Tópicos Recentes
Destaques
Klaus
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Últimos assuntos
2º Capítulo: A força de um guerreiro não se encontra no ataque, mas sim na resistência!Hoje à(s) 6:56 pmpor  PipposSubaéHoje à(s) 6:11 pmpor  RyomaRenHoje à(s) 6:05 pmpor  RyomaHere Comes The SunHoje à(s) 5:55 pmpor  CejiO último adeus!Hoje à(s) 3:18 pmpor  2MiausI - Florescer improvávelHoje à(s) 2:02 pmpor  VrowkCapítulo 1 - O mar não está para peixeHoje à(s) 1:51 pmpor  TomitaCréditosHoje à(s) 12:13 pmpor  DeepQuem liga para Karatê?Hoje à(s) 9:28 ampor  Wolfgang Ascensão Pirata - Ato 2Hoje à(s) 1:41 ampor  Kira
Jean Fraga
Ver perfil do usuário
Imagem : [FICHA] Maximus Cavendish Ito IV I7Pk1V9
Créditos : 01
Jean FragaEstagiário
https://www.allbluerpg.com/t951-nix#8224 https://www.allbluerpg.com/t837p60-cabras-da-peste-vol-3-velozes-e-furiosos-desafio-maritimo
[FICHA] Maximus Cavendish Ito IV Sab Jun 05, 2021 1:28 am



Maximus Cavendish Ito IV








Sobre o Personagem


Nome: Maximus Cavendish Ito IV
Idade: 20
Género: Masculino
Mão Predominante: Ambidestro
Risada: N/A
Altura: 1,85 cm
Peso: 80 kg
Raça: Humano
Origem: Ravenwatch
Localização:  Flevance - North Blue
Grupo: Civil

Complementos



Aparência:
Maximus é um jovem no auge de seus 20 anos e, como tal, possui a aparência saudável que se é esperada. Ela engloba sua altura acentuada, que atinge os um metro e oitenta e cinco centímetros, bem como um corpo forte e bem definido, pobre em gorduras. Fato esse exemplificado por seus oitenta quilos.

Seu rosto é esculpido por traços finos, que formam um maxilar alto, um queixo em formato de letra V, bem como orelhas, boca e nariz pequenos e delicados, que contrastam com seus olhos mais avantajados, que possuem uma tonalidade de castanho avermelhado. No topo disso tudo, há seus cabelos de cor carmesim, um traço herdado de seu pai.

Os fios citados, geralmente ficam bagunçados, pois o jovem não costuma arrumá-los. Falando sobre apresentação de aparência, é muito comum ver o rapaz trajando uma camisa social branca, com uma gravata preta em nó semi-windsor adornada por um detalhe dourado, um colete de cor preta com botões dourados, coberto por um sobretudo preto, contendo uma corrente dourada que liga as duas golas.

O resto de suas roupas seguem o mesmo padrão, em que a calça combina com a tonalidade do sobretudo, sendo da mesma coloração. Com a finalidade de ter uma movimentação mais ágil, ele tende sempre a usar vestes do mesmo tipo, incluindo também um Sapato de couro, confortável e preto. Por baixo do calçado, usa meias pretas de cano alto, que se mantêm escondidas por sua calça.

Por fim, possuiu alguns brincos e piercings em suas orelhas, assim como costuma estar sempre usando um óculos redondo preto com detalhes dourados, quando não utilizado, ele costuma ficar apoiado no cabelo do mesmo.

Personalidade:
Sua versão mais pura, aquela que se desenvolveu durante a infância, ao conviver com seus pais, professores e mestres. É pertencente a alguém bem regrado, que segue ordens e respeita hierarquias.

Raramente estava sozinho enquanto crescia e, por esse motivo, se tornou carinhoso e companheiro, bem como alegre e carismático, pois carrega em seu cerne a vontade de ver os outros sorrindo, assim como sua irmã fazia quando estava em sua companhia.

Um evento fatídico fez com que Maximus se tornasse mais empenhado e forte para aguentar os problemas jogados sobre si, mas o grande traço desenvolvido foi um temperamento calmo, sendo muito difícil vê-lo demonstrando sinais de raiva, estresse ou angustia, sempre mantendo a serenidade e um sorriso no rosto.

Contudo, ainda que o evento tenha modificado algumas coisas em seu interior, nunca deixou de ser o Max animado e alegre de sempre, só escolheu melhor os momentos para se portar de tal forma. Com isso, tende a agir de um jeito mais descontraído ao estar próximo de pessoas em quem confia e já conhece um pouco melhor.

Em seu tempo livre, Max costuma dividi-lo entre, aprender mais sobre culinária, hipnose e ilusionismo; e tirar um tempo para apreciar bons vinhos enquanto vê o por do sol, momento mais belo em sua opinião.

Com seu temperamento calmo e sereno, ele esconde muito do que pode realmente ser, em momentos a sós com alguém de seu interesse, Maximus demonstra um lado seu mais secreto, um lado mais luxurioso e sádico, assim como em momentos de luta, que diferente do outro caso, ele não chega a demonstrar, mas adora ver seus inimigos sentindo dor.

Um de seus passatempos é sair com mulheres, as que mais o atraem são as mais serias e caladas, que tentam esconder seu interesse por ele, a arte da conquista e todo processo até lá é algo super gratificante para Max.

Pessoas mais próximos chegam a conhecer o lado mais brincalhão, descontraído e eufórico do garoto, diferente quando está em contato com desconhecidos, que se mantem muito mais calmo, pouco demonstrando suas vontades.

História:
Bem vindo caro leitor... Já venho pensando em escrever isso tem meses, hoje contarei minhas aventuras para você e quem sabe, você já até me conheça quando encontrar essa anotação, me chamo Max e essa é a história sobre um garoto que morava em um pequeno e desconhecido reino que pela sua coragem e suas ambições, decidiu sair da zona de conforto, em busca de deixar seu nome na história.

Desde que eu me entendo por gente, morei no reino de Ravenwatch, e meus pais sempre trabalharam muito, mas nunca me senti sozinho, pois tinha Saori, minha irmã caçula, para me manter feliz e alegre. Logo cedo eu me apeguei a ela, e fiz uma promessa aos meus pais, sempre deveria protegê-la.

Nós vivíamos na companhia um do outro, o que nos fez passar por vários problemas da infância, que, inclusive, foi cheia de treinos. Nossos pais pareciam ter um vício nisso, pois nos dias em que estavam em casa, passavam os momentos conosco sempre em treinamento.

Talvez isso tenha começado quando descobriram que tanto eu como minha irmã havíamos nascido com a benção dos Ito, a memória perfeita, como gostavam de chamar. Só precisávamos ler ou escutar algo apenas uma vez, e já era o suficiente para nunca mais esquecermos. Então, eles acharam que com o direcionamento certo, conseguiríamos aprender muito mais rápido.

Nossos pais nos chamavam de pequenos prodígios, e nos mostravam diversas proficiências para que ficássemos bons. Meu pai logo percebeu que eu possuía também uma ambidestria, e não perdeu tempo em me levar para aprender Taekwondo e a um templo samurai, onde aprendi sobre a arte da katana, me tornando também um Espadachim. Lutas essas que firmei como minhas bases de combate.

Eu, na verdade, adorava lutar, já que era o momento em que podia descarregar toda a minha raiva e angústia por me sentir sozinho. A minha sorte sempre foi Saori, ela é tudo para mim... Minha irmã caçula, meu carrapatinho, minha joia preciosa. Nossa relação sempre foi de parceria e nós nunca deixávamos de nos ajudar ou brincar juntos.

Inclusive, falando nela, foi em um dia em que saímos para brincar que nos deparamos com uma estranha cena. Um menino mais na sua, meio fechado, mas ainda assim, não parecia má pessoa e era um pouco mais novo que eu, por isso, resolvi chamá-lo para brincar. Não demorei muito para descobrir que ele era, na verdade, o futuro rei de Ravenwatch.

Alguns poderiam ficar intimidados ao brincar com o príncipe de um reino, mas me lembrava dos treinamentos rigorosos, e se para mim já era meio chato, imagina para alguém que vai ser o rei! Pensando nisso, resolvi sempre tratá-lo normalmente, para que ele pudesse se sentir à vontade em alguns momentos.

De qualquer forma, seu nome era Alexander, e não passou muito tempo antes que pudéssemos nos chamar de amigos. Apesar de sua classe social, ele sabia brincar e conversar, então não foi difícil considerá-lo dessa forma. Da última vez que o vi, ele nem era mais criança, já estava grande e maduro, preparado para suas responsabilidades reais.

Nossa, parece que faz tanto tempo... Ahhhh, como posso ter me esquecido?! Nessa mesma época também conheci Shinto, Kaplya e... Uma garota coelho? Bom, sei que Shinto era um amigo próximo de Alexander e, pelo pouco que sabia, um futuro padre. Nas poucas vezes em que conversamos, me lembro que gostei. Apesar de ser uma pessoa regrada, era parecido com as outras crianças, cheio de sonhos e vontades...

Mas voltando à lista de conhecidos. Tinha o Kaplya também, e ele era meio... Chato? Já era um adulto na época, e por algum motivo não gostava de mim. Naquele tempo não entendia muito bem, afinal, seus motivos eram secretos, mas nunca tive nada contra ele, até porque, nós dois nos importávamos com o bem estar de Alexander.

Por fim, tinha a tal garota coelho. A vi tão poucas vezes que nem me lembro de sua aparência, será que ainda está no castelo? Se ainda estiver, quem sabe dessa vez não a conheço de verdade...

Mas eu me distraí do assunto principal. Agora você deve estar se perguntando: Maximus, onde você está? O que aconteceu depois de conhecer o Alexander?!... Por sinal, eu cheguei a me apresentar? Me chamo Maximus Cavendish Ito IV, e atualmente tenho vinte anos!

Enfim, voltando ao assunto.... Alguns anos se passaram desde que conheci Alex. Nessa época eu tinha 15 anos, ele e Saori 14. E eu continuava meus treinos, até o ponto que consegui melhorar meu controle corporal, bem como aprender a me equilibrar e a fazer acrobacias, piruetas, saltos e malabarismos. Nessa época após ver um homem fazendo uma carta desaparecer como magica, fui atrás para saber mais, foi com quinze anos que conheci o ilusionismo, mundo que me encantei, após esse dia comecei a aprender e praticar periodicamente, o que me possibilitou aprender vários truques de ilusão, nesse mesmo ambiente, me deparei com a hipnose, o fato de poder brincar com o inconsciente das pessoas me fez, assim com o ilusionismo, ficar encantando, sendo a segunda área que comecei a me especializar.

Os dias foram passando nessa composição, e em um deles, que deveria ser normal, mais uma vez o destino surpreendeu. Após nossas aulas, meus pais chegaram em casa apressados e claramente nervosos. Fui puxado por meu pai até o quarto dele, e agachado ele disse: "Lembra da sua promessa?! Nunca se esqueça! Eu te am-". Naquele momento ouvi um barulho na frente de casa.

Logo em seguida, Saori entrava no quarto junto de minha mãe. Ela depositava um beijo em minha testa e botava dentro do bolso de minha calça uma carta, enquanto conduzia a mim e minha irmã até um armário, onde, após entrar, ela colocava algumas mudas de roupa por cima de nossos corpos e então fechava a porta.

Tudo acontecia tão depressa, eram tantas informações, que se tornava até difícil de entender, mas um detalhe revelou que aquela seria a última vez que nos veríamos. Minha mãe se virava para nossa direção, e uma lágrima escorria por seu rosto.

Um impulso surgiu em mim, e como um instinto, segurei Saori e levemente tapei sua boca. Assim como ela, também estava desesperado e perdido, mas devia protegê-la. Ficamos ali parados por um tempo, e percebíamos que eles haviam saído do quarto. Um silêncio sepulcral nos ensurdecia, mas o som seguinte nos fez desejar jamais ter o dom de ouvir.

Barulhos altos de briga começavam a ecoar pela casa e, apesar do medo, naquele momento estava atento à tudo. Era aí que via um homem todo vestido de preto entrando no recinto. Suas mãos estavam encharcadas de sangue, e ele rapidamente vasculhava o cômodo, para só então dizer: "Parece que eles não estão aqui.". Ele então saía pela porta e o silêncio de antes voltava.

Não sei quanto tempo ficamos ali, mesmo após não ouvirmos mais nada, mas assim que reuni coragem o suficiente, saí do armário de mãos dadas com Saori... Arghhh, como é difícil falar sobre isso. Mas bem, entramos na sala de jantar, e aí vimos a cena mais traumática que poderíamos presenciar. No chão frio, jaziam os corpos ensanguentados e sem vida de nossos pais.

Um sentimento invadia cada centímetro do meu corpo. Naquele momento eu me sentia fraco, inútil, e a vontade era de cair em meus joelhos e chorar, não... Berrar em desespero, porém, me lembrava das últimas palavras de meu pai, seu pedido naquele momento, que agora sabia que era seu leito de morte... Queria tanto tê-lo ouvido completamente, aquelas últimas palavras... Eu te am...

Mas não havia tempo para isso, na verdade, avistei de relance uma movimentação, e notava que os malfeitores estavam saindo pela porta da frente, mas não sem antes se virarem e jogarem algo no chão. O objeto era um isqueiro e, ao olhar para meus pés, logo entendia o motivo de tal ato. O piso estava encharcado de combustível, e isso só poderia significar uma coisa.

Meu corpo travava, não conseguia me mexer, não sabia o que fazer, mas algo dentro de mim sabia que algo teria de ser feito. E foi aí, nesse dia e nesse momento em que despertei dentro de mim um estado de calma e coragem, pegava Saori e a colocava sobre meu ombro, então corria para os fundos da casa. Sem olhar para trás, e saindo o mais rápido possível, enquanto sentia um imenso ódio se apossando de meu corpo. Em um momento comecei até a rir baixo, tamanho era meu descontrole frente àquele desespero.

Ainda assim, não poderia me deixar levar por aqueles sentimentos, ou não conseguiria escapar... Por sorte, consegui sair dali e me escondia junto de minha irmã entre algumas casas. Eu tirava minha irmã de meu ombro e observava meu lar arder em chamas, caindo aos pedaços lentamente. Aquilo tudo intensificou toda a raiva, ódio e angústia que sentia.

Naquele momento eu tive que decidir por nós, aqueles caras deveriam pagar. Eles destruíram nossas vidas, e o mínimo que mereciam era receber o troco na mesma moeda. Minha pista era uma lembrança, uma tatuagem que o homem possuía. Já tinha visto antes, era um dragão negro que jazia em sua mão. Com isso em mente, fui com Saori até a casa de Alexander. Pedi para que ele cuidasse de Saori... Que saudade dela..., não tinha muito tempo então disse que voltaria em breve e como pagamento ele poderia escolher o que eu teria de fazer.

Continuando. Então eu segui pelas ruas e, para minha surpresa, não demorou muito para achar os caras. Meus anos de treinamento e aprendizados de tudo o que me foi ensinado, serviram de algo. Aqueles desgraçados sucumbiram, mas antes, eles deveriam sofrer um pouco, afinal, precisava descobrir algumas coisas.

Torturei um a um, até que o homem que descrevi antes, o da tatuagem, resolveu abrir o bico. Eles trabalhavam para uma organização chamada Sociedade do Dragão Negro, e o objetivo deles não consegui descobrir. Mas uma coisa passava por minha cabeça naquele momento: Enquanto essa organização existisse, nunca iriam parar de caçar eu e minha irmãzinha. Então cheguei à conclusão de que teria que acabar com eles.

Naquele momento eu havia assinado meu contrato com o demônio, e os cacei por cinco anos. Durante esse tempo, vivia como andarilho, passando de ilha em ilha. No caminho, aprendi a cozinhar, afinal, precisava me manter de pé. No fim acabei me interessando, e nos intervalos entre caçar essa organização e me recuperar, li vários livros sobre o assunto... Ahhh, não vejo a hora de cozinhar para minha rainha Saori.

Meus anos de nômade foram recompensados com vários inimigos derrotados, que imploravam por suas vidas... Tch, baratas... O estranho é que essa piedade não existia quando mataram os meus pais. De qualquer forma, não poupei nenhum, e isso me rendeu uma certa fama negativa por esse mar. Mas ainda assim conheci muitas pessoas, amigos de poucos momentos e lindas moças que, bem... Essa parte não contarei…

Na verdade, falarei sobre uma apenas, então presta atenção! Ela era diferente... Seu nome era Izzy, uma mink felina. A conheci em um estabelecimento noturno, seu lindo rosto, junto de um magnífico corpo, hipnotizou minha atenção logo de cara, então passava as noites vendo-a dançar enquanto tomava algumas bebidas, me deixando ficar ali até que o bar fechasse suas portas. Contudo, apesar da sua sedução, me mantinha firme e sério, às vezes soltando alguns sorrisos para a felina...

Bom, continuando… Seu jeito difícil e sedutor me chamava a atenção… batalhamos para ver quem cederia primeiro à tensão, até que em um dia, assim como eu, ela também parecia não aguentar mais. Tivemos juntos uma longa e ótima noite, mas apesar de ter adorado Izzy, havia ainda assuntos pendentes, então logo parti. Ainda assim, meus momentos com ela foram bons, quem sabe não a encontre no futuro...

Isso tudo me levou ao meu objetivo final, o grande chefão, mas que descobri depois que não era tão grande assim. Na verdade, ele só comandava esse mar, o verdadeiro chefão estava protegido em algum lugar do mundo, me chamando para caçá-lo através de um den den mushi.

"Se você é tão bom, venha! Me cace! Chegue primeiro até o novo mundo, de preferência vivo! Porque até o dia da sua morte, mais e mais pessoas irão te caçar!". As palavras do demônio ressoavam em meus ouvidos, junto com sua gargalhada ensurdecedora. E tudo o que consegui do chefe daquele mar foram duas informações: A primeira era que minha mãe e meu padrasto trabalhavam no submundo, vendendo armas e fazendo intermediações entre pessoas de grande poder. E em segundo: Essa organização tinha o objetivo de usar a mim e minha irmã como forma de capturar Alexander, enquanto o verdadeiro chefe esperava no Novo Mundo.

Ao ouvir tudo aquilo, estranhos rostos se formaram em minha mente, mas que de alguma forma, eram familiares. Alexander, o padre, a Saori e até o mink irritado. Inclusive, será que era por isso que aquele gato não gostava de nós? Era proteção... quando me lembrei de meus amigos do castelo, chorei por algumas horas após o fim da caçada. Senti falta da minha irmã, sentimento esse que deixou um buraco em meu coração. A saudade estava me matando, e agora, só quero reencontrá-la, mimá-la um pouco, cozinhar alguns bons pratos... Ahh, que saudade dela.

Por sinal, você deve estar se perguntando, Maximus por que você escreveu sobre sua mãe e seu “padrasto”? Pois bem, lembram-se da carta que eu comentei? Ai que ela entra em cena, após sair de Ravenwatch, parei para ler a carta que minha mãe havia deixado lá... E bom, se preparem para o que eu vou escrever...

‘Meu filho, eu gostaria de poder te contar isso pessoalmente, mas se você está lendo isso, temo que o pior tenha acontecido, ainda assim você e sua irmã estão vivos! Certo? Afinal você prometeu para nós que a protegeria... De qualquer forma, tem algo que gostaria de revelar para você... Lembra da marca de nascença que você tem em suas costas? Que vem crescendo a cada ano? As dores frequentes no peito e na cabeça? Isso vem de uma doença passada geneticamente, através do seu pai... Mas não o mesmo pai que sua irmã, antes de conhecer o pai de Saori, eu tive um relacionamento com Henrique, antigo Rei de Ravenwatch e pai do seu irmão Alexander...’  Aqui apenas um trecho da carta que foi me deixada.

É isso que você está pensando, meu amigo de infância na verdade é meu meio irmão... E eu também... Sou um príncipe? Eram muitas perguntas para poucas respostas, mas o que mais me intrigava era sobre essa tal doença, que de fato, nos últimos anos, venho sentindo mais os sintomas que me foram contados... Então Alexander também a tem? Pergunta que ainda não tenho a resposta, até por isso, agora tenho três objetivos: Acabar de vez com essa organização, matar os que sobraram e poder então viver livre desse peso, e ficar perto de minha irmã. O outro objetivo é me encontrar com a galera, ver como estão, talvez conhecer aquela coelhinha, botar o papo em dia. E, por fim, o terceiro objetivo, esclarecer tudo com Alexander, descobrir o que ele sabe sobre a doença e se ele sabe sobre eu ser seu irmão.

Passei muitos anos longe, como contei, mas, por sorte, consegui enviar uma carta para Alexander. Nela, avisava que estou vivo e bem e, ainda por cima, combinei de fazermos uma surpresa para Saori, quero ver a reação dela quando me ver.

Enquanto escrevo isso, está de noite, e estou chegando agora em minha Flevance, ao passar em Ravenwatch, fiquei sabendo que Alexander havia ido para esta ilha... Essa mensagem será colocada em uma garrafa de vinho e depois atirada ao mar. Quem sabe alguém não a encontra e depois descobre que esse tal menino da garrafa está nos jornais, ou mesmo em uma cova... Espero que seja primeira opção.

Bom, até logo! Tenho que finalizar isso, me encontrar com Saori e depois partir atrás dos tiranos... Até!

Características



Qualidades:
Versátil (Racial)Você pode somar até 9 pontos de defeito, conseguindo dessa forma gastar 9 pontos de qualidade em vez de 7.
Ambidestro (-1)Através de treinamentos coerentes e constantes realizados dentro das aventuras.
Impassível (-1)Você é uma pessoa calma que não tem o seu humor alterado por ameaças, provocações ou acontecimentos drásticos, sua razão sempre consegue dominar a sua emoção e você sempre é capaz de tomar as suas decisões com clareza. Isso não significa que você não possa sentir raiva ou outros sentimentos extremos, apenas consegue ter um controle maestral sobre os mesmos.
Prodígio (-2)Você é mais inteligente do que a média e tem facilidade em adquirir novos conhecimentos, em termos mecânicos, é capaz de aprender uma proficiência extra a cada nível ímpar, além de ter termos menos rígidos para tal aprendizado.
Memória Fotográfica (-2)Você nunca se esquece de algo que tenha visto ou escutado, mesmo que tenha sido por um breve momento. Ao folhear um livro, por exemplo, você é capaz de lembrar com exatidão cada frase de cada página que bateu o olho.
Atraente (-1)Você é considerado belo pelos outros, seja pela sua aparência, porte físico ou estilo, você é capaz de despertar interesses românticos ou ser tratado mais favoravelmente por conta disso.
Carismático (-2)Você tem uma espécie de magnetismo natural que faz com que algumas pessoas gostem de você sem motivo aparente.
 

Defeitos:
Insônia (+1)Por causa das dores de sua doença que normalmente acontecem quando está nas madrugadas, Maximus tem muita dificuldade de dormir bem.
Inimigo (+2)Seus pais foram assassinados por uma organização secreta, Com sede por vingança, Maximus, começou uma longa caça por eles, não demorou muito até que ele descobrisse o nome dessa organização, intitulados de: Sociedade do Dragão Negro. Viajou pelos mares, caçando e matando um por um, ao fim, matou o chefe da organização que cuidado do mar de North Blue, entretanto, descobriu que o verdadeira chefe de tudo não era esse a qual havia matado, por meio de um den den mushi, pode ver o rosto do verdadeiro vilão, ainda foi caçoado por tal, provocando o garoto para encontrar ele no novo mundo, assim criando um grande inimigo.
Doença Degenerativa (+3) Maximus tem uma doença genética passada por várias gerações em sua família, considerada uma maldição e nomeada como “A ruina dos reis”, já que seus antepassados da realeza também morreram com ela, existe uma porcentagem de 88% da doença ser herdada pelo filho de uma vítima da condição.

A mesma consiste em distúrbios resultantes do acúmulo de determinadas substâncias químicas relacionadas às proteínas de glóbulos vermelhos, uma proteína mutante dos eritrócitos, e ela que transporta oxigênio no sangue.

Essa mesma molécula modificada chega no cérebro e altera o centro de dor do paciente, causando os sintomas listados a baixo, porém o que de fato mata a vítima é a dor excruciante no fim da vida, já que todos os receptores já estão infestados dessa proteína.

Os sintomas dessa doença variam, mas alguns deles são: dores fortes de cabeça, fraqueza, dor intensa no peito e uma mancha preta conhecida como a “marca” que se alastra a cada ano que passa ficando cada vez mais extensa e negra.

Os pacientes que possuem essa condição têm uma vida curta, com as dores mais agudas e mais frequentes. A partir da faixa de 30 anos de idade, os receptores de cortisol da vítima são afetados, aumentando o estresse no organismo.

Não é muito incomum que no final de suas vidas os pacientes chegavam a se suicidar por tamanha dor, ou viveriam à base de analgésicos fortes pelo resto de seu doloroso tempo.
Infame (+1)Sua busca por vingança fez com que Maximus, viajasse pelos mares de North Blue, por onde matou e torturou pessoas de diversas formas, seu rosto logo ficou conhecido por esse mar, onde muitos o conhecem pelos seus atos hediondos contra muitas pessoas.
Ambição (+2)Quando Maximus descobriu o real tamanho da organização que ele desejava destruir e após se tornar um inimigo do chefe da mesma, ele decidiu que apenas poderia trazer paz para si e para sua irmã, quando exterminasse a Sociedade Do Dragão Negro por completo, assim, criando uma grande ambição dentro de si.


Atributos


Nível: 1
Experiência: 400

PdV: 3.600
STA: 100

Força: 280 (+100 Racial)(+40 EDC) = 420 [Habíl]
Destreza: 0 [Incompetente]
Acerto: 20 (+60 Racial) (+40 EDC)= 120 [Regular]
Reflexo: 40 (+40 EDC)= 80 [Regular]
Constituição: 60 [Regular]

Agilidade: 100
Oportunidade de Ataque: 3
Redução de Dano:

Conhecimentos



Proficiências:
• Preparo
• Culinária
• Acrobacia
• Hipnose
• Ilusionismo

Profissão:
N/A

Mascote


Nome do Mascote:  N/A
Animal: N/A
Altura: N/A
Peso: N/A
Porte: N/A
Raridade: N/A
Aparência: N/A
Personalidade: N/A
Atributos: N/A

Comandos:
N/A

Estilos de Combate



Espadachim:
Espadachins são especialistas em combates de curta distância, as formas de se manejar uma espada variam muito de acordo com quem a empunha, utilizam katanas, montantes, rapieiras, sabres e similares.
Taekwondo:
Usuários de taekwondo são especialistas em combates de curta distância, fazem de seu próprio corpo uma arma para lutar, mais especificamente suas pernas. Utilizam botas, joelheiras e similares.

Técnicas


Nenhuma por enquanto.

Haki da Observação


Não despertado.

Haki do Armamento


Não despertado.

Haki do Rei


Não despertado.

Berries: 250.000 ฿S  + 5KK [(evento vaquinha) não cheguei a gastar nenhum centavo na antiga ficha, então o Bjarke falou que eu poderia passar os 5kk pra essa ficha]= 5.250.000 ฿S


Itens


Tratam-se dos itens equipados em seu personagem

Cabeça:
- X -

Pescoço:
- X -

Tronco:
- X -

Braços:
- X -

Mãos:
- X -

Pernas:
- X -

Pés:
- X -


Inventário


Trata-se dos itens carregados pelo que não estão equipados em seu corpo.

10 U

Nome do Item:
Espaço:
Descrição:

Embarcações


Nenhuma por enquanto.

Menções no Jornal


Nenhuma por enquanto.

Photoplayer



Photoplayer:

[FICHA] Maximus Cavendish Ito IV QTQgcJl

Relações



Players:
Alexander Lancaster  III - Um garoto que conheci quando ainda era pequeno, logo nos tornamos parceiros, considerando-o como meu melhor amigo,  quando tive que me afastar para cuidar de certos assuntos, deixei Saori aos cuidados dele e fiz uma promessa ao mesmo, após descobrir que somos irmãos, tenho certos assuntos a tratar com o mesmo.

Saori Ito - A pessoa mais importante para Maximus, sua irmã caçula, Saori é tudo para o garoto, com ela, ele teve as melhores risadas, os melhores momentos, a ama incondicionalmente e fará de tudo para sempre protege-la.

Shinto - Garoto que conheci junto de Alexander, futuramente intitulado como padre do reino, sempre pregou muita sua religião e por momentos, senti algo estranho vindo do menino, apesar disso, considero ele como um grande amigo.

Kaplya Sveta - Guarda costas de Alexander, nunca tive um boa aproximação com o mesmo, futuramente descobri os motivos pelos seus olhares tortos diante mim, sabendo disso e mais velho, desejo me aproximar e mostrar o contrário para Kaplya.

Izzy - Mulher que conheci em uma casa noturna, seu jeito difícil e misterioso chamava muita a atenção de Maximus, por alguns dias compartilharam de bons momentos juntos até que Max teve de se despedir para seguir sua caminhada sanguinária, ainda espera encontra-la novamente.
NPCs:
[url=Link com a Aparencia se existir]Nome do NPC[/url] - Relação com o NPC

NPCs Importantes:
[url=Link com a Aparencia se existir]Nome do NPC[/url] - Relação com o NPC



Link da sua Instrução ou última ficha: https://www.allbluerpg.com/t281-daisuke-ito#2888
Skÿller
Ver perfil do usuário
Imagem : ALOU TESTANDO O TESTE TESTADOR DE TESTES TESTADOS
Créditos : 35
SkÿllerSoldado
https://www.allbluerpg.com/t272-annabelle-petit-barozzi https://www.allbluerpg.com/t303-voice-of-the-soul#875
Re: [FICHA] Maximus Cavendish Ito IV Sab Jun 05, 2021 9:51 pm

_________________

[FICHA] Maximus Cavendish Ito IV O0yljIK

[FICHA] Maximus Cavendish Ito IV WhdRXxk

Fala Annabelle
Pensamento Annabelle
Fala Lilith