Tópicos Recentes
Destaques
Klaus
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Últimos assuntos
Página 1 de 1
Chesire
Ver perfil do usuário
Imagem : Kephar Nicos 89189d2d51c05fb502fd71b9d662ec78
Créditos : 35
Localização : Sirarossa
ChesireAdministrador
https://www.allbluerpg.com/t807-arthur-gyoukou-chesire#6592 https://www.allbluerpg.com/t809-moda-casual-de-luxo#6646
Kephar Nicos Qua Set 29, 2021 7:16 pm
Kephar Nicos

INFORMAÇÕES

Nome: Kephar Nicos
Sistema de Governo: Estratocracia
Regente: Al-Aruna Saxan Nehog
Densidade Populacional: Baixa
Religião: Kephara (Colonoco)
Clima: Ilha de Verão
Temperatura Média: cerca de 28º no verão, chegando a 15º no inverno.
Geografia: Kephar Nicos é uma ilha grande rodeada de rios que separam seu centro tribal, o vilarejo de Colonoco, de uma densa selva. Por volta de toda a praia se dispõem também diversos alojamentos, mas raramente algo que adentre a mata. A região do centro possui uma concentração de chuvas consideravelmente maior do que as outras.





HISTÓRIA

Diz-se que a tempos imemoráveis os pais do povo colonoco, os Kephara, desceram dos céus e molderam os terrenos inóspitos de Terra de Mata Grande para abrigar um povo guerreiro que viria a povoar este mundo e carregar a glória de seus ancestrais. Seus filhos e os filhos de seus filhos nasceram na base de uma filosofia de conquista e expansão da terra que lhes pertencia, mas suas vidas curtas permitiam pouco mais do que crescer a terra que já cultivaram e montar defesas contra o mundo maligno que os espreitava.

Tempos após, Kephar Nicos, a cidade da muralha, montada por debaixo de muros grossos e rodeada de rios para se proteger das espécies perigosas que ainda habitam a ilha, conquistou a terra a beira mar através de uma trilha sinuosa se aproveitando muito dos rios, dita só poder ser cruzada em dias que não há chuva. Já haviam povos vivendo lá, vindouros de outras ilhas, que trouxeram coisas que os colonocos nunca haviam visto: casas modernas, navios que cruzam os mares e diversas outras tecnologias, mas nenhum deles capaz o suficiente para atravessar a selva e chegar até o povoado dos herdeiros de Kephara sem a ajuda dos mesmos, impossibilitando a ilha de ser conquistada por estas forças externas. Vendo isso, o povo colonoco aproveitou a oportunidade e cresceu com alguns poucos representantes fazendo negócios fora do grande vilarejo, trazendo riquezas para o interior e fortificando o exército nativo de Kephar Nicos sem precisar os expor.

Vivendo no olho do furacão, entre bestas poderosas e invasores perigosos, os nativos fizeram da floresta sua maior força, tornando-se quase imbatíveis contra invasões. Além disso, tendo de lutar pelo pouco de carne e terra que tem a disposição, criaram-se um povo guerreiro, onde a estrutura social de sua vila se define a depender do treinamento e conquistas em batalha dos moradores. Nisso também se baseia sua fé, na qual o maior líder e combatente da tribo, o Al-Aruna, tem como seu direito divino após cinco anos de trabalho árduo na frente de batalha a ascender e habitar o lar dos Kephara. Nem todos de seu povo acreditam nessa lenda, mas poucos questionam, já que os anciões realmente demonstram possuir o segredo de como todos os Al-Arunas desaparecem ao fim dos cinco anos.



LOCAIS IMPORTANTES


Mata Grande


Região que compõe o interior de Kephar Nicos. Os primeiros povos do exterior que tocaram o chão desta ilha a chamaram de Terra de Mata Grande, simplesmente por ser a única coisa que viam além da praia, uma selva densa e virtualmente impossível de se cruzar, rodeada de perigos mortais. Aqui se abrigam espécies perigosíssimas, como os macacos carniçais e seus líderes de bando, grandes o suficiente para arrancar a cabeça de uma criança com uma mordida e capazes de crescer seus ossos duros para fora do corpo ao longo da vida para usar como armas naturais. Também hão os Kaipô, seres cujo comportamento se assemelha ao de leões, que caçam em bandos pequenos paralisando suas vítimas com o veneno doloroso da ponta de sua cauda. Em meio às árvores, Arurupa, o besouro-urso, derruba tudo com sua força descomunal para saciar seu apetite enorme por madeira, a qual seus dentes embebidos de ácido, mantidos escondidos dentro de seu casco a maior parte do tempo trituram com facilidade. Na mata densa, os lobos solitários Lapatu deformam os caminhos os manchando com o muco alaranjado que escorre de seus corpos para que possam deslizar rapidamente como cobras por estas trilhas. Mesmo quem faz a travessia por água sem supervisão cai nas mãos de criaturas como os Kui-Hapao, seres anfíbios de até dois metros que pegam velocidade debaixo d'água, saltam e planam alguns segundos no ar ao esticar a pele debaixo de seus braços, além de terem pernas fortes que usam para derrubar barcos menores que passam pelos rios. Estas dentre outras espécies até hoje são um enorme empecilho para a travessia pelo meio da ilha, e morte na certa para a maioria dos desavisados.

Comunidade de Colonoco: É por vezes chamada de vilarejo, principalmente pelos não-nativos por verem seus moradores como menos civilizados, mas pode se dizer que Colonoco se parece mais com o que se esperaria de uma cidade do que de uma vila pacata. Inicialmente se chamava Kephar Nicos, mas após o processo de expansão a ilha toda passou a ser chamada de por este nome tanto por locais como por estrangeiros, logo sua capital foi renomeada Colonoco, o nome do povo descendente dos Kepharas. A cidade se destaca pela arquitetura vertical, resultado de sempre ter sido limitada aos  portões altos e largos rios que a cercam.


Poucos soldados bem preparados deixam as muralhas, junto a líderes mais velhos que garantem sua segurança. Um guerreiro colonoco consegue cuidar sem problemas das feras da selva, mas se for sem um guia o desgaste ataque após ataque, recurso após recurso se tornando escasso e ele sendo perfeitamente capaz de perder a noção do caminho, a morte nas mãos da natureza cruel é um medo real.


Os poucos que se arriscam a caçar sozinhos ou liderar grupos são chamados Aruna. O Al-Aruna é o campeão que lidera todos os Aruna em situações de extrema dificuldade, sendo assim a autoridade máxima dentro dos clãs colonocos.


Todo civil é treinado desde pequeno para servir ao exército. Extremamente militarizada, a entrada na comunidade é de difícil acesso, quase impossível sem aviso prévio, mas pode ser discutida com a ajuda de mercadores ou líderes da guilda local, que a possibilitam com acordos feitos diretamente com os Arunas.

Jardins Suspensos de Icca'la: Icca'la foi a primeira Aruna, que guiou os povos da antiga Kephar Nicos a se reorganizar e se militarizarem. Também foi a primeira a ser "convocada" ao lar dos Kephara, sumindo misteriosamente após dizer ter sido revelada a uma voz divina. Seu maior legado são os jardins suspensos, uma série de plantações elevadas alguns andares acima dos portões de Colonoco, hoje lar do clã proveniente de seus descendentes e uma maravilha da arquitetura local. Além de belos, são uma forma eficiente de manter as fazendas e suprimentos seguros mesmo com ataques que possam vir a ocorrer em terra. Soldados costumam subir por eles para reabastecer antes de adentrar a floresta, assim como estrangeiros que vem pelo lado oposto, por ser a passagem mais fácil para cruzar os muros altos.

Círculo Externo


Região exterior de Kephar Nicos. A civilização Colonoco pode se isolar de grande parte do mundo externo, mas Kephar Nicos não é uma ilha fechada. Fazendo volta por toda a ilha há uma estrutura social diferente: o Cìrculo Externo, uma sequência de rotas, moradias e estabelecimentos que não costumam interagir diretamente com o povo colonoco, mas somente com si mesmos e com viajantes que cruzam a ilha, quase como uma cidade esticada que se estende pelas bordas da praia. Mesmo com a falta de uma marinha local, problemas mais sérios com piratas e outras ameaças não costumam ser tão danosos para a população exatamente por se manterem na costa, podendo convocar a ajuda através de Den Den Mushi, enquanto crises menores costumam ser resolvidas por caçadores de recompensa ou pelos próprios moradores.

Hotel Belucci RC: Um hotel paradisíaco que é uma grande atração turística da ilha, mas também pouco acessível, reservado para os ricos e poderosos. O dono é o senhor Rubro Cortès, enquanto a gerência se dá a um indivíduo chamado One, o qual pouco se vê dentro das instalações e costuma deixar recados para os funcionários ao invés de dar ordens diretas. Parte do hotel é reservada para atividades do mercado negro, incluindo um leilão anual que acontece nos andares subterrâneos, onde peças como dials, escravos raros e animais da ilha podem ser encontrados em preços bem mais em conta do que no resto do ano.

Guilda de Caçadores de Monstros: A guilda de caçadores de recompensa de Kephar Nicos recebe este nome curioso por uma razão simples: são poucos os casos de bandidos se comparado com as outras ilhas, mas é muito comum ser botada uma recompensa pela caça de uma ou mais bestas selvagens da selva de Mata Grande, seja para se aproveitar de seus restos para produção de armas, alimentos e medicamentos, para se livrar de infestações incomodas ou até mesmo pela venda da criatura viva no mercado negro. Não é incomum também que pedidos desse tipo sejam feitos pelos colonocos, já que muitas vezes é mais fácil pedir ajuda externa para ações difíceis do que arriscar a segurança da tribo mandando grandes contingentes de uma vez.

NPC's IMPORTANTES

Saxan Nehog
Descrição: O Al-Aruna, líder dos cinco clãs primários de Colonoco. O clã Nehog, a qual pertence, é um grupo honrado e cheio de tradição, sendo Saxan o terceiro Nehog seguido a ascender ao posto de Al-Aruna. Isso ao menos é o que transparece, já que a razão real deles manterem o posto seguramente por tanto tempo se dá ao fato de terem contato direto, com a ajuda do clã Nosca, com contrabandistas de armas e tecnologias úteis que fazem com que todos seus sucessores tenham vantagem sobre outros no processo de seleção, tendo Saxan recebido uma akuma no mi através de uma jogada de sorte nestes negócios clandestinos.
Ele por si só é um homem feliz, dedicado e com amor pela vida até mesmo de quem vem de fora, sendo notavelmente piedoso. Visto como um irmão mais velho responsável pelos outros Arunas e a quem se deve a paz entre os clãs. Porém, por alguma razão, desde a infância ele se recusa a tirar sua máscara em público, mudando de personalidade e chegando a agredir amigos próximos caso tentem arrancar ela de seu rosto. Usa de sua perspicácia e do poder de sua tori tori no mi para comandar os exércitos com táticas complexas e de difícil compreensão para os olhos e ouvidos não treinados.
Nível: 8
Estilo de Combate:
Kephuran Dazu:
Um estilo de luta popular na ilha que se aproxima da técnica do kickboxing, focada em chutes laterais e principalmente joelhadas,mas que foi aperfeiçoado por Saxan. Ele usa desta técnica junto a espinhos dispostos nos joelhos feitos com chifres de Arurupa, os quais usa para ferfurar com facilidade o couro e couraças de animais, bestas e humanos, acompanhado de saltos horizontais em alta velocidade que rasgam o que quer que acabe sendo preso em sua joelheira.
Tori Tori no Mi:
Pode se transformar numa arara-azul, ou num misto de humano com arara-azul. Isso gera uma força física aprimorada, além de capacidades de arara, como garras, vôo e o poder de imitar sons de outros animais

Icca'la
Descrição: A segunda Aruna de Colonoco. Seu clã também se chama Icca'la por serem descendentes da fundadora da estrutura social que hoje define a ilha. Todas as líderes são mulheres, todas são escolhidas ao completar vinte anos para tomar o posto de Aruna e todas elas abandonam seu nome antigo, sendo conhecidas somente pelo nome do clã.
A atual Icca'la leva fama de ser bem mais violenta e brutal do que as outras, tendo uma politica de tolerância zero sobre qualquer intruso, já que perdeu sua família para estranhos que invadiram a selva quando ela era mais nova.
Nível: 7
Estilo de Combate: Espadachim (montante)

Mahea Nosca
Descrição: O terceiro Aruna de Colonoco. O clã Nosca antes era conhecido como o "clã dos covardes", por sempre evitarem a guerra e conflito direto, servindo como diplomatas dentre os clãs e sendo ignorados a maior parte do tempo, mas após Kephar Nicos passar a ter relação com o exterior estes se tornaram os representantes de Colonoco do lado de fora e muito influentes também em seu governo interior.
Mahea é bem mais fanfarrão e festeiro que os outros Arunas, estes sendo guerreiros honrados que o vêem com maus olhos graças a isso, mas é um exímio negociador e trapaceiro, tendo laços exteriores fortes formados inclusive com o mercado negro.
Nível: 5
Estilo de Combate: Ladino.

Tampara Croa
Descrição: O quarto Aruna de Colonoco. Croa é o clã dos defensores, vivendo dentro das muralhas e fazendo treinamentos pesados diariamente para ser capaz de aguentar os danos na linha de frente caso o pior aconteça. Para isso, Tampara cresceu comendo somente frutas de gosto horrível e carne de predadores, ditas pela tradição de seu clã e da medicina local serem as mais nutritivas e feitas deste modo para formar o caráter de um guerreiro. Dentre os Aruna ele é o que mais assume esta identidade de líder de combate, vendo tudo como uma grande guerra em que tem de se estar pronto a todo momento. Tampara não é burro, nenhum líder de Colonoco é permitido ser, mas sua mente definitivamente é simples e é difícil discutir com sua teimosia, sendo Icca'la e Saxan os únicos que parecem saber lidar com ele dentro das muralhas.
Nível: 7
Estilo de Combate:
Croa Despertado:
É um estilo variante de bárbaro, no qual Tampara usa de suas armas grandes e pesadas, normalmente feitas de rocha ou de troncos de árvore inteiros, para golpear os alvos. Seu grande diferencial além de seus músculos capazes de levantar coisas enormes sem esforço é sua fúria Croa, conquistada graças a uma droga inalada por todos do clã Croa antes de um combate. Esta droga põe o usuário em um estado de frenesi, o permitindo ignorar dor e situações de perigo por um curto período de tempo, além de aumentar sua força ao extrapolar os limites do corpo ao provocar um pico de adrenalina. Após um combate, os usuários deste estilo costumam ter de passar por descansos longos para se recuperar da dor muscular resultante.


Uri Ue

Descrição: Candidato a quinto Aruna, do clã dos guerreiros alados de Ue. Irmão de Ani Ue. Diferente de seu irmão gêmeo, é responsável e dedicado, mas carece de capacidade combativa. Ue são teoricamente os herdeiros mais próximos dos Kephara, que talhes antigos feitos em pedra apontam ter sido um povo alado. Uri lidera a unidade de reconhecimento, usando do apoio de seu clã para guiar os esquadrões de soldados colonocos que adentram a floresta aproveitando de uma vista privilegiada e segura. Tem muito respeito e admiração por Mahea, tendo o sonho de ver o mundo exterior mas se prendendo aos dogmas de seu povo e clã.
Nível: 6
Estilo de Combate: Não luta.


Ani Ue


Descrição: Candidato a quinto Aruna, do clã dos guerreiros alados de Ue. Irmão de Uri Ue. Diferente de seu irmão, é rebelde e preguiçoso quanto a seus deveres, se largando em aventuras sem avisar ninguém, mas muito capaz de se defender sozinho. Mesmo fazendo parte do esquadrão de reconhecimento, sempre se mete no meio do combate na primeira oportunidade até em situações inconvenientes. Era o melhor aluno de Icca'la antes desta se tornar Aruna, mas foi abandonado por ela mesmo antes disso pelo garoto não respeitar suas tradições e costumes.
Na ausência de um Aruna de seu clã, ambos dividem o mesmo voto em discussões junto aos outros, mas dificilmente concordam para este voto ser válido.
Nível: 6
Estilo de Combate: Espadachim (duas espadas)


Icca'uí


Descrição: Uma das irmãs de Icca'la, que junto a ela cuida dos Jardins Suspensos. Além de uma soldada colonoco de alto nível, também é uma grande curandeira, tendo conhecimentos únicos da flora que habita a região e de seus efeitos. No entanto, não sabe lidar bem com a medicina moderna.
Além de seu carisma natural e aparência esbelta, usa de seus dotes de sedução para conquistar favores dentro e fora da comunidade. Na maioria das vezes isso se dá simplesmente ao fato dela se sentir bem ao tomar controle dos outros, mesmo em situações em que não se é necessário.
Nível: 6
Estilo de Combate: Atirador (boleadeira)


Soleil Rubro Cartès


Descrição: Um dos herdeiros de uma família rica dos blues, decidiu apostar tudo e adentrar a Grand Line em busca de nichos de mercado inexplorados, e isso ele com certeza encontrou em Kephar Nicos. Foi responsável pela rápida urbanização do exterior da ilha com seus investimentos em estrutura e transporte, criando barcos turísticos que circundam ao redor de toda ela e outros que vão para locais específicos, com condutores alugados a preços acessíveis, além de lojas e estabelecimentos que carregam as iniciais RC de seu nome. Não é um homem mesquinho, evitando se rebaixar a golpes baixos para conquistar o que deseja, mas seu amor por dinheiro é inegável. Curiosamente, lhe falta parte do dedo mindinho.
Nível: 6
Estilo de Combate: Não luta.


One


Descrição: Capodecina do distrito da arrematação, responsável pelo Hotel Belucci presente na ilha. Atua como gerente do hotel, mas estando quase sempre ocupado com outras ações do distrito ou o dever de cuidar do hotel em boa parte do tempo costuma cair nas mãos de seu protegido de confiança, Cosherne. One foi quem convenceu Soleil a cruzar para a Grand Line e vir a ilha em primeiro lugar, o manipulando desde então para que tenha a liberdade de usar o círculo externo da ilha como bem entende.
Um homem comum e um bom chefe na maior parte do tempo, mesmo sendo um pouco mal humorado, sua única grande estranheza é o costume de cortar e guardar o topo do dedo mindinho tanto dos que falecem por sua mão quanto dos que lhe juram lealdade, incluindo seus auxiliares Kiwi e Cosherne. Ele consegue reconhecer o portador do dedo só olhando para a digital, e por vezes os usa como "chave" para saber se um de seus contatos realmente é quem ele espera ser.
Nível: 8
Estilo de Combate:
A Palma:
Um estilo de mão aberta, adaptado do karatê tritão, que golpeia diretamente a estrutura óssea e outros órgãos internos da vítima. O objetivo é matar ou incapacitar com a maior velocidade e sem deixar muitos rastros. Foi ensinado a ele diretamente por um dos responsáveis pelo distrito da funerária, mas diz-se que o treinamento foi tão árduo que ele voltou sem brilho algum nos olhos, e até hoje não é o mesmo.


Cosherne


Descrição: Ex-marinheiro abandonado por seus superiores e deixado para morrer, foi salvo por One e não muito depois se juntou ao submundo. Passando por procedimentos para mudar detalhes do rosto e largando sua identidade antiga, o antigo marinheiro efetivamente não existe mais, sendo hoje o segundo gerente do Hotel Belucci RC, e quem lida com a função dele como acomodação.
A filosofia de Cosherne se baseia em uma palavra: ordem. Sua ordem antiga o abandonou, logo ele viu no crime uma nova e poderosa ordem capaz de destronar a anterior ou até coexistir com ela. Para manter esta ordem em cheque, ele não poupa esforços nem mede moralidade, mas se ele tem um defeito claro é o de seu desgosto por autoridades do governo por vezes transparecer um pouco demais.
Nível: 7
Estilo de Combate: Atirador


Kiwi Brand


Descrição: Segundo protegido de One, era um órfão adotado aos doze anos pelo capodecina que teve seus estudos e ascensão no submundo garantidos por ele. Hoje doutor em medicina humana e veterinária, Kiwi é influente principalmente no comércio de animais exóticos e de escravos, também responsável por relações com o distrito do contrabando e regulador de sua influência da ilha em nome de One. Ajuda a organizar o leilão anual, trabalhando arduamente para o arrecadamento de recursos.
Diferente de seus colegas pouco emotivos, Kiwi em momentos beira o histerismo, mas é igualmente apático. Ele tira diversão de realizar experimentos com mercadoria viva, buscando "incrementá-las" e desenvolver espécies cada vez mais surpreendentes, por vezes as soltando na selva para testar contra os nativos. Não se dá bem com Cosherne.
Nível: 7
Estilo de Combate:
Doctor Suit:
Escondidos dentro de suas roupas sempre estão aparatos desenvolvidos a partir de criaturas exóticas e de seus experimentos perigosos. Venenos, ganchos que simulam mandíbulas de predadores e planadores de pele de animal que se destacam de compartimentos nas mangas fazem parte de seu arsenal secreto. Não é tão eficiente para combate direto, mas não deixa de ser extremamente versátil.


Benero Skòni


Descrição: Benero, conhecido popularmente apenas como Bene, é o responsável pela guilda de caçadores da ilha. Navegador estrangeiro, foi um dos primeiros a decidir morar na ilha ainda novo, conhecendo como poucos a vegetação e fauna de Kephar Nicos. Tem boas relações com todos no Círculo Externo, mas anda tendo problemas com os colonocos por constantemente invadir áreas limitadas da selva por eles sem permissão para realizar suas caçadas. A presença do submundo na ilha gera desgosto pra ele, mas o caçador não se vê podendo fazer muito sobre a não ser os aceitar, inclusive fazendo serviços para Kiwi quando requisitado. Seu objetivo final, em suas próprias palavras, é viver uma vida de luxo em que ele um dia tenha tudo que quer e não precise mais trabalhar, mas parece cada vez mais distante do sonho por adorar dar coisas para quem gosta repentinamente sem pedir em troca. Vive dando investidas românticas em sua assistente e guarda-costas, mas esta demonstra ter pouco interesse nele neste sentido.
Nível: 7
Estilo de Combate:
Chuva de Ferro:
Bene carrega consigo em cintos e bolsas pequenas diversas bolas maciças de ferro. Estas são usadas como armas de arremesso precisas, ou com o auxílio da dasu dasu no mi para formar nuvens de pó de ferro para danificar o alvo com golpes em áreas difíceis de desviar. Podem até mesmo serem usadas para entupir as vias respiratórias de um oponente dada a oportunidade, tática usada principalmente contra animais que não conseguem elaborar defesas contra esta habilidade e são facilmente abatidos.
Dasu Dasu no Mi:
O portador da fruta se torna capaz de desmantelar objetos sólidos ao apertá-los com a palma da mão e dedos, os tornando em pó que pode flutuar e ser controlado com liberdade até pouco mais de três minutos após ser desprendido do objeto original, tal controle sendo contraposto por grandes mudanças na força do vento ou gravidade. Este processo de quebra de objetos é feito bem aos poucos, sendo pouco eficiente para causar danos relevantes em pessoas ou armas em combates rápidos, mas ser tocado por este efeito ainda é doloroso.


Mah


Descrição: Inicialmente uma escrava fugitiva sem muito passado, foi comprada por Bene e dada sua liberdade pelo próprio comprador logo em seguida, também recebendo comida e abrigo até se reestabelecer. A menina sem nome e sem capacidades além do próprio instinto decidiu seguir a vida pelo caminho de mercenária, não demonstrando remorso mesmo ao matar inocentes para o submundo, o que lhe rendeu o nome de Massacre Errante entre seus companheiros. Massacre um dia foi levada a realizar um trabalho em Kephar Nicos a mando de One, onde se cruzou novamente com Benero que, vendo seu semblante mórbido e decadente, a acolheu uma segunda vez, agora a contratando como sua guarda-costas pessoal. Passar seu tempo com Bene e os outros moradores do Círculo Externo a ajudou a abrir os olhos novamente para a parte agradável do mundo, e agora, apelidada somente de "Mah" pelo povo da ilha, luta como mulher livre para proteger sua nova casa.
Nível: 7
Estilo de Combate:
Diferente de seu chefe, um caçador de bestas especializado que até que sabe se virar contra humanos, Massacre é o contrário: usando de suas técnicas de agarrões e punhaladas de faca em pontos vitais ou debilitantes, ela serve não só de guarda-costas de Bene mas também de todo o povo dos arredores da ilha ao se especializar em abater humanóides com uma mistura cuidadosa de sutileza e força bruta.