Tópicos Recentes
Destaques
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Últimos assuntos
Agnis CyrielleHoje à(s) 4:01 pmpor  Ryoma1º Capítulo: Alvorada dos Monstrorines!Hoje à(s) 11:01 ampor  Pippos[TUTORIAL] JaeggarHoje à(s) 9:31 ampor  MakaI - Desventuras em SirarossaHoje à(s) 3:18 ampor  PepeVirando a casacaHoje à(s) 2:28 ampor  Terry[P.N.D] MARINES&AGIOTAS, NÃO SÃO O MESMO?Hoje à(s) 12:38 ampor  GyathoLivro I - A CaminhadaHoje à(s) 12:37 ampor  YamiP.D.N. - Caçadores BacanosOntem à(s) 11:41 pmpor  KenshinChocho KimikoOntem à(s) 10:19 pmpor  RyomaMaka JabamiOntem à(s) 9:54 pmpor  Ryoma
 :: Oceanos :: Blues :: West Blue :: Toroa
Página 1 de 1
Kenshin
Ver perfil do usuário
Imagem :  I - Bullets & Swords XqxMi0y
Créditos : 15
KenshinDesenvolvedor
https://www.allbluerpg.com/t360-agatha-harkness https://www.allbluerpg.com/t386-prologo-frenesi-da-raposa#1165
I - Bullets & Swords Dom Maio 23, 2021 8:54 am
I - Bullets & Swords

Aqui ocorrerá a aventura dos(as) Civis Hera Schwarz e Kurokagi Hamane. A qual não possui narrador definido.

_________________

 I - Bullets & Swords J09J2lK
Bawn
Ver perfil do usuário
Imagem :  I - Bullets & Swords Vasc_110
Créditos : 00
Re: I - Bullets & Swords Dom Maio 30, 2021 8:11 am

Tec. Tec. Tec. O dedo indicador direito tamborilava uniformemente a mesa de carvalho a qual Hera estava sentada defronte. Os olhos percorriam os bulbos, béqueres e afins. Todos vagos. Um laboratório vazio no porão de casa era - provavelmente - um dos melhores lugares para se pensar, mas até agora nada. Encontrava-se sentada naquela mesma posição fazia horas e não fora capaz de produzir o menor resultado, qualquer fosse ele. A justificativa? Talvez estivesse passando por um bloqueio criativo, algo que toda pessoa cuja profissão por vezes depende da imaginação acaba se deparando. — Ah, eu desisto... — Suspiraria, conjuntamente à interrupção do movimento harmônico realizado pelo dedo. — Talvez seja melhor eu parar um pouco...Respirar um ar fresco, ou até comer algo. — De fato acreditava que comer algo lhe faria bem. Sabe-se lá quanto tempo havia se passado desde a última refeição. Sequer sabia se já era noite ou dia, mas esta informação de nada faria diferença. Levantar-se-ia da cadeira, prontamente dando uns tapinhas nas calças jeans para o caso de estarem amassadas. — Eu estou levando tudo? " Tudo " não era muito, como poderá perceber: uma pequena bolsa de dinheiro - que continha um pouco mais que cem mil berries - e a pistola antiga do tio-avô, parcialmente colocada na parte detrás da calça, oculta (ao menos supunha) pelo jaleco de cientista. Daria uma última olhadela na mesa de trabalho antes de se retirar.

Na rua, o primeiro a ser feito não poderia ser diferente: ver a cor do céu. Afinal, o horário definia se era mais plausível ir em um restaurante ou em um bar. Não aparentando ser madrugada buscaria a primeira opção. Caso contrário, a segunda. Sendo uma nativa de Toroa Island, era comum que a mulher conhecesse alguns estabelecimentos, apressadamente indo em direção ao primeiro - dentro das condições impostas - que a mente fosse capaz de lembrar-se. Havia a possibilidade, porém, de sua memória lhe trair ou, quem sabe, calhar do estabelecimento estar fechado. Assim sendo, abordaria qualquer indivíduo que se pusesse em seu caminho. — Olá! — Sorriso no rosto, olhar envolvente e atencioso. Hera tinha ciência de quando valia a pena ser mais simpática que o usual. — Desculpe o incômodo. Sabe me informar se existe algum restaurante, bar ou afim aqui perto? — indagaria, esperando pela resposta em sequência.  Obtendo a informação, não alongaria a conversa e enfim iniciaria a caminhada na direção sinalizada. — Certo, obrigadinha! — O semblante outrora alegre retornaria a seu estado natural. Afinal, era custoso para mulher manter a postura doce se levar em conta o fato de que estava com fome e descontente quanto ao progresso no laboratório.

[...]

Na lanchonete optaria por uma mesa qualquer com assentos disponíveis e, não havendo-a, não teria problemas em sentar-se de frente a um possível balcão de barman. Apenas se preocuparia em manter o espaço reservado para si o mais simétrico possível. Uma cadeira torta ou até mesmo uma distribuição irregular de indivíduos na mesa (pessoas sentadas uma ao lado da outra ao invés de estarem de frente) são ocorrências que - estranhamente - incomodam a mulher. — O seu melhor prato, por favor. Er...Na verdade, o mais barato... A menos que alguém não se importe em pagar para esta bela dama. — insinuaria, olhando ao redor para ver se alguém se pronunciava. — Nossa, já não fazem mais cavalheiros como antigamente. — Tinha até mesmo uma resposta pronta para lidar com o humilhante simples ato de pagar a própria comida. Na pior das hipóteses, pegaria a bolsa de dinheiro e removeria o necessário. Bom, a não ser que suas economias não fossem o suficiente. — Quer saber? Eu pago tudo no fim. Talvez eu ainda peça mais alguma coisa. — diria. Ao menos isto servia como uma desculpa temporária. " Eu que não vou lavar pratos para pagar essa maldita conta. "

Comeria lentamente. Não tinha por que ter pressa. — A ilha tem estado bem tranquila antigamente. Não tem nada de chamativo acontecendo, não? Ah, sim! Quais são os shows que estão sendo feitos? — Hera não lia o jornal. Isto não está exatamente na sua lista de prioridades. Simplesmente não tinha tempo para isto. Ao invés disso, sobrava-lhe a opção de perguntar diretamente às pessoas da ilha, por mais que estas informações não fossem tão verídicas ou imparciais quanto as de um jornal. Por mais irritante que fosse, isto ao menos a auxiliava a manter o disfarce de boa moça. Na verdade, a cientista não estava nem aí sobre os espetáculos artísticos "A" ou "B". Aquela pergunta era apenas um ponto de partida. Entre uma garfada na comida e outra iria soltando perguntas do tipo. — E o prefeito, está bem? — ou então — E a criminalidade? Não lembro da última vez que roubaram minha carteira! Nyahahaha. — Enquanto não a mandassem calar a maldita boca seria seguro continuar indagando e tagarelando. No pior dos casos teria que estrear a pistola, mas acreditava ser melhor evitar isto por enquanto.  

Histórico:

Nome: Hera Schwarz
Posts: 01.
Nrº de posts da Desvantagem: ~x~.
Ganhos:
Perdas: ~x~.
Players conhecidos: ~x~.
NPC's:
Extras:

Informações do Personagem:

Atributos
Força: 0.
Destreza: 6 [+3] [+2] [+1]  = 12.
Acerto: 6 [+3] [+2] = 11.
Reflexo: 6 [+2] [+2]  = 10.
Constituição: 2.

Agilidade: 10.
Oportunidade de Ataque: 3.
Redução de Dano: 0.

Legenda: Raça ; EdC ; Arma ; Bônus ; Akuma no Mi.

Proficiências
– Química.
– Lógica.
– Herbalismo.
– Toxicologia.
– Dramaturgia.

Qualidades
– Adaptável.
– Atraente.
– Visão Aguçada.
– Intuitiva.
– Prodígio.

Defeitos
– Insônia.
– Perfeccionista.
– Incompatibilidade com Haki.

Estilo de Luta
- Atiradora.

Profissão
- Cientista.

Objetivos:

[   ] Adquirir as proficiências Física e Explosivos (Prodígio).
[   ] Conhecer Kurokagi Hamane.
[   ] Virar pirata e adquirir algum dinheiro.
[   ] Deitar marinheiro na porrada.
[   ] Adquirir um meio de transporte para Derlund