Tópicos Recentes
Destaques
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Vago
Últimos assuntos
[Kit] ChrolloHoje à(s) 1:29 ampor  HooliganColorsHoje à(s) 12:17 ampor  Shiori1v9 Kirinha Adventures - 1° EpisódioHoje à(s) 12:14 ampor  KiraMazushi: Por um punhado de berriesHoje à(s) 12:08 ampor  Wild Ragnar[Tutorial] VincentOntem à(s) 11:57 pmpor  VincentCréditosOntem à(s) 11:36 pmpor  HooliganTutorial - HooliganOntem à(s) 11:32 pmpor  Dio1º Chapter - Wild HuntOntem à(s) 11:22 pmpor  ÀsHere Comes The SunOntem à(s) 11:14 pmpor  RavenbornDesventura na Terra dos Sonhos - Grupo 5Ontem à(s) 10:37 pmpor  Narrador De Eventos
 :: Eventos e PvP :: Eventos :: Pequeno
Página 2 de 2 Página 2 de 2 Anterior  1, 2
Narrador De Eventos
Ver perfil do usuário
Imagem : Desventura na Terra dos Sonhos - Grupo 15 - Página 2 Akhl8LC
Créditos : 00
Relembrando a primeira mensagem :


Desventura na Terra dos Sonhos



Grupo 15

“Um soar que lembrava uma flauta, aos poucos entoava uma melodia melancólica, algo que parecia até mesmo como um pedido de socorro. Ela ecoava pelos ouvidos e estremecia até os ossos.” - Durotan Almarc, Guerra no mundo dos sonhos.

Era uma sensação agonizante para aqueles que ali chegavam até abrir os olhos, o mundo havia mudado, seus ouvidos se preenchiam agora com um barulho de água corrente, mas à sua volta haviam paredes de metal. Sim, era uma pequena sala vazia, o chão era reto e liso e parecia regular. Um lugar aterrador e sombrio, uma sensação de alguém estar os observando era inquietante, mas não parecia existir ninguém além dos 3. De primeiro momento, não era possível escutar nada além das suas respirações e palpitar do coração, mas assim que se focassem seriam capazes de escutar diversos sons vindos das portas, como se fossem sussurros ou chamados.

A sua frente haviam 3 portas numeradas em algarismos romanos I,II,III, e uma incógnita se deve ou não ser aberta e se vão... qual delas abrir? Algumas pessoas estão agora ali reunidas nesse claustrofóbico ambiente, dado que o espaço é curto, medindo apenas 4 metros de largura e 10 de altura. O grupo está preso nesse local, em um clima frio. Tão frio que conseguiam ver o "fumo" saindo da sua respiração e até mesmo sentir cada parte de si começar a tremer. Era um frio tão agonizante que parecia ser impossível de se replicar.

A sensação é de que a qualquer momento podem desenvolver algum problema, talvez hipotermia, talvez alguma outra coisa. Cada porta transmitia uma sensação única: a primeira porta parecia transmitir um calor único, como se por de trás dela os aguarda-se o tão desejado calor que almejavam; a segunda porta, não sentiam nenhuma alteração de temperatura, no entanto pareciam escutar água corrente e sons de folhas abanando; por fim, a terceira porta, tinha uma aura tão fria quanto aquela sala, parecia até mesmo que estava sendo congelada nas suas extremidades. - Achem a saída... - escutavam uma voz sussurrar dentro da cabeça de cada um deles, uma voz tenebrosa e cheia de intensões malignas - Ou aceitem o vosso destino...

Regras Gerais

1- Só será usado um único atributo de suas fichas que é a Agilidade, essa com a finalidade de definir qual dos personagens agirá primeiro, tirando isso os atributos da ficha são irrelevantes para os combates e ações gerais.

2- Deve-se considerar também que os personagens possuem armas básicas de seus respectivos estilos de combate, mas todos possuem também a perícia briga, e podem utilizar suas habilidades de “Classe” que vão lhe conceder pequenos poderes/melhorias que independem de seus estilos de combate padrão.

3- Os posts devem ser realizados em um total de 48 horas após o post do narrador, caso um jogador não poste esse será pulado, e sofrerá consequências narrativas por ficar paralizado lá durante aquele post. A reincidência disso o levará a ser desqualificado do evento.

4- Se um jogador for desqualificado do evento sem uma justificativa plausível para tal, este ficará banido do próximo evento, por prejudicar seu grupo com um membro a menos dentro dos desafios.

5- O limite dos posts é de 4000 caracteres sem contar espaços, para evitar posts muito volumosos, e dificultar muito o trabalho do narrador. Caso passe desse número, tudo que passar daqui será desconsiderado.

6- A abertura das portas será definida de uma maneira aleatória. Independente da porta que os jogadores escolherem a sua frente será rolado 1d3, esse definirá qual é o destino por trás da porta que eles abriram.

7- Caso por motivos de roleplay os jogadores discutam e discordem na hora de abrir a porta a Agilidade define quem tomou a iniciativa de abrir.

8- Não podem, de maneira alguma, editar o post após ele ser postado.




Wesker
Ver perfil do usuário
Imagem : Desventura na Terra dos Sonhos - Grupo 15 - Página 2 Imagem_Icone
Créditos : 00
Espero que um evento não acabe com o fórum dessa vez






Destruir a parede claramente não era uma opção ali ou, se fosse, demandaria muito mais esforço do que poderíamos fazer em uma situação desconhecida como aquela sem nos colocar em risco. A escolha mais óbvia se tornava então achar a saída daquele labirinto, antes que o frio crescente e a névoa nos tomassem.

À medida que avançávamos era perceptível que a névoa aumentava, demonstrando que talvez estivéssemos chegando mais perto de sua origem aos poucos. Finalmente, após algum tempo de caminhada, encontrávamos uma trifurcação, com caminhos que pareciam ir para direções totalmente distintas. Meu terceiro olho, entretanto, captava algo que meus dois companheiros pareciam não perceber.

- Tem alguma coisa brilhando ali - Chamava a atenção apontando para que meus companheiros pudessem ver a direção da qual eu havia visto a luminosidade - Pode descer comigo? Precisamos verificar aquilo, pode ser uma dessas pistas! - Dizia ao outro humano, não era realmente um pedido. Esperaria que o sujeito descesse primeiro com a ajuda de Pippos, e iria em seguida. Apenas desceria sozinha se o outro parecesse realmente não ter intenções de se mover dali.


Iria então em direção a luminosidade, deixando que o outro andasse a minha frente e apenas guiando-lhe com minha voz para que o mesmo também chegasse até o local., Chegando lá, verificaria do que se tratava. Quando conseguisse saber o que era, passaria as informações verbalmente para meus companheiros, aproveitando-me disso para passar nossa localização a Pippos com o auxílio de minha voz - Agora podemos subir de novo - Diria a ele, esperando ser erguida.

Quando estivesse novamente sobre os ombros de Pippos, deixaria que o meio gigante voltasse a guiar. Deveríamos, entretanto, pensar primeiro no que a pista significava. Imaginava que seria essencial para sabermos qual daqueles três caminhos deveríamos realmente seguir.


Historico:

Posts: 3
Qualidades:
Atraente (1 ponto)

Ambidestro (1 ponto)

Impassível (1 ponto)

Prodígio (2 pontos)

Prontidão (2 pontos)

Três Olhos (Racial)

Sensibilidade (Racial)

Defeitos:
Infame, sadista, orgulhoso, vaidoso, aberração, valioso.
Considerações:

- Falas -
"Pensamentos"
Desventura na Terra dos Sonhos - Grupo 15 - Página 2 Imagem_Icone


_________________

Desventura na Terra dos Sonhos - Grupo 15 - Página 2 Sign_Bismarck_V1_-_Tamanho_certo_borda_branca
Pippos
Ver perfil do usuário
Imagem : Desventura na Terra dos Sonhos - Grupo 15 - Página 2 UMpCLB3
Créditos : 00





Qual o segundo caminho a se escolher?!
Confio na Sophia


Desventura na Terra dos Sonhos
Qualquer pessoa poderia ter notado que quebrar esses muros seria improvável, afinal, se até mesmo eu não estava conseguindo burlar essas rochas com facilidade, quem dirá meus companheiros. De qualquer modo, nós precisaríamos nos impor e sentir qual caminho seguir em meio a essa árdua situação. Quando começamos a seguir, com confiança, claro, afinal, esperava, a cada minuto, transbordar um pouco para meus companheiros. – Isso mesmo, pequena! Sou o Pippos Vitaminado! Descendente de um desejo divino! E não se preocupem, sempre estejam comigo, pois no fim da escuridão, sempre vai haver o super Pippão!Pontuei, tentando acalmá-los e manter a situação mais tranquila, afinal, estávamos dentro de um conclave gélido e bem desesperador. – Muito prazer!Finalizei quando ela me disse seu nome.

Diante de nossa caminhada e colidir com uma bifurcação tripla, lógico que entramos numa situação mais complexa, em que não sabíamos bem sobre qual caminho seguir, mas quando já estava prestes de pedir auxílio aos céus e a minha intuição sobre qual caminho seguir, a garota parecia enxergar algo que eu não tinha condições. – Brilhando?Eu não estava entendendo nada. Como que haveria algo brilhando por ali que eu não conseguia ver? A única coisa a brilhar por aqui, era eu, o radiante e impecável Pippos, mas eu não podia subestimar uma possível intuição feminina. – Vou descer vocês... Mas sempre falem gritando, para eu poder ouvi-los e caminhar em passos lentos na direção proposta.Descer agora seria uma decisão bem duvidosa, mas eu não podia ir contra o que ela dizia, pois eu ainda não havia clamado ajuda aos céus para ter certeza de qual seria o melhor a seguir, mas, como os céus já haviam colocado apenas parceiros dignos para mim, eu precisaria confiar nessa ‘brilhante’ visão, e assim desceria a jovem e o outro companheiro, caso ele concordasse com essa decisão.

Todavia, eu sabia que não poderíamos ser lentos dentro dessa situação complicada, mas, de qualquer modo, eu precisaria seguir a voz da jovem donzela com passos mais lentos, afinal, eu não tinha a intenção de pisar em qualquer um do meu referido grupo. E, agora, eu enquanto podia ver a bifurcação tripla, esperaria um sinal de Sophia, para que eu pudesse escolher qual dos três caminhos seguir, afinal, acreditava que a voz dela em um bom tom de voz, não comprometeria a minha audição para poder decidir qual seria minha escolha de caminho. Talvez até mesmo ouvir a voz do meu outro parceiro que estaria com ela.

Seguindo pelo caminho audível e apontado pela voz dela, ou de ambos, eu não pestanejaria, e, ao ouvir as vozes guias, eu também aceleraria um pouco meus passos, tendo em vista que, ao clamarem por mim, já estariam mais à frente, mas de acordo com a força da voz escutada, eu teria uma breve noção da distância entre eles e eu. Vamos lá!Analisei, mas lógico que sempre com todo o cuidado para não pisar em nenhum deles. À medida que seguia as vozes, eu saberia qual o caminho correto a se seguir entre os três antes apontados, e depois de entrar no caminho apontado pela intuição e visão além do alcance da garota, era provável que eles já estivessem bem próximos de pedir para subir novamente, então daria as passadas com muito mais cuidado.

Quando já prestigiasse a presença de ambos, logo desceria colocaria, novamente, o cabo de meu impecável martelo de combate em minha bota, para pegar os dois em cada uma das palmas de minhas mãos, onde eu desceria as mãos e esperaria que eles subissem novamente. Colocando-os em meus ombros, talvez já notasse que a névoa já haveria subido mais um pouco, agora talvez batendo na altura de minha barriga, não sabia ao certo, mas já que estava a subir, era esperado.

Seguindo pelo caminho escolhido pela perpétua visão da jovem suporte, caso eu houvesse pego ambos e colocado em meu ombro, faria questão de lançar mais um ataque à frente, tanto para fazer a névoa se dissipar e enxergar melhor o que estaria no caminho a frente como até mesmo ter uma breve chance de aquecer aquele gélido ar.

Por outro lado, caso eu seguisse o caminho o caminho audível e eu entrasse por um dos três caminhos e pudesse sentir que a força da voz estivesse diminuindo, eu gritaria: - EI! ONDE ESTÃO VOCÊS?!E caso pudesse ouvir alguma resposta que apontasse que eu estaria no caminho errado, eu faria questão de retornar para ser guiado, novamente, para o caminha certo. Como assim, ó sábio, Pippão? Simples: Há 3 entradas em uma bifurcação tripla simples. Se eu pegasse a entrada 1 e não pudesse sentir a presença nem a voz de meus companheiros em uma entonação forte, pegaria a entrada do meio. Se eu pegasse a entrada 3 e não sentisse a presença nem a voz de meus companheiros de uma forma firme, seguiria também para o caminho do meio. Agora, se eu seguisse pelo caminho central, não haveria tamanha dificuldades em saber qual seria a bifurcação correta a se seguir, de acordo com minha audição, onde eu saberia, do meio se a voz tendia a vir pela primeira ou pela terceira entrada. Tudo para depois pegar os meus companheiros, coloca-los novamente em meu ombro e utilizar um poder à frente para dar uma melhor visão e aquecer um pouco os nossos corações.


Histórico:

Informações

  • Posts: 3
  • Estilo: Duelista



Vitaminado Pippão


_________________

Desventura na Terra dos Sonhos - Grupo 15 - Página 2 7k7RaWZ

Desventura na Terra dos Sonhos - Grupo 15 - Página 2 Zx5fIGC

Narração
Pensamento
Fala

Narrador De Eventos
Ver perfil do usuário
Imagem : Desventura na Terra dos Sonhos - Grupo 15 - Página 2 Akhl8LC
Créditos : 00
Evento Pequeno


Após o desapontamento pela ideia de abrir caminho com força brua, o trio continuava seu caminho com confiança, ou talvez pressa, era difícil dizer. Era claro que ao se deparar num impasse Pippos por um instante já se preparava para tomar o rumo que o seu coração escolhesse, mas ao ouvir Sophia falando com um tom alto de voz em seu ombro, até que consideravelmente perto do ouvido do Meio Gigante, tinha sido o suficiente para para-lo e ouvir oque a pequena mulher tinha a dizer, explicando melhor a situação do pedido e apontando para a luminosidade, Pippos fazia oque tinha sido pedido ajudando Sophia a descer, a fazendo desaparecer na densa nevoa.

Antes daquilo a Mulher ainda tinha tentado convencer seu outro companheiro a segui-la para o brilho, mas o mesmo simplesmente a ignorava, ficando ali encima do ombro do Meio-Gigante como se estivesse aprofundando em pensamentos, quase como uma estatua. Mas tirando esse fato passado, quanto mais a mulher chegava na luminosidade, mais parecia que a nevoa ficava um pouco menos densa, como se oque que estivesse ali espantasse o nevoeiro.

E aquilo realmente era verdade, após dar mais alguns passos em direção a luz misteriosa, Sophia entrava num tipo de mini globo livre de nevoa, encostado na parede havia duas tochas de chama azuis presas ás grandes pedras, tais que emitiam um calor muito agradável por sinal, quase como se o frio não existisse naquela pequena cúpula segura de nevoa e também do frio amedrontador. Mas oque mais importava era oque tinha entre aquelas tochas, uma pequena placa presa a parede por pregos maiores que uma mão provavelmente.

Oque tinha em si escrito na placa eram palavras de caligrafia horrenda mas que com certo esforço era entendível, oque estava escrito era.

"A Criança acorda sempre em horários incertos, seus choros sempre que acorda são irritantes, o Jovem acorda somente a noite, o silencio que ele traz consigo é tenebroso. O Velho por outro lado acorda no meio dia, sempre quando você fala com ele o mesmo ira repetir para ter certeza que entendeu bem oque foi falado."

"Use essas informações para achar o seu caminho no labirinto, em todos os caminhos as ima-"

Após aquelas ultimas letras o espaço que a placa poderia dar já estava ocupado, provavelmente um erro de calculo na hora que a pessoa ou ser que botou aquela placa na parede para escrever. De toda forma abaixo daquele pequeno texto 6 imagens um tanto quanto mais trabalhadas do que a escrita eram possíveis de ser ver com clareza, Símbolos do Amanhecer, do Meio Dia e da Noite, e depois as 3 figuras do Bebê, qual que parecia mais uma cebola, o Jovem que no desenho era esquelético e grande, e o velho que tinha a sua corcunda muito exagerada, claramente falta de experiencia na hora de fazer aquelas 3 figuras eram o resultado daquilo.

Todavia, aquelas eram claramente uma das pistas para sair daquele gigantesco labirinto, ou pequeno, não era possível distinguir o tamanho daquela construção, agora oque faltava era entender como aquele texto e figuras poderiam ser uteis para a aventura do Trio, de toda forma Sophia dando alguns sinais sonoros facilmente fazia que Pippão achasse sua "localização" em meio ao nevoeiro, tal botando as mãos quase que encima da garota por um instante, mas felizmente deixando tais ao lado da Mulher, a fazendo subir novamente para o ombro do Meio-Gigante. Mas e agora? oque o grupo faria naquela situação? Os caminhos agora se mostravam não ser meramente caminhos, mas sim uma possivel brincadeira, ou pior, uma armadilha, qual daqueles caminhos podia ser o certo? Como a pista incompleta ajudaria o grupo? Só o tempo poderá dizer.

Thanks, Lollipop @ Sugaravatars
Wesker
Ver perfil do usuário
Imagem : Desventura na Terra dos Sonhos - Grupo 15 - Página 2 Imagem_Icone
Créditos : 00
Espero que um evento não acabe com o fórum dessa vez






- Tsc - Meu rosto não escondia meu descontentamento com o colega de grupo que parecia se recusar a contribuir. Sem paciência para esperar algum tipo de boa vontade daquele sujeito, eu simplesmente descia sozinha e ia até a fonte do brilho. Era interessante a forma como a névoa parecia se limitar à luz das tochas que ali estavam, mas isso não era a coisa mais importante naquela “cupula”.

Temos fazes da vida e fazes do dia, não é? Vamos ver o que os outros acham…” Pensava ao analisar tudo aquilo. Chamava o meio gigante em seguida, guiando-lhe até ali com minha voz. Antes de subir novamente, entretanto, decidia apostar na ideia de pegar uma daquelas tochas que pareciam estar aquecendo o lugar e afastando a névoa. Duvidava que fosse realmente funcionar, mas não custava nada tentar e era isso que eu faria.

Quando finalmente subia novamente no ombro de Pippos, contaria ao grupo tudo o que havia visto. O pequeno enigma, a pista incompleta, os desenhos, não deixaria nada de fora na explicação - Então… - Dizia a ele - O jovem tem um silêncio tenebroso e só anda a noite, não é? Quem sabe não indique o caminho do meio, mais escuro? O desenho mostrava como o único que tem uma linha reta… Poderíamos ir por ele, se concordar - Dizia a Pippos, sabendo que não adiantaria tomar aquela decisão sozinha.

De qualquer forma, ficaria para o meio gigante a palavra final visto que ele era o meio de transporte ali, apenas tentaria debater com ele sobre o caminho ideal caso o sujeito discordasse de mim. Manteria todos os meus olhos atentos ao caminho, buscando por uma nova pista ou possíveis inimigos, alertando o grupo caso fosse necessário.



Historico:

Posts: 4
Qualidades:
Atraente (1 ponto)

Ambidestro (1 ponto)

Impassível (1 ponto)

Prodígio (2 pontos)

Prontidão (2 pontos)

Três Olhos (Racial)

Sensibilidade (Racial)

Defeitos:
Infame, sadista, orgulhoso, vaidoso, aberração, valioso.
Considerações:

- Falas -
"Pensamentos"
Desventura na Terra dos Sonhos - Grupo 15 - Página 2 Imagem_Icone


_________________

Desventura na Terra dos Sonhos - Grupo 15 - Página 2 Sign_Bismarck_V1_-_Tamanho_certo_borda_branca
Pippos
Ver perfil do usuário
Imagem : Desventura na Terra dos Sonhos - Grupo 15 - Página 2 UMpCLB3
Créditos : 00





Desafio?!
Quero ir até o jovem!


Desventura na Terra dos Sonhos
O jovem em meu ombro parecia, deveras, relutante. Era estranho, eu acreditava que seríamos parte de um grupo e que todos que ali estavam ao meu lado deveriam ser dignos de merecer minha parceria divina! Mas de qualquer modo, ele aparentava ter os seus propósitos. – Ei, garoto! Você não está colaborando muito, mas espero que, ao menos seja útil!Pontuei. Com a volta da bela Sophia, eu não demorei para descer minha mão e novamente dar-lhe espaço para subi-la novamente. Ela parecia ter informações um tanto quanto fundamentais e, quem sabe, muito úteis. Que garota brilhante! Ela parecia analisar bem todos os pontos e repassar para mim de maneira astuta e bem trabalhada.

De qualquer forma, entre todas as informações que ela leu e citou para mim, em uma análise básica, tudo fazia sentido, e, em uma análise física, o caminho do meio tendia a ser o mais sensato a se seguir para evitar atrasos dentro deste estabelecimento. Mesmo depois de toda a teoria esbelta e radiante sobre ser o caminho mais curto e que, por isso, o jovem sequer precisaria falar, eu ainda estava ciente de que era provável que, em algum momento tivéssemos que entrar numa luta, mas não seja por isso, eu não gostaria de enfrentar nem um bebê, nem um velho, mas sim um oponente digno! Tudo bem que, pela forma que ela disse, um ‘magrelo’ não daria nem para o cheiro, tendo convicção de que eu sou o Super Pippão, fruto de uma vontade divina e futuro ser mais forte desse planeta! Mas faz muito sentido ser um caminho tão curto que o jovem silencioso sequer precisaria falar alguma coisa até nossa chegada à saída.Analisei precisamente.

VITATATATA! Você é muito inteligente, pequenina! Precisamos nos unir e superar esse desafio juntos! Conto com vocês. Vamos pelo caminho do meio!Por todas as visões e análises o caminho do meio parecia ser o mais sensato a se seguir. Os caminhos laterais pareciam fazer curvas muito acentuadas, o que talvez nos fizesse ter que dar voltas por dentro desse labirinto problemático. A cada fala e até mesmo respiração, podia-se ver claramente o ar ofegante e caloroso saindo de meus belos lábios. O frio que parecia se acentuar a cada minuto que se passava era bem problemático. – Vamos nessa!Exaltei. Eu era as pernas e o corpo de todos dentro desse caminho problemático. Seguindo retilineamente, alvejaria analisar bem o quão alto ainda estaria a névoa, ou se, por algum motivo ela já houvesse se dissipado.

Em minha acentuada estatura, eu esperava poder analisar bem, seguindo de forma reta, se conseguiria visualizar algum ser inusitado, ou um ‘bebê cebola’, ou um ‘magrelo alto’ ou quem sabe, um ‘velho, esquisitamente, muito corcunda’. Claro que esperávamos encontrar o tal jovem, e, até mesmo por achar que ele não fosse me responder nada por ser aparentemente silencioso. De qualquer maneira, independente do que encontrássemos à frente, eu faria questão de questioná-lo: – Ei, qual o caminho para sair daqui?!Questionaria fortemente em uma análise lógica, se fosse o bebê, começaria a chorar. Caso fosse o jovem, permaneceria calado, e talvez nos guiasse pelo labirinto. Se fosse o velho corcunda, provavelmente iria responder duas vezes de forma bem clara.

Caso eu pudesse notar alguma intenção agressiva, proveniente de qualquer um que aparecesse a nossa frente, se é que iria aparecer, eu faria questão de girar bem minha sagaz marreta para logo lançar uma rajada de ataque para tentar ir contra o ataque e me dando um leve espaço de tempo para reagir e começar a correr ainda retilineamente para frente, ou seguindo alguma instrução que me fosse dada depois de minha pergunta.


Histórico:

Informações

  • Posts: 4
  • Estilo: Duelista



Vitaminado Pippão


_________________

Desventura na Terra dos Sonhos - Grupo 15 - Página 2 7k7RaWZ

Desventura na Terra dos Sonhos - Grupo 15 - Página 2 Zx5fIGC

Narração
Pensamento
Fala

Narrador De Eventos
Ver perfil do usuário
Imagem : Desventura na Terra dos Sonhos - Grupo 15 - Página 2 Akhl8LC
Créditos : 00
Evento Pequeno



Sophia antes de retornar ao grupo fazia o mero esforço de arrancar uma das tochas da parede, mas tal ficava ali presa ainda, firme como uma montanha, um problema claramente já que não poderia trazer aquela fonte de calor e repelente de nevoa junto ao grupo. Todavia a Garota voltava para a companhia de seu grupo, mas um fato interessante antes de Sophia repassar todas as informações era que. O Homem que antes estava no ombro de Pippos estava totalmente congelado, envolta de um gelo denso e transparente, e como se aquilo não fosse o suficiente com o mero movimento do Meio-Gigante o Gelo escorregava do ombro de Pippão e caia com tudo no chão, perdido na névoa e deixando somente o som do gelo quebrado, e talvez algo além do gelo, provavelmente o Jovem, e como ele tinha congelado tão rápido? Era difícil dizer, mas vivo ele não estava mais.

Mesmo com aquela perda Sophia repassava a informação da placa na parede para o seu ultimo companheiro, depois disso tentava deduzir o caminho mais sensato a se escolher considerando a pista, se aquela era a dedução certa era impossível de se afirmar, mas era melhor do que simplesmente seguir a intuição, além da Garota ser Elogiada por sua dedução, a agora não Trio, mas sim Dupla, continuava rumo ao caminho do meio acreditando fielmente que aquele era o caminho certo, quanto mais passos davam, mais escuro e alto a nevoa ficava, mas diferentes de antes um forte eco era possível se escutar, dando para ouvir perfeitamente os passos do Meio-Gigante, e além daquele eco tão alto, a visão decaia a um nível desagradável até mesmo para a altura que eles estavam, não dando para ver nem 5 metros a sua frente, seria aquele o caminho certo? Ou o Errado? talvez a dupla descobrisse mais para frente, mas era certo que teriam problemas de avistar qualquer ser vivo, se realmente existisse um, que estivesse em seu caminho, tendo até mesmo a chance do Grande Pippão pisoteá-lo sem querer.

Mas saindo daquele nevoeiro de duvidas e entrando num nevoeiro de verdade e frio, o grupo se dava agora para dois caminhos a se escolher, um para esquerda e outro para Direita, a nevoa não dava muito a chance de se ver muita coisa, então se algum daqueles caminhos tinha algo neles ou se davam curvas ou iam reto era difícil de se dizer, mas uma coisa que era claro de se perceber ao menos para Pippão era que seu pé tinha batido em alguma coisa que estava entre aqueles dois caminhos, e aquilo não era pequeno, já que claramente quase tinha feito o Grande Homem tropeçar, fazendo Sophia correr o risco de cair e dar de cara no chão, encontrando o mesmo final que o seu Ex-companheiro morto, mas felizmente ela conseguiu se manter no Ombro, Mas voltando sobre o objeto misterioso que o Meio-Gigante teve o desprazer de tropeçar, oque causou certa dor ao pé, estava provavelmente quebrado julgando o som do eco de algo pesado caindo no chão.

Mas um fato engraçado era que o Eco só se estendia para o lado esquerdo, que continuava com a mesma sonoridade, mas enquanto isso o Lado direito parecia claramente mais baixo o Eco, mas oque será que aquilo significava? Oque será que Pippos tinha acabado de quebrar? Era difícil de se imaginar, e além do mais agora com a nevoa tendo tomado Pippos por inteiro o frio estava pior, para Pippos já que era um ser Grande claramente seu corpo conseguia dispersar mais o frio para partes do corpo, mas para a Sophia que ainda tinha uma estatura normal sofria de uma tremedeira ainda não preocupante.

Estava ficando obvio que o Meio Gigante iria resistir por mais tempo ao frio, enquanto a Garota não teria tanta sorte, mas ela estaria num estado muito mais pior se a mesma não tivesse se aquecido brevemente na segurança daquelas tochas azuis, oque a fez ficar com a sua temperatura normalizada por alguns instantes. Assim estava a situação da Dupla, se eles não saíssem daquela nevoa densa Sophia não resistiria por muito tempo contra o frio, talvez voltar fosse uma opção, ou torcer que a nevoa fosse diminuir igual como ela aumentou.



Thanks, Lollipop @ Sugaravatars
Pippos
Ver perfil do usuário
Imagem : Desventura na Terra dos Sonhos - Grupo 15 - Página 2 UMpCLB3
Créditos : 00





Escolha decidida!
Análise de um determinado Pippão


Desventura na Terra dos Sonhos
Estava claro de que a nossa situação havia chegado em um nível desesperador! Pelo visto, os Deuses pareciam estar me testando, junto com a pequenina em meu ombro, pois o terceiro não havia, sequer, realizado qualquer tipo de ajuda, e, como num simples toque, tornou-se uma pedra de gelo que não demorou para se partir em uma queda no solo. Os sinais eram claros. O congelamento seria o nosso fim se não saíssemos desse labirinto o quanto antes. Diante de nossa frente, tínhamos agora dois caminhos, esquerda ou direita. Lógico que estaríamos diante de mais um desafio, mas precisávamos utilizar de todo o nosso conhecimento, além das dicas que supostamente havíamos adquirido.

Diante de alguma coisa dura no chão à minha frente, e quase derrubei a Sophie, fazendo-a ir de encontro com aquele ‘Zé’ que se espatifou no chão e ficou em pedacinhos. – Ops!Gritei, logo deixando claro que havia sido um acidente tudo isso que acabara de acontecer. – Mas que merda! O que é que deixaram assim jogado no chão?!Expressei minha fúria, logo depois da problemática tropeçada. Mas voltando ao fato de que agora estávamos diante de mais uma nova bifurcação, era notável que, mediante nossas falas e meus berros, o eco tendia a vir fortemente do caminho à esquerda. O da direita vinha fraco e quase não audível. Hmm... então quer dizer que, mais uma vez esse lugar está querendo me testar. VITATATATA! Mal o labirinto sabe que eu até tenho alguns bons estudos sobre física em minha vida, devido a todo o meu conhecimento no trabalho com forja!Pensei rapidamente, enquanto tentei abrir de leve um sorriso em meu rosto, tudo bem que ninguém teria condições de enxergar, mas minha confiança era o que importava.

Tentaria segurar nas pernas da pequenina para tentar aquecê-la um pouco, pois talvez já fosse perceptível o frio a mesma estava a ter, e também para senti-la de uma melhor maneira. – Sophie, eu preciso te falar uma coisa, você confiaria sua vida a mim? Pois tudo parece apontar para o caminho do eco, mas eu tenho muito convicção de deveríamos escolher o outro caminho, o com eco mais baixo.Pontuava. Sim, era evidente que eu poderia estar muito errado, ou talvez não, e eu estava disposto a apostar tudo nisso, dentro de meus conhecimentos em física e nas ondas de propagação. Em primeiro lugar, eu tentaria descer a mão que antes havia tocado na Sophie para tentar ter certeza no que eu havia tropeçado, sim, era algo duro, mas que poderia não ser tão pesado, e, neste caso, logo pegaria com minha mão esquerda, pois poderia ser algo útil, quem sabe alguma ajuda dentro do labirinto.

Em meus remotos conhecimentos de física e de muito efetuar o choque do martelo contra o metal, eu tive um bom aprendizado sobre ondas e a refração do som. Dentro disso, eu pude entender que para acontecer o eco, havia a necessidade de uma distância grande, talvez de até três vezes de todo o meu grandioso tamanho em um espaço fechado e não tínhamos muito tempo para perder dentro deste gélido espaço, para que o som fosse rebatido e regressasse. Talvez queria dizer até mesmo que fosse um caminho fechado. Por outro lado, existe o eco e a reverberação. Mas como assim, Pippão, o que é isso? Eu impecavelmente explico, VITATA. É o som ir e voltar tão rápido que a gente sequer conseguiria ouvir tão bem. Quer dizer que o som retornaria tão rápido que até mesmo seria confundido com o som da minha fala. – Se você quiser confiar em mim, iremos pelo caminho sem eco! Caso contrário, me fale e eu a desço para que possa seguir sua escolha.Terminaria minha fala com astúcia e convicção. Já pronto para seguir o caminho de minha escolha. E executaria um rápido golpe para soltar um poder e iluminar o caminho escolhido, além de poder aquecer um pouco o espaço que nos acobertava.



Histórico:

Informações

  • Posts: 5
  • Estilo: Duelista



Vitaminado Pippão


_________________

Desventura na Terra dos Sonhos - Grupo 15 - Página 2 7k7RaWZ

Desventura na Terra dos Sonhos - Grupo 15 - Página 2 Zx5fIGC

Narração
Pensamento
Fala

Wesker
Ver perfil do usuário
Imagem : Desventura na Terra dos Sonhos - Grupo 15 - Página 2 Imagem_Icone
Créditos : 00
Espero que um evento não acabe com o fórum dessa vez






A falta de resposta do terceiro sujeito parecia se explicar quando eu retornava para o ombro de Pippos apenas a tempo de encontrá-lo totalmente congelado pouco antes de cair ao chão e se quebrar em pedaços. Havia sido inútil, do início ao fim. O máximo que servira era para mostrar o que aconteceria se ficássemos ali por muito tempo.

Não havia tempo e nem necessidade de luto pelo sujeito. Eu explicava para o meio-gigante o que havia visto e a minha teoria e ele logo mostrava concordar com isso e seguir comigo pelo caminho do meio. Após algum tempo em uma escuridão ainda maior, nos encontrávamos em outra bifurcação. Dessa vez apenas dois caminhos a nossa frente e algo duro no qual Pippos acabava por tropeçar.

Os tremores de frio do meu corpo deixavam claro a urgência da situação e, por isso mesmo, eu sabia que precisaria pensar rápido ali para resolver a questão. Era uma surpresa ouvir a fala de Pippos e perceber a convicção em meu olhar. Podia ser o frio afetando minha mente, mas aquele sujeito talvez não fosse um mero brutamontes afinal de contas.

Sabendo que não poderia perder muito tempo ali, respondia - Minha melhor aposta é continuarmos juntos. Seguirei a sua convicção, espero que tenha alguma lógica por trás disso - Dizia com seriedade demonstrando um raro voto de confiança. Prestando atenção ao caminho, usaria meus poderes para dar mais força ao meio gigante caso ele parecesse querer fazer algum esforço físico, como ao tentar levantar do chão a coisa em que havia tropeçado. No mais, apenas seguiria observando o caminho de cima do ombro do meio-gigante.



Historico:

Posts: 5
Qualidades:
Atraente (1 ponto)

Ambidestro (1 ponto)

Impassível (1 ponto)

Prodígio (2 pontos)

Prontidão (2 pontos)

Três Olhos (Racial)

Sensibilidade (Racial)

Defeitos:
Infame, sadista, orgulhoso, vaidoso, aberração, valioso.
Considerações:

- Falas -
"Pensamentos"
Desventura na Terra dos Sonhos - Grupo 15 - Página 2 Imagem_Icone


_________________

Desventura na Terra dos Sonhos - Grupo 15 - Página 2 Sign_Bismarck_V1_-_Tamanho_certo_borda_branca