Tópicos Recentes
Destaques
Klaus
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Últimos assuntos
 :: Oceanos :: Blues :: North Blue :: Swallow
Página 4 de 4 Página 4 de 4 Anterior  1, 2, 3, 4
Kenshin
Ver perfil do usuário
Imagem : World Legacy Scars - Página 4 XqxMi0y
Créditos : 30
KenshinDesenvolvedor
https://www.allbluerpg.com/t360-agatha-harkness https://www.allbluerpg.com/t386-prologo-frenesi-da-raposa#1165
World Legacy Scars Seg Out 11, 2021 12:23 am
Relembrando a primeira mensagem :

World Legacy Scars

Aqui ocorrerá a aventura do(a) Marinheiro Kain Belmont. A qual não possui narrador definido.

_________________

World Legacy Scars - Página 4 J09J2lK

Pepe
Ver perfil do usuário
Imagem : Teje preso!
Créditos : 10
Localização : Flevance - North Blue
PepeEstagiário
https://www.allbluerpg.com/t321-aiko-saito#935 https://www.allbluerpg.com/t384-operacao-t-n-c-t-o-n-i
Re: World Legacy Scars Seg Nov 22, 2021 3:49 am


Narração

Kain
Localização: Swallow - North Blue
Período do dia: Almoço

Com uma nova informação sobre um possível açougue diferente do primeiro, Kain simplesmente não mostrava muita preocupação com aquilo no momento e perguntava para a menina se ela já havia visto o menino da foto. A criança estranhava um pouco a foto. — Tanaka-kun? Ele parece assustado na foto — falava ela. — Conheci ele ontem — completava a garotinha. A médica perguntou um simples por quê? E então a menina falou. — O pai dele ia beber no bar ao lado e perguntou se ele podia ficar aqui brincando enquanto isso — respondia ela. — Meu pai geralmente não aceitaria, mas depois de conversar com o homem por um tempo ele aceitou — fofocava a garotinha. — Mas Takana-kun era meio chato... não reagia muito quando eu falava algo ou fazia.

Com aquilo em mente, antes de saírem, a médica fazia outra pergunta para a pequena. — Onde que é o açougue dos seus pais? — E após a pergunta de Shima, ouviram a menina falando. — É alguns quarteirões daqui, na direção do quartel de vocês — e com aquilo via que a legista sorria, imaginando onde poderia ser.

Saíam da casa e iam para o bar logo ao lado. Com mais informações e uma que era realmente estranha em relação a noite anterior. Kain batia a porta do bar e perguntava se podia entrar, onde só ouvia o dono do lado de dentro falando para ele entrar e só ter cuidado com o chão, pois poderia escorregar.

Ao entrar, a mesma cena de antes, o dono ajoelhado esfregando o chão. — Espero que não tenha problema em não encarar vocês de frente, quero terminar de limpar isso aqui o quanto antes — falava Hideki concentrado no chão enquanto Kain e Shima iam entrando. Percebia que o chão estava realmente coberto de sabão e água, boa parte do sangue já havia sido limpo.

Legenda:
Randons
Tenente Strauss
Sargento Lincoln – Imagem Dele
Soldado Holnet – Imagem Dele
Médica — Shima — Imagem dela
Criança - Imagem dele

Histórico:
Nome e link da Aventura: World Legacy Scars
Nome e Ficha dos Participantes: Kain Belmont
Localização da Aventura: Swallow - North Blue

Kain

Ganhos:
• Katana Clássica (Post 9)
• Foto do menino

Perdas:
• 100k – post 12 – pagamento almoço

Relação de Personagens:

Experiência: 15 posts
Localização Atual: Swallow - North Blue


Quantidade de Postagens do Narrador: Pepe — 15 posts
Resumo: Nada acontece feijoada
Opinião sobre a Narração: Uma bosta

Icons made by Freepik from www.flaticon.com


_________________

World Legacy Scars - Página 4 OOvf4T4
Tidus
Ver perfil do usuário
Imagem : Kain
Créditos : 00
Re: World Legacy Scars Ter Nov 23, 2021 9:06 pm



World Legacy Scars

- Kain Belmont -


Ж

Ao ouvir que a garota conhecia o menino da foto e não apenas o conhecia como seus pais tinham aceitado acolhê-lo enquanto as vítimas bebiam no bar, não pude deixar de me surpreender.  ~ Ein? ~ Intrigado levei uma das mãos até o queixo. ~ Essa é outra inconsistência do depoimento, segundo o que o dono do bar disse a criança chegou junto com um dos grupos de vitimas. ~ Conforme descobrimos mais sobre o caso, mais a história de Hideke soava como uma invenção. ~ Mas o casal ter aceito tomar conta de uma criança de estranhos também é esquisito, e como ela foi parar na cena do crime se estava aqui? ~ Antes de partir olhei para a menina uma ultima vez. - Entendo, e você viu quando Takana saiu? Ele saiu sozinho? - Essa era provavelmente a informação mais importante, o menino de alguma forma tinha parado na cena do crime, a questão era: como? Os pais da menina o deixaram sair sozinho? Ele fugiu? Ou... O levaram até lá?

De qualquer forma, despedindo-me da criança finalmente alcancei a cena do crime pela segunda vez, o cenário estava bem menos assustador e desagradável, resultado do trabalho árduo de seu proprietário. - Não se preocupe, continue o que está fazendo. - Ergui uma das mãos a balancei em negação. - Não tivemos a chance de conversar mais cedo, eu sou o soldado Kain e essa é a doutora Shima. - Comentei em um tom ameno. - Agora que a poeira baixou eu gostaria de lhe fazer algumas perguntas se não se importar. - Não que a resposta do sujeito fosse fazer diferença nessa situação.

- Na noite anterior você se lembra do horário que as vítimas chegaram ao bar? Existiam outros clientes no momento do atentado? - Começaria com perguntas simples apenas para verificar se a história seria a mesma. - Você disse que a criança chegou junto a um dos grupos, certo? E não muito tempo depois ela começou a arrancar os membros das vítimas, sabe me dizer como exatamente ela fez isso? Usou algum tipo de arma? Como não encontramos a arma do crime não conseguimos analisar corretamente. - Deixaria que o sujeito respondesse como bem entendesse, nesse meio tempo permaneceria observando a extensão do estabelecimento, recordando de como o sangue estava espalhado de forma anormal anteriormente.

- Agora mudando um pouco de assunto. - Me posicionaria um pouco mais a frente da legista caso o sujeito tentasse alguma coisa. - O que você pode me dizer dos seus vizinhos? Aquele casal com a menininha. - Apontaria com a cabeça na direção da casa. - Você os viu no dia doa tentado? Parece que vocês não se dão muito bem, ouvi que você tenta comprar a casa deles a algum tempo e se recusa a fazer negócios com o açougue deles, existe algum motivo para esse desentendimento? - Permaneceria próximo a porta mantendo-me um pouco a frente da legista mas sem demonstrar intenções hostis, antes de partir para uma abordagem mais incisiva e confrontá-lo com as inconsistências em seu discurso queria ouvir de sua boca o que ele tinha a dizer.



Histórico:
Post: 16
Nome: Kain Belmont
Profissão: -x-
Proficiências: Acrobacia | Ameaça | Atletismo | Estratégia| Furtividade.
Qualidades: Alado | Profeta | Ambidestro | Visão Aguçada | Mestre em Haki.
Defeitos: Exótico | Infame | Ambição | Apegado | Intolerância Racial
Ganhos : Katana Clássica
Perdas: 100k
Localização: Swallow - North Blue

_________________

World Legacy Scars - Página 4 A8Pm5NR
Pepe
Ver perfil do usuário
Imagem : Teje preso!
Créditos : 10
Localização : Flevance - North Blue
PepeEstagiário
https://www.allbluerpg.com/t321-aiko-saito#935 https://www.allbluerpg.com/t384-operacao-t-n-c-t-o-n-i
Re: World Legacy Scars Qua Dez 01, 2021 4:46 am


Narração

Kain
Localização: Swallow - North Blue
Período do dia: Almoço

Antes de sair, surpreso com a informação de que o menino havia passado ali antes, Kain acabou perguntando quando a criança, que finalmente descobrira o nome, saíra da casa. — Meu pai falou que ia levar ele quando eu fosse dormir — falou a menina, que parecia ter se esquecido que os marinheiros a sua frente simplesmente não sabiam que hora seria essa. A médica dava esse pequeno lembrete mental e ela rindo falou. — Eu sempre vou dormir às dez, como toda criança de acordo com a mamãe — completou a menina.

Já no bar, apesar de fazer gestos, o dono não viu, concentrado no chão. — Eu ouvi sua voz mais cedo — falava o homem que ainda não olhara para os marinheiros. — Pode perguntar o que quiser, quanto mais cedo acabarmos com essa confusão melhor — falava ele pela primeira vez olhando para os dois. A exaustão era clara no rosto dele.

Enquanto Kain perguntava, o homem voltava a limpar o lugar. — Eles chegaram cedo — ouvia o Hideki falando. — Não lembro se sete ou oito, mas já estava escuro — comentava. — E na hora da loucura só as vítimas mesmo — falava o dono. — A maioria vai embora até meia noite, precisam trabalhar e se ficarem muito tempo vai ser problemático.

Nesse momento Belmont começava a falar da cena do crime, perguntando se havia uma arma do crime, mas aquilo fez o homem balançar a cabeça negativamente enquanto respondia. — Olha eu sei que é um absurdo, mas ele arrancou — falava o homem com força. — Sabe? Arrancar? Não teve arma. Ele puxava os membros das pessoas até a carne e os ossos partirem — falava o homem e Kain percebia que parecia um pouco amedrontado com a ideia. — Que arma faria aquilo? Se fosse algo cortante eu falaria cortado, ele arrancou é diferente — falava tentando voltar ao pleno juízo, como se tentasse domar o próprio medo.

Para a felicidade do dono, Kain mudava o assunto. — Não vi o bastardo ontem não — falava Hideki e o tom de raiva tomava fácil a conversa. — Eu não compro no açougue deles só porque se recusaram a me vender a casa deles. Queria expandir o negócio e mesclar com a minha casa que fica logo depois — o tom agressivo continuava ali. — Mas é só esse desentendimento, se ele aceitasse me vender essa bendita casa eu compraria com felicidade a carne deles porque ela é bem melhor que a do outro cara — completava Hideki.

A médica, que esteve calada até então se aproximava do dono, o homem notando a aproximação parava a limpeza e a olhava. Ela se agachava um pouco e olhando para ele de frente começava a falar, num tom baixo de novo. — Você está exausto, você trabalha aqui sozinho? — e quando a pergunta vinha, o rosto do homem virava uma mistura estranha de raiva e frustração. — Eu tenho outros funcionários é claro.... digo, tinha — falava ele que se forçou a parar de olhar para a médica e voltou a limpar. — Liberei eles ontem quando só sobraram os poucos clientes e eles se demitiram ao saber do atentado, falaram que aqui ficou perigoso demais para eles.

Legenda:
Randons
Tenente Strauss
Sargento Lincoln – Imagem Dele
Soldado Holnet – Imagem Dele
Médica — Shima — Imagem dela
Tanaka - Imagem dele

Histórico:
Nome e link da Aventura: World Legacy Scars
Nome e Ficha dos Participantes: Kain Belmont
Localização da Aventura: Swallow - North Blue

Kain

Ganhos:
• Katana Clássica (Post 9)
• Foto do menino

Perdas:
• 100k – post 12 – pagamento almoço

Relação de Personagens:

Experiência: 16 posts
Localização Atual: Swallow - North Blue


Quantidade de Postagens do Narrador: Pepe — 16 posts
Resumo: Nada acontece feijoada
Opinião sobre a Narração: Uma bosta

Icons made by Freepik from www.flaticon.com


_________________

World Legacy Scars - Página 4 OOvf4T4
Tidus
Ver perfil do usuário
Imagem : Kain
Créditos : 00
Re: World Legacy Scars Qua Dez 01, 2021 8:16 pm



World Legacy Scars

- Kain Belmont -


Ж

As novas informações só tornavam a situação ainda mais complexa, foi o vizinho que levou a criança de volta para o bar, mas por quê? Por que ele tinha aceitado tomar conta dela para mais tarde levá-la até lá? ~ Parece que nossa lista de suspeitos acabou de aumentar. ~ Refleti comigo mesmo. A conversa com Hideki também não ajudou muito, seu discurso era parecido mas ele fazia questão de ressaltar que os membros tinham sido arrancados e que as vítimas eram os únicos presentes no momento do massacre.

Por fim, a legista fazia um questionamento curioso que teve uma resposta ainda mais, já que o atentado tinha feito com que o estabelecimento perdesse seus poucos funcionários no processo. ~ Acho que isso faria sentido se alguém estivesse tentando fazer ele fechar as portas. ~ Quanto mais investigamos mais o caminho mudava, primeiro tivemos uma criança sendo incriminada, agora tínhamos o dono do bar que também poderia estar sendo uma vítima de um golpe, talvez o vizinho fosse o culpado? Era difícil dizer sem conhecer o outro lado da história.

Deixei um suspiro escapar e uma expressão mais séria tomou conta do meu rosto, Hideki podia até ser uma vítima, mas no momento ele também era um suspeito. - Entendo. Então é só isso que você se lembra? - Mantive o olhar fixo no sujeito. - Acontece que temos algumas informações que contradizem seu depoimento. - Daria alguns passos com cuidado pelo salão e me sentaria em uma cadeira se existisse alguma disponível. - As vítimas do massacre não tiveram seus membros arrancados como você disse, após uma análise descobrimos que seus membros foram cortados por uma lâmina, cortes certeiros e precisos que nem mesmo essa katana em minha cintura seria capaz de reproduzir. - Faria uma pequena pausa apenas para observar sua reação, mas antes que ele pudesse prosseguir ergueria uma das mãos com a palma aberta.

- Isso não é tudo. Também descobrimos que as vítimas não foram mortas por conta dos cortes, os membros foram cortados depois de já estarem mortos e a verdadeira causa da morte foi envenenamento. - Manteria um olhar afiado na direção do sujeito. - E ouvimos por ai que o bar estava fechado pelo lado de dentro pela manhã, então o culpado ficou do lado de dentro ou saiu por outra saída. Logo, você consegue entender o que isso significa, certo? Pessoas morreram envenenadas enquanto frequentavam o seu bar e comiam sua comida - Faria uma pequena pausa e alternaria o olhar entre Hideki e a legista. - Mas… - Pronunciaria pouco tempo depois. -  O garoto também poderia ter sido considerado culpado e o caso dado como encerrado, contudo sinto que não chegamos ao fundo dessa história ainda, ainda não consigo entender o motivo. Por que você ou aquele garoto matariam essas pessoas? Eles eram viajantes, ninguém sabia quem eram, não existia valor nisso e você apenas prejudicaria seu próprio negócio, e seguindo por essa linha: quem se beneficiaria se seu negócio fosse arruinado? Algum nome lhe vem à mente? E de onde veio a comida de ontem, quem a preparou? Como aquelas pessoas foram envenenadas no seu estabelecimento?

Se percebesse excitação ou confusão por parte de Hideki tentaria pressioná-lo. - Eu preciso que você mantenha o foco, Hideki, me ajude a encontrar o verdadeiro culpado ou a culpa cairá sobre você e aquela criança, afinal de contas vocês ainda são suspeitos e podem ser realmente os culpados. Então pense, o que você consegue se lembrar daquele dia? Qualquer detalhe que ainda não tenha nos contado, quem poderia ter feito isso? E por quê? - Um nome me vinha em mente no momento, mas será que era o mesmo no qual ele estava pensando? Se sim, por qual motivo? A briga com o vizinho era mais séria do que ele tinha nos contado? Afinal de contas, estamos falando de um crime bem sério ali. Em todo caso se o sujeito tentasse fugir ou avançasse de forma hostil, não hesitaria em puxar a katana em minha cintura e atira-la em sua direção visando acertar sua perna de apoio.



Histórico:
Post: 17
Nome: Kain Belmont
Profissão: -x-
Proficiências: Acrobacia | Ameaça | Atletismo | Estratégia| Furtividade.
Qualidades: Alado | Profeta | Ambidestro | Visão Aguçada | Mestre em Haki.
Defeitos: Exótico | Infame | Ambição | Apegado | Intolerância Racial
Ganhos : Katana Clássica
Perdas: 100k
Localização: Swallow - North Blue

_________________

World Legacy Scars - Página 4 A8Pm5NR
Pepe
Ver perfil do usuário
Imagem : Teje preso!
Créditos : 10
Localização : Flevance - North Blue
PepeEstagiário
https://www.allbluerpg.com/t321-aiko-saito#935 https://www.allbluerpg.com/t384-operacao-t-n-c-t-o-n-i
Re: World Legacy Scars Ontem à(s) 2:33 am


Narração

Kain
Localização: Swallow - North Blue
Período do dia: Almoço

A história não batia novamente com a realidade. Porém, desta vez Kain não queria esperar. O marinheiro começou a falar e a jogar toda a verdade na direção do exausto dono daquele bar. A confusão em seu rosto era clara e por isso a pressão aumentava ainda mais. No entanto, Hideki não fugiu, na verdade parecia longe de sequer cogitar a ideia. Ele se levantava com dificuldades do chão. Colocava a mão na testa como se sua cabeça tivesse começado a doer e com dificuldades sentava-se em uma das cadeiras do bar. — Não faz sentido — falava meio perdido. — Eu vi aquilo, eu sei que vi — continuava falando confuso.

Parava de falar e olhava para Kain e o jovem percebia que o adulto a sua frente estava tão indefeso e perdido quanto a criança naquele interrogatório, que parecia tão distante da forma que a menina havia descrito anteriormente. — Ninguém me vem à mente – falava ele até triste com a própria incapacidade. Começava então a falar sozinho por um tempo, citando casos idiotas de pessoas que poderia odiar ele por qualquer besteira, de um simples pisar no pé, até finalmente surgir algo “maior”. — Quem se beneficiaria no máximo seria o bar logo em frente — falava ele. — Apesar de termos uma boa relação, ele poderia ganhar muito mais se o meu parasse de existir — completava. — O povo quer mais beber que usar o alucinógeno lá, então não é difícil imaginar o que aconteceria se eu tivesse que fechar — quando terminava de falar disso parecia querer falar mais algo, mas tinha esquecido a pergunta.

Nesse momento Kain ouvia a médica falando. — Alguma peça ainda está faltando nessa confusão toda, porque você fechou o bar mesmo? — perguntou ela, só que sem toda a pressão e todas as outras falas de Belmont, deixando o barman pensar e responder. Hideki olhava para ela e começava a falar ainda perdido e com medo. — Eu só lembro de ter fechado o bar quando esperava a marinha, para ninguém tocar em nada — falava, parecia imaginar o que aconteceria com ele após a ameaça de que a culpa decairia nele e na criança, afinal, sabendo agora que a morte não era o que ele falara, realmente percebia que parecia culpado. Parava e engolia um pouco o próprio choro para então continuar. — Como eu falei, eu vi a cena, tropecei e bati a cabeça, quando eu acordei chamei a marinha e aí sim tranquei a porta para que ninguém fizesse nada — falava diretamente para responder isso.

E engolir o choro ajudava mais, ele parava novamente por um tempo e respirava fundo de olhos fechados para relaxar. Quando terminava olhava para Kain de novo. — A gente prepara a comida aqui mesmo. Cada ingrediente vem de um lugar obviamente. A carne vem de um açougue ou dos pescadores, enquanto os mais diversos vegetais vêm das feiras — comentava ele. — Nenhum prato vem de um único lugar, fica difícil identificar o que envenenou eles — falava ele tentando imaginar. — E se fosse o caso, não teria grandes chances de eu e meus funcionários estarmos envenenados também já que mexemos com a comida? — perguntava para os dois sem saber a resposta.

A pergunta seria mais adequada para a médica, que na verdade acabava ignorando a pergunta do dono e falava para Kain. — Se a comida estivesse realmente envenenada, não seria mais normal a criança ter morrido também? Ou a gente está contando com a “sorte” dela ter ficado simplesmente sem comer mesmo após ter chegado no bar? O pai ao mesmo tempo que se preocupa com ver a criança num bar, não se preocupa em deixa-la com desconhecidos... será que deixaria a criança sem comer nada? — comentava a moça.

Aquela fala acabava ligando uma luz na mente de Hideki que perguntava logo em seguida. — Como assim chegado ao bar? O menino entrou aqui com todos os outros desde o primeiro instante, comeu com eles e... — falava o homem e ele parava por um tempo quando parecia olhar para a frente meio perdido e então ele falava algo que deixava os marinheiros confusos. — E usou com eles... — a mão apertava um pouco a própria cabeça como se doesse mais. — Eu lembro deles usando Olho de Rapina... mas eu não tenho isso, e eu sempre indico o bar da frente até para não termos competição e deixarmos tudo na maior paz... por que eu aceitaria que usassem isso aqui? — perguntava apertando sua cabeça ainda mais tentando lembrar.

Olhando a cena, a médica virava para Kain e comentava também. — Eles não necessariamente foram envenenados aqui, podem ter sido envenenados antes e o efeito foi acontecendo com o passar do tempo, não deu tempo e não sei nem se temos os meios de descobrir qual veneno exato que matou eles, existem várias variantes para o tempo de efeito — falava ela tentando quebrar um pouco algo que poderia estar “fixo” na mente do marinheiro.

Legenda:
Randons
Tenente Strauss
Sargento Lincoln – Imagem Dele
Soldado Holnet – Imagem Dele
Médica — Shima — Imagem dela
Tanaka - Imagem dele

Histórico:
Nome e link da Aventura: World Legacy Scars
Nome e Ficha dos Participantes: Kain Belmont
Localização da Aventura: Swallow - North Blue

Kain

Ganhos:
• Katana Clássica (Post 9)
• Foto do menino

Perdas:
• 100k – post 12 – pagamento almoço

Relação de Personagens:

Experiência: 17 posts
Localização Atual: Swallow - North Blue


Quantidade de Postagens do Narrador: Pepe — 17 posts
Resumo: Nada acontece feijoada
Opinião sobre a Narração: Uma bosta

Icons made by Freepik from www.flaticon.com


_________________

World Legacy Scars - Página 4 OOvf4T4
Tidus
Ver perfil do usuário
Imagem : Kain
Créditos : 00
Re: World Legacy Scars Hoje à(s) 1:47 am



World Legacy Scars

- Kain Belmont -


Ж

Como já devia esperar o dono do estabelecimento não parecia saber muito e assim como o garoto estava perdido com os acontecimentos. ~ No fim ele não suspeita de ninguém, pensei que alguém na situação dele estaria mais desesperado e apontando dedos. ~ Cocei a testa com a ponta dos dedos da mão direita, o comportamento humano ainda me era curioso, principalmente as pessoas fora de Lito Garden, todos eram tão individualistas e falsos, aquele sujeito estava provavelmente sendo enganado por algum conhecido próximo, alguém que foi capaz de incriminar até mesmo uma criança e mesmo assim ele não faz ideia de quem pode ter sido. ~ E esse tipo de gente ainda nos chamaria de bárbaros. ~

Conforme a conversa avançava mais percebia que estávamos andando em círculo, isso até o sujeito comentar sobre o menino. - O garoto o que? - Olhei um pouco confuso, como assim o menino estava com eles? A garota tinha comentado sobre a criança ter ficado em sua casa até pelo menos as dez da noite, então era impossível que ele tivesse entrado no bar junto dos seus pais por volta das oito. - Céus, que confusão enorme isso está se tornando. - Levei uma das mãos até o rosto. ~ Acho que devia ter escolhido a praia. ~ Um suspiro desanimado escapou. - Certo, vamos recapitular. - Respirei fundo e juntei as mãos próximas ao rosto.

- O grupo chegou a esse bar por volta das sete ou oito da noite, segundo Hideki o garoto já estava junto, o grupo também estava consumindo Olho de Rapina que ele não os forneceu, então onde eles conseguiram? Voltando ao menino, antes de vir até aqui descobrimos que seus pais passaram na casa ao lado e deixaram seu filho lá até pelo menos às dez da noite. - Meus olhos correram entre a legista e o comerciante. - Também sabemos que a causa da morte foi envenenamento, mas ainda não sabemos como ou quando eles foram envenenados, descobrimos que pelo menos Hideki e o garoto tiveram uma alucinação similar, algo extremamente raro que não aconteceria de forma natural, além disso também ouvimos que não houve gritaria na noite passada, então isso apenas reforça que não houve confronto algum. - O quebra-cabeça ainda estava incompleto, motivações, ainda não tinhamos pistas alguma sobre esse tópico.

- No momento acredito que precisamos descobrir porque o vizinho aceitou ficar com o mínimo e para onde ele o levou após as dez da noite. Além disso, o grande problema aqui parece ser o Olho de Rapina, precisamos descobrir onde eles conseguiram e questionar um especialista no assunto sobre alguns tópicos. - Olharia na direção de Hideki. - O seu sócio dono do bar especialista no uso do Olho de Rapina, sabe onde podemos encontrá-lo agora? Além disso, sabe se ele tem algum contato com o dono de um açougue? Ele é próximo ao seu vizinho? - Daria espaço para o sujeito pensar e aproveitaria para me levantar já me preparando para partir.

Antes de sair do estabelecimento pararia próximo a porta. - Escute, eu acredito que você e o garoto foram usados e é por isso que não vou te levar sob custódia, continue aqui agindo normalmente, se algo estranho acontecer ou se lembrar de mais algum detalhe não existe em reportar a marinha. Dito isso… - Olharia pra trás por cima dos ombros com meus olhos dourados afiados. - Isso é um voto de confiança, se você tentar fugir e quebrar essa confiança descobrirá que sou um caçador muito melhor do que um investigador. - Sem dizer mais nada sairia do bar ignorando qualquer reação que o sujeito pudesse ter.

Agora existiam dois objetivos em mente que me levariam a respostas para perguntas distintas. - Você sabe onde o açougue dos pais daquela garotinha fica? Talvez eles nos ajudem a encontrar uma pista de onde as vítimas estavam antes de irem ao bar. - No momento talvez fosse melhor começar por aquelas pessoas das quais já tinha em mente o que lhes perguntar, o sócio do nosso suspeito podia ficar por último já que ele poderia ser a peça mais importante desse quebra-cabeça. Tendo obtido uma resposta de minha companheira ou não, sairia em busca do tal açougue, pois ao menos já sabia que sua localização era na direção do quartel e provavelmente não deveria ser tão difícil de encontrar.



Histórico:
Post: 18
Nome: Kain Belmont
Profissão: -x-
Proficiências: Acrobacia | Ameaça | Atletismo | Estratégia| Furtividade.
Qualidades: Alado | Profeta | Ambidestro | Visão Aguçada | Mestre em Haki.
Defeitos: Exótico | Infame | Ambição | Apegado | Intolerância Racial
Ganhos : Katana Clássica
Perdas: 100k
Localização: Swallow - North Blue

_________________

World Legacy Scars - Página 4 A8Pm5NR