentro de uma sociedade. Assim que avistado essa persona, eu me sentaria à mesa ou assento - caso no balcão - mais próximo. Ali, a fim de manter a maior sociabilidade possível, levantaria a mão para que o atendente mais perto pudesse me notar. — Um charuto e uma taça de vinho, por favor. — Solicitaria.

Meus ouvidos estariam a todo instante atentos a conversação alheia em busca de informações relevantes que pudessem me levar até um contato importante ou mesmo ao mercado sombrio. Com a chegada do meu pedido, eu moveria meu dedo indicador e médio da mão esquerda em direção ao charuto e exerceria uma leve pressão para conferir a textura originaria de sua capa e em seguida traria para perto do meu nariz para desfrutar do seu aroma. Com o polegar e médio da mão direita e os demais eretos, levaria até a taça de vinho e daria algumas voltas antes de finalmente levar até minha garganta, não que fosse um especialista, mas sim para que as pessoas acreditassem naquilo.

Aliado a isso, eu interromperia a primeira garçonete feminina que passasse proximamente e sutilmente, a tomaria pelo pulso e a convidaria para sentar comigo. — Com licença, senhorita, pode me conceder um minuto de sua atenção? — Antes mesmo que ela pudesse recusar, emendaria. — Diga-me, você está feliz com o seu trabalho atual?! Ou assim como essas mulheres que você serve, não sonha em usar ouro e diamante também? — Faria uma breve pausa para que ela pudesse refletir sobre. — Deixe-me explicar, por favor. — Nesse instante eu aproximaria a taça de vinho dela e curvaria a cabeça como um sinal para que ela se sentisse à vontade. — Meu nome é Leopoldo Bonfiglio, sou um homem de negócios e posso fazer e desfazer qualquer acordo. — Apresentaria-me buscando ganhar sua confiança. — Como garçonete você deve atender todo tipo de gente, receber cantadas e até mesmo gorjetas generosas de pessoas podres de ricos e é aqui que você entra. Eu preciso apenas que você me mostre uma ou duas dessas pessoas para que eu possa entrar em cena e costurar alguns acordos que sejam bons para nós dois. — Fumaria o charuto ao término e o tempo necessário para que ela pensasse na oferta. — Pense bem, uma oportunidade dessas não costuma surgir duas vezes no mesmo lugar. — Diria para tornar aquilo ainda mais emocionante para ela.

Por fim, aguardaria pacientemente pela sua resposta, enquanto me manteria atento a qualquer novo sinal que pudesse surgir ao meu alcance.

Histórico:

Kenshin
Ver perfil do usuário
Imagem : Onde o poder predomina XqxMi0y
Créditos : 26
KenshinDesenvolvedor
https://www.allbluerpg.com/t360-agatha-harkness https://www.allbluerpg.com/t1510-capitulo-ii-sonho-de-uma-noite-de-verao
Re: Onde o poder predomina Sex Out 22, 2021 3:29 pm
Aventura cancelada a pedido do player

_________________

Onde o poder predomina J09J2lK

"Ah, mas eu não quero ter dois caminhos ou ah, mas eu não quero ter caminho nenhum. Ué, você já pode porra, a única coisa que te impede de fazer isso é ser zé metinha e querer ficar comparando o tamanho do pau com o coleguinha pra compensar o ego frustrado." - Luquinhas, 2022