Tópicos Recentes
Destaques
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Últimos assuntos
1º Capítulo: Alvorada dos Monstrorines!Hoje à(s) 11:01 ampor  Pippos[TUTORIAL] JaeggarHoje à(s) 9:31 ampor  MakaI - Desventuras em SirarossaHoje à(s) 3:18 ampor  PepeVirando a casacaHoje à(s) 2:28 ampor  Terry[P.N.D] MARINES&AGIOTAS, NÃO SÃO O MESMO?Hoje à(s) 12:38 ampor  GyathoLivro I - A CaminhadaHoje à(s) 12:37 ampor  YamiAgnis CyrielleHoje à(s) 12:06 ampor  gmasterXP.D.N. - Caçadores BacanosOntem à(s) 11:41 pmpor  KenshinChocho KimikoOntem à(s) 10:19 pmpor  RyomaMaka JabamiOntem à(s) 9:54 pmpor  Ryoma
Shinto
Ver perfil do usuário
Imagem : [Ficha] Shinto H9peUe6
Créditos : 00
[Ficha] Shinto Ter Abr 20, 2021 10:31 am



Shinto ♱








Sobre o Personagem


Nome: Shinto
Idade: 18
Género: Masculino
Mão Predominante: Esquerda
Risada: Shinshishishishi
Altura: 1.80
Peso: 79
Raça: Humano
Origem: Ravenwatch
Localização: Flevance - North Blue
Grupo: Civil

Complementos



Aparência:
Shinto é um jovem alto e magro. Os seus olhos brilham uma mistura de amarelo com laranja, chega a parecer um belo e requintado dourado. O seu cabelo é branco e comprido, usa uns brincos que se assemelham tanto a uma espada como a uma cruz e um colar que segura uma cruz dourada.

As suas vestes são umas simples botas e calças pretas. Veste uma camisa interior de manga comprida, branca, que cobre com uma outra, preta, de “gola alta”. Por cima usa um manto vermelho com capuz, adornado em branco com figuras que remetem à sua religião. Dois simbólicos broches brancos ligados por um fio também ele branco, prendem o manto e o fixam ao jovem.


Personalidade:

Devo de começar por referir, dificilmente esqueço ou ignoro qualquer injustiça, mal trato ou engano para comigo, os mais próximos a mim e claro aos deuses, mas para além desses pequenos momentos vingativos, como o que aconteceu com o homem que me educou, o tal Sacerdote, sou uma pessoa determinada e destemida, novamente o Sumo Sacerdote demonstrou bem essa minha capacidade, o tempo que levei a preparar-me a estudar o plano, o sonho, valorizo a honestidade e como tal gosto de a praticar. Não gosto de deixar as coisas a meio sendo necessário uma conclusão.  

Como dizia os ensinamentos de Luminis preza o amor, o perdão e o altruísmo. Enquanto isto Hemoris o meu grande pai afirmava, preza a pureza e a correção dos pecados. A minha mãe prendava-me com altruísmo enquanto que meu pai me abraçava com glória. O sangue que hemoris criou com a intenção de remediar os pecados é a minha tinta, o meu vinho e a minha entrega aos meus pais, eu pinto as belas criações de hemoris para purificar e bebo o seu vinho para o glorificar.

Tenho muito apreço pelo conhecimento e procuro saber e conhecer, estando de ouvidos abertos para qualquer pessoa que queira partilhar. O conhecimento é uma dádiva, assim como a capacidade de lutar. Ambas são um direito da humanidade. A minha crença, a minha família, os meus deuses e o meu Rei, tudo isto está acima de mim, à quem chame a isto altruísmo, mas a verdade é quem sem tudo isso eu não existo a eles dou a minha vida, pois eles a deram a mim.

Para concluir posso dizer que sou um ser compreensível, um ser que adotou os ensinamentos dos seus pais, que os segue fielmente e castiga qualquer traição ou difamação. Gosto de observar os outros, não tenho problema em vocalizar a minha opinião, mas tenho tendência em apenas o fazer quando necessário ou pedido, sou um ouvinte, um  ouvinte bom, espero. Com os outros tenho a oportunidade de aprender e conhecer todas estas diferentes criações do meu pai e todas as ligações que a minha mãe lhes permitiu ter entre elas.

História:
Nasci em Ravenwatch, um reino intrigante, belo, um reino que emana mistério e glorifica o divino. O clero e o Sumo Sacerdote sempre disseram que era filho dos deuses, que Hemoris e Luminis tinham presenteado o reino. Não estaria em posição para negar, ou descartar tal possibilidade era apenas uma criança quando me contavam as histórias dos deuses, e por sua vez do meu nascimento. Aos 2 anos de idade fui indicado a ocupar a posição mais alta da igreja do reino e assim a minha instrução começou.

Hemoris, o deus do sangue, do poder, da purificação e da guerra. Luminis, a deusa da Luz, da vida, do amor, da sabedoria. Os meus pais nasceram do caos, juntos deram fruto à vida, não só à minha, algo que o Sumo Sacerdote se rejubilava em dizer, mas a todos os seres, racionais ou não. Hemoris criou a terra, as estrelas, a matéria, com as suas laminas cortou o caos, Luminis que criou o céu e o espírito, aproveitou a sangrenta laceração no caos e iluminou o caminho para o novo mundo, germinou ordem e controla o tempo. Este foi o começo do mundo e da vida, segundo o que o Sumo Sacerdote me ensinava. As minhas instruções dividiam-se entre acompanhar Alexander e aqueles que lhe estariam próximos, observando, escutando, conhecendo-o, mas sobretudo a lições que o Sacerdote me instruía sobre o meu sangue azul.  

Quando fiz quatro anos tive o prazer de finalmente conhecer Alexander, o futuro rei de Ravenwatch, ele estava acompanhado pelos irmãos Ito, Saori e Daisuke. As nossas idades variavam, as espectativas para os nossos futuros também seriam diferentes, no entanto, eramos quatro crianças. Com eles descobri a aventura, a diversão, aprendi a questionar e a indagar, vi um espetro de personalidades diferentes, com ambições e crenças também elas particulares. O Sumo sacerdote sempre me dizia, “Shinto, filho de Hemoris, acompanha Alexander, observa-o, ele será o teu futuro Rei e tu o seu concelheiro.”, e assim o fiz. Para ser honesto nunca me aproximei de Saori e Daisuke, é verdade que eles me intrigavam, mas o foco estaria no meu futuro rei. Uma outra figura acompanhava sempre Alexander era Kaplya um Mink uns anos mais velhos que nós, era o seu guia, o seu guarda costas, parecia-me.


Por momentos, tinha eu 8 anos, duvidei do meu nascimento, de quem seriam os meus pais, ridículo, mas penosamente real, a dúvida existiu. Como poderia eu ser filho dos deuses, estava à beira do desespero, sem respostas, a duvidar da única coisa que me ensinaram quando Luminis me mostrou o caminho. Um feixe de luz iluminava uma tela em branco, eu avancei perplexo em sua direção, senti o calor, o abraço de uma mãe fez os meus olhos fechar e o meu espírito se acalmar. Enquanto me debruçava no abraço de Luminis, Hemoris segurava a minha mão, ela gelava e rapidamente a colocava em cima da tela.

Os deuses agora voltariam ao seu plano enquanto eu chamava por eles, pelos meus pais, sem resposta, abria os meus olhos e a tela que outrora estaria virgem, iluminada, agora vertia um vermelho divinal. A minha mão pingava a tinta que traria o apreço dos deuses, após esse momento nunca duvidei da minha família, dos meus deuses.


A tela manchada com o presente de Hemoris permanecia na minha mente, era uma mensagem que eu incansavelmente tentava descodificar, perdi tardes na biblioteca, noites a indagar e manhas a meditar. Nenhuma luz me aquecia, nenhuma resposta era me presenteada… Neste momento comecei a observar o Sumo Sacerdote, o mais próximo dos deuses, segundo a igreja, blasfémia, um homem que os adorava tanto como os desdenhava.

Comecei a exprimir mais a minha opinião, questionei e divaguei o meu coração ao Senhor Sacerdote, levei-o ao limite, todas as noites escutava atrás da sua porta os seus súplicos, os seus desdéns e sobretudo o seu descontentamento. Numa noite, um divino sopro afastava as nuvens, permitia a luz do luar trespassar a janela do meu quarto e iluminar a porta entreaberta, ouvi os seus passos, os passos do Sumo Sacerdote, pesados, ecoar pelo corredor. As palavras que antes pareciam umas de agradecimento, começaram a pintar uma inveja que rasgava os meus ouvidos, o Sacerdote, o Senhor que tanto me ensinou, que me educou, sangrava gritos de inveja aos meus pais. As preces dos outros deverão ser ouvidas, talvez tenha levado demasiado à letra as palavras do Sumo Sacerdote, certamente, agradeci à minha doce mãe, à minha quente luz que me encaminhou ao confessionário onde o Sacerdote pregava o seu infortúnio.

Voltei para o meu quarto com um sorriso no rosto e o sonho, o sonho que tive foi delicioso. Mas o momento, oh! O momento que vivemos na tarde do dia a seguir foi fantástico. Convidei o Sumo Sacerdote a fazer uma caminhada comigo, talvez lhe tivesse dito que seria mais uma peregrinação, pois o que começou nuns calmos e constantes passos até ao topo da montanha repletos de uma conversa amigável e religiosa apenas terminou com um vermelho a rasgar os céus, o cume cortava o sol que se estava a deitar, o manto gélido e azul da noite erguia-se. No topo estava uma tela, uma tela que estava manchada com um vermelho em forma de uma mão. As últimas palavras que o Sacerdote ouvia, seriam as minhas primeiras! – Senhor, deixai-me levá-lo até aos meus pais, pois são eles que te vão julgar. – E assim com as minhas mãos, puras, apertei o pescoço do Sumo Sacerdote, nunca me esquecerei do brilho dos seus olhos a desvanecer enquanto o seu corpo luta num frenesim… Nos seus últimos momentos, lutava dividido entre as suas crenças e a sua vida, a morte eu tinha-lhe garantido.

Arrastei o seu corpo até à tela, inspirava o precioso ar da montanha, o sonho que tinha experienciado estava realmente a acontecer, perdi um dia para me preparar para este momento, tinha deixado a tela já preparada no dia anterior. Com o luar finalmente a alcançar o pico e o sol já “para lá do horizonte”, eu tentei fazer um corte no dedo do Sacerdote com a minha unha, mas claramente não estava afiada o suficiente então, eu peguei na cruz que tinha ao peito e com um rápido movimento vertical perfurava o peito do velho com a cruz. O vermelho que jazia era uma bênção e com ele eu traria ao mundo o meu renascimento. Tingia os meus dedos com aquele presente de Hemoris e com eles pintaria o belo por do sol de Luminis me presenteava.

Se ninguém suspeitou? Não, porque alguém haveria? Ninguém tinha conhecimento da nossa excursão e o fato de existir ultimamente uma serie de homicídios ajudou a contribuir a um disfarce perfeito. Não que a verdade me trouxe-se problemas, pois qualquer membro do clero estaria pronto a receber ordens do filho dos deuses do que do Sacerdote que lhes cobrava a esmola. O desaparecimento do Sumo Sacerdote elevou a minha posição na igreja, no caso elevou os meus ganhos pela dizima. Neste momento desenvolvi e aproximei-me aos meus pais, tal como era o seu desejo nos meus sonhos, eu lhes presenteava com os mais belos quadros pintados com a mais pura das criações de Hemoris.

Passei muito tempo na biblioteca, lendo sobre várias religiões, sobre os deuses e sobre este mundo em que vivemos. Durante estas escapadas que uns chamariam de intelectuais eu prefiro chamar divinas, os meus olhos encontraram uma cara conhecida, já faziam anos que não a via, na verdade nunca a abordei, mas… sempre a mantive ao alcance da minha vista. Lembro-me de ler o mesmo livro três vezes, três vezes! a verdade é que já tinha esgotado todos os livros que me interessavam naquela biblioteca, só para poder estar no mesmo espaço que a Saori.  

Haru, era uma Mink que me fascinava, partilhava muitas das minhas crenças com a garota, e ela parecia retribuir, partilhando assim as suas. Rapidamente subiu na minha consideração e tornou-se uma das poucas pessoas que considero um amigo. Com ela via todo um mundo novo, todos os diferentes deuses que alguma vez partilharam este mundo, ela parecia partilhar pontos de vista e abordagens à vida de uma forma parecida à minha e isso trazia um certo conforto e apreço.


Aos 13 anos, como representante da Igreja, fui oficialmente declarado concelheiro do Rei. Talvez fosse um dos melhores momentos da minha vida. Eu cada vez mais me sentia próximo de Alexander, mais nele via a graça dos deuses, um jovem com poderes fortes demais para o seu corpo aguentar. Eu contei-lhe sobre os meus pais, sobre os meus deuses… a ele jurei fieldade e o seguirei. No seu pior e no seu melhor, tentei ajudá-lo, aconselhá-lo. Procurei auxílio e indicação nos deuses e no final eles apenas me entregaram uma misera e frágil proteção. Uma mascara pintada usado o divino sangue azul do meu Rei, uma mascara que lhe protegera o corpo de todo o seu poder, uma mascara que o permitirá desbloquear a sua verdadeira essência.  

O meu Rei, um presente dos deuses, Alexander é o meu destino, é o recipiente divino que um dia irá reinar junto dos meus pais, não os poderei falhar, mais do que um pedido dos deuses era um pedido de pais… Tive escolha, todos temos uma escolha… Eu escolhi, orientar, guiar o meu Rei pelos planos mortais e quando ele abrir os portões o acompanharei, aceitarei o meu lugar ao pé deles.  


Características



Qualidades:
Adaptável: Você pode pegar 2 pontos de qualidades de graça, limitando-se ainda no máximo de 7 pontos de qualidades. (Racial)
Hipoalgia: Você tem uma tolerância alta a dor, essa qualidade não o torna incapaz de sentir dor, mas o torna extremamente capaz de resistir a ela. Em situações onde outras pessoas simplesmente desmaiariam, você é capaz de resistir. Essa qualidade não o torna de qualquer forma resistente aos danos, no entanto você se torna capaz de aguentar muito bem a dor e pode passar a idéia de ser muito mais resistente do que verdadeiramente é. Em termos mecânicos, você não reduz de forma alguma o dano que recebe. (2 Pontos)
Carismático: Você tem uma espécie de magnetismo natural que faz com que algumas pessoas gostem de você sem motivo aparente. (2 Pontos)
Voz melodiosa: Sua voz é agradável e imponente, você consegue se destacar pelo seu tom, seja cantando ou dando ordens. (1 Ponto)
Abastado: Você é membro de uma família rica ou simplesmente acumulou riquezas sozinho, no início de toda aventura, você ganha uma quantia monetária para corresponder a isso.
Um ponto: ฿ 1.500.000

Shinto recebe o dízimo de sua igreja. Graças ao seu estatuto acabou por receber uma quantia monetária periódica.


Defeitos:
Obcecado: Você é completamente obcecado por um objeto ou atividade específica, praticando a atividade ou adquirindo o objeto sempre que puder, além disso, é um tópico de seu constante interesse, que você deve praticar ou falar sobre sempre que ver uma oportunidade.  (2 Pontos)

Shinto é obcecado pela sua religião, é obcecado por se aproximar mais dos seus pais e de completar a sua jornada tornando-se um deus a seu lado. Shinto Com frequência tenderá a se aproximar mais de seu pai, Hemoris, usando o sangue (pintando ou bebendo) e de sua mãe, Luminis, valorizando o amor e a empatia.

Leal: Existe algo ou alguém, uma pessoa ou organização, que você coloca acima de si mesmo, não se importando com o fato de ignorar seus valores ou se sacrificar para proteger essa relação.  (2 Pontos)

Alexander é a prioridade aos olhos de Shinto, ele é um recipiente que incorpora um deus. Shinto desde pequeno que acompanhou Alexander, cresceu com ele, aprendeu com ele. Shinto estima o seu Rei, pretende leva-lo com ele até ao plano dos deuses, pretende que todos os seus desejos se tornem realidade, Alexander é a ressurreição dos meus pais e como um filho devoto segui-lo-ei eternamente.




Atributos


Nível: 1
Experiência: 20

PdV: 420
STA: 100


Força: 0 ♱ Incompetente
Destreza: 2 + 2 + 3 = 7 ♱ regular
Acerto: 2  + 2 + 3 = 7 ♱ regular
Reflexo: 5 ♱ regular
Constituição: 11 + 4 = 15 ♱ regular

Agilidade: 6
Oportunidade de Ataque: 3
Redução de Dano: 0

Legenda: RacialEdCArmasBonificaçõesAkuma no MiEscala de Poder

Conhecimentos



Proficiências:

• Pintura
• Disfarce
• Etiqueta
• Hipnose
• Sedução

Profissão:



Mascote


Nome do Mascote
Animal: Raça e especificações de seu mascote.
Altura: Altura de seu mascote.
Peso: Peso de seu mascote.
Porte: Porte do seu mascote.
Raridade: Raridade do seu mascote.
Aparência: Aparência do seu mascote.
Personalidade: Personalidade do seu mascote.
Atributos: Foco de atributo de seus personagens.

Comandos:
Lista de Comando complexos que foram ensinados ao seu mascote

Estilos de Combate



Espadachim:
Espadachins são especialistas em combates de curta distância, as formas de se manejar uma espada variam muito de acordo com quem a empunha, utilizam katanas, montantes, rapieiras, sabres e similares.  

Lanceiro:
Lanceiros são especialistas em combates de média distância, fazem uso de armas de haste para explorar a distância entre eles e seus oponentes. Utilizam lanças, bastões, naginatas e similares. 

Técnicas


Nenhuma por enquanto.

Haki da Observação


Não despertado.

Haki do Armamento


Não despertado.

Haki do Rei


Não despertado.

Berries: 0 ฿S


Itens



Cabeça:
- X -

Pescoço:
- X -

Tronco:
- X -

Braços:
- X -

Mãos:
- X -

Pernas:
- X -

Pés:
- X -

Armas:
- X -

Inventário



6 U

Nome do Item: 1 Kit de Pincéis
Espaço: 2 por unidade
Descrição: Contendo 10 pincéis com pontas diferentes para artistas que desejam pintar quadros é uma excelente escolha da do as variações de pincel. (-100.000 ฿S).

Nome do Item: 1 Kit de Telas
Espaço: 2 por unidade
Descrição:  Contendo 10 telas excelentes para realizar pinturas. As 10 tem algumas variações de tamanho entre si, para fazer estilos diferentes de quadros. (-150.000 ฿S).

Embarcações


Nenhuma por enquanto.

Menções no Jornal


Nenhuma por enquanto.

Photoplayer



Photoplayer:
[Ficha] Shinto ?u=https%3A%2F%2Fstatic.zerochan.net%2FAmakusa.Shirou.Tokisada.full.2330049

Relações



Players:
Alexander - O meu divino Rei, um deus em construção, uma pessoa que acompanharei e guiarei durante toda a sua ascensão. O protegerei e viverei com ele, pois sem Alexander não irei encarar os meus pais. O protegerei durante a sua aprendizagem neste mundo que os deuses criaram e quando chegar o momento irei com ele até ao plano dos deuses, dos meus pais.

Kaplya - Um mink que apesar de estar sempre presente nunca realmente o vi. Ele sempre esteve ao pé de nós, a observar o meu Rei, se me lembro a Haru também parecia ter uma grande ligação com ele, talvez devesse o conhecer um pouco melhor…

Haru - Haru… Uma amiga, uma concelheira, afinal até um conselheiro precisa de conselhos. É estranho sim, mas penso que ambos fomos pegos de surpresa e crescemos em conjunto, sim crescemos não só fisicamente, mas sobretudo religiosamente. A senhorita Haru rapidamente cresceu na minha consideração com toda a dedicação que demonstrava por Alexander, eu ouvia as suas preces as suas conversas.

Daisuke - Daisuke é uma das crianças que acompanhavam alexander, não passei muito tempo com ele mas de certa forma vejo-o como um amigo, talvez sejam as aventuras de uma infância em comum que criam esse sentimento que sinto.

Saori - A Senhorita Saori faz lembrar um sonho delicioso… A sua beleza, a sua figura constantemente carrega a luz de Luminis. Os seus olhos, os brilhos das suas pedras de Jade são iguais às da minha mãe… Saori fascina-me, atrai-me, os sentimentos que ela me provoca são belos, são os sentimentos que a minha mãe queria que eu aceitasse.


NPCs:
[url=Link com a Aparencia se existir]Nome do NPC[/url] - Relação com o NPC

NPCs Importantes:
[url=Link com a Aparencia se existir]Nome do NPC[/url] - Relação com o NPC



Última edição por Shinto em Ter Maio 11, 2021 8:19 am, editado 1 vez(es)

_________________

[Ficha] Shinto EU4ZS77
Ryoma
Ver perfil do usuário
Imagem : a
Créditos : 17
Localização : Sirarossa
RyomaAvaliador
https://www.allbluerpg.com/t308-hany-g-drezat https://www.allbluerpg.com/t654-art-2-i-truly-hate-it
Re: [Ficha] Shinto Seg Maio 10, 2021 11:17 pm
Negada.
- Precisa de 4 proficiências relacionadas à profissão para se ter uma, dê uma olhada no tópico de profissões.
- Diminua a quantidade de U do seu inventário já que comprou itens da loja.
Shinto
Ver perfil do usuário
Imagem : [Ficha] Shinto H9peUe6
Créditos : 00
Re: [Ficha] Shinto Ter Maio 11, 2021 8:20 am
Editado

_________________

[Ficha] Shinto EU4ZS77
Ryoma
Ver perfil do usuário
Imagem : a
Créditos : 17
Localização : Sirarossa
RyomaAvaliador
https://www.allbluerpg.com/t308-hany-g-drezat https://www.allbluerpg.com/t654-art-2-i-truly-hate-it
Re: [Ficha] Shinto Qua Maio 12, 2021 11:25 pm
Aprovada: here